Por Edição MMA Brasil | 10/04/2021 12:34

Em um horário bastante incomum, o UFC retorna após uma semana de hiato para realizar mais um evento no ano de 2021. Trata-se do UFC Vegas 23, que será realizado no UFC Apex em Las Vegas, Nevada (EUA).

Na luta principal do evento, o italiano Marvin Vettori sonha com uma disputa de cinturão no futuro depois de ter impressionado a categoria com sua evolução. No entanto, ele terá que superar o duro Kevin Holland, que engatou cinco vitórias em 2020 e quer voltar a vencer no octógono.

Outra luta de grande prestígio no card é o confronto entre duas das principais atletas do peso palha. Depois de dois anos afastada do octógono, Nina Nunes, esposa de Amanda Nunes que agora adotou seu sobrenome, retorna para enfrentar a compatriota Mackenzie Dern em um duelo de três rounds.

O UFC Vegas 23 será realizado neste sábado (10) e terá transmissão exclusiva do Canal Combate. O card preliminar irá começar às 12:30h, e o card principal tem início previsto para 14:30h pelo horário oficial de Brasília.

Peso médio: #6 Marvin Vettori (ITA) vs. #10 Kevin Holland (EUA)

Por Gustavo Lima

Marvin Vettori (16-3-1 MMA, 6-2-1 UFC) é um dos atletas que mais evoluiu dentre as divisões mais pesadas do UFC nestes últimos tempos. Podemos dizer que nesta janela dos dois anos que se passaram, nenhum outro lutador até 84kg teve um salto tão grande de desempenho, algo que fica ainda mais chamativo quando levamos em consideração o número de atletas que decaiu muito e os vários combatentes medianos que volta e meia povoam o top 15.

Sob a batuta de Rafael Cordeiro, na Kings MMA, Vettori foi capaz de converter em qualidade muito do potencial que apresentava quando chegou ao UFC. Grande, forte e resistente, o “Italian Dream” carecia de refinamento técnico e também apresentava um condicionamento físico que deixava muito a desejar. Cinco anos se passaram desde então e foi possível acompanhar gradativamente a melhora de Marvin. O nível de competição subiu e junto seguiu o nível das atuações, que culminaram numa imponente vitória sobre o “Coringa” Jack Hermansson no último mês de dezembro.

Após a lesão de Darren Till, que seria o oponente original de Marvin Vettori no UFC on ABC 2, Kevin Holland (21-6 MMA, 8-3 UFC) acabou recebendo no colo uma nova chance de provar o seu valor dentro do cage. Em sua última aparição, o “Trailblazer” entregou um desempenho vexatório contra Derek Brunson, tomando um vareio no primeiro duelo principal de sua carreira.

Holland rapidamente assumiu ao posto de favorito dos fãs durante o período pandêmico, em que subiu na jaula do UFC diversas vezes consecutivas e teve um desempenho sólido e empolgante na grande maioria das ocasiões. Apesar de não apresentar nenhum brilhantismo que o caracterizasse como um grande nome, o estadunidense mostrou que tinha qualidades notáveis que o credenciaram a chegar ao ranking da categoria.

O “Trailblazer” é um atleta usualmente agressivo, que não nega trocar pancadas mesmo com oponentes mais qualificados e também não foge de scrambles no chão com grapplers mais gabaritados. Holland costuma ser imprudente ao maximizar as suas chances, o que deu certo ao longo dessa sua última sequência no UFC exatamente por ter encarado adversários com lastro técnico bem limitado. Ainda que 7 vitórias num período de pouco mais de dois anos seja bastante coisa, é inegável que em todas elas há um grande asterisco. Inclusive na vitória sobre Ronaldo Jacaré, que já está muito longe de ser o que foi um dia.

Neste cenário, Marvin Vettori tem suas chances consideravelmente ampliadas quando olhamos a forma que o italiano apresentou no octógono em suas últimas aparições. Muito mais seguro, comedido, inteligente e com um arsenal bem polido, o atleta da Kings tem dado menos brechas para soltar seus power shots poderosos, da mesma forma que tem se tornado alvo menos estático. Também houve melhora no clinche e em outras situações que demandam força e controle. Com a melhora no seu gás, o pacote completo teve uma guinada considerável em seu nível.

Após o papelão que fora a sua atuação contra Brunson no mês passado, onde mais falou e fez graça do que mostrou qualidade dentro do cage, Holland com certeza busca tirar o gosto amargo que ficou em sua boca e na dos fãs. Apesar de tudo, minha leitura é de que nem o melhor Kevin Holland que vimos até aqui teria chance de apresentar um grande risco a Marvin Vettori. A melhor chance do Trailblazer é – num cenário ideal – cozinhar o galo e tentar levar a luta nos últimos rounds (partindo do pressuposto, claro, de que ele chegará lá bem mais inteiro que o oponente), seja conseguindo anotar a vitória parcial dos três últimos assaltos nas papeletas, seja interrompendo a luta de alguma forma (o que eu acho particularmente BEM difícil).

Kevin Holland vs Marvin Vettori odds - BestFightOdds

Apesar de não ser um pegador nato, Marvin bate muito e bate forte, o que pode trazer alguns problemas para Holland. Em outros tempos, ativar o modo de fight or flight e cair pra dentro seria o melhor para bagunçar as defesas de Vettori, porém não sei se o italiano cairia nessa armadilha hoje em dia. Para mim, o cenário mais provável reside no “Italian Dream” abrindo uma vantagem nas papeletas no início da luta por ser mais lutador e se aproveitando do desespero de Holland, que deverá correr atrás do prejuízo. Nessa brincadeira, Marvin deve conseguir tocar o duelo num ritmo que o favoreça e sair com o braço levantado ao término do último assalto.

Peso palha: #5 Nina Nunes (EUA) vs. #11 Mackenzie Dern (EUA)

Por Idonaldo Filho

Faz dois anos que Nina Nunes (10-6 no MMA, 4-3 no UFC) não dá as caras no octógono, mas parte deste tempo parado foi por bom motivo. Esposa da campeã dos galos, Amanda Nunes, de quem agora adotou sobrenome, Nina esteve grávida durante boa parte de 2o20 e retorna agora ao líder do mercado. Sua última aparição foi contra a também sumida Tatiana Suarez, que saiu com a vitória na decisão unânime. Para este casamento a americana dá alguns passos atrás, mas recebe uma atleta que vem em busca de uma vitória chave para se consolidar.

Nina é uma striker muito precisa e técnica, que veio do taekwondo, utilizando muito bem a movimentação em seu jogo. O jab da atleta da American Top Team é ligeiro e eficiente, entrando muito no rosto das oponentes. Nina também é habilidosa com chutes diversos, possuindo bom ritmo e condicionamento para lutar bem os três assaltos. A defesa de quedas é boa e sabe se virar quando precisa no solo, mesmo não sendo seu forte. Pesa contra ela o tempo parado contra uma adversária mais nova, que é bastante ativa e, pode aproveitar a vantagem de força e no grappling.

Mackenzie Dern (10-1 no MMA, 5-1 no UFC) é uma das principais atletas de jiu-jitsu dos últimos tempos e, em sua transição no MMA, vem tendo bom destaque ainda que tenha que provar que faz parte da elite. No UFC acumula bons resultados, sendo derrotada apenas pela boa prospecto Amanda Ribas. Dern fez três lutas em 2020, com as principais vitórias da carreira enfrentando as experientes Randa Markos e Virna Jandiroba.

A atleta que parecia descompromissada de início aparentemente ficou para trás, Dern cada vez mais vem se apresentando bem fisicamente e evoluindo constantemente. A trocação é motivo de chacota, mas Mackenzie tem poder nos punhos como mostrou em algumas oportunidades, sem falar em uma resistência a golpes acima da média. O wrestling não é bom, mas ela insiste bastante em levar seus combates para o chão. Não há nem muito o que discutir sobre Dern na luta de solo, pois se trata provavelmente da atleta mais qualificada nesta área que o UFC possuí.

Mackenzie Dern vs Nina Nunes odds - BestFightOdds

Luta curiosa por ser um confronto de estilos e de fases, pois envolve uma atleta que estava afastada com uma que se manteve bem ativa no último ano. Se Nina voltar bem e, acredito que aconteça considerando a boa academia que faz parte, deve levar o duelo na base de movimentação lateral e volume de golpes na longa distância. Dern é mais forte e pode conseguir levar o confronto para o clinch em alguns momentos, mas dependerá muito de quebrar a defesa de quedas de Nina. Aposta é na americana por decisão.