Por Rodrigo Rojas | 16/04/2021 13:41

Na sequência de mais um evento em Vegas, o UFC realiza a 24ª edição do UFC Vegas nesse sábado, na sua sede. O evento inicia às 20h, horário de Brasília.

A luta principal será o duelo entre os pesos médios Robert Whittaker e Kelvin Gastelum. Uma vitória de Whittaker pode levá-lo para disputar o cinturão. O embate será precedido por Jeremy Stephens contra Drakkar Klose no peso leve. Completam o card: Andrei Arlovski vs. Chase Sherman (pesado), Abdul Razak Alhassan vs. Jacob Malkoun (médio) e Luis Peña vs. Alexander Munoz (leve). Confira agora as prévias das principais lutas do evento.

Peso Médio: #1 Robert Whittaker (AUS) vs. #8 Kelvin Gastelum (EUA)

O ex-campeão Robert Whittaker (22-5 no MMA; 13-3 no UFC) trilha mais um passo rumo à revanche pelo cinturão, três lutas após perder o posto para Israel Adesanya. Antes da derrota para o campeão, Rob estava invicto entre os médios, com vitórias sobre nomes renomados como Uriah Hall, Derek Brunson, Ronaldo Jacaré e Yoel Romero, em duas das lutas mais brutais da categoria. No UFC 243, acabou nocauteado por Adesanya, o striker superior, mas recuperou-se ao vencer Darren Till e Jared Cannonier. Vencendo no próximo sábado, Whittaker merecerá indubitavelmente uma nova chance pela cinta. 

Com base no karate e hapkido, o australiano é um dos melhores strikers da categoria, quiçá de todo o UFC. Com movimentação brilhante e estratégica, combinações quase perfeitas de chutes e socos e um sistema defensivo excelente, “Bobby Knuckles” só foi superado em pé pelos fenômenos Stephen Thompson e Israel Adesanya. Nas duas lutas com Romero, mostrou resistência sobrehumana, com enorme capacidade de aguentar castigo e superar adversidades. 

Não bastasse a proeza na luta em pé, Whittaker foi campeão em diversos campeonatos de wrestling em seu país natal, e conta com boas quedas e um dos melhores sistemas de grappling defensivo em todo o MMA, sendo virtualmente impossível grudá-lo no tablado. Além disso, ostenta a faixa preta de jiu-jitsu, graduado por Alex Prates e Lucas Sachs. 

Quando despontou como campeão do TUF 17, superando Uriah Hall, Kelvin Gastelum (16-6 no MMA; 11-6 no UFC) imediatamente colocou-se como um grande prospecto na categoria dos meio-médios. Porém, os problemas com a balança forçaram-no a subir para os médios, onde sofre com a baixa estatura e a diferença de força perante os adversários. Após vitórias importantes sobre Michael Bisping e Ronaldo Jacaré, foi agraciado com uma disputa pelo cinturão interino contra Israel Adesanya, onde entregou uma das melhores lutas de todos os tempos. A derrota, porém, parece ter abalado a confiança do americano, que teve perfomances sofríveis desde então. Perdeu para Darren Till e foi finalizado com facilidade por Jack Hermansson. Voltou a coluna das vitórias ao superar – com dificuldade – Ian Heinisch. 

Wrestler de origem, Gastelum tem um jogo excelente de grappling por cima, com boas transições, ground and pound potente e facilidade de chegar às costas e encaixar estrangulamentos. Treinando com Rafael Cordeiro, desenvolveu um jogo em pé de elite, suficiente para não depender mais das quedas. Além disso, tem mão muito pesada para a categoria, e queixo suficiente para nunca ter sido nocauteado, apesar de já ter enfrentado alguns dos strikers mais eficientes da categoria. 

Kelvin Gastelum vs Robert Whittaker odds - BestFightOdds

O main event de sábado tem um favorito bastante claro – e não à toa. Nas CNTP, Whittaker seria favorito devido ao arcabouço técnico mais avançado, ao maior atleticismo e tamanho mais adequado para a categoria e, principalmente, ao casamento de estilos. Adicione-se à isso a má fase que Gastelum enfrenta e o fato de ter aceitado a luta em cima da hora, e o provável vencedor parece ainda mais claro. O australiano conta com muito mais armas em pé, é mais veloz e tem queixo para aguentar o poder de nocaute do americano. Além disso, seu jogo de anti-wrestling é impecável, perfeito para evitar a luta agarrada do adversário. Rob deve acertar as melhores combinações, causando mais dano em pé e evitando as quedas, fazendo o suficiente para garantir uma decisão confortável. 

Peso leve: (EUA) Jeremy Stephens vs. Drakkar Klose (EUA)

Jeremy “Lil Heaten” Stephens (28-18, 1NC no MMA; 15-17 no UFC) é um dos porteiros mais divertidos do UFC. O veterano americano teve sua carreira marcada pela inconstância, vencendo nomes como Rafael dos Anjos, Renan Barão, Darren Elkins, Gilbert Melendez, Doo Ho Choi e Josh Emmett, mas perdendo sempre que enfrentava o topo da divisão. Agora, o companheiro de Dominick Cruz enfrenta uma sequência de quatro derrotas – para José Aldo, Zabit Magomedsharipov, Yair Rodriguez e Calvin Kattar, a última por nocaute brutal.

O apelido de “pequeno esquentadinho” é muito propício para o peso pena, que já foi preso no dia de uma luta e tem um estilo de “matar ou morrer” dentro do octógono. Muito grande para a categoria, Stephens é um trocador nato, jogando todos os seus golpes com intenção de nocautear, contando com um bom timing para acertar toda sorte de golpes, incluindo as famosas combinações de uppercuts e cruzados, chutes altos, joelhadas voadoras e violentas cotoveladas. Jeremy tem seus melhores momentos quando consegue atrair os oponentes para o pocket, onde tem facilidade para acertar os queixos alheios. Com esse estilo, conquistou 19 nocautes na carreira e 10 bônus pós luta, apesar das 17 derrotas.

Stephens sofre quando não consegue atrair seus oponentes para a curta distância, sendo dominado por kickboxers com alguma movimentação e velocidade e também por grapplers que conseguem mesclar as ações dentro do octógono. Com 34 anos, Lil Heathen está em uma fase péssima da carreira, já que não vence desde fevereiro de 2018. Além disso, foi nocauteado brutalmente na última aparição e já mostra sinais de declínio físico.

Drakkar Klose (11-2-1 no MMA; 5-2 no UFC) veio de uma boa carreira no cenário regional, conquistando vitórias em eventos de bom nível como a WFF, RFA e Tachi Palace Fights. No UFC, venceu Devin Powell e, então, ganhou notoriedade ao superar o prospecto Mark Diakiese. Acabou derrotado por David Teymur, emendou três importantes vitórias sobre Lando Vannata, Bobby Green e Christos Giagos. Mais recentemente, fez uma luta insana contra Beneil Dariush, onde chegou muito perto da vitória até que acabou nocauteado brutalmente. 

O jogo de Klose é o clássico da escola americana: wrestling potente e boxe básico. Seu estilo de luta é baseado em pressão, pressão e mais pressão. Drakkar abafa os oponentes ao andar incansavelmente para frente, avançando com socos com o objetivo de levar a luta para a grade e conseguir a queda. Apesar da intensidade impressa nas lutas, o poder de definição de Klose é relativamente baixo, dado que ainda não conquistou nenhuma interrupção no UFC. 

Drakkar sofre especialmente contra lutadores que evitam sua pressão com movimentação e contragolpes, ainda mais quando sabem lutar andando para trás, evitando o avanço linear. 


Drakkar Klose vs Jeremy Stephens odds - BestFightOdds

Fosse essa luta três ou quatro anos atrás, Stephens seria o favorito. Seu poder de nocaute e habilidade na trocação na curta distância seriam um excelente antídoto para a pressão constante de Klose. Porém, apesar da idade parecida, Drakkar está muito mais inteiro do que adversário, já que tem muito menos experiência dentro do cage. Por isso, apostaremos em uma vitória por decisão apertada de Close, exercendo pressão contra a grade e aplicando quedas. Mas não se surpreendam se Stephens conseguir um nocaute brutal em uma troca de golpes no pocket. 

Peso Pesado: (BIE) Andrei Arlovski vs (EUA) Chase Sherman


Por incrível que pareça, o lendário Andrei Arlovski (30-20, 2NC no MMA; 19-14 no UFC) se apresenta mais uma vez em sua eterna hora extra dentro do UFC. O ex-campeão dos pesados e futuro hall da fama vem cumprindo um papel de porteiro da categoria desde 2016, quando sua ressurgência foi interrompida por Stipe Miocic e devidamente enterrada por Alistair Overeem, Josh Barnett, Francis Ngannou e Marcin Tybura (!). Desde então, ele vem sendo casado contra potenciais prospectos, servindo como linha de corte para quem quer atingir o topo da categoria.

Com base no sambô, o bielorusso esqueceu de sua habilidade na luta agarrada há um bom tempo. Nos últimos anos, vem utilizando um kickboxing mais pragmático, com uma estratégia clara traçada por Greg Jackson para não ser nocauteado. O Pitbull atua se movimentando relativamente bem para alguém de sua categoria e idade, usando combinações de golpes esparsas para pontuar, buscando jogar no contragolpe. Além disso, tem predileção pela luta no clinch, onde consegue travar os oponentes e, eventualmente, arranjar alguma queda. Seu queixo é um dos mais reprovados da história do esporte, mas tem sido bem escondido com o jogo estratégico. O condicionamento físico também pode ser um problema, dada a idade e os anos de lutas nas costas, além do fato de ser um peso pesado.

Chase Sherman (15-6 no MMA; 3-5 no UFC) mostrou algum nível de talento em sua primeira passagem pelo UFC, mas acabou demitido com um cartel de 2-5 na organização. Desde então, emendou uma trinca de vitórias fora da empresa, além de um excelente* retrospecto de 1-1-1 no Bareknuckle Boxing, chegando a conquistar o cinturão do Bare Knuckle FC (risos), que acabou perdendo para Joey Beltran (risos novamente).

Sherman é um striker divertido, com base no muay thai. Ele é um dos raros pesos pesados a utilizar algo além de socos. Ele implementa bons chutes baixos, cotoveladas e joelhadas no clinch no seu jogo. Além disso, é relativamente atlético e ágil para a desastrosa categoria. Em contraponto, apresenta erros grotescos no sistema defensivo, o que é sempre um problema quando se enfrenta adversários de 120kg.

Andrei Arlovski vs Chase Sherman odds - BestFightOdds

Esse combate é a cara do peso pesado do UFC (fora do top 5). Arlovski é obviamente mais técnico e experiente, e tem as armas para superar um lutador fraco tecnicamente como Sherman. Mas o veterano, além de já estar decrépito, pegou a luta de última hora. A luta tem dois cenários possíveis: um nocaute brutal de qualquer um dos lados ou uma luta horrorosa com Arlovski tentando se preservar e Sherman com medo de pressionar. Aposto na segunda opção. Quem vai vencer? Sei lá. Para não ficar em cima do muro, apostaremos em Andrei Arlovski barrando mais um prospecto em uma luta modorrenta.

* Nota do editor: risos. Todos os outros risos são do autor das prévias. Das quais eu também compartilhei.