Por Edição MMA Brasil | 06/11/2021 14:43

O UFC 268, acontece neste sábado (06), com duas disputas de título que prometem bastante, sendo coincidentemente, duas revanches.  Nos meios-médios, o campeão Kamaru Usman mais uma vez recebe Colby Covington, que vai para seu primeiro combate no ano de 2021. Pelo peso palha, Rose Namajunas é a detentora do título, concedendo a revanche imediata para Weili Zhang, que foi nocauteada por um chute alto pela Thug Rose.

+ Apoie o MMA Brasil e colabore com o jornalismo independente

Também no evento é necessário destacar a guerra que devemos ver entre Justin Gaethje e Michael Chandler, dois maníacos que possuem pouco juízo e muito poder de nocaute. No card preliminar, decidimos pinçar a esperada estreia do kickboxer Alex Pereira no líder do mercado, contra Andreas Michailidis, da Grécia.

+ Palpites da Equipe MMA Brasil para o UFC 268

O UFC 268 terá transmissão no Brasil pelo Canal Combate, com a porção preliminar tendo início às 19h, enquanto o card principal está marcado para 23h, pelo horário oficial de Brasília.

CINTURÃO PESO MEIO-MÉDIO: (C) KAMARU USMAN (NIG) VS. #1 COLBY COVINGTON (EUA)

Por Idonaldo Filho

Um dos seres mais dominantes a pisar no octógono atualmente,  considerado o número um peso por peso, o nigeriano Kamaru Usman parece não ter nenhum adversário com nível o suficiente para vencê-lo atualmente no peso meio-médio, com uma aura de invencibilidade surgindo cada vez que tem um grande desempenho. Em suas últimas aparições no cage do UFC, Kamaru acumulou triunfos contra o próprio Colby Covington, Gilbert Durinho e Jorge Masvidal por duas vezes.

Uma tora de tão privilegiado fisicamente, Usman é um atleta muito forte, que poderia tranquilamente lutar como peso médio. Wrestler de origem, por muito tempo o nigeriano foi considerado um lutador unidimensional, um tipo de cobertor humano, mas a evolução nos últimos anos é gritante, principalmente na trocação, com um jab eficiente e muito poder de nocaute. O principal aspecto de seu jogo é o clinch, que em minha opinião, é o melhor do esporte, com um controle posicional sublime no cage, firmando o oponente como ninguém e, por lá ficando, desferindo golpes a todo momento, como uppercuts, pisões e joelhadas. Hoje, é difícil apontar um defeito em Usman.

Falastrão, Colby Covington está por aí angariando inimizades e, recebe a chance de disputar o título após vencer Tyron Woodley, ainda em setembro de 2020, mais de um ano atrás, o que deixa algumas dúvidas sobre a justiça sobre a indicação de seu nome como desafiante de Usman. Aliás, na luta contra o campeão, Covington deu certo trabalho, tendo controle no início do combate, até Kamaru tomar as rédeas da luta e nocautear Colby no quinto assalto.

Também wrestler de origem, All-American da Divisão I da NCAA, Covington é um atleta que tem muita força e sabe bem quando derrubar o adversário, pressionando bastante, embora essa abordagem passe longe de ser a adequada contra Usman. Em pé, Covington não tem muito poder de nocaute, sendo inclusive taxado como mão de almofada, mas o intenso ritmo que coloca impressiona, soltando diversos golpes, contando com o seu condicionamento privilegiado, sempre andando para a frente e desferindo socos, pontuando muito com isso.

Colby Covington vs Kamaru Usman odds - BestFightOdds

Não dá para negar que Colby Covington é um ótimo lutador e, que inicialmente apresentou uma luta dura para Usman, mas simplesmente é difícil de apostar contra o nigeriano, dada tamanha dominância. Apresentando agora cada vez mais seu poder de nocaute, melhorando o boxe, conseguindo um grande nocaute contra Jorge Masvidal, tudo indica que não será diferente contra Colby. Inicialmente o Chaos pode até atrapalhar com o seu ritmo, mas a tendência é vermos um nocaute do campeão, defendendo o cinturão com sucesso.

CINTURÃO PESO PALHA: (C) ROSE NAMAJUNAS (EUA) VS. #1 WEILI ZHANG (CHN)

Por Idonaldo Filho

Aos 29 anos de idade, Rose Namajunas está no auge de sua carreira, recuperando em seu último combate a coroa que já havia lhe pertencido, retomando o posto de campeã na categoria peso palha, com um belíssimo nocaute sobre Weili Zhang, a quem concede a revanche. Curiosamente, seus quatro combates anteriores também foram sequências de revanches, ficando 1-1 contra Jéssica Bate-Estaca, sendo nocauteada na primeira contenda, com aquele famoso slam, mas vencendo a segunda, além de obter dois triunfos contra a polonesa Joana Jedrzejczyk.

Uma lutadora muito técnica, Namajunas antigamente tinha preferência pelo grappling, marcado pelo ground and pound e por mata-leões, mas se tornou uma striker muito perigosa, que trabalha de forma serena, utilizando suas precisas sequências de golpes principalmente quando a oponente dá brechas defensivas, com um fino boxe, aliado de chutes altos. A defesa de Namajunas também é um trunfo, contando com uma ótima movimentação de pernas, dificilmente sendo acertada.

Weili Zhang perdeu a cinta de forma violenta, do mesmo modo que obteve a mesma, sendo nocauteada por Namajunas ainda no primeiro assalto, com pouco mais de um minuto, em um dos concorrentes a nocaute do ano. A chinesa veio de longa carreira no cenário regional, tendo destaque amplo, chegando no UFC e atropelando toda oposição que lhe foi dada, incluindo Jéssica Andrade e Joanna Jedrzejczyk. Treinando nos Estados Unidos, na Fight Ready Gym com Henry Cejudo e Deiveson Figueiredo, podemos esperar algumas novidades no jogo de Zhang, sobretudo na luta agarrada.

Pode-se esperar uma animada peleja quando Zhang está dentro do octógono. A chinesa, que vem do Sanda, é uma atleta muito voraz, que tem um estilo de luta bastante ofensivo, tendo golpes velozes, contando com bom poder nas suas sequências, que são aplicadas com muita frequência, desferindo socos e chutes de forma que nem mesmo parece um ser humano. O clinch de Zhang também é muito forte, com muitas joelhadas e socos aplicads no corpo. No chão ainda precisamos de mais informações, porém ela está em um bom local caso queira desenvolver esse aspecto.

Rose Namajunas vs Zhang Weili odds - BestFightOdds

Existem algumas dúvidas sobre a defesa de Zhang, que muitas vezes se mostra muito confiante em meio a seu estilo agressivo de luta, podendo ser acertada por contragolpes, como já aconteceu. Namajunas é extremamente técnica, se defende bem, movimenta bastante, mas tem desvantagem física, pois a chinesa é bem mais forte. Luta muito difícil de se palpitar, pois embora sejam estilos diferentes, são excelentes atletas e que tem tudo para entregar um confronto memorável. Aqui, palpito em Zhang, sem muita convicção.

PESO LEVE: #2 JUSTIN GAETHJE (EUA) VS. #5 MICHAEL CHANDLER (EUA)

Por Israel Silveira

Fazendo sua primeira luta após ter sido derrotado na disputa de cinturão contra Khabib Nurmagomedov, Justin Gaethje (22-3 no MMA, 5-3 no UFC) certamente não quer perder tempo e voltar logo para a conversa por uma disputa de cinturão. A luta contra o ex-campeão certamente não saiu como o esperado e quem esperava que as credenciais de Wrestling de Gaethje (Division I All-American) fossem trazer alguma dificuldade para Khabib viram o americano ser tranquilamente atropelado e finalizado no segundo round. A aposentadoria de Khabib certamente abre uma segunda janela de oportunidade para o “The Highlight” tentar novo title shot.

Gaethje é tranquilamente o lutador mais caótico de todo o UFC. Agressivo, dono de ótimo punch e que não liga para a própria integridade física. Campeão do antigo World Series of Fighting (que eventualmente se tornou o PFL), Gaethje era conhecido por fazer combates muito movimentados com ação do início ao fim. Logo em sua estreia no UFC ele mostrou que a tendencia seguiria mesmo no mais alto escalão, após fazer combates que disputaram o prêmio de luta do ano contra Michael Johnson, Eddie Alvarez e Dustin Poirier, os dois últimos nocauteando Gaethje após verdadeiras batalhas em pé.

Justin evoluiu sua trocação após a luta contra Poirier, se tornando um striker que escolhe mais seus golpes, conserva energia e explode em momentos específicos dentro do round. Tudo isso combinado a low kicks muito potentes e bastante capacidade para encerrar lutas quando sente a oportunidade. Foi essa aproximação que rendeu ao americano vitórias contra Edson Barboza, James Vick e Tony Ferguson, sua melhor performance na carreira. Gaethje continua sendo um lutador muito vulnerável defensivamente, apesar do seu queixo normalmente aguentar o tranco. Veremos se isso se repetirá contra um lutador com extrema potência nas mãos, que é o caso de seu adversário na noite.

Michael Chandler (22-6 no MMA, 1-1 no UFC) da mesma maneira que Gaethje, veio de uma organização concorrente do UFC com bastante hype sobre si. Detentor do cinturão peso leve do Bellator em três ocasiões diferentes, Chandler era um dos maiores nomes da organização de Scott Coker até finalmente se aventurar na enroscada divisão dos leves do UFC. O seu status de grande nome do esporte garantiu uma luta de estreia com muito valor contra Dan Hooker, o qual Chandler tratou de demolir ainda no primeiro round, aumentando ainda mais o hype e garantindo uma luta pelo cinturão vago do peso leve contra Charles do Bronx, luta em que Chandler apesar de estar bem perto da vitória em diferentes momentos, acabou nocauteado.

Chandler traz uma abordagem muito focada em sua potência física para os combates. Ele é wrestler com honras de All-American e possui também muito poder de nocaute. Eventualmente conforme sua carreira evoluiu ele não conseguiu mais ser o wrestler que “amarra” seus adversários, buscando na maioria das vezes nocautes rápidos, já que o gás não é dos melhores. Chandler tem boa movimentação e compensa sua não-tão-grande estatura com capacidade de encurtar rapidamente a distância e desferir golpes decisivos. Muitos colocam dúvidas a respeito de seu queixo e fato é que Chandler já sofreu nocautes questionáveis na carreira em golpes que não pareceram tão potentes assim.

Justin Gaethje vs Michael Chandler odds - BestFightOdds

Essa é certamente uma luta que definirá o próximo desafiante ao título dos leves após o embate entre Do Bronx e Poirier. Gaethje certamente tem alguma vantagem para o confronto, porque em se tratando de violência ele é melhor que Michael Chandler que nas suas últimas lutas no Bellator não pareceu um lutador com muitas opções de abordagem para a luta.

Gaethje tem mais queixo e mais poder de nocaute. Chandler por sua vez tem mais precisão e tem um Wrestling mais eficiente, podendo mudar de nível quando encontrar brechas. Chandler, no entanto, sempre foi vulnerável a low kicks na sua carreira e essa é uma das principais armas do jogo de Justin Gaethje e certamente será fator na luta. A aposta é por um combate bastante violento com nocaute para Justin Gaethje ainda no primeiro round.

PESO MÉDIO: ALEX PEREIRA (BRA) VS. ANDREAS MICHAILIDIS (GRE)

Por Israel Silveira

Após “atiçar” muitos fãs de MMA por um período de mais de cinco anos, Alex “Poatan” Pereira (3-1 no MMA, 0-0 NO UFC, 33-7, 21 KOs no Kickboxing) finalmente fez a transição definitiva para o MMA e assinou com o UFC. Conhecido pelos fãs mais casuais como o único lutador que já nocauteou Israel Adesanya, Alex Poatan é certamente o melhor peso médio do kickboxing de sua geração e um dos maiores nomes brasileiros na história do esporte. Poatan era o detentor dos cinturões peso médio e meio-pesado do Glory (maior organização de kickboxing da atualidade) até ser derrotado pelo russo Artem Vakhitov em setembro deste ano e perder seu cinturão meio-pesado. Pereira fez uma luta recente no MMA pelo LFA em novembro de 2020, nocauteando o suspeito Thomas Powell após se testar por quase um round. Na ocasião Pereira defendeu algumas quedas, fez jogo de grade até encerrar a luta com um brutal cruzado de esquerda que demoliu Powell e o manteve desacordado por um período longo de tempo.

Poatan é um gigante para o peso médio, trazendo 1,94m de altura e 2,03m de envergadura para a divisão dos 84 kg com muita potência e técnica em pé. O brasileiro é excelente boxeando e também atacando o corpo com chutes e joelhadas. Ele fez três lutas no jungle fight, demolindo todos os que quiseram trocar golpes em pé com ele, porém tendo dificuldades para defender quedas e se virar no chão quando levado para lá. Vale lembrar que Poatan já tem 34 anos, diferente de Adesanya que sempre alternou entre MMA e Kickboxing desde seus 23 anos. Poatan certamente tem qualidade para nocautear muitos lutadores suspeitos da divisão dos médios do UFC, mas seu caminho certamente será difícil, tendo em vista que ele é muito “cru” no esporte.

Colocado como “boi de piranha” para a estreia de Alex Pereira, Andreas Michailidis (13-4 no MMA, 1-1 no UFC) faz sua terceira luta no UFC. Michailidis vem de vencer seu último combate contra o nefasto KB Bhullar por decisão. Antes disso o grego havia sido derrotado em sua estreia para Modestas Bukauskas por nocaute ainda no primeiro round em bizarras circunstâncias. Após primeiro round bastante equilibrado, Michailidis sofreu uma cotovelada enquanto tentava um double leg logo ao final do round. Ao tentar levantar-se para ir para seu corner, o grego acabou caindo para fora do octógono e o árbitro declarou o nocaute. Michailidis é veterano de diversos eventos bastante competitivos da europa, como Titan FC e Fight Nights Global.

Michailidis é um striker com base em kickboxing que gosta de manter suas lutas na média distância. Ele possui boas variações de chutes e se movimenta bem. Seu jogo de quedas não é forte o suficiente para ameaçar Poatan, o qual seria seu único caminho para a vitória.

Alex Pereira vs Andreas Michailidis odds - BestFightOdds

Se nenhum absurdo acontecer, Poatan deverá demolir Michailidis sem muitas dificuldades. Ele terá 10 centímetros de vantagem de envergadura e chegará bem mais pesado para o combate, além de ser um striker muitos patamares acima do grego. Estreias normalmente têm seus sustos, mas nas condições normais de temperatura e pressão o combate deve se encerrar com nocaute de Alex Pereira no primeiro round.