Por Edição MMA Brasil | 08/11/2019 10:07

A maratona de eventos do UFC não dá trégua. O octógono mais famoso do mundo atravessa o mundo para desembarcar novamente na capital russa. A CSKA Arena será palco do UFC Fight Night Moscou, evento que será capitaneado por um dos principais candidatos a estrela da organização.

O peso pena russo Zabit Magomedsharipov terá a chance de encabeçar um evento pela primeira vez e o fará diante de seus compatriotas. O oponente para tentar freá-lo será o americano Calvin Kattar, que também busca um salto no ranking da divisão.

Alexander Volkov estava inicialmente marcado para a luta principal, mas viu sua posição no card mudar com a contusão do ex-campeão dos pesados Junior Cigano. No lugar do brasileiro, entra o controverso Greg Hardy.

O terceiro evento do UFC na Rússia terá um punhado de representantes do forte MMA daquele país. Pelo peso meio-médio, Zelim Imadaev enfrenta Danny Roberts, enquanto Ramazan Emeev pega Anthony Rocco Martin. Já pela divisão dos meios-pesados, Khadis Ibragimov encara Ed Herman e Shamil Gamzatov abre o card principal contra o brasileiro Klidson Abreu.

O UFC Moscou terá transmissão ao vivo e na íntegra pelo Canal Combate neste sábado (8). O primeiro combate preliminar acontece às 13:00h, enquanto o card principal vai ao ar a partir das 16:00h, sempre pelo horário oficial de Brasília.

Peso Pena: #5 Zabit Magomedsharipov (RUS) vs. Calvin Kattar (EUA)

Por Alexandre Matos

Hoje, o mundo do MMA já sabe o que o MMA Brasil falava antes de Magomedsharipov (17-1 no MMA, 5-0 no UFC) chegar ao UFC: trata-se de um talento pouco comum. O nível dos oponentes do russo deu um salto no último combate, quando ele dominou Jeremy Stephens no UFC 235 – não que ele só teve vida fácil na organização, o que definitivamente não é o caso. Porém, mesmo com vitórias imponentes, algumas questões ainda ficaram no ar em relação a lançar Zabit contra a elite da divisão.

Durante a infância e a adolescência, Magomedsharipov dividiu seu tempo entre o wrestling, principal modalidade esportiva de sua região, o Daguestão, e o tradicional kung fu. Isso moldou um lutador de MMA que se sente à vontade em qualquer situação que o combate se apresente. Ele já deu Showtime Kick, aplicou diversos chutes rodados, usou bem a envergadura com golpes em linha, dominou corpos no clinch, executou quedas e buscou botes tão incríveis de finalização que fez Brandon Davis bater sem nem saber o que estava acontecendo. Apesar do talento gigantesco, Zabit algumas vezes apresentou queda de rendimento no terceiro assalto a ponto de criar dúvidas sobre se ele aguentaria um confronto de 25 minutos ou mesmo um de 15 fisicamente mais intenso. Potência nos golpes não faltam, apesar da estrutura magrila. Resta saber se o corte de peso tem sido severo. O oponente deste sábado é um ótimo teste.

Apesar de não ter o mesmo cartaz do adversário, Kattar (20-3 no MMA, 4-1 no UFC) merece muito respeito. O americano só foi derrotado em um compromisso dos cinco disputados no octógono, mas tem uma vitória relevante a mais do que Magomedsharipov. No última aparição, ele terminou de liquidar o queixo combalido de Ricardo Lamas, em junho. Um ano e meio antes, Calvin havia surpreendido Shane Burgos com um nocaute no terceiro assalto de um combate muito movimentado. Sua única derrota aconteceu contra Renato Moicano, top 10 legítimo, mas não sem dar trabalho ao brasileiro.

Wrestler de origem, Kattar desenvolveu importantes armas na área do striking. Seu serviço de jabs é muito bem feito, servindo como ferramenta ofensiva e defensiva, mantendo os oponentes a uma distância segura. O jogo de pernas possibilita um volume de golpes efetivo e ele consegue atuar bem como contragolpeador ou propondo as iniciativas. Ainda lhe falta mostrar uma variedade maior nas ações ofensivas e nada como um Magomedsharipov para fazê-lo abrir a caixa de ferramentas.

Calvin Kattar vs Zabit Magomedsharipov odds - BestFightOdds
 

As odds razoavelmente largas se dão pela enorme diferença de capacidade técnica entre ambos, mas isso não significa que o russo terá vida fácil, ainda que o condicionamento cardiorrespiratório não será testado a fundo, visto que o duelo ficou mantido em três rounds pelo pouco tempo de mudança.

Kattar tem duas boas chances de vencer. Uma delas, menos provável, é tentar manter a disputa no boxe. Porém, dificilmente ele escapará dos chutes baixos que tanto lhe causaram problemas contra Moicano. Por conta disso – e da imprevisibilidade das ações ofensivas de Zabit -, o mais provável é que o russo consiga quebrar a distância e levar o duelo ao solo, onde sua vantagem técnica aumenta bastante.

O outro caminho para Calvin é aproveitar um eventual cansaço de Magomedsharipov nos cinco minutos finais e atraí-lo para a pancadaria em busca do nocaute. Esta opção é mais viável que a primeira, embora o técnico Mark Henry deva ter ensinado algumas lições a Zabit em cima do ocorrido no terceiro round contra Stephens.

A aposta é que Zabit encherá as pernas de Kattar de bicas, reduzindo o valor do boxe do americano. No segundo assalto, o russo deve buscar as quedas para finalizá-lo na segunda metade do combate.

Peso Pesado: #7 Alexander Volkov (RUS) vs. Greg Hardy (EUA)

Por Rodrigo Rojas

Ex-campeão dos pesados do M1-Global e do Bellator, o russo Alexander Volkov (30-7 no MMA, 4-1 no UFC) chegou como um necessário sopro de renovação na rasa categoria até 120kg do UFC. Depois de vencer os fracos Tim Johnson, Roy Nelson e Stefan Struve, conquistou a maior vitória da carreira ao vencer Fabrício Werdum, credenciando-se a uma disputa pelo título. Porém, aceitou uma luta contra uma certa Besta Negra e acabou nocauteado brutalmente, depois de dominar Derrick Lewis por quase 15 minutos.

Enorme e bastante técnico para a fraca categoria, Volkov destaca-se por estar muito acima da média dos tradicionais trogloditas da divisão. Um dos mais jovens do top 10 da categoria, o Drago é proficiente no kickboxing, com boa capacidade de utilizar golpes retos e chutes para controlar a distância. Utiliza, ainda, boas joelhadas e golpes curtos no clinch e a enorme envergadura para controlar os adversários. A defesa de quedas é bastante decente, e ele mostrou ter grappling para sobreviver aos ataques de Werdum no chão, além de ter finalizado Blagoy Ivanov e Denis Smoldarev.

A capacidade atlética é outro diferencial do russo, que, ao contrário da maioria de seus parceiros da divisão, tem fôlego para lutar três rounds com dignidade. O QI de luta é uma das principais preocupações, já que Volkov costuma tomar decisões pouco saudáveis em uma categoria em que qualquer golpe pode encerrar o combate.

Entrando de última hora para salvar a luta coprincipal da noite, o polêmico Greg Hardy (5-1, 1NC no MMA, 2-1, 1NC no UFC) terá o maior teste da carreira no evento de sábado. Famoso por suas polêmicas nos tempos de futebol americano, Hardy vem sendo promovido fortemente pelo UFC, nadando na onda de sua fama entre o público norte-americano. Pouco experiente no MMA, Greg não cansa de causar controvérsias, tendo sido desclassificado de uma luta por um golpe ilegal e, mais recentemente, por usar um inalador entre rounds.

Com pouco tempo de treino no MMA, Hardy vale-se mais da capacidade atlética e do tamanho descomunal para vencer as lutas. O americano costuma andar pra frente sem parar, procurando brechas para acertar uma de suas patadas, sem grande habilidade para fintar ou combinar golpes de maneira elaborada. Na luta agarrada, não parece ter nada a mostrar, assim como no âmbito defensivo.

No último combate, apresentou alguma evolução ao mostrar que sabe o que é um jab, além de ter algo parecido com um jogo de movimentação para controlar Ben Sosoli sem maiores dificuldades. Se continuar focado nos treinos na ATT, Hardy tem um teto bastante alto, graças ao tamanho e atleticismo.

Alexander Volkov vs Greg Hardy odds - BestFightOdds

Ao contrário da maioria dos fãs do esporte, considero este um casamento bastante intrigante. Apesar de parecer um mismatch, por conta da diferença de experiência e habilidade técnica, a burrice de Volkov e o poder de fogo de Hardy não devem ser subestimados. Ainda assim, a diferença técnica é muito grande, e o russo deve ter capacidade para manter a distância com combinações de golpes. Além disso, se necessário, pode levar o combate para a luta agarrada, âmbito em que Hardy é praticamente leigo. Assim, caso não dê uma queixada na mão do americano, a aposta é em Alexander Volkov, dominando rumo a uma decisão ou, possivelmente, conquistando a interrupção nos minutos finais.

Peso Meio-Médio: Zelim Imadaev (RUS) vs. Danny Roberts (ING)

Por Idonaldo Filho

Atleta local, Zelim Imadaev (8-1 no MMA, 0-1 no UFC) é um sujeito um pouco excêntrico. Prospecto invicto com passagens no Fight Nights Global, nocauteou todos os adversários até ser contratado pelo UFC com comparações com seu parceiro de treinos Zabit Magomedsharipov. Zelim estreou contra Max Griffin em uma luta animada no UFC 236, mas chamou a atenção também fora da luta por causar confusão com o adversário no hotel. Atualmente treinando com Mark Henry, Zelim também tem passagem pela Xtreme Couture.

Imadaev é bem resiliente e um trocador muito dos curiosos, atacando sempre com golpes pouco tradicionais e inesperados. O padrão são chutes e socos rodados displicentes, mas poderosos. Zelim também chuta bastante as pernas do adversário e sabe aplicar pressão quando necessário, ainda que o boxe não seja de encher os olhos e tenha inclinação por esquecer a técnica e partir para a briga. O ponto mais problemático é sua defesa de quedas nula, defeito que fica ainda mais nítido quando tenta algum golpe mais plástico, porém tem facilidade para se levantar. Já mostrou tendência também de segurar na grade lamentavelmente, não sendo o mais limpo dos lutadores.

Com boa carreira no cenário britânico, Danny Roberts (16-5 no MMA, 5-4 no UFC) é conhecido por ser um lutador que sempre entrega lutas movimentadas. O inglês não chegou a ser muito regular no octógono, atualmente amargurando uma sequência dupla de derrotas, e pode perder o emprego se acumular mais uma em Moscou. Em suas últimas lutas, foi vítima de barbeiragem contra Claudio Hannibal em uma decisão duvidosa por parte do árbitro, mas na última não deu nem para o gasto e foi vítima do jogo heterodoxo de Michel Demolidor na estreia do brasileiro.

“Hot Chocolate” é um lutador bem versátil e que conta com boa variedade, mas pouco refino em seu jogo. O jogo em pé carece de volume, mas há uma boa movimentação e uso de fintas, utilizando chutes e socos, soltando geralmente os golpes de forma singular mas com muito poder. O clinch não é muito contundente e, quando lá está, tende a amarrar um pouco o combate. Seu wrestling é subestimado e tem um jogo de chão regular, que dá para ser melhor explorado. Por outro lado, não dá para confiar em Roberts defensivamente. O inglês se abre bastante, não tem um queixo confiável, toma péssimas decisões e, para piorar, sempre aceita a pancadaria, mesmo costumeiramente aparecendo no lado ruim da estatística depois.

Danny Roberts vs Zelim Imadaev odds - BestFightOdds
 

Roberts poderia muito bem explorar a gritante deficiência de Imadaev no wrestling, se o russo não tiver melhorado com os treinos no meio de gente competente. Zelim não defende quedas e, por mais que seja bom scrambler, dá para Danny conseguir uma vitória na decisão desgastando o adversário. Mas quem disse que eu acredito que ele fará isso? Roberts não é um lutador inteligente e, muito provavelmente, vai aceitar a trocação. O inglês até tem vantagem no poder, porém, é bem mais frágil e a luta deve acabar com um nocaute de Zelim Imadaev.

Peso Meio-Médio: Ramazan Emeev (RUS) vs. Anthony Martin (EUA)

Por Matheus Costa

O russo Ramazan Emeev (18-3 no MMA, 3-0 no UFC) terá seu primeiro teste de nível no octógono do UFC. Ex-campeão do M-1 Global pela categoria dos médios, o atleta de 32 anos chegou na organização com boas recomendações, afinal, seu cartel possui boas vitórias – a principal delas sobre Anatoly Tokov. No octógono mais famoso do mundo, são três vitórias por decisão unânime dos juízes: Sam Alvey, Alberto Mina e Stefan Sekulic. Agora, o caldo engrossa um pouco em uma das melhores categorias do esporte.

Emeev é forjado no combat sambo, com um título mundial em seu currículo. O talentoso russo tem um jogo bastante equilibrado: em pé, usa e abusa de jabs para encurtar a distância e combinações simples, porém, efetivas. O único ponto negativo é a parte defensiva, que costuma ser vazada já que sua movimentação de cabeça não é lá grandes coisas – embora o queixo seja muito resistente. No clinch, costuma dominar seus adversários com uma postura agressiva, seja com socos ou joelhadas perigosas. O jiu-jítsu é de bom nível e o suficiente para competir perante grande maioria da divisão.

Anthony Martin (16-5 no MMA, 8-5 no UFC) é um dos principais lutadores do médio escalão da excelente categoria dos meio-médios, conseguindo entregar bons combates contra praticamente qualquer lutador abaixo do top 20 da divisão. Em suas últimas lutas, demonstrou uma boa evolução em seu jogo que lhe rendeu importantes vitórias, até que foi interrompido pelo veterano brasileiro Demian Maia e seu jiu-jítsu fora da curva.

Martin possui base em um competente boxe, que lhe dá facilidade para encurtar distâncias e minar seus adversários com boas e potentes combinações, além de uma boa noção defensiva que o torna um alvo não tão fácil de ser atingido. Um ponto válido a ser ressaltado é a movimentação de Anthony, que pode ser fundamental para fugir da luta agarrada contra o perigoso russo. O nível no grappling é decente, mas a parte defensiva decepcionou um pouco quando ele teve problemas com o jogo de quedas de Demian.

Anthony Rocco Martin vs Ramazan Emeev odds - BestFightOdds

A tendência do confronto é que, assim como em suas últimas lutas, Emeev use o boxe para encurtar a distância e ditar o ritmo do confronto no clinch e no chão, dominando por cima. Tudo depende da movimentação de Martin, que possui um boxe melhor e mais técnico, e caso consiga fazer uma boa estratégia para evitar o grappling, pode surpreender. A aposta fica para que tudo saia como planejado: Emeev coloque seu bom sambo em prática e domine o confronto, levando a luta pro chão e deixando Martin de costas para o chão por três longos rounds. O palpite fica para a vitória de Ramazan Emeev, por decisão dos juízes.

Peso Meio-Pesado: Shamil Gamzatov (RUS) vs. Klidson de Abreu (BRA)

Por Diego Tintin

Shamil Gamzatov (13-0 no MMA) é do Daguestão, contudo, diferente do comum com gente daquela região, talvez seja melhor conter a empolgação com ele. Depois de uma boa carreira nos eventos locais, entrou para o torneio peso médio do PFL e se saiu bem. Derrotou de maneira tímida o vencedor do TUF 19 Eddie Gordon e o fraco veterano Rex Harris. Estava entre os candidatos a vencer a chave, até receber o convite do UFC.

Na luta em pé, Shamil tem uma certa dificuldade de encontrar sua distância ideal. Ele costuma errar mais golpes que acertar, mas até que vem apresentando alguma melhora neste aspecto em suas últimas lutas. O jogo de quedas sempre funcionou relativamente bem, mas é preciso registrar o nível de concorrência mais baixo até o momento. No solo, o russo tem qualidade, poder de finalização e trabalha com paciência as transições e o ground and pound. O condicionamento não é dos mais impressionantes, com algum histórico de problemas neste aspecto.

Klidson Abreu (15-3 no MMA, 1-1 no UFC) é cria do mesmo bairro de José Aldo, em Manaus: o bairro Alvorada. Depois de mudar para o Paraná e lá começar sua carreira, Klidson venceu o hoje badalado Johnny Walker. Solidificou sua carreira com o cinturão do Brave FC e em alguns eventos russos, inclusive com boa vitória sobre Viktor Nemkov. Na estreia pela maior organização do mundo, o manauara sucumbiu à força física e jogo de pressão de Magomed Ankalaev, com o atenuante de ter pego a luta com pouca antecedência e contra um cara muito bom. A recuperação veio contra o cada vez mais lamentável Sam Alvey, com domínio tranquilo por parte do brasileiro.

O ponto mais forte do jogo do “Urso Branco” é a luta agarrada. Ele está sempre focado em levar o combate para o solo, onde tem boa desenvoltura e facilidade para buscar posições de submissão. Chegar à montada ou às costas do oponente são seus movimentos preferidos e uma vez nestas condições, Abreu é uma grande ameaça. Na luta em pé, tem potência, mas falta uma certa técnica de combinações e movimentações. Com sua qualidade no solo, parece se preocupar pouco em defender quedas, sendo desequilibrado com certa facilidade. Outro problema é a dificuldade em conseguir estas quedas contra concorrência mais qualificada. A esperança para a jovem promessa é ajustar estas lacunas com os treinos na grande equipe American Top Team.

Klidson Abreu vs Shamil Gamzatov odds - BestFightOdds
 

São dois lutadores com características parecidas: pouca técnica em pé, força no jogo de solo e algumas dificuldades no ataque e defesa de quedas e também no condicionamento. Porém, de alguma forma, o brasileiro é um pouco melhor em quase todas estas áreas. Pouca coisa em pé, mas significativamente melhor no jogo de solo. Diante deste cenário, é prudente apostar em vitória de Klidson por decisão, ou até uma submissão, caso a oportunidade se apresente. Para Gamzatov, a estratégia mais prudente seria manter o duelo em pé e subir muito o volume de golpes, mesmo errando acima da média, para deixar o amazonense ocupado e sem espaço para buscar a luta de solo.