WEC 52 Faber vs Mizugaki: Card principal

O Palms Casino Resort em Las Vegas será o palco do penúltimo evento da história do WEC, que será incorporado ao UFC em 2011. Para estrelar a noite, o principal posterboy da organização, Urijah Faber, fará uma espécie de volta às origens estreando como peso galo. Ele enfrentará o ex-desafiante Takeya Mizugaki. A outra luta principal da noite também trará um desafio entre tops da menor categoria de peso do WEC, quando o brasileiro Wagnney Fabiano medirá forças contra o também ex-desafiante Joseph Benavidez. Fechando o trio de ferro da Team Alpha Male, Chad Mendes tenta entrar de vez para a lista dos postulantes ao cinturão de José Aldo. Seu oponente será o cubano Javier Vazquez, em luta válida pela divisão dos penas. A porção televisionada da noite começa com o embate entre Damacio Page e Demetrious Johnson. A transmissão será feita ao vivo pelo canal Combate e terá início à meia-noite de quinta para sexta-feira.

Urijah Faber (EUA) vs Takeya Mizugaki (JAP)

Estreia do ex-campeão dos penas como peso galo, buscando trilhar novo caminho rumo ao cinturão.

Apesar de ter começado a carreira como peso leve e ter feito história como peso pena, o California Kid resolveu relembrar os tempos de wrestler universitário, quando competia pela Universidade da Califórnia em Davis na divisão até 60kg (133lbs). Mesmo se considerarmos o fato de a descida de peso ter sido provocada pelas derrotas para Mike Brown e José Aldo, acredito que Faber, que mede 1,68m, ficará mais à vontade como galo. Normalmente um atleta precisa de um tempo para se acomodar na nova divisão. Por ter competido por 5 anos neste peso, Urijah não deverá sofrer maiores impactos. Além disso, ele chegou quase a bater o peso da luta durante a fase de treinamento e entrou nesta semana apenas 2 quilos acima do limite.

O japonês ficou conhecido pelo grande público depois de travar com o então campeão Miguel Torres uma verdadeira guerra. Apesar de nunca ter mostrado nenhuma grande virtude técnica, Mizugaki é duro o suficiente para levar qualquer luta por 25 minutos. Tendo apenas 15 minutos, nocauteá-lo torna-se uma tarefa ainda mais inglória. Mas seu calcanhar-de-aquiles encaixa exatamente no ponto forte do oponente.

Se Faber resolver trocar em pé, vai ficar à mercê de uma loteria de socos. Como ele pode ser tudo, menos burro, certamente sua tática consistirá em costurar a distância para encaixar uma queda. Uma vez no chão, a possibilidade de Takeya se safar ficam remotas. Faber é dono de um ground and pound frenético e é muito bom posturando e alternando posições. Se não teve dificuldades para imprimir este plano contra atletas maiores e mais fortes, não vejo motivos para Urijah não ter sucesso nesta luta. Por finalização ou nocaute técnico, o combate não deve chegar ao round final.

Joseph Benavidez (EUA) vs Wagnney Fabiano (BRA)

Se há alguém que pode assumir o posto de desafiante antes de Faber, este alguém é Fabiano. Companheiro de Aldo na Nova União, ele era inclusive apontado pelo chefe André Pederneiras como postulante ao cinturão dos penas, mas uma surpreendente derrota para Mackens Semerzier somada à avalanche de Aldo fizeram com que a equipe repensasse os planos. Deste modo, Wagnney foi parar na divisão abaixo.

Principal parceiro de treinos e amigo de Faber, Benavidez terá um desafio e tanto pela frente. Não bastasse a qualidade do faixa preta brasileiro, ele precisará superar a (segunda) derrota para Cruz na disputa do cinturão. Fazendo jus ao time e ao amigo, Benavidez é uma espécie de mini-Faber.

Apesar de ambos gostarem de trocar, mais cedo ou mais tarde a luta vai parar no chão. E, dependendo de como isso aconteça, poderemos ter noção do rumo. Se o americano cair por cima, Wagnney será alvo de um inclemente ground and pound e vai precisar de calma para anular os punhos de Joseph e buscar uma reversão ou alguma posição que favoreça uma tentativa de submissão. Mesmo sendo um wrestler de fato, Benavidez não costuma ter problemas quando posto de costas para o chão. Mas como nem Miguel Torres ou Rani Yahia testaram o americano nesta posição, vejamos como ele se sai contra um especialista na arte-suave.

No jogo de xadrez de chão, das duas, uma: ou Benavidez leva na decisão ou Fabiano arruma uma submissão. Vamos torcer pela segunda opção.

Chad Mendes (EUA) vs Javier Vazquez (CUB)

Invicto em oito lutas profissionais, Mendes tem belo retrospecto na luta olímpica universitária. Vice-campeão da NCAA, foi all-american em duas categorias de peso diferentes, em 2005 e 2008, ano que também recebeu o prêmio de Lutador do Ano.

Nascido em Santiago de Cuba, segunda cidade mais importante da ilha, Vasquez mudou-se para a Califórnia aos 4 anos. Lá fez carreira escolar e universitária na luta olímpica. Mas adicionou um belo diferencial: Javier é faixa preta de Carlson Gracie. E este não é o único vínculo dele com a família real do jiu-jitsu. Vasquez é casado com Rose Gracie, filha de Rorion, criador do UFC. Este diferencial lhe rendeu 10 das 15 vitórias por submissão.

Teremos então um mais uma versão do clássico Gracie Jiu-Jitsu x Wrestling. Como o cubano consegue tirar finalizações da cartola, acredito que Mendes terá bastante cuidado ao levar a luta para o chão. Como ele tem mostrado evolução na trocação, acredito que deva tentar estabelecer o ritmo da luta e a manter em pé, com variações para o clinch. Se conseguir conduzir o combate nestes termos, Chad deve conseguir uma vitória por decisão.