Por Edição MMA Brasil | 15/05/2020 17:44

Encerrando uma cansativa sequência de três eventos em apenas sete dias, o UFC Flórida fecha a conta da maior organização com um card menos interessante do que os outros dois, mas que continua competente e deve entregar boas lutas do início ao fim.

LEIA MAIS
Podcast It’s Time! Ep 340: Review do UFC 249
Resenha MMA Brasil: UFC Jacksonville
Seja colaborador do MMA Brasil

Na luta principal da noite, o experiente Alistair Overeem encara Walt Harris pela categoria dos pesos pesados, em duelo que não deve chegar ao fim dos cinco rounds.

card também tem combates relevantes em diferentes categorias. Nos palhas, a ex-desafiante Cláudia Gadelha encara a ex-campeã do Invicta FC Angela Hil, enquanto nos penas, Edson Barboza tenta sua primeira vitória na categoria contra o promissor Dan Ige. Por fim, o promissor chinês Yadong Song enfrenta o estabilizado Marlon Vera.

O UFC Flórida será transmitido com exclusividade pelo Canal Combate. O card preliminar está previsto para começar às 19:30h, enquanto o card principal deve ir ao ar às 22:00h, sempre pelo horário oficial de Brasília.

Peso pesado: #8 Alistair Overeem (HOL) vs. #9 Walt Harris (EUA)

Por Idonaldo Filho

Os tempos áureos com 12 lutas vencidas em sequência, quatro anos invictos e muita carne de cavalo já não existem mais. Por isso, Alistair Overeem (45-18 no MMA, 10-7 no UFC) teve que remodelar o seu jogo. Um dos maiores kickboxers a atuarem no MMA, Overeem segue até hoje muito importante na divisão dos pesados e chegou a conquistar um title shot contra Stipe Miocic, conseguindo até a aplicar um pesado knockdown no campeão, mas sem conseguir a vitória. Na última luta, entregou a paçoca faltando quatro segundos para o fim contra Jairzinho Rozenstruik.

Overeem sempre foi conhecido pelo queixo fraco e isso vai atormentar o seu jogo eternamente, mas nos últimos tempos, ele parece tomar mais cuidado para esconder essa fraqueza, com um jogo mais cauteloso e evasivo. Excelente tecnicamente, o arsenal de golpes do holandês é enorme, contando com potentes chutes e joelhadas. No clinch é onde Overeem faz muito estrago, sendo temido nesse aspecto inclusive pelos maiores kickboxers de sua geração. O chão não costuma decepcionar, tendo essa alternativa contra adversários cegos na área – que existem a rodo nos pesados, abusando de um ground and pound potente. Existem problemas de condicionamento, além do já citada absorção negativa de golpes.

“The Big Ticket” Walt Harris (13-7 no MMA, 6-6 no UFC) fará sua primeira luta após um grande drama pessoal, que foi a morte de sua enteada em um caso de assassinato que comoveu o mundo do esporte. Harris teve uma primeira passagem bastante apagada pelo UFC, mas em seu retorno, após momentos de irregularidade, conseguiu se firmar como membro do ranking dos pesados. Suas duas últimas vitórias aconteceram antes mesmo de um minuto, em uma surra contra o estreante Sergei Spivak, além do rápido nocaute sobre Aleksei Oleinik, em apenas doze segundos.

Harris tem background atlético no basquete e também é campeão do Golden Gloves, famoso torneio amador de boxe. Explosivo e dono de mãos pesadas, Walt é um peso pesado agressivo e muito perigoso quando avança, que costuma fazer bastante estrago com sequências de socos. A movimentação é boa e o americano é acima da média da categoria fisicamente. Um problema que é muito conhecido sobre o atleta é a falta de habilidade no chão, além do QI de luta muito problemático, que já lhe custou algumas derrotas.

Alistair Overeem vs Walt Harris odds - BestFightOdds
 

Não que Overeem não tenha capacidade para vencer a luta em pé, afinal de contas, ele é talvez o mais versátil striker da divisão. Mas acredito que a melhor decisão seja utilizar a luta agarrada, grudar Harris na grade, derrubar e finalizar. Para Walt é questão de aproveitar o fato de ser o lutador com menor quilometragem, com dez anos a menos de carreira que Overeem, e conseguir o nocaute em pé, insistindo em investidas com explosão e contragolpes.

Acho que em algum momento da luta, Overeem consegue levar a luta para a grade, causar algum dano no clinch e levar a luta para solo, onde deve finalizar Harris sem muitos problemas ou obter o nocaute técnico.

Peso palha: #6 Cláudia Gadelha (BRA) vs. Angela Hill (EUA)

Por Matheus Costa

Em busca de uma reafirmação na categoria dos palhas, a ex-desafiante Cláudia Gadelha (17-4 no MMA, 6-4 no UFC) almeja retomar aos bons dias de sua carreira. Com duas vitórias em suas últimas quatro lutas, não são apenas os resultados que são irregulares, mas, principalmente, suas atuações no octógono.

Campeã mundial de jiu-jítsu, a brasileira possui um alto nível na luta agarrada e destoa de grande parte da categoria neste sentido, além de ter um dos melhores jogos de queda entre o peso palha. Em pé, evoluiu ao longo do tempo para se tornar uma boxer potente e competente na curta distância, mas sem muita variedade de golpes em seu arsenal ou criatividade para encontrar ângulos no ataque. Ao longo de suas últimas lutas, entretanto, Gadelha mostrou atuações burocráticas em suas vitórias, lutando de maneira mais conservadora e tentando não se expor tanto.

Ex-campeã do Invicta FC, Angela Hill (12-7 no MMA, 7-7 no UFC) talvez seja o maior exemplo de porteira na categoria dos palhas. Com um jogo bem básico, ela costuma ter bons momentos contra atletas de menor nível, mas sempre que o sarrafo sobe um pouco, ela não consegue lidar com a competição e acaba sendo derrotada.

Aos 34 anos, Hill é veloz, tem bom controle de distância e bons valores na luta em pé, como a eficiência de seu jab e bons chutes na hora de realizar combinações. Vale destacar a boa noção de Angela na curta distância, já que sempre oferece risco com bons cruzados e volume considerável, além de um bom poder de nocaute que acaba sendo subestimado muitas vezes. Todavia, suas últimas lutas mostraram que a atleta não aprendeu com seus erros: a exposição desnecessária aos contragolpes, falta de movimentação de tronco e um nível fraco na luta agarrada, que não deve oferecer qualquer resistência caso a brasileira queira impor seu jogo no tablado.

São duas atletas que podem explorar os defeitos das outras, mas há uma diferença técnica bem considerável que torna a ideia improvável. Angela precisa usar a distância para jogar na longa e evitar o jogo de quedas da brasileira, que se for utilizado, dificilmente será parado pela americana.

Angela Hill vs Claudia Gadelha odds - BestFightOdds

Imagino que Gadelha queira se testar na trocação contra Hill e tente encurtar a distância, mas caso encontre dificuldade, irá desequilibrar o confronto ao levar o duelo para o chão. A expectativa é por uma vitória da brasileira por decisão unânime em um confronto bem morno.

Peso pena: #15 Dan Ige (EUA) vs. LW #11 Edson Barboza (BRA)

Por Gabriel Fareli

Dan Ige (13-2 no MMA, 5-1 no UFC) é mais um bom produto oriundo do Contender Series. Após estrear com derrota para Julio Arce, Dan emendou cinco vitórias consecutivas sobre Mike Santiago, Jordan Griffin, Danny Henry, Kelvin Aguilar e Mirsad Bektic, o que deu a Ige uma vaga entre os quinze melhores lutadores da categoria até 66kg.

O “Dynamite” é um wrestler que também tem boas valências na luta em pé. Com um estilo agressivo, uma esquerda muito potente, e usa bem as combinações para atacar seus adversários, além de ter um bom preparo físico e resistência a golpes. Tem boa entrada de queda para derrubar, mas tem dificuldade quando a luta está no chão, principalmente nas transições. Mas apesar disso, é muito perigoso quando está por cima.

Não dá para negar que Edson Barboza (20-8 no MMA, 14-8 no UFC) falhou em todas as vezes em que esteve próximo de receber uma oportunidade de disputar o cinturão, mas também é inegável que o friburguense merece um melhor reconhecimento pela sua brilhante carreira até aqui. Edson tem dez anos de evento, quase sempre se manteve ranqueado e já venceu nomes como Gilbert Melendez, Anthony Pettis, Paul Felder e Ross Pearson.

Mas após ficar num limbo na categoria até 70 quilos, inclusive pedindo para ser liberado do seu contrato, e sem perspectiva de título num futuro próximo, o brasileiro resolveu descer de categoria e encarar um novo desafio nos pesos pena.

Edson é um kickboxer de excelência, tem mãos rápidas e seus chutes já causaram grandes problemas em bons lutadores, seja nocauteando ou fazendo estrago por volume de golpes. Sua defesa de quedas é decente, mas não é nenhum primor. Barboza também peca por se movimentar pouco e ficar muito plantado, o que o torna alvo fácil para adversários velozes e deixa seu jogo muito previsível em algumas ocasiões.

Dan Ige vs Edson Barboza odds - BestFightOdds
 

Não se sabe como Edson vai reagir a um corte ainda mais severo de peso. O jogo ideal para o atleta da região serrana seria usar bastante dos seus chutes para evitar a curta distância e a esquerda pesada do atleta havaiano.Todavia, a aposta aqui é que Dan Ige já acostumado a essa categoria e ciente do perigo de manter a média distância, vá usar seu wrestling para derrubar e vencer por nocaute técnico se aproveitando do seu perigoso ground and pound.

Peso pena: BW #14 Yadong Song (CHN) vs. BW #15 Marlon Vera (ECU)

Por Matheus Costa

Aos 22 anos, Song Yadong (14-3 no MMA, 4-0 no UFC) é um dos lutadores mais talentosos da nova geração e, pessoalmente, um dos meus favoritos. O atleta da Team Alpha Male é profissional desde seus 15 anos e impressiona pela maturidade técnica mesmo com tão pouca idade.

Em pé, o jogo de Song se destaca com um alto nível de pressão, golpes eficientes em linha reta e um bom controle de distância. Suas combinação são bem vastas e agressivas, com jabs, cruzados e cotoveladas efetivas, já que Yadong possui um ótimo poder de nocaute. Não só isso, mas sua experiência na Alpha Male faz com que ele esteja evoluindo na luta agarrada, com destaque no clinch, que pode se tornar mais um item vital ao jogo do chinês.

Uma das surpresas recentes da categoria dos galos, o equatoriano Marlon Vera (17-5-1 no MMA, 9-4 no UFC) se tornou um trocador básico que teve boa atuação no TUF América Latina para um dos melhores lutadores de uma das melhores divisões do UFC. Com cinco vitórias consecutivas, porém, ele enfrenta o primeiro teste de nível depois de um bom tempo.

Resistente e com boas noções , Vera se tornou um lutador de jiu-jítsu de nível regular para um striker decente com bom volume e bons chutes. Entretanto, os problemas defensivos do equatoriano são persistentes e precisam ser corrigidos para que ele consiga superar uma oposição de alto nível. Na luta agarrada, Vera consegue criar boas situações ofensivas mas compensa com falhas defensivas.

Marlon Vera vs Song Yadong odds - BestFightOdds
Foi bem legal assistir a ascensão de Marlon Vera na categoria dos galos. É um lutador que entrega boas lutas, tem boas atuações e parece ser dedicado nos treinos, algo que justifica sua evolução. Mas todo mundo tem um teto, e acredito que chegou a vez do equatoriano.

Aposto em uma luta bastante divertida e que pode se desenvolver em diversas situações, mas vou abordar duas. Se Vera conseguir colocar o chinês no chão, sem dúvidas, será sua maior chance. Mas acredito que não terá essa oportunidade. Por isso, aposto em uma vitória por decisão unânime de Song, que deve dominar a luta em pé e protagonizar um bom combate.