Por Edição MMA Brasil | 04/09/2020 04:57

Com a interminável maratona de eventos do UFC até o fim do ano, a maior organização de MMA do mundo retorna para realizar mais um evento. Desta vez, o UFC Vegas 9 chega com um duelo interessante do top 10 da categoria dos pesados como confronto principal.

Na peleja de destaque do UFC Vegas 9, o experiente Alistair Overeem tenta se provar contra o brasileiro ascendente Augusto Sakai, que por sua vez tenta provar seu nome contra um dos maiores de todos os tempos da divisão.

LEIA MAIS:
Kamaru Usman defende o cinturão dos meios-médios contra Gilbert Durinho no UFC 256
UFC negocia revanche entre Jorge Masvidal e Nate Diaz para janeiro
Assine o plano de colaboradores do MMA Brasil

Na luta coprincipal da noite, o experiente e bastante calejado Ovince St.Preux tenta retornar ao ranking dos meios-pesados contra o compatriota Alonzo Menifield, que mira o top 15 da combalida divisão de até 93kg.

Por fim, o exótico brasileiro Michel Pereira, o “Demolidor”, retorna ao octógono para mostrar que pertence ao maior palco do esporte no mundo. Por isso, encara um complicado desafio frente ao russo Zelim Imadaev pela categoria dos meios-médios.

O UFC Vegas 9 tem início previsto com o card preliminar para começar às 19:00h, enquanto a porção principal deve se iniciar às 21:00h, com transmissão exclusiva do Canal Combate.

 

Peso pesado:#6 Alistair Overeem (HOL) vs. #9 Augusto Sakai (BRA)

Por: Idonaldo Filho

Com mais de 60 lutas de MMA nas costas, além de uma penca no kickboxing, dá pra dizer que Alistair Overeem (46-18 no MMA, 11-7 no UFC) é um dos lutadores mais experientes da atualidade. O “Homem Demolição” teve passagens pelos principais eventos e chegou ao UFC em 2011, mas acabou se tornando desafiante somente em 2016. Em fase decadente, Overeem vem vencendo adversários menos experientes ou veteranos, não chegando a vencer os principais atletas da divisão e permanecendo em uma posição de porteiro para o top 5, ajudando a consolidar nomes como Francis Ngannou, Curtis Blaydes e Jairzinho Rozenstruik por lá.

Na trocação temos um atleta versátil com habilidades em praticamente todos os golpes que se possa pensar em pé, principalmente com chutes. O clinch de Overeem é devastador, com total destaque para as fortes joelhadas que aplica no corpo e na cabeça de seus adversários. O holandês também mostra bom jogo de chão sempre que possível, utilizando cada vez mais essa artimanha em seu jogo sempre que entra em alguma enrascada. Mas um atleta tão competente nas principais áreas não deveria ser unanimidade nessa categoria? Sim, mas ele tem alguns problemas. O queixo de Alistair é muito sensível, tanto que ele mudou bastante seu estilo de luta para tentar atenuar esse problema. Com 4o anos, o condicionamento também não é mais o mesmo.

Uma das principais revelações do Contender Series Brasil, Augusto Sakai (15-1-1 no UFC, 4-0 no UFC) já era razoavelmente conhecido devido a sua passagem no Bellator, onde realizou alguns combates pouco empolgantes e perdeu para o veterano Cheick Kongo. O curitibano chegou no UFC em 2018, mas foi no ano seguinte que o lutador mostrou que veio para ficar com boas vitórias sobre Andrei Arlovski e Marcin Tybura. Neste ano, derrotou o duro Blagoi Ivanov na decisão dividida, conquistando agora a sua primeira oportunidade de realizar uma luta principal no líder do mercado no UFC Vegas 9.

Sakai é um lutador oriundo do muay thai, agressivo e de movimentação interessante se comparada aos demais membros do peso pesado. Os principais golpes são os chutes baixos, mas Augusto também atua bem ao encurralar o adversário e desferir boas sequências de socos. O clinch também é um aspecto forte de seu jogo, mas deve ser evitado contra o adversário em questão. Como é um lutador previsível – dificilmente leva a luta para o chão ou tenta algo diferente -, há algumas dúvidas sobre seu desempenho contra oponentes mais espertos, sem falar que o brasileiro é pouco atlético e também não tem um condicionamento exemplar.

Alistair Overeem vs Augusto Sakai odds - BestFightOdds

Na disputa técnica Overeem ganha de lavada, pois tem muito mais variedade na trocação e também leva vantagem no clinch e na luta de solo. Todavia, sabemos que o holandês é muito frágil e, ainda que em sua última luta tenha mostrado poder de recuperação, não dá para confiar tanto. Imagino que Alistair vá apostar no clinch, levando grande vantagem por lá e conquistando um nocaute.

Peso meio-pesado: Ovince St. Preux (EUA) vs. Alonzo Menifield (EUA)

Por: Gustavo Lima

Aos 37 anos, Ovince St. Preux (24-14 MMA, 12-9 UFC) é possivelmente um dos maiores workhorses que o UFC possui nas categorias mais pesadas. Com uma frequência de lutas muito boa desde que estreou em 2013 após a incorporação do Strikeforce, OSP pode oscilar muito, mas tem um bom arsenal e capacidade física suficiente para bater adversários mais modestos e manter seu emprego na organização.

Na última vez em que vimos o descendente de haitianos na jaula de oito lados, ele se aventurou no peso pesado contra Ben Rothwell numa luta horrorosa em que saiu derrotado por decisão dividida. O peso extra pareceu comprometer em parte o desempenho do veterano, que também já entra em uma fase mais avançada da carreira. De volta ao seu lugar de origem, St. Preux tem um desafio interessante pela frente contra um oponente com bem menos tempo de casa.

Alonzo Menifield (9-1 no MMA, 2-1 no UFC) chegou ao principal palco da arte marcial mista global após um nocaute em 11 segundos no Contender Series em 2018. Dois nocautes (sobre Paul Craig e Vinicius Mamute) colocaram o californiano no radar da divisão, até que uma derrota por decisão unânime para Devin Clark com um desempenho muito abaixo do esperado deu uma esfriada na situação de Alonzo.

Com 32 anos de idade, Menifield possui a seu favor o atleticismo e vigor físico. Tecnicamente, o atleta faz o feijão com arroz que basta para ao menos se manter com um cartel positivo em uma categoria no UFC. Apesar de ter realizado poucas lutas, dá pra dizer que Alonzo é superior a um punhado de nomes que tem contrato com o UFC (ou que tiveram e aguentaram firmes e fortes por alguns anos escapando do facão).

Apesar de ser dono de um striking decente e ser capaz de fazer o suficiente para não se complicar no grappling, o duelo contra Devin Clark mostrou que Alonzo ainda está bem verde e falta polimento a algumas de suas ferramentas para encarar adversários de melhor calibre técnico. Apesar da fama de “lutador bizarro”, OSP é dono de qualidades que o permitem levar perigo a boa parte do plantel dos meios-pesados.

OSP tem mãos fortes, grande força física para jogo de isometria, bom boxe e movimentação pouco ortodoxa que pode dificultar a vida de alguns oponentes. Apesar do tanque de combustível limitado, Ovince costuma se manter vivo até estágios avançados da luta, vendendo várias de suas derrotas por decisão.

Tenho certa dificuldade de enxergar Menifield indo cabeça-a-cabeça com OSP por muito tempo, dada as limitações da durabilidade física do atleta mais jovem. Contra Devin Clark, os últimos dez minutos de luta de Alonzo foram muito aquém do que esperávamos, com uma queda vertiginosa em sua força, movimentação e intensidade.

Ainda que pragmático e pouco propositivo, OSP é um lutador que consegue ir ampliando sua vantagem e “cozinhando o galo” contra atletas que o levam menor risco. Creio que nas piores atuações recentes de St. Preux, ele ainda levaria vantagem contra o Alonzo Menifield exausto da última luta contra Clark.

Alonzo Menifield vs Ovince St. Preux odds - BestFightOdds
Esse é um combate que tem tudo pra ficar extremamente chato caso passe do primeiro assalto. Se Menifield possui capacidade de levar perigo no início da luta, creio que isso deva diminuir ao longo do tempo. Mais parrudo, esguio e com mais gás, a tendência é que OSP passe a ter o jogo a seu favor em todos os aspectos conforme o adversário caia de produtividade. A resistência e a capacidade de absorção de St. Preux também são fatores a se levar em consideração nesta dinâmica.

É complicado cravar um veredito para a luta coprincipal do UFC Vegas 9, pois OSP tem uma capacidade sinistra de surpreender negativamente e entregar desempenhos decepcionantes. Apesar disso, todos os fatores supracitados me levam a acreditar que o veterano deva sair com o braço levantado neste final de semana. Por último e talvez não tão importante assim: Menifield é exatamente o tipo de lutador que costuma cair no VonFlue Choke de St. Preux.

Peso meio-médio: Michel Pereira (BRA) vs. Zelim Imadaev (RUS)

Por: Israel Silveira

Existem muitos estilos no UFC, porém, nenhum deve ser tão “exótico” quanto o do brasileiro Michel Pereira (21-11 2 NC no MMA, 1-2 no UFC). O “Demolidor” conseguiu empolgar em todas as suas lutas no UFC até aqui, mesmo quando não saiu com a vitória. Podemos dizer que o paraense gosta do diferente e utiliza combinações de socos rodados, cambalhotas, meias-luas e diversos golpes inusitados que raramente conseguem infligir grandes danos no adversário, mas empolgam quem assiste.

Pereira vem de recente derrota para o veterano Diego Sanchez, porém, nesta luta ele mostrou que além dos golpes plásticos ele tem um bom clinch de muay-thai, e adversários menores que ele vão sofrer com chutes na longa distância. O americano estava prestes a ser nocauteado, mas o brasileiro estava ansioso demais para despachá-lo e acabou desferindo uma joelhada ilegal , e Sánchez não fez nenhuma questão de continuar no combate.

O brasileiro tem motivação extra para o combate, já que é a última luta do seu contrato com o UFC. Uma boa atuação deve lhe render uma renovação com valores melhores. O “Demolidor” vem mostrando que seu gás não é de elite, e contra Tristan Connelly ele acabou exausto e derrotado. O fato de estar lutando para garantir uma renovação deve trazer Michel Pereira no mínimo mais cauteloso e incisivo.

Zelim Imadaev (8-2 no MMA, 0-2 no UFC) enfileirou todos os oito adversários que enfrentou nos eventos russos, mas foi colocado em uma dura estreia no UFC contra Max Griffin. Imadaev resistiu a um duro castigo e uma dedução de um ponto, mas eventualmente acabou derrotado por decisão majoritária. Em sua segunda luta, ele acabou nocauteado por Danny Roberts (a quem Michel Pereira trucidou em sua estreia).

Imadaev é um wrestler ofensivo decente, tem mão bastante pesada e bom queixo. Seu ponto fraco é a defesa, tanto de quedas quanto na trocação, já que ele gosta de perseguir seus adversários e acaba exposto a contragolpes.

Michel Pereira vs Zelim Imadaev odds - BestFightOdds
A luta do card principal do UFC Vegas 9 tem dois cenários plausíveis: Michel destruindo Imadaev com algum golpe aleatório no round inicial ou eventualmente cansando por conta dos mesmos golpes aleatórios que ele não acertar e sendo derrotado por decisão. O brasileiro é um gigante para os meios-médios e passa por cortes de peso bastante desgastantes, o que joga contra o seu gás. A luta deve transcorrer em pé e, dadas as brechas no jogo de Imadaev, acredito que eventualmente ele sofrerá algum golpe que o fará beijar a lona. Portanto, a aposta vai por Michel Pereira via nocaute.

Foto: UFC/Divulgação