Por Edição MMA Brasil | 11/09/2020 13:13

Em mais um evento do UFC, o UFC Vegas 10 prossegue a sequência de eventos da maior organização de MMA do mundo na “Cidade do Pecado”. Com um card bem mais humilde, o evento em formato de fight night foca mais em lutadores futuros do que em estrelas estabilizadas.

LEIA MAIS
MMA Brasil Destaca – Bellator 245 e Bellator 246
Dana White assina com quatro lutadores na semana 6 do Contender Series 2020
Assine o plano de colaboradores do MMA Brasil

Na luta principal da noite, as veteranas Michelle WatersonAngela Hill se enfrentam em duelo de cinco rounds válido pela categoria dos palhas. Enquanto Waterson tenta se recuperar de duas vitórias consecutivas, Hill busca superar o controverso revés contra Cláudia Gadelha que encerrou sua sequência de três vitórias.

Já na luta coprincipal da noite, o invicto Ottman Azaitar retorna ao octógono depois de um ano e faz sua segunda luta na organização. Seu adversário é o impetuoso Kharma Worthy, que impressionou em suas duas primeiras lutas e quer chegar longe na categoria mais extensa do UFC.

Por fim, a talentosa Andrea “KGB” Lee retorna ao octógono para enfrentar a veterana Roxanne Modafferi em confronto válido pela categoria dos moscas no UFC Vegas 10.

O UFC Vegas 10 será realizado no próximo sábado (12) e terá transmissão exclusiva do Canal Combate, com as duas primeiras lutas do card preliminar sendo transmitidas pela página do UFC no Facebook. O card preliminar tem o início previsto às 18h, enquanto o card principal deve começar às 21h (horário oficial de Brasília).

 

Peso palha: #7 Michelle Waterson (EUA) vs. #13 Angela Hill (EUA)

Michelle Waterson (17-8 no MMA, 5-4 no UFC) fez seu nome no cenário regional americano, especialmente quando atuava pelo Invicta FC. Lá se tornou campeã peso átomo da maior organização feminina de MMA do globo. Logo, a expectativa em torno de sua chegada ao UFC sempre foi grande e a americana já era cotada para ser uma das principais lutadoras da categoria dos palhas. Contudo, em um esporte tão complexo como este, nem toda expectativa se torna realidade. Agora, tem uma nova oportunidade na luta principal do UFC Vegas 10.

Aos 34 anos de idade, a “Karate Hottie” é uma das precursoras da modalidade feminina do esporte, especialmente nas divisões mais leves. Todavia, a experiente lutadora encontrou um teto no peso palha e ainda não conseguiu ultrapassá-lo. Isto pode ser visto nas derrotas para a elite da categoria. Em suas últimas duas lutas, Waterson foi dominada em pé por Joanna Jedrzejczyk e anulada pelo wrestling de Carla Esparza.

Como mostra seu apelido, Waterson possui a base de seu jogo no caratê. Este lhe proporciona uma boa movimentação, golpes fluidos e um arsenal vasto de chutes. Entretanto, é no jogo de chão que ela acaba se destacando. Apresenta um bom senso no jogo de quedas, controle posicional e esperteza na hora de avançar para obter finalizações. O que acaba sendo um problema para a veterana é a parte defensiva em pé e no chão. Ela sofre com adversárias na curta distância e não tem muito recurso para agir quando está de costas para o tablado.

Por falar em ex-campeã do Invicta FC que não consegue obter sucesso no UFC, Angela Hill (12-8 no MMA, 8-8 no UFC) será a adversária de Waterson. A americana é um dos casos mais notórios de lutadoras esforçadas, mas sem qualidade o suficiente para chegar longe em sua categoria, especialmente em uma complicada como a dos palhas. Com os mesmos 34 anos de sua oponente, o teto de seu potencial é menor. Isso fica evidente em seu cartel, já que sua melhor vitória na organização foi contra Maryna Moroz.

No fim do ranking dos palhas mais pela falta de profundidade da categoria, Hill é basicamente uma porteira do top 15 e não dá sinais de que irá ultrapassar este nível em breve. A americana chegou a somar três vitórias consecutivas sobre Ariane “Sorriso”, Hannah Cifers e Loma Lookboonme. No entanto, foi superada por Cláudia Gadelha, que está longe de seu auge, em uma decisão contestável no último compromisso.

Com base no seu jogo em pé, Angela Hill é uma boxeadora decente e tem hábito de atuar na curta distância. Uma golpeadora veloz e bom controle de distância, a americana se destaca mais pela potência de suas mãos do que pela técnica que em si. Suas combinações se baseiam muito nos jabs e geralmente terminam em chutes ou no cruzado de direita, sempre com um bom volume. Não é muito difícil conectar golpes em Hill, especialmente para adversárias com uma noção técnica mais apurada. Na luta agarrada, a “Overkill” até possui uma defesa de quedas decente, mas muito mais baseada no esforço físico do que na noção do wrestling em si.

Angela Hill vs Michelle Waterson odds - BestFightOdds
 

Este é um confronto que pode se desenvolver em duas maneiras. Em pé, Hill não deve ter muitos problemas para jogar na curta distância, onde leva vantagem. Todavia, a capacidade de Waterson de conquistar quedas também é um fator relevante. Caso ela consiga derrubar, será franca favorita.

Favorita nas casas de apostas, Hill pode surpreender caso entre com a estratégia correta e utilize a vantagem física. A tendência é que ela jogue na curta distância, use o clinch e procure encurralar Waterson, que é mais rápida, ágil e técnica.  A aposta fica para uma vitória de Michelle Waterson por decisão dos juízes em uma luta apertada no confronto principal do UFC Vegas 10.

Peso leve: Ottman Azaitar (ALE) vs. Kharma Worthy (EUA)

Por: Israel Silveira

Ottman “Bulldolzer” Azaitar (12-0 no MMA, 1-0 no UFC) chegou ao UFC como prospecto invicto do Brave e deixou uma boa impressão, conseguindo um nocaute impressionante contra Teemu Packalen. Azaitar sentiu seu adversário se encolhendo e não parou de golpear até conseguir um overhand de direita limpo que nocauteou Packalen e o fez beijar a lona.

O alemão é um nocauteador e de suas 12 vitórias no MMA, nove delas foram por nocaute. Azaitar é um lutador pequeno para o peso leve, com 1,70m de altura, 10cm a menos que seu adversário da noite. Canhoto, o alemão é um golpeador muito inteligente e preciso, dotado de mãos potentes que impressionam. Seu jogo se baseia em volume e curta distância, e trocar no pocket é quase que uma especialidade da casa. Entretanto, um de seus defeitos é que a agressividade é tanta que ele fica aberto quando golpeia, ficando vulnerável para contragolpeadores.

Khama Worthy (16-6 no MMA, 2-0 no UFC) chegou ao UFC como substituto de última hora contra Devonte Smith, um adversário complicado. Worthy era a maior zebra do evento (pagando 7.5 para 1) e conseguiu um nocaute, vencendo em seguida o levemente hypado Luis Peña por finalização em duas atuações impressionantes. Na luta contra Pena, Worthy frustrou o americano em pé e no terceiro round, após tê-lo contragolpeado por boa parte do tempo. Então, Kharma se aproveitou de uma tentativa de queda de Peña para conseguir a guilhotina.

Worthy é o clássico porradeiro sem muita técnica. Afinal, mesmo que seja um contragolpeador preciso, ele é muito ofensivo e não possui muito refinamento em seu arsenal de golpes. O “Estrela da Morte” é quase uma garantia de entretenimento, mas seu lado defensivo acaba deixando problemas e o torna um alvo bastante fácil de ser atingido. No chão, sua técnica não é nada demais e o único ponto a ser destacado é o oportunismo.

Khama Worthy vs Ottman Azaitar odds - BestFightOdds
 

Em um confronto de estilos entre strikers, Ottman faz jus a seu apelido de “trator de esteira”, já que ele passou por cima de Teemu Packalen. Todavia, Worthy não será tão fácil de derrotar. Azaitar tem um currículo bem menor e seu estilo não aparenta ser do tipo que se faz por mais de um round. Kharma, por sua vez, tem um estilo paciente que o permite chegar com gás para os rounds finais.

Caso escape da blitz inicial de Azaitar, Worthy deve ser capaz de fazer os ajustes necessários para conseguir uma vitória por decisão, contragolpeando o alemão ao longo dos três rounds da luta coprincipal do UFC Vegas 10.

Peso mosca: #8 Roxanne Modafferi (EUA) vs. #9 Andrea Lee (EUA)

Por: Bruno Costa

A veteraníssima e uma das pioneiras do MMA feminino Roxanne Modafferi (24-17 no MMA, 3-5 no UFC) provavelmente tenha alcançado status inesperado em sua segunda passagem pelo UFC já na parte final da carreira.

Uma grappler de origem com muitas limitações físicas e técnicas em algumas áreas do esporte, Modafferi baseia seu jogo em pressão constante buscando levar a luta ao solo. O surgimento do peso mosca no UFC ajudou muito a “Happy Warrior”, que parece ter dedicado muito de seu treinamento com foco a ver diminuída a desvantagem atlética para suas oponentes, algo recorrente ao longo da carreira.

Apesar da clara melhora na troca de golpes com ao menos uma mínima capacidade de utilizar o jab, Modafferi continua dependendo muito do sucesso nas entradas de quedas para conseguir ser competitiva contra qualquer adversária. Foi assim, inclusive, que conquistou duas de suas melhores vitórias contra Maycee Barber e Antonina Shevchenko.

Cumpre apontar que o duelo de sábado será uma revanche de combate disputado há quase seis anos. Naquela ocasião, Modafferi dominou o combate colocando Lee de costas para o solo durante quase o total da duração da luta. Contudo, Lee fazia a terceira luta da carreira contra uma oponente já veterana.

Andrea Lee (11-4 no MMA, 3-2 no UFC) busca recuperação de derrotas consecutivas – por fina margem e contra oponentes de bom nível – depois de ter começado muito bem a caminhada no peso mosca do UFC. É uma kickboxer de nível regular, que tem uma boa defesa enquanto o combate se mantém na troca de golpes em pé, e quando atingida, demonstra ter queixo suficiente para seguir em frente no combate mesmo diante de dificuldades.

A troca de golpes na longa distância parece o cenário ideal para “KGB” na luta em pé, ao utilizar jabs e chutes frontais constantes. Tem no trabalho de clinch sua principal arma, e vinha evoluindo constantemente no ritmo imposto à base da força física e excelente resistência. Trabalhando ofensivamente no solo, Lee consegue explorar bem as posições de vantagem com ground and pound constante, e já acumulou quatro vitórias por finalização na carreira profissional. Contudo, a defesa de quedas é vazada e ainda apresenta muitas dificuldades em trabalhar para sair das posições de desvantagem quando de costas para o chão.

Andrea Lee vs Roxanne Modafferi odds - BestFightOdds
 

Andrea Lee é favorita para o duelo, uma vez que além de ser mais capaz na luta em pé, tem força física suficiente para, aliada à melhora na defesa de quedas, manter o combate na área de menos risco. Atleticismo e resistência estarão inteiramente ao lado da KGB, que deve levar vantagem na troca de golpes e no clinch. Contudo, deve ter atenção aos botes da adversária visando finalizações mesmo da guarda, já que Modafferi provavelmente seja tecnicamente uma das melhores lutadoras no solo na categoria.

A tendência é que tenhamos três agitados rounds com Lee saindo vencedora em decisão dos juízes laterais.