Por Edição MMA Brasil | 29/05/2020 18:47

Depois de uma semana de descanso, o UFC retoma as atividades e para realizar o UFC Vegas, diretamente do UFC Apex, onde acontecem os eventos do Contender series.

Na luta principal da noite, o ex-campeão dos meio-médios Tyron Woodley, que busca uma revanche pelo cinturão, enfrenta o brasileiro Gilbert Durinho, que busca se estabilizar no topo da categoria.

Outros combates relevantes da noite ficam entre os pesados Blagoy Ivanov e o brasileiro Augusto Sakai, as atletas dos palhas Mackenzie Dern e Hannah Cifers e, por fim, o embate entre os moscas Tim Elliott e Brandon Royval.

O evento será transmitido com exclusividade pelo Canal Combate neste sábado, a partir das 19:30h com o card preliminar, enquanto a porção principal tem início previsto para 22:30h.

Peso Meio-Médio: #1 Tyron Woodley (EUA) vs. #6 Gilbert Durinho (BRA)

Por Rodrigo Rojas

O ex-campeão dos meio-médios Tyron Woodley (19-4-1 no MMA, 9-3-1 no UFC) volta de um hiato de mais de um ano após perder seu cinturão. O americano conquistou o título ao nocautear brutalmente o capeta Robbie Lawler, dando início a um improvável reinado em uma das categorias mais difíceis do esporte. Woodley defendeu seu posto contra Stephen Thompson (2x), Demian Maia, e Darren Till, até ser destronado por Kamaru Usman, na última luta.

Woodley é um dos lutadores mais sólidos defensivamente da divisão. O background no wrestling permite uma defesa de queda estelar – derrota para Usman à parte -, além de quedas explosivas e um ground and pound feroz quando está por cima. Explosão, inclusive, é a marca registrada do “Chosen One”. Tyron trabalha com blitzes bastante efetivas para acertar seus golpes com muita força, enquanto corta o octógono, encurralando o oponente. A defesa em pé está entre as melhores do esporte, dando suporte ao seu estilo conservador – Woodley foi repetidamente chamado de chato durante seu reinado, por controlar suas lutas sem muita ação, esperando o momento para agir, não dando nenhuma brecha para os oponentes.

Gilbert “Durinho” Burns (18-3 no MMA, 11-3 no UFC) está no melhor momento da carreira até agora. O brasileiro subiu para a categoria até 77kg em 2020, vindo de duas vitórias entre os leves. Nos meio-médios, dominou Alexey Kunchenko e Gunnar Nelson, abrindo espaço para a maior vitória de sua carreira, quando nocauteou o ex-desafiante Demian Maia.

Campeão mundial de jiu-jítsu com e sem kimono, Gilbert conta com um dos jogos de chão mais afiados da divisão. As transições e o controle por cima são excepcionais, e ele costuma chegar às costas dos oponentes com facilidade, de onde a mentalidade ofensiva costuma levar a finalizações. As quedas são acima da média para um lutador originado na arte suave, assim como o atleticismo. Nos últimos anos, desenvolveu um bom jogo ofensivo em pé, baseado nas mãos pesadas e em um muay thai agressivo. Seu melhor golpe é o overhand no contragolpe, que vitimou Demian, Dan Moret e Jason Saggo.

Gilbert Burns vs Tyron Woodley odds - BestFightOdds
 

Woodley e Durinho são quase diametralmente opostos. Enquanto o americano aposta no forte wrestling, na explosão nos golpes e no jogo conservador, Durinho conta com jiu-jitsu de elite, muay thai e mentalidade ofensiva. Claramente, o lutador que conseguir impor seu jogo levará vantagem. Aqui, acreditamos que o casamento de estilos é favorável para o ex-campeão, que tem defesa de quedas para manter a luta em pé e deve apostar na defesa em pé e nos contragolpes para controlar as ações, conquistando uma decisão ou um nocaute tardio. Isso, é claro, se Woodley não apresentar uma queda de rendimento expressiva por conta do tempo parado.

Peso Pesado: #12 Blagoy Ivanov (BUL) vs. #13 Augusto Sakai (BRA)

Por Idonaldo Filho

O búlgaro Blagoy Ivanov (18-3 no MMA, 2-2 no UFC) foi por um bom tempo um dos melhores pesados fora do UFC, dono do título do finado WSOF. Conhecido por ter sobrevivido a uma facada no coração, Ivanov estreou sendo derrotado por Junior Cigano, mas garantiu duas vitórias consecutivas posteriormente. Em sua última aparição no octógono perdeu para o americano Derrick Lewis na decisão dividida – todos os combates de Blagoy no UFC encerraram na decisão.

Com certa tranquilidade é possível afirmar que Ivanov é o atleta mais duro nos pesos pesados. Blagoy é muito resistente, sempre andando para a frente e encaixando muito bem os golpes que recebe. O boxe do búlgaro é limitado e grosseiro, na maioria das vezes utilizando as mãos no dirty boxing quando está no clinch, ou em trocas francas. Ivanov também utiliza os chutes baixos. Muito credenciado no sambo, onde já venceu inclusive a lenda Fedor Emelianenko, Blagoy não utiliza com muita frequência, mas em sua última luta chegou a aplicar algumas quedas, mesmo fazendo pouco por cima. O clinch é eficiente. Dentre os problemas estão o cardio que logo limita sua taxa de atividade – mesmo já tendo feito lutas de cinco assaltos -, além da falta de volume e urgência nos combates.

Cria do circuito regional brasileiro, o curitibano Augusto Sakai (14-1-1 no MMA, 3-0 no UFC) é uma das novas caras que estão surgindo na divisão dos pesados no UFC. Augusto durante boa parte de sua carreira atuou pelo concorrente Bellator, mantendo um bom retrospecto contra oposição de nível duvidoso, tendo sua única derrota da carreira contra Cheick Kongo. Contratado pelo líder do mercado após passagem no Contender Series Brasil, Sakai acumula três vitórias, a última contra Marcin Tybura.

Augusto é um lutador agressivo oriundo do muay thai, com a trocação sendo o principal aspecto de seu jogo. O brasileiro tem uma movimentação razoável e também aplica com frequência os chutes baixos. Sakai costuma limitar o espaço do oponente para aplicar sequências agressivas de socos perto da grade, conseguindo onze nocautes na carreira. No clinch, sempre utiliza as joelhadas, principalmente no corpo do adversário. O jogo de chão não foi muito testado, mas o brasileiro é faixa marrom de jiu-jítsu. No condicionamento Sakai também não se garante muito.

Augusto Sakai vs Blagoy Ivanov odds - BestFightOdds
 

Como o evento será realizado no UFC APEX, o octógono utilizado será menor, podendo isso beneficiar bastante Sakai, uma vez que ele costuma tentar encurralar o adversário para obter o nocaute com muita frequência. O problema é que Ivanov não cai de jeito nenhum, sem falar que o búlgaro tem também a possibilidade de travar o combate levando a luta para o solo. Em uma luta equilibrada, com tendência de não ser muito boa, acredito que Ivanov consiga vencer na decisão dos juízes.

Peso Palha: Mackenzie Dern (EUA) vs. Hannah Cifers (EUA)

Por Gustavo Lima

Mackenzie Dern (7-1 MMA, 2-1 UFC) é sempre associada ao seu jiu-jitsu de alto calibre, fator responsável por projetá-la uma das grandes promessas das artes marciais mistas ao longo dos últimos cinco anos. A estadunidense se manteve invicta por um bom tempo e conheceu sua primeira derrota dentro da jaula para Amanda Ribas, em outubro do ano passado, em luta que inclusive colocou a brasileira em evidência no radar do peso palha.

Apesar da derrota supracitada ser a única na carreira, a soma dos demais desempenhos ainda nos levanta alguma desconfiança sobre conjunto de habilidades de Dern dentro do cage. Uma vitória por decisão dividida contra Ashley Yoder e uma rápida finalização sobre a modestíssima Amanda Cooper precederam o primeiro revés de Mackenzie, em sua primeira luta contra uma oponente de nível mais alto. Importante salientar que Dern foi mãe nesse meio tempo e retornou aos cages após pouco mais de quatro meses.

Hannah Cifers, por sua vez, possui uma carreira bem menos barulhenta dentro do MMA. Com cartel de 10-4 na carreira e 2-2 desde que chegou ao UFC, a “Shockwave” ainda busca se estabilizar na categoria. Após sucumbir em sua estreia na companhia ao receber a ingrata missão de matar no peito a promissora Maycee Barber, Cifers empilhou duas vitórias seguidas contra Polyana Viana e Jodie Esquibel, sendo nocauteada em seguida por Angela Hill.

As vitórias contra oponentes de nível técnico mais polido evidenciam um certo teto no nível técnico de Hannah. Embora bem fundamentada no muay thai, a atleta mostrou um sistema defensivo bem deficitário em suas derrotas contra oponentes que trocavam melhor. Em pé, Cifers provavelmente tem o necessário para controlar Dern e levar vantagem, a questão é que aqui tratamos de um confronto clássico de estilos.

Dern é lenta e pouco versátil em pé, mas detém grande favoritismo nesse duelo se for capaz de simplesmente fazer seu feijão com arroz. Muito maior e mais forte que Hannah, a jiu-jiteira não deve ter dificuldade para encurtar a distância e levar a adversária pra baixo, da mesma forma que Barber, Esquibel e Hill o fizeram.

Cifers tem a dura missão de executar 15 minutos de movimentação intensa e trocação oportunista se quiser ficar em posição estável junto ao UFC. Isso não é impossível, visto que Dern não é rápida e explosiva em suas investidas de grappling, mas a diferença de habilidade é bem grande e o histórico de Hannah não nos dá precedente para acreditar que Mackenzie não será capaz de arrastá-la ao chão, território em que a disparidade entre as competidoras aumenta de forma abissal.

Hannah Cifers vs Mackenzie Dern odds - BestFightOdds
 

Embora Hannah deva oferecer resistência e exibir desempenho muito melhor em pé, é difícil acreditar que Dern não vá arrumar uma finalização ao longo dos quinze minutos de luta. O mapa da mina para Mackenzie é evitar ao máximo se expor a danos desnecessários na trocação, algo que deve acontecer mesmo com as limitações que conhecemos em seu jogo, culminando em vitória da descendente de brasileiros.

Peso Mosca: #11 Tim Elliott (EUA) vs. Brandon Royval (EUA)

Por Idonaldo Filho

São duas derrotas seguidas na categoria dos moscas, que fazem o ex-desafiante Tim Elliott (15-10-1 no MMA, 4-8 no UFC) correr risco de demissão com uma derrota, ainda que a categoria esteja em momento de reconstrução e ele seja um dos mais empolgantes membros dela. Com passagem mediana entre 2012 e 2015, Elliott se redimiu ao conquistar o TUF 24 e ganhar a chance de disputar o título, na época pertencente a Demetrious Johnson. Em uma das defesas mais difíceis do GOAT da categoria, Elliott ganhou crédito, mas não vem mantendo a regularidade no evento. O cartel nesta segunda passagem é de duas vitórias e três derrotas, vindo de uma sequência de reveses para Deiveson Figueiredo e Askar Askarov.

Pouco ortodoxo, Elliott é um peso mosca de bom tamanho, ainda sendo rápido e bastante arisco. Agressivo, o atleta sempre coloca volume constante em suas lutas, mas paga pelo excesso de agressividade que resulta em falhas defensivas graves, que são atenuadas pelo queixo duro. O americano é bom wrestler, mas é ainda melhor no scrambling e entrega lutas extremamente empolgantes no chão, onde conta com boas transições, excelente jiu-jítsu ofensivo, mas com uma defesa de estrangulamentos bastante questionável. Tim é um adversário que aproveita muito as brechas do adversário, ao mesmo tempo que oferece essas brechas na mesma quantia.

Brandon Royval (10-4 no MMA, 0-0 no UFC) é campeão peso mosca do LFA, com passagens pelo WSOF e Combate Americas. O americano estava cogitado para o Contender Series desse ano, porém, foi chamado diretamente para o UFC. Royval é faixa preta de jiu-jítsu e encarou bons adversários no LFA, como Joby Sanchez e Casey Kenney, vencendo o primeiro e perdendo para o segundo. Brandon treina na FactoryX Muay Thai sob a tutela de Marc Montoya – mesmo corner de Anthony Smith em sua última luta -, com companheiros como Ian Heinisch e James Krause.

Royval é um grappler muito perigoso com especialidade na chave de braço e triângulo, que garantiram seis de suas dez vitórias. Muito de sua habilidade no jiu-jítsu é mostrada quando está por baixo, uma vez que seu wrestling é fraco e não costuma defender quedas. A sua trocação é baseada na boa envergadura (1,79m), que beneficia o uso de jabs e golpes retos, mas Brandon gosta bastante de utilizar cotoveladas e joelhadas também. O principal problema é defensivo, como já dito não defende bem quedas, mas também não mostra qualidade defensiva em pé.

Brandon Royval vs Tim Elliott odds - BestFightOdds
 

Elliott é um Royval mais experiente e em um momento melhor. Os dois se parecem por serem lutadores agressivos com preferência por lutar no chão e com dificuldades defensivas, mas Tim é melhor wrestler, além de ter uma trocação mais completa, Tim deve conquistar a vitória na decisão dos juízes, em um combate que tem grandes chances de ser o mais movimentado da noite.