Por Edição MMA Brasil | 27/08/2021 15:07

O UFC retorna ao habitual local de refúgio durante a pandemia para os eventos em formato de fight night para realizar mais um deles. Trata-se do UFC Vegas 35, sediado diretamente do UFC Apex em Las Vegas, Nevada (EUA).

Na luta principal da noite, o brasileiro Edson Barboza segue sua escalada no ranking da categoria dos penas, mas agora terá um dos duelos mais perigosos desde que decidiu descer para a categoria. Ele irá enfrentar o perigoso kickboxer Giga Chikadze, que vem limpando a divisão e, enfim, chegou ao top 10 da faixa de peso.

+ Michael Chandler recusa vacina contra Covid-19 e luta contra Justin Gaethje no UFC 268 vira dúvida

Depois de um ano e meio longe do octógono por conta de lesões, o experiente Kevin Lee está de volta ao UFC e retoma sua carreira na categoria dos meio-médios. O “Motown Phenom” terá pela frente o badalado Daniel Rodriguez, que venceu cinco de suas seis lutas no UFC e busca alçar voos maiores na organização.

+ Apoie o jornalismo independente e seja colaborador do MMA Brasil

Por fim, o card principal do UFC Vegas 35 traz um intrigante duelo na categoria dos médios que promete ser bem movimentado. Nome carimbado da divisão, o wrestler Gerald Meerschaert tenta somar sua segunda vitória consecutiva contra o uzbeque Makhmud Muradov, que já venceu suas três lutas no UFC e mira uma vaga no ranking da divisão.

O UFC Vegas 35 será realizado neste sábado (29) e tem previsão de iniciar às 20:00h pelo horário oficial de Brasília. O evento terá transmissão exclusiva do Canal Combate no Brasil, que exibe as duas primeiras lutas do card preliminar em suas redes sociais.

Peso galo: 9# Edson Barboza (BRA) vs. 10# Giga Chikadze (GEO)

Por Rodrigo Rojas

A descida de Edson Barboza para a categoria dos penas não foi vista com bons olhos pela maioria dos fãs. O brasileiro, que já tinha um físico forte e seco, era um peso leve bastante grande e suscitou dúvidas sobre um corte de peso ainda mais agressivo. Porém, desde que desceu para os 66kg, perdeu uma decisão extremamente contestada para Dan Ige e venceu com facilidade os prospectos Makwan Amirkhani e Shane Burgos – o último, com um dos nocautes mais brutais do ano.

Edson sempre teve um teto bastante claro na carreira: ele é um dos melhores strikers do UFC, mas perde para wrestlers de elite ou boxeadores que saibam aplicar pressão constante. Seus chutes são análogos ao de um José Aldo no auge, sendo o único lutador a acumular nocautes com chutes em todos os níveis (pernas, tronco e cabeça), incluindo o belíssimo chute rodado que aplicou em Terry Etim. O timing e a explosão muscular também são diferenciais impressionantes. Ao longo do tempo, Edson melhorou o boxe e vem aplicando mais combinações de socos, como mostrou na última aparição. O queixo nunca foi dos melhores, assim como a defesa de quedas e o grappling em geral, mas a movimentação já melhorou significativamente, apesar de ainda ser um ponto fraco.

Giga Chikadze é dos principais kickboxers a migrar para o MMA e vem demonstrando cada vez mais talento para as artes marciais mistas. Depois de quatro atuações não tão inspiradas contra lutadores de baixo nível no UFC, Giga se destacou com um chute na cabeça sobre Jamey Simmons e, mais recentemente, ao demolir Cub Swanson com um chute no corpo.

O georgiano não nega o background na luta em pé, usando muitas fintas e movimentação para acertar lindas combinações de socos e chutes. A imprevisibilidade e precisão dos golpes são o que mais impressiona, e tornam encontrá-lo no octógono uma missão das mais ingratas. Ainda em adaptação para o novo esporte, Chikadze fica bastante exposto à quedas, principalmente por se estender muito nas combinações de golpes, mas a evolução a cada luta é evidente.

Edson Barboza vs Giga Chikadze odds - BestFightOdds

Esse confronto deve ser praticamente uma luta de kickboxing dentro do octógono. Giga é mais técnico por ter passado mais tempo na trocação pura mas Edson é mais forte e explosivo e muito mais adaptado ao esporte. Esta deve ser uma das pouquíssimas vezes em que Barboza enfrenta um striker mais técnico do que ele mas, nesse sábado, ele deve ter o grappling na manga. Por isso, esperem uma luta muito competitiva, com bons momentos dos dois lados, Edson acertando os golpes mais fortes e Giga com mais volume, além das quedas por parte do brasileiro. A aposta fica em uma vitória de Edson por decisão apertada.

Peso meio-médio: Kevin Lee (EUA) vs. Daniel Rodriguez (EUA)

Por Rodrigo Rojas

Kevin Lee surgiu como um dos prospectos mais interessantes na disputada categoria dos leves. A personalidade extravagante e o estilo de luta o conduziram a uma disputa de cinturão interino contra Tony Ferguson, em que teve bons momentos, antes de ser finalizado com um triângulo. O fenômeno de Motown tem vitórias importantes sobre Michel Trator, Jake Matthews, Francisco Massaranduba, Magomed Mustafaev, Michael Chiesa, Edson Barboza e, mais recentemente, um dos nocautes mais brutais que já vi para cima de Gregor Gillespie. No entanto, uma série de contratempos, entre lesões e problemas com o peso, acabaram com o seu hype, ainda que esteja com apenas 28 anos.

Wrestler de origem, Lee é um grappler na essência, mas vem buscando se tornar um artista marcial completo e tendo cada vez mais êxito. Nessa trajetória, passou por algumas das principais academias do mundo, como a Xtreme Couture e a Tristar Gym – casa de Georges St. Pierre. Com os anos de wrestling, Kevin desenvolveu excelentes double legs reativos, além de um bom chain wrestling e quedas explosivas partindo do bodylock. No chão, tem exímio talento para chegar às costas, de onde consegue a maior parte de suas interrupções. O ground and pound também é potente e já levou a interrupções, mas serve primariamente para abrir caminho para finalizações. Na Tristar, desenvolveu boas fintas e um jab competente, que usa como setup para os cruzados mais fortes e, principalmente, para bons chutes altos. O principal ponto fraco é, de longe, o condicionamento – responsável pela maior parte de suas derrotas. As falhas defensivas que o assolavam no passado vêm sendo corrigidas paulatinamente, e, hoje, Lee já pode ser considerado um lutador de elite em todas as áreas.

Se Lee chegou no UFC com pinta de futuro campeão, o mesmo não pode ser dito de Daniel Rodriguez. O D-Rod apareceu no Contender Series, mas não impressionou, e teve que fazer mais uma luta antes de receber o chamado da maior organização do mundo. Na estreia, passou por uma guerra contra Tim Means, faturando o bônus de perfomance da noite e dando a tônica de toda a sua carreira.

Rodriguez é um lutador de ação – essencialmente, um brawler das antigas, muito resistente, com poder de nocaute e tendência a entrar em brigas tresloucadas. Em boa parte de suas atuações, recebe knockdowns antes de se recuperar e finalizar o oponente. Contra Mike Perry, mostrou certa evolução com bons socos retos, movimentação e um jab educado. Muito forte para a categoria, D-Rod gosta de trocar ganchos no pocket, onde se expõe muito, sendo extremamente vulnerável a lutadores mais técnicos e mais rápidos – como é o caso de Lee.

Daniel Rodriguez vs Kevin Lee odds - BestFightOdds

Kevin Lee é bastante favorito, e não à toa. Ainda que seja fisicamente menor e esteja em má fase, Lee é o lutador mais técnico em todos os âmbitos – e por larga margem. Fosse uma luta de cinco rounds, o condicionamento poderia ser um problema, como é a tendência a entrar em brigas sem sentido. Porém, Lee parece focado, e tem todas as armas para vencer tanto em pé quanto no chão. A aposta aqui é em Kevin Lee por finalização no segundo round na luta coprincipal do UFC Vegas 35.

Peso médio: Makhmud Muradov (UZB) vs. Gerald Meerschaert (EUA)

Por Israel Silveira

No auge de uma excelente sequência de 14 vitórias, Makhmud Muradov (25-6 no MMA, 3-0 no UFC) é um dos nomes mais quentes da categoria dos médios na atualidade. Veterano de eventos europeus, Muradov vem limpando o chão com todos os seus adversários, incluindo o veterano brasileiro Alberto Uda, Trevor Smith e Andrew Sanchez.

Dono de um jab bastante pontiagudo, Muradov combina bastante potência com um jogo sólido de boxe, pressão e velocidade, peculiar de lutadores do leste europeu. O atleta uzbeque vem dando certo azar entre lesões e também por conta da pandemia, problemas que o afastaram do octógono por mais de um ano entre 2019 e 2021. No entanto, Makhmud é um lutador bastante alto: 1,88 de altura e 1,92 de envergadura, fazendo dele uma verdadeira ameaça nos 84kg.

Gerald Meerschaert (32-14 no MMA, 7-6 no UFC) se acomodou com a posição de porteiro na divisão dos médios. O “GM3” serviu como porteiro para diversos bons nomes na divisão dos médios: Chimaev, Heinisch, Eryk Anders, Kevin Holland, Jack Hermansson, Deron Winn e Thiago Marreta. É bem verdade que ele foi aniquilado pela grande maioria dos citados, mas está claro que o UFC o considera como um bom teste para lutadores em ascensão, que é o caso do próximo adversário.

Meerschaert é um grappler razoável e faixa preta de jiu-jítsu. No entanto, o americano sofre de muitas deficiências defensivas em pé e pouquíssima velocidade. Todos os lutadores que decidiram trocar com Gerald tiveram algum sucesso, enquanto os que tentaram levá-lo para o chão tiveram um nível considerável de dificuldade ao realizar a missão.

Gerald Meerschaert vs Makhmud Muradov odds - BestFightOdds

A luta é um claro teste para que a organização saiba onde se encontra Muradov em termos de nível de competição. O Uzbeque até aqui vem lutando muito bem em pé, porém ainda não enfrentou um grappler razoável como Meerschaert. No entanto o próprio Meerschaert nunca foi muito eficiente em levar lutadores para o chão e Makhmud até aqui está com 100% de defesas de quedas. Em pé, a luta é um completo mismatch a favor do uzbeque, dada sua pressão e potência. A aposta vai para europeu por nocaute ainda no primeiro round na luta que abre o card principal do UFC Vegas 35.