UFC Fight Night 98: Dos Anjos vs. Ferguson – Prévia do Card Principal

UFC Fight Night 98: Dos Anjos vs. Ferguson – Prévia do Card Principal
MMA

O UFC Fight Night 98, na Cidade do México, tem três bombásticos duelos no peso leve, liderados por Rafael dos Anjos contra Tony Ferguson, além da estreia da estrela em potencial Alexa Grasso.

Em meio a um cenário desolador de eventos fracos sufocados por megacards, o UFC Fight Night 98, também chamado de TUF América Latina 3 Finale, é uma boa exceção. A Arena Ciudad de México, na capital mexicana, será palco de um card principal repleto de lutas interessantes, incluindo uma fundamental para a categoria mais forte do MMA.

O ex-campeão dos leves Rafael dos Anjos tenta voltar à disputa do cinturão. Para isso, terá que interromper a maior série de vitórias da categoria, a de Tony Ferguson, que não perde há oito compromissos.

Pela mesma divisão, dois outros combates que prometem muita ação. O favorito dos fãs Diego Sanchez dá as boas-vindas ao polonês Marcin Held, enquanto o iraniano Beneil Dariush e o russo Rashid Magomedov lutam pelo avanço no ranking.

No peso pena, o americano filho de mãe mexicana Ricardo Lamas foi redirecionado do evento cancelado nas Filipinas para encarar o brasileiro Charles do Bronx. Abrindo a porção principal, a candidata a estrela Alexa Grasso estreia no UFC diante de seus compatriotas contra Heather Jo Clark.

UFC Fight Night 98 terá transmissão ao vivo e na íntegra pelo canal Combate. A primeira luta do card preliminar está marcada para às 20:30h, enquanto a porção principal do evento deve ir ao ar a partir da meia-noite, sempre no horário oficial brasileiro de verão.

Peso Leve: #2 Rafael dos Anjos (BRA) vs. #3 Tony Ferguson (EUA)

Rafael dos Anjos

Estabelecido como o número um do mundo da categoria mais forte do MMA, Dos Anjos (25-8 no MMA) enfileirou corpos de um modo brutal e parecia imparável como campeão do UFC. Até que bateu de frente com uma locomotiva desgovernada como ele. Contra Eddie Alvarez, o carioca viu um contragolpe assombroso pegá-lo em cheio e tirá-lo da luta. A partir daquele momento, apenas o coração manteve Rafael de pé por cerca de um minuto, até sucumbir à pressão do atual dono do cinturão. Agora é hora de retomar o trilho das vitórias.

É sabido por todos os que acompanham o MMA mais de perto que Dos Anjos viveu uma reinvenção assustadora de seu jogo. O excelente jiu-jiteiro virou um lutador completo, com um muay thai perigoso, wrestling eficiente e preparo físico bem acima da média. Parte dessa evolução deve ser creditada ao tempo dedicado a Kings MMA do técnico Rafael Cordeiro e sua excelente trupe de treinadores. Porém, na metade do camp para esta luta, Dos Anjos encerrou a parceria vitoriosa com Cordeiro e decidiu montar sua própria equipe, ainda que usando parte dos recursos humanos que estavam à disposição na Kings. No mínimo liga-se um sinal de alerta, parecido com o que acendeu para Glover Teixeira pouco tempo atrás.

Tony Ferguson

Oito vitórias consecutivas valeria o posto de desafiante para a maioria do plantel do UFC. Porém, estamos falando do peso leve, a maior selva da organização. Por este motivo, Ferguson (22-3 no MMA) está aí, na labuta, com risco de ganhar a nona e perder o posto para Khabib Nurmagomedov, com iguais oito vitórias consecutivas. Em sua maior vitória, “El Cucuy” finalizou Edson Barboza numa das lutas mais empolgantes de 2015. No compromisso seguinte, disputaria a vaga em confronto direto com Nurmagomedov, mas problemas de calendário o colocaram diante do novato Lando Vannata, que lhe deu muito trabalho.

Há que se levar em conta que Ferguson se preparava para Michael Chiesa e teve que mudar de foco faltando duas semanas para estudar o jogo de Vannata, fundamentalmente diferente do oponente original. Ainda assim, a atuação de Tony deixou alguns ressabiados, tamanho o trabalho que ele teve com o estreante, que até knockdown implantou. Porém, pegando o resto da sequência do “Bicho-Papão”, vê-se um dos lutadores mais dinâmicos, empolgantes e versáteis da categoria, com um boxe de alta pressão, bom jogo de quedas e transições e botes no chão dignos de competidores brasileiros, inclusive por baixo. Isso tudo também protegido por um repositório de gás que parece não ter fim.

Rafael Dos Anjos vs Tony Ferguson odds - BestFightOdds

Este é um duelo de muito difícil previsão e uma quase certeza: será épico. Confrontar dois sujeitos repletos de ferramentas e volumes de luta bastante elevados é convite para a felicidade.

Quando Ferguson pisa no acelerador, é difícil contê-lo. Por outro lado, Dos Anjos não tem a menor dificuldade de abrir os trabalhos sob alta intensidade e se manter assim pelos 25 minutos seguintes. Esta diferença de volume inicial pode ser um trunfo importante para deixar o brasileiro na dianteira logo de cara.

Rafael é mais versátil em pé e ajustou muito bem as transições em seu jogo para a luta agarrada, que ainda é seu carro-chefe. Porém, mais importante nesta luta é o melhor sistema defensivo do brasileiro. Todas essas características somadas devem dar vantagem a Dos Anjos e conduzi-lo a uma vitória por decisão, mas nunca duvide da possibilidade de Ferguson repetir o feito de Alvarez.

Peso Leve: Diego Sanchez (EUA) vs. Marcin Held (POL)

Diego Sanchez

Tem gente que está no UFC visando o título. Outros estão para ganhar seu dinheiro honesto. E há Diego Sanchez (28-9 no MMA), com o único intuito de entreter as massas. Em suas últimas nove lutas, ele venceu quatro, mas apenas contra Jim Miller o resultado não foi um presente ridículo dos juízes. Mesmo com um extraoficial retrospecto de 1-8, não há como cogitar a hipótese de demiti-lo, mesmo depois do atropelamento sofrido diante de Joe Lauzon, no UFC 200.

Hoje em dia não há análise técnica de Sanchez. Ele um dia teve um jogo bem definido de muay thai, wrestling e jiu-jítsu. Nos tempos recentes, trocou tudo pelo “vamo lá porra”, boxe de ventilador no pior estilo Leonard Garcia, defendendo golpes com o rosto, mas sempre avançando para cima dos oponentes até deixá-los desconfortáveis. Tem servido para enganar um monte de juiz e deixar os torcedores de pé, nervosos pela expectativa de que qualquer coisa poderia acontecer, menos monotonia.

Marcin Held

Dentre vários lutadores do plantel do Bellator que despertavam o interesse do público em vê-los em ação no UFC, um dos mais interessantes era Held (22-4 no MMA), jovem candidato a fenômeno polonês que fez mais lutas do que aniversários. Ele estreou no MMA aos 16, chegou no Bellator aos 18, perdeu uma final de torneio aos 21 e finalmente venceu aos 23, quando anotou importantes vitórias sobre Patricky Pitbull, Tiger Sarnavskiy e Derek Anderson. Held só parou em Will Brooks, na disputa do cinturão, mas se recuperou vingando a derrota para Dave Jensen.

Polonês mais jovem a conquistar a faixa preta de jiu-jítsu, Held tem inúmeros títulos em competições de luta agarrada. No MMA, seu estilo lembra um pouco o de Toquinho, com uma busca insaciável pelas pernas dos adversários. E não adianta socar o polonês para que ele não grude na sua perna, pois isso vai acontecer. Porém, Held é ainda mais versátil que Toquinho no chão e suas habilidades no striking hoje em dia vão além de um atalho para encurtar distância, com um digno combo de jab-direto-chute jogado em profusão.

Diego Sanchez vs Marcin Held odds - BestFightOdds

Para prever esta luta, precisamos partir de dois pressupostos: Held é um monstrinho no chão, mas Sanchez, outro excelente jiu-jiteiro, é quase infinalizável. Por outro lado, é difícil imaginar que o americano conseguirá nocautear o polonês com sua absurda falta de precisão.

Deste modo, temos dois lutadores que imprimem ritmo forte desde o começo, mas um deles acerta mais enquanto o outro é mais acertável. Como as inúmeras batalhas já estão cobrando o preço para Diego, a possibilidade de acabar nocauteado sempre deve ser levada em consideração, mas o mais provável é que Marcin mantenha o controle da situação, ora lutando em pé, ora botando pressão no chão, até a decisão dos juízes.

Peso Pena: #4 Ricardo Lamas (EUA) vs. #8 Charles “do Bronx” Oliveira (BRA)

Ricardo Lamas

Prestes a colocar o maior nome de sua carreira na lista de vitórias, Lamas (16-5 no MMA) viu a luta contra BJ Penn cair no cancelamento do evento nas Filipinas, no mês passado. Era a chance de voltar ao lado positivo depois de ser dominado por Max Holloway, em junho. Ricardo, que abriu a corrida no UFC com 6-1 e uma derrota na disputa do cinturão, hoje amarga retrospecto negativo de 1-2, com vitória sobre Diego Sanchez e um brutal nocaute sofrido contra Chad Mendes.

Consistente, oportunista e atlético, Lamas é o típico lutador nota 7 em todas as vertentes do jogo, mas sem ser fenomenal em nenhum. Sua grande facilidade em encontrar brechas o mantém há alguns anos entre os cinco da categoria, mas a falta do “algo mais” o fez parar na competição de elite que enfrentou. Seu kickboxing é bastante decente e será posto à prova contra um oponente criativo. Seu wrestling não deverá encontrar muita resistência, mas o ótimo controle posicional terá um azougue por baixo. Em meio a este confronto, Lamas terá que ter cuidado com os eventuais lapsos de atenção que já mostrou.

Charles do Bronx

Depois de estrear no peso pena com um par de derrotas para integrantes do top 5, Charles (21-6 no MMA) emendou quatro vitórias importantes, escalou o ranking e se posicionou para entrar no top 5. Neste momento, sofreu uma contusão na luta contra Holloway, viu o havaiano avançar e teve que dar um passo atrás. Do Bronx então finalizou o talentoso Myles Jury de modo sensacional e deu trabalho a Anthony Pettis antes de ser finalizado pela segunda vez na carreira.

Se falta ao brasileiro a consistência de Lamas, sobram agressividade, criatividade e oportunismo. Em pé, Charles usa um muay thai de pressão no clinch e combinações curiosas, que deixam os oponentes meio sem saber o que esperar. No chão, encará-lo pode ser um desespero, pois qualquer posição rende oportunidades e ele não precisa de muitos segundos para encaixar alguma coisa. Pelo lado negativo, o gás nunca foi seu amigo e a mesma agressividade que o ajuda ofensivamente gera um mar de buracos para todos os gostos.

Charles Oliveira vs Ricardo Lamas odds - BestFightOdds

Caso mantenha-se atento, Lamas pode usar a agressividade de Oliveira contra ele, explorando os buracos defensivos na troca de golpes enquanto consegue uma brecha para derrubar, cair por cima, colar a testa no peito do paulista, fechar os espaços e bater no ground and pound. Porém, se Lamas se deixar ser sugado pelo furacão, os fãs verão alguns momentos sensacionais, mas as chances de derrota para o americano sobem consideravelmente. Minha aposta é na consistência de Lamas, mas sem nenhuma convicção.

Peso Leve: #9 Beneil Dariush (IRN) vs. #15 Rashid Magomedov (RUS)

Beneil Dariush

Embalado com quatro vitórias dominantes numa categoria tão complicada, Dariush (13-2 no MMA) ganhou muita moral, mas viu parte dela ruir quando foi beneficiado por uma decisão bem controversa dos julgadores no triunfo sobre Michael Johnson. Para piorar, perdeu a luta seguinte para Michael Chiesa, que surpreendentemente o finalizou no segundo assalto. O iraniano teve que dar um passo atrás para brutalizar James Vick e voltar ao sentido correto de sua caminhada rumo ao topo.

As altas expectativas depositadas sobre Dariush não são à toa. O rapaz é um grappler muito talentoso, faixa-preta de jiu-jítsu graduado por Romulo Barral, sufocante quando tem o controle posicional, fluido nas transições e bastante difícil de ser raspado. Ele é tão bom que eu não duvido que a derrota para Chiesa tenha tido um quê de excesso de confiança. No wrestling, os treinos com Jacob Harman, na Kings MMA, evoluíram a defesa e melhoraram os ataques nas pernas e o armdrag para pegar as costas, situação em que Dariush é quase indefensável. Na troca de golpes, é um lutador agressivo, com mentalidade ofensiva, versátil no muay thai apurado por Rafael Cordeiro, capaz de tirar proveito da longa envergadura.

Rashid Magomedov

Até hoje, Magomedov (19-1 no MMA) enfrentou apenas prospectos ou veteranos que pouco lhe ofereceram riscos. Mas as quatro vitórias no UFC e a campanha pretérita fazem dele um dos principais valores em ascensão na divisão mais difícil do MMA. Contra Gilbert Durinho, na última apresentação, Magomedov impôs seu jogo diante do público brasileiro. Contudo, essa foi a última vez que Rashid subiu no octógono, há um ano.

Russo do Daguestão, a melhor escola de wrestling da face da Terra, Magomedov se destaca mesmo pela troca de golpes vistosa, com combinações tecnicamente limpas e controle de distância ainda melhor. Atuando fundamentalmente de longe, com um sólida postura de contragolpeador e usando muito bem os golpes em linha reta e chutes, Rashid dá a impressão de não desperdiçar golpes, fazendo com que os rivais sempre tenham que lidar com punhos e canelas disparados num fluxo difícil de antecipar. E, claro, como qualquer sujeito que pratique lutas no Daguestão, Magomedov tem uma excelente defesa de quedas e, ainda que não esteja no nível de Dariush no solo, sabe se virar para escapar da pressão.

Beneil Dariush vs Rashid Magomedov odds - BestFightOdds

Esta é uma das melhores lutas longe dos holofotes que o UFC escalou para esta reta final de 2016.

Dariush meteu o pé da Kings MMA no meio da preparação para esta luta, seguindo Rafael dos Anjos. Portanto, a mesma dúvida que paira sobre o brasileiro também fica sobre o iraniano. Mais do que nunca, os préstimos de Cordeiro seriam importantes, visto que Magomedov é muito perigoso no contragolpe e favorito caso a luta se transcorra no ramo do striking.

A não ser que a evolução do wrestling de Dariush tenha chegado num nível mais alto, ou que a longa inatividade do russo cobre o preço, é difícil imaginar que ele vai conseguir derrubar Magomedov. Na troca de golpes, a agressividade um tanto desprotegida de Beneil encontrará problemas com a precisão da retaliação de Rashid. O palpite é vitória do daguestani por decisão.

Peso Palha: Alexa Grasso (MEX) vs. Heather Jo Clark (EUA)

Alexa Grasso

Apenas 23 anos de idade, menos de 10 lutas profissionais em seu crédito. Ainda assim, não é exagero apostar que Grasso (8-0 no MMA) não só é a principal prospecto da divisão em todo o mundo, mas também é uma estrela em potencial. Com quatro vitórias no Invicta FC, a jovem mexicana provavelmente seria a próxima desafiante de Angela Hill, mas o matchmaker Sean Shelby agiu mais rápido. Das oito vitórias, destaca-se a sobre Mizuki Inoue, que carimbou o passaporte para o UFC da atual desafiante Karolina Kowalkiewicz e também o de uma possível futura desafiante.

O que faz de Grasso uma estrela em potencial? A aparência física, infelizmente ainda muito importante no esporte feminino, se completa com um jogo que muitas vezes é quase patologicamente agressivo, que alia técnica muito bem apurada na troca de golpes com alta pressão, mas sem deixar que o ritmo intenso atrapalhe sua visão de luta. Como uma boa mexicana, começou no boxe, na academia do pai e do tio (onde ajudava na limpeza e na recepção), passou para o jiu-jítsu com a parceira de equipe Irene Aldaña e finalmente chegou ao MMA.

Heather Jo Clark

Instabilidade, pelo menos de resultados, é o nome do jogo de Clark (7-5 no MMA). Com 2-2 no XFC e 0-1 no Bellator, ela foi aproveitada no TUF 20, que inaugurou a categoria no UFC, e acabou criando uma aura antipática na casa, envolvida em quase todas as tretas. No programa, foi derrotada logo na estreia por Felice Herrig, que já a havia superado no Bellator. Já no UFC, a “Furacão” passou por Bec Rawlings e teve o desprazer de servir como oponente de Kowalkiewicz.

Não faltaram boas academias na vida de Clark. Ela iniciou no mundo das lutas numa filial da Chute Boxe na Califórnia, treinando kickboxing. Em seguida, passou pela Jackson-Wink MMA, onde conheceu Diego Brandão, que a graduou como faixa-roxa de jiu-jítsu. Hoje está sediada em Vegas, treinando na Syndicate MMA com Roxanne Modafferi, Vinny Magalhães, Mike Pyle e outros veteranos. Bastante intensa e agressiva tanto no boxe quanto no kickboxing, Heather é perigosa nas transições no chão, mas deixa pelo caminho um vasto repertório de furos defensivos em todos os ramos do jogo, o que faz com que ela tenha que se basear demais no queixo duro e no coração do tamanho do mundo.

Alexa Grasso vs Heather Jo Clark odds - BestFightOdds

Se há no plantel do UFC um bom teste para a estreia de Grasso é Clark, daquelas que apanham e continuam avançando, colocando uma pressão que pode assustar uma novata. Porém, apesar da idade, Alexa não é boba e usa ferro para afiar ferro. Melhor em pé, no clinch e pelo menos equilibrada no chão, a mexicana deve dar à americana sua segunda derrota por nocaute na carreira.

  • Gabriel Carvalho II

    Ri pra caralho do ”vamo lá porra”. Diego Sanchez é um baita sujeito, tem meu respeito eterno.

    E achei maneiro o fato do UFC finalmente respeitar o público mexicano com um card decente. RDA vs. Ferguson é um dos melhores casamentos sem cinturão já feitos nos últimos anos, deve ser uma batalha bem interessante.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Vou perder esse card excelente, acho que vou ver só até a luta do Sam Alvey que deve ser bem bacana também, mas na boa, se o Diego Sanchez vencer a luta por decisão controversa… nos melhores do ano pode fazer uma categoria “preferido dos juízes”, por que tá foda. No mais a luta do RDA pra mim tem tudo pra concorrer na melhor luta do ano, espero que não acabe rápido.

  • James sousa

    essa luta principal é uma das melhores que poderiam ser feitas na divisão atual dos leves , assim como Dariush e Magomedov ,um bom teste por Russo tentar entrar no top 10 da divisão na verdade o Dariush ainda está na Kings ele só foi fazer a preparação em relação a altitude junto com o Rafael

    • Dariush seguiu o Rafael. Ele até pode estar também na Kings, mas foi com o Rafael.

  • Marcos E

    Muito empolgado para essas lutas. Dei muita risada com o parágrafo do Diego Sanchez, “vamo lá porra”! Mas sinto que ele encarna na boa esse papel que tem no UFC. Ele é uma figura caricata e suas entrevistas são muito engraçadas. Parece que o cara fritou todos os neurônios de tanto levar porrada na cabeça. E usa muito bem a sua personalidade para alavancar sua imagem e permanecer como fan favorite.

    Curioso para ver Alexa Grasso.

    • Não foi só porrada na cabeça que fritou os neurônios do Sanchez.

  • Beto Magnun

    Puta falta de profissionalismo por parte do Charles. 5KG ACIMA DO PESO É DE FODER… Acho que dessa vez ganhando ou perdendo ele vai ser vitima do facão do UFC.

    • James sousa

      duvido que ele seja demitido ,vai ter que luta nos leves

      • Lero

        E de presente uma luta contra o perdedor de Ferguson e dos Anjos.

    • 5kg dentro de uma rotina de não bater peso.

  • Guilherme Yamashita Anami

    Tô bem curioso pra luta da Alexa. A menina é sanguinária, com striking e jogo de chão bem agressivos. Infelizmente concordo beleza ainda é necessária pra virar estrela no MMA feminino, então ela é praticamente o $onho de qualquer promotor de MMA. Se não extinguirem o TUF, ainda teremos uma edição EUA X México, com Grasso e Van Zant, rs…