UFC Undisputed 3: primeiras impressões

Por Edição MMA Brasil | 26/01/2012 20:23

Por Felipe Freitas (*)

No dia 24 de janeiro foi lançado o demo do UFC Undisputed 3 – o jogo completo será lançado em 14 de fevereiro. A THQ, empresa que produz o jogo, anunciou várias inovações, entre elas, um novo sistema de submissões, nocaute técnico por chutes na perna, melhorias no jogo de chão (por exemplo, a possibilidade de sentar na grade).

UFC Undisputed 3 será lançado nas plataformas XBOX 360 e PS3

O demo vem com um round no modo PRIDE (10 minutos, ô coisa boa) e outro round no modo UFC. No PRIDE, os lutadores eram Wanderleeeeeeeeeeeeeeeeeeeei Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiilvaaaaa e Quinton “Raaaaaaaaampage” Jaaaackson (leia isso com a voz da mulher do PRIDE). Já no UFC, temos o duelo dos sonhos: Jon “Bones” Jones vs Anderson “Spider” Silva (pelo jeito só no video game mesmo… piadas sobre o time do Anderson, um título continental, esta luta e vídeo game só nos comentários). No fórum do MMA Brasil tem um tópico sobre o jogo também. Quem quiser me adicionar na Live do XBOX, procure por ImFelipeFreitas.

“THE MOMENT YOU ALL HAVE BEEN WAITING FOR”

No modo UFC, escolhi primeiro lutar com o Anderson para testar os leg kicks. Acontece que chutar a perna do Jon Jones, que tem 2,11m de envergadura (quase duas Babi, aquela Panicat) não é fácil e, como eu não queria perder, parti pra trocação. No clinch, nada de muito diferente do UFC Undisputed 2010. Deixar o adversário abalado não deixa mais a tela preta e branca. Quem jogou os UFC anteriores vai lembrar que não importava o árbitro, não importava o lutador, se o adversário era nocauteado, o árbitro interrompia a luta e o vencedor parava. Agora a parada é mais “violenta”. Se o cara é nocauteado, você pode ir em direção dele e acertar mais uns socos antes que o árbitro interrompa. Uma coisa que eu notei é que, se o adversário é nocauteado e cai de barriga pra baixo e estirado, o vencedor monta como se fosse pegar as costas, o que faz você perder alguns segundos para bater mais um pouco no colega de profissão.

Vamos agora para a parte que eu mais estava a fim de ver, os nocautes técnicos por chutes na perna. Para este momento, tive que escolher o Jones. Estava tudo indo muito bem, eu chutando a perna do Anderson, como acontece desde do UFC Undisputed 2010. Chutar a perna do adversário faz ele ficar lento, quedá-lo fica mais fácil e ele não consegue te derrubar. Quanto fui dar um chute na canela do Anderson, ele defendeu com a canela, como um lutador de muay thai faz. Jones (eu) acertou lá e BOOOOOM… eu perdi… sim, estava vencendo, quase conseguindo meu TKO por chutes na perna quando EU fodo minha perna (Jones teve a perna quebrada segundo o Mike Sobrenome Difícil). O árbitro conseguiu interromper antes de rolar mais socos desnecessários – mas que todo mundo vai mandar depois de lutar contra um wrestler e ficar com muito ódio das quedas.

Ainda jogando com o Jones, fui testar as submissões. Acabou a moleza, amigos! Nos outros jogos, você começava a submissão e rodava o analógico até queimar a palma da mão. Simples. Agora não, começou a submissão, tem que seguir a barra do adversário que, conforme o estado dele, grogue ou cansado, ficará maior e mais lenta. Você tem que manter a bola da sua barra na barra do adversário (tem um vídeo no fórum, procure na parte “Vale Tudo”, que tem uma foto do Tim Maia. Brinks, não tem, mas eu acho que deveria ter hahaha). Eu consegui finalizar uma vez nas 5 ou 6 vezes que joguei, e só consegui porque o Anderson estava grogue (foi um mata-leão). Um problema do demo foi não ter disponibilizado mais lutadores, de preferência uns grapplers como Demian Maia, Toquinho, Chael Sonnen, Frank Edgar, Nate Diaz etc. Com estes lutadores, poderíamos conhecer mais o jogo de chão antes do lançamento oficial.

Agora também tem a entrada dos lutadores e o cantinho da vaselina (ui!). A clássica “Ain’t no Sunshine” do Anderson estava tocando. Aparecem os pontos fortes dos lutadores também. Outra coisa é que o demo estava em português. Não sei se a versão oficial também estará (para mim, tanto faz).

Modo PRIDE, uma injeção de Nostalgia

A escolha dos lutadores para o modo PRIDE foi muito boa, mas acho que poderiam ter adicionado mais lutadores. Dan Henderson, Rogério Minotouro, Rodrigo Minotauro, Mark Coleman… Assim a parte de chão seria mais explorada. Só que, como eu já tinha visto o chão no UFC, não fez falta; só quedei para dar joelhada na cabeça. Além disso, tem pisão e pisão voador. Tem tiro de meta quando você consegue deixar o adversário grogue no quatro apoios – mas eu não consegui fazer pois o Wandeco não conseguia segurar a posição. Ir para a grade e ir para as cordas não tem diferença. Eu sei que é pedir demais, mas a THQ poderia deixar esta parte mais real, com o clinch mais instável, por exemplo, e até deixar o adversário entre as cordas quando apagasse.

A entrada no PRIDE é épica. Tem a Lenne Hardt, o announcer japonês, os telões, as luzes, Quinton Jackson uivando (isto tinha no UFC 1 e 2 também), a música do Wanderlei e também a música da vitória (além da música-tema do PRIDE, que toca quando você vai entrar no modo PRIDE). A narração é bem massa, com o Bas Rutten e Stephen Quadros. O Bas Rutten fala umas coisas divertidas como “espero ver um golpe no fígado”. Ah, esqueci de falar, consegui meu TKO por leg kicks com o Wanderlei Silva. O Bas Rutten diz “LEG KICKS TKO, HELLO!” bem feliz.

Outra coisa sobre as submissões: não tem como desistir de uma, se você começou a fazer, terá que esperar. Eu tinha um striker no UFC 2010 e usava a omoplata pra levantar, caso fosse quedado. Agora já era (apesar de ser pela-saco de jiu-jitsu, fiz um striker pois é mais fácil hahaha). No vídeo promocional do jogo de chão (veja no tópico do fórum), o Bendo consegue uma guilhotina em pé, mas não consegui com o Jones.

Alguns lutadores só serão adquiridos por download. Alistair Overeem, Mayhem Miller, Brian Stann e Phil Davis. Não tem nenhum lutador brasileiro na categoria dos leves. O UFC fez uma promoção no Facebook: tinha que curtir a página do jogo, clicar em “Get Alistair Overeem”, cadastrar o e-mail e ganhar o código para o download. A promoção já acabou, eu fiz isso e vou ganhar o código no dia do lançamento. O resto, só pagando.

(*) Felipe Freitas é o primeiro estagnário oficial (e não remunerado) do MMA Brasil, enviado especial na cobertura dos eventos de MMA em Florianópolis e cercanias.