Por Edição MMA Brasil | 19/02/2021 21:23

Em mais uma semana de eventos do UFC, a organização segue na cidade de Las Vegas diretamente do UFC Apex para realizar mais um evento. Trata-se do UFC Vegas 19, que traz um card com alguns nomes conhecidos.

A luta principal da noite será um embate entre o all-american da NCAA Curtis Blaydes contra o desengonçado Derrick Lewis, em duelo válido pela categoria dos pesados.

Outros duelos interessantes são entre a brasileira Ketlen Vieira e a russa Yana Kunitskaya na divisão dos galos, Andrei ArlovskiTom Aspinall na categoria dos pesados e Drakkar Klose contra Luis Peña pela divisão dos penas.

Peso pesado: #2 Curtis Blaydes (EUA) vs. #4 Derrick Lewis (EUA)

Por Gustavo Lima

Curtis Blaydes (14-2-1 MMA, 9-2-1 UFC) é um dos atletas com maior polimento técnico na divisão dos pesados dentro do UFC. “Razor” tem um wrestling muito interessante, forma física bem honesta para o padrão da divisão e é capaz de demonstrar desempenho decente em todas as áreas do seu jogo de MMA quando exigido.Derrick Lewis

Com 29 anos de idade, Curtis se encontra no que pode ser considerada sua melhor forma na carreira. Vindo de quatro vitórias consecutivas, o segundo colocado da divisão tenta novamente reclamar uma chance pelo cinturão, na remarcação de uma luta que deveria ter sido realizada no último mês de novembro mas acabou cancelada graças a seu resultado positivo em testagem para COVID-19. Na última vez em que esteve perto de concretizar sua posição como desafiante, Blaydes foi derrotado por Francis Ngannou, autor das duas marcas em sua coluna das derrotas.

Do outro lado do cage estará o divertido Derrick Lewis (24-7, 1 NC no MMA, 15-5 no UFC), que apesar de não ser um primor técnico, possui qualidades que o permitem figurar sempre na parte de cima da tabela desta categoria, ainda mais quando colocamos as supracitadas em contraste com o nível de competição muitas vezes encontrado.

Ao contrário de Curtis, o “Black Beast” possui limitações muito mais aparentes em seu jogo. Todavia, consegue evitar depender delas contra grande parcela dos oponentes que cruzam seu caminho. O poder de fogo de Lewis se resume a força que possui nas mãos e o poderosíssimo ground and pound, sustentados por um boxe nota 5,5 (na escala MMA, obviamente). A força bruta pode fazer diferença quando aliada a estes dois fatores no início dos duelos, mas rapidinho ela vai embora: o tanque de combustível do quase-veterano de 35 anos é péssimo.

O grande problema da maioria das análises sobre o estilo de Lewis é justamente desconsiderar o perigo que ele pode levar aos adversários, apesar do estilo chucro e caricato. Técnica por técnica, Blaydes é muito melhor que Derrick (que está bem abaixo de ter um soco com a força e técnica de Ngannou, para fins de comparação), mas precisa ser assertivo e preciso para não se expor de maneira desnecessária.

Há um caminho muito interessante e relativamente seguro para Blaydes aqui: usar o wrestling para praticamente neutralizar todo o potencial ofensivo do oponente. As chances de sucesso são bem consideráveis, visto que o chão de Derrick Lewis é uma completa aberração. Daniel Cormier, por exemplo, conseguiu derrubar e empacotar o figura com um mata-leão no segundo round. Até chegar lá, porém, foi cauteloso, mostrando que não queria se expor à patada do oponente e correr o risco de ser surpreendido.

Este duelo pode ser, inclusive, um bom teste para uma abordagem mais defensiva e conservadora de Blaydes, tendo em vista uma terceira luta contra Ngannou que inevitavelmente irá acontecer. Ainda que oponentes bem diferentes, é uma chance de demonstrar amadurecimento e versatilidade. Com a boa habilidade e capacidade física que tem, são justamente estes tune-ups pontuais que faltam a Curtis, lutador que já possui alguns nomes de respeito em seu cartel e tem chances reais de se tornar rei desta divisão nos próximos anos.

Curtis Blaydes vs Derrick Lewis odds - BestFightOdds

Na luta em pé, Curtis possui condições totais de bater Lewis, desde que não se empolgue ou cometa erros toscos. Ainda que falte refinamento, o atleta do Texas costuma ser menos passivo e moroso que Volkov e Cigano, por ex., dois boxeadores bem melhores que próprio Blaydes venceu. No fim das contas, este acaba sendo um teste bem interessante para o “Razor”, que na opinião do escriba é bem favorito, mas tem em mãos a tarefa de não cometer erros que um lutador de ponta não pode se dar ao luxo.

Peso galo: #6 Ketlen Vieira (BRA) vs. #7 Yana Kunitskaya (RUS)

Por Pedro Carneiro

A interessante combinação entre judô e boxe alinhado levaram Ketlen Vieira (11-1 no MMA, 5-1 no UFC) ao ranking da categoria e uma sequência de 4 vitórias consecutivas, gerando a expectativa de que a brasileira veio para ficar no UFC. A atleta da Nova União chegou no UFC vencendo nomes do calibre de Sara McMann e Cat Zingano, até que se deparou com a primeira derrota no UFC e na carreira no embate contra Irene Aldana. Anteriormente havia feito uma sequência de duas vitórias contra Kelly Faszholz e Ashlee-Evans Smith, logo após uma carreira vitoriosa no cenário nacional.

Ketlen tem um boxe eficiente, trabalhando bem os golpes retos e a manutenção da distância, características demonstradas com sucesso nas suas lutas no UFC. A movimentação é destacada pela paciência, e manutenção da distância e no uso de golpes precisos e fortes, principalmente o direto.

A luta agarrada é embasada no judô e cadenciada por bons desempenhos tanto ofensivos quanto defensivos. Os pontos fracos, a falta de velocidade e volume, interferem em ambas as valências da luta e tiveram papel importante na derrota contra Aldana.

Yana Kunitskaya (13-5 no MMA, 3-2 no UFC) estreou no UFC já no pior cenário possível – enfrentar Cris Cyborg em uma disputa de cinturão.. Após levar um vareio, a ex-campeã do Invicta venceu Lina Lansberg e Marion Reneau e foi nocauteada por Aspen Ladd. No último compromisso, venceu Julija Stoliarenko na decisão dos juízes. Antes de estrear no UFC, Yana era vista como um bom nome para a esvaziada divisão, já que vinha de dois duelos contra Tonya Evinger e uma vitória contra Raquel Pa’aluhi. Porém os últimos resultados a estabeleceram como uma boa lutadora, e apenas isso.

Resultados a parte, Kunitskaya é especializada na troca de golpes, sendo oriunda do taekwondo e praticante de muay thai e boxe a partir da adolescência. Yana foi campeã nas duas últimas modalidades e se destacava pela agressividade, velocidade e bons chutes. No MMA esse arsenal ofensivo passou a ter menos volume e mais golpes únicos e fortes. O clinch de muay thai também é uma boa arma, assim como a boa noção de distância vinda do passado na troca de golpes. No aspecto defensivo, Kunitskaya se vira muito bem em pé, mas peca na defesa de quedas e finalizações.

Ketlen Vieira vs Yana Kunitskaya odds - BestFightOdds

As casas de apostas apontam Ketlen como ampla favorita no combate e elas não estão erradas. Se a brasileira vir com a estratégia de usar o caminho de menor resistência e usar a luta no solo como a estrada para a vitória, as chances de dar certo são altas. Caso a luta se desenrole em pé, as duas tem boas armas na situação, apesar da larga experiência de Yana. Nesse segundo cenário a luta pode ficar um pouco mais equilibrada, dado o ritmo que Ketlen coloca em suas lutas. Contudo, a aposta aqui é a de que a brasileira consiga emendar a segunda vitória consecutiva.

Peso pesado: Andrei Arlovski (BIE) vs. Tom Aspinall (EUA)

Por Gustavo Lima

Andrei Arlovski (19-13, 1 NC no UFC, 30-19, 1 NC no MMA) é uma figura difícil de introduzir justamente por sua história nas artes marciais mistas e por tudo o que já foi falado sobre o bielorusso, especialmente sobre os seus anos mais recentes de carreira. Do alto de seus 42 anos, o “Pitbull” tem se mostrado um completo highlander: quando muitos dos aficionados pela modalidade sugerem que talvez seja hora de pendurar as luvas, o atleta segue espremendo até a última gota de seu talento pra continuar encarando a competição no peso-pesado do UFC.

Arlovski vem de duas vitórias consecutivas (Tanner Boser e Philipe Monstro), atuações que ajudam a entender bem o lugar onde ele se encontra hoje na 120kg. Apesar de já não ser mais nem a sombra do que um dia foi, Andrei ainda tem um arsenal técnico bem decente pra empregar um jogo inteligente e que esconda suas principais dificuldades. Por algum tempo se especulou que para vencê-lo bastava conectar algum forte que o fim estaria decretado. Nos últimos anos, deu pra ver que apesar da fragilidade, não é qualquer um que pode entrar no cage e sentar o braço no Pitbull.

Sedento para frear a ascensão do oponente e colocar o nome de uma lenda em seu cartel, Tom Aspinall (9-2 MMA, 2-0 UFC) tem pela frente o maior desafio de sua carreira até aqui. Nocauteador nato, o inglês de 27 anos vem de uma sequência de cinco nocautes no primeiro round. Apesar de famoso pelo estrago feito na cena britânica com seus KOs e por ter sido parceiro de treinos de nomes como Tyson Fury e Darren Till, o britânico começou no jiu-jitsu, adquirindo a faixa preta antes de migrar para modalidades de striking.

Aspinall se encontra naquela fase muito divertida para os fãs onde a barra começa a subir para um atleta promissor e muito se especula a respeito do que encontraremos em um nível de competitividade mais alto. Para se ter uma noção, Tom NUNCA chegou ao final do segundo round em nenhuma luta de sua carreira como profissional. Seu grappling também não é testado numa luta de MMA há mais de meia década.

Bem rápido e atlético para os padrões da categoria e com um boxe que até este momento não o deixou na mão, Tom tem pela frente um oponente que oferece um antijogo interessante para seu estilo pegador. Em seus últimos anos, Arlovski tem feito o possível para evitar ao máximo correr riscos, tentando manter a luta na longa distância, escondendo o queixo e “enfeiando” a luta sem grande pudor.

Confesso que já apostei contra Arlovski em diversas ocasiões acreditando que muitos outros seriam capazes de levar mais perigo. Acabei queimando a língua. Entretanto, Aspinall tem se mostrado até aqui um atleta muito mais técnico, atlético, inteligente, propositivo e confiante e que os outros sujeitos que bateram de frente com Andrei e não acharam absolutamente nada. Se o retrospecto recente me dá a chance de fazer um palpite, imagino que Tom não entrará no cage com a mesma passividade de Tanner Boser, por exemplo.

A grande expectativa pra esse combate é ver se Aspinall é realmente realidade e se pode ser uma lufada de ar fresco na divisão dos pesados, que apesar da melhora recente, ainda conta com uns strikers bem chucros pintando volta e meia no ranking da divisão. Meu prognóstico é que a pressão e a velocidade favorecem Tom, que ainda conta com vantagem de altura e envergadura. Dificilmente vejo essa luta indo pro grappling, ainda que Arlovski possa sempre contar com seu bom sambô e Tom com sua longa experiência no BJJ.

Andrei Arlovski vs Tom Aspinall odds - BestFightOdds

Já queimei tanto a minha língua apostando contra Arlovski que fiquei arisco, mas nesse caso minhas fichas estarão em Tom Aspinall por acreditar que esta é muito mais uma aposta em sua habilidade do que nas fragilidades do oponente. Mediante o que vimos de ambos os atletas recentemente, creio que Arlovski até pode segurar as pontas no início, mas eventualmente será exposto e acabará em maus lençóis. Chance considerável de fim abrupto, inclusive.

Peso pena: Drakkar Klose (EUA) vs. Luis Peña (EUA)

Por Pedro Carneiro

Vindo de uma sequência positiva que chegava a terceira vitória, Drakkar Klose (11-2-1 no MMA, 5-2 no UFC) prosseguia sua escalada na categoria, que só teve empecilhos contra o top 10, Beneil Dariush. Excetuando esse desvio de rota e a longínqua derrota contra David Teymur em 2017, o lutador vindo da Fight Ready MMA conseguiu boas vitórias contra Bobby Green e Lando Vannata, ambas em divertidos combates.

O americano é bom no boxe, trabalhando bem as combinações e apresentando um gosto pela troca desenfreada de murros na cara. O jogo de quedas é outro aspecto positivo no arsenal ofensivo, é bem adaptado ao MMA e age conjuntamente com um preparo físico excelente, sempre aumentando progressivamente o ritmo durante a peleja. Defensivamente, Klose usa e abusa da boa absorção de golpes. Apesar da derrota recente, não é um exagero afirmar que Drakkar pode ser considerado um lutador versátil e bom em várias áreas.

Participante do The Ultimate Fighter (TUF 27), Luis Peña (8-3 no MMA, 4-3 no UFC) parecia ser um bom ativo após as vitórias ocorridas dentro da casa. Talentoso e com certo carisma, o ruivo chamou a atenção pelo seu estilo um tanto quanto plástico durante a temporada do programa e por ter sido eliminado em decorrência de uma lesão. A vitória contra Richie Smullen na estreia no UFC aumentou um pouco a expectativa de que o atleta invicto poderia ser mais um brigando por espaço na concorrida divisão. Muito desse cenário se desmoronou em virtude das derrotas para Matt Frevola e Khama Worthy e hoje Luis é visto como um lutador que precisa antes de tudo vencer a irregularidade.

A atenção que Penã chamou se deve ao estilo do ítalo-americano que é um lutador de braços muito compridos, usa os jabs alongados e uma grande quantidade de socos na longa distância para manter o oponente sempre se defendendo, mas não consegue explorar perfeitamente essas virtudes em razão da falta de potência e graves problemas defensivos que o expõem a receber golpes potentes quando está desprevenido. Possui predileção pelos golpes retos, principalmente os chutes altos, e apesar de não ter potência nos golpes, usa frequentemente golpes heterodoxos, como frontais e joelhadas voadoras. A luta agarrada é razoável, com um um wrestling defensivo ruim, apesar de não permanecer muito tempo sendo controlado e um jiu-jítsu com finalizações oportunistas e criativas, além de ter boa noção na estabilização de posições e ground and pound.

Drakkar Klose vs Luis Pena odds - BestFightOdds

Tecnicamente falando, Drakkar é um lutador melhor e mais completo que Penã, seja no uso melhor das transições ou no domínio de uma variedade maior de aspectos da luta. O perigo mora no apetite que Klose tem pela destruição da expectativa de vida durante os combates. Em uma troca franca de sopapos, Luis tem plenas condições de usar seus golpes e finalizações criativos para vencer a luta. Todavia, levando em conta as probabilidades, a aposta é de Drakkar Klose vença a luta na decisão dos juízes.