UFC Fight Night 113: Nelson vs. Ponzinibbio – Prévia das Principais Lutas

A capital escocesa volta a receber o octógono mais famoso do mundo neste domingo, no UFC Fight Night 113, evento que conta com uma importante disputa de meios-médios e outra no peso palha feminino liderando o card.

O oitavo ginásio que mais vendeu ingressos no mundo em 2016 volta a receber o octógono mais famoso do planeta. O SSE Hydro, em Glasgow, na Escócia, será palco do UFC Fight Night 113, que reunirá neste domingo uma penca de europeus contra forasteiros das Américas.

O combate principal será o único que não terá representantes das Ilhas Britânicas. O islandês Gunnar Nelson e o argentino Santiago Ponzinibbio duelam pelo direito de se aproximar das escalas mais altas do ranking dos meios-médios.

Defendendo as honras da casa, três escoceses espalham-se pelo card principal. Na primeira, Paul Craig pega Khalil Rountree, no peso meio-pesado. Duas lutas depois, o peso leve Stevie Ray encara o americano Paul Felder, em forte candidata a luta da noite. Em seguida, na coprincipal, Joanne Calderwood enfrenta a revelação americana Cynthia Calvillo pelo peso palha.

Dos outros dois combates que fazem parte desta prévia colaborativa, um está no card principal e outro foi pescado das preliminares. O galês Jack Marshman enfrenta o canadense Ryan Janes, no peso médio, enquanto o peso mosca brasileiro Alexandre Pantoja tenta a segunda vitória no UFC contra Neil Seery.

Como de costume em cards europeus, o UFC Fight Night 113 começará bem mais cedo. A abertura do card preliminar está marcado para às 13:00h, enquanto a porção principal vai ao ar a partir das 16:00h, sempre pelo horário oficial de Brasília. O canal Combate vai transmitir o evento ao vivo e na íntegra.

Peso Meio-Médio: #8 Gunnar Nelson (ISL) vs. #14 Santiago Ponzinibbo (ARG)

Por Alexandre Matos

Gunnar Nelson

Quando parecia que Nelson (16-2-1 no MMA, 7-2 no UFC) rumaria ao peso leve depois de derrotas em que a desvantagem física foi um fator importante, pá!, ele vai lá e vence de novo, ganhando uma sobrevida sem precisar cortar peso. Depois que ele recebeu uma lição de grappling pelo tio Demian Maia, o islandês papou dois bônus de desempenho pelas finalizações sobre Albert Tumenov e Alan Jouban.

O que deixa os analistas inquietos é o fato de o garoto da terra do gelo ter um talento enorme. Fosse mais forte, provavelmente se tornaria um tubarão branco no tanque dos pesos leves. Gunni é um faixa-preta legítimo de Renzo Gracie, medalhista no ADCC e que papou 11 de suas 16 vitórias fazendo a concorrência batucar em desistência. Fora o passeio levado contra Demian (quem nunca?), disputar posições no chão contra Nelson normalmente acaba mal para quem se atreve. De quebra, o parceiro de treinos e amigo de Conor McGregor é também fluido no caratê, com uma movimentação paciente que lembra a do campeão dos leves.

Santiago Ponzinibbio

Você talvez nem tenha reparado, mas Ponzinibbio (24-3 no MMA, 6-2 no UFC) já ostenta série de quatro vitórias desde o irregular começo no UFC, com duas vitórias e duas derrotas após se lesionar e não disputar a final do TUF Brasil 2. A sequência conta com triunfos interessantes sobre os duros Nordine Taleb (que antes tinha vencido quatro de cinco no UFC) e Zak Cummings (única derrota nas últimas cinco lutas).

Presta papel fundamental na evolução técnica do argentino a mudança de ares, trocando a Florianópolis que o acolheu por Coconut Creek, na Flórida, sede principal da American Top Team. Treinando com alguns dos melhores do mundo, Santiago finalmente canalizou sua agressividade e o treinador Katel Kubis fez com que seu muay thai ficasse mais polido e menos afoito. Como o sul-americano continua batendo pesado, tornou-se bem mais perigoso com a nova abordagem, que também auxilia na melhor dosagem do gás, que era outra deficiência séria. Ponzinibbio tem qualidade na luta de chão, mas não para bater de frente com Nelson.

Gunnar Nelson vs Santiago Ponzinibbio odds - BestFightOdds

Este combate tem um aspecto muito interessante. Nelson é mais talentoso tanto em pé quanto no chão, mas tem uma deficiência que casa muito bem com a principal qualidade de Ponzinibbio. O estilo metódico e comedido na troca de golpes que o islandês apresenta é um prato cheio para ser engolido pela agressividade e volúpia do argentino. Por este motivo, tomar conta do ritmo do combate será preponderante para a vitória de qualquer lado.

Como a defesa de quedas de Santiago demora mais a evoluir do que o resto de suas habilidades, ele pode pagar caro se tentar uma entrada tresloucada para cima do europeu, correndo o risco de cair com Gunni por cima. Se isso acontecer, Ponzinibbio estará em maus lençóis. A expectativa é que os dois travem um duelo cheio de alternâncias por 25 minutos, terminando com vitória de Nelson na decisão dos juízes.

Peso Palha: #8 Joanne Calderwood (ESC) vs. #14 Cynthia Calvillo (EUA)

Por Gabriel Carvalho

Joanne Calderwood

No segundo combate mais relevante da noite, um confronto bem interessante na divisão feminina dos palhas. A escocesa Joanne Calderwood tem a oportunidade de lutar em casa contra a nova aposta do UFC, a americana Cynthia Calvillo.

Participante do TUF 20, “JoJo” (11-2 no MMA, 3-2 no UFC) chegou no programa como favorita, mas acabou caindo ainda nas quartas de final contra Rose Namajunas. Já no UFC, teve um início mediano, com uma surpreendente derrota para Maryna Moroz. Joanne se recuperou vencendo Cortney Casey e Valérie Létourneau em boas apresentações, mas acabou atropelada por Jéssica Andrade em luta que poderia lhe dar a oportunidade de disputar o título, o que aconteceu para a brasileira.

Primeira atleta profissional de MMA da Escócia, Calderwood é conhecida pelo seu forte muay thai, que lhe rendeu diversas conquistas na Europa. A parte de longa distância da escocesa é muito boa, com ótimo uso dos chutes frontais nas pernas das adversárias. Uma das marcas registradas da escocesa é a ótima joelhada de encontro no corpo, bem perigosa e excelente arma para afastar tentativas de quedas. O grande problema de JoJo é a luta agarrada, na qual ela demonstra certa dificuldade em defender quedas e muita em defender ataques no jiu-jítsu.

Cynthia Calvillo

Produto do Team Alpha Male, Cynthia Calvillo (5-0 no MMA, 2-0 no UFC) teve um sólido caminho no MMA amador, vencendo cinco de seis lutas. Após se profissionalizar, em 2016, a americana de raízes mexicanas venceu outros três combates, que lhe renderam uma assinatura de contrato com o UFC. Já no octógono, Cynthia venceu os dois duelos iniciais com finalizações sobre Amanda Cooper e Pearl Gonzalez.

Calvillo é uma atleta que o UFC vem apostando para ser o futuro da divisão, já pensando em uma possível aposentadoria da campeã Joanna Jędrzejczyk – inclusive há fortes indícios de que a aposta do próprio time sobre Cynthia em detrimento a Paige VanZant tenha levado PVZ a buscar novos ares. Calvillo tem um jogo de solo muito bom, sempre oportunista nas quedas e com um jiu-jítsu bastante objetivo, que visa pegar as costas e finalizar com um mata-leão sempre que possível. O repertório dela em pé também é decente, com um boxe bem alinhado, paciente e que consegue achar a distância em momentos cruciais.

Cynthia Calvillo vs Joanne Calderwood odds - BestFightOdds

Se o UFC quer promover Cynthia, a luta do próximo domingo é uma boa oportunidade, pois o ponto forte da americana é o fraco de Calderwood.

Trocar golpes não é uma boa opção para Calvillo, já que ela é menor e deve ter problemas para encurtar a distância com Joanne, que pode apostar nos contragolpes. A opção mais segura aponta para Cynthia colocar JoJo na grade antes de aplicar uma queda e buscar a finalização, o que pode acontecer em qualquer round. O que vai contra Calvillo é o fato de Joanne ser o seu primeiro teste de fogo, então ela pode sentir a diferença de nível e ser frustada na troca de golpes. De qualquer jeito, o cenário no qual aposto é o primeiro.

Peso Leve: Stevie Ray (ESC) vs. Paul Felder (EUA)

Por Rafael Oreiro

Stevie Ray

Uma das melhores surpresas na categoria peso leve nos últimos anos, o escocês Stevie Ray (21-6 no MMA, 5-1 no UFC) chegou sem grandes expectativas no UFC em 2015. O “Coração Valente” conquistou três vitórias naquele ano, nocauteando Marcin Bendel e Leonardo Macarrão, além de levar uma decisão contra Mickael Lebout. Depois de quase um ano parado, Ray sofreu sua única derrota na organização até hoje, perdendo para Alan Nuguette depois de sofrer na luta agarrada por três rounds. Então, quando menos se esperava dele, o escocês emendou vitórias na decisão sobre os veteranos Ross Pearson e Joe Lauzon, chegando perto do ranking da divisão.

Ray é um bom kickboxer, que alterna socos na cabeça e no tronco, além de tentativas de chutes. Seu principal defeito na trocação é defensivo, já que sempre que o escocês avança golpeando, parece ficar sempre muito vulnerável a contragolpes. Outra boa qualidade de Ray é o clinch, situação na qual ele é bastante agressivo com cotoveladas e joelhadas, mas acaba ficando vulnerável a tentativas de queda, seu maior defeito – ele tem que melhorar neste aspecto se quiser aspirar a lugares mais altos na categoria. O escocês é melhor defensivamente no chão, conseguindo travar bem o adversário e levantando depois de algum tempo, mas ainda assim dá brechas para finalização.

Paul Felder

O americano Paul Felder (13-3 no MMA, 5-3 no UFC) é outro que chegou no UFC e subiu rapidamente na divisão, já encarando o brasileiro Edson Barboza em sua terceira luta no octógono. O ex-campeão do Cage Fury sentiu então pela primeira vez o gosto da derrota contra Barboza e já emendou o segundo revés, para Ross Pearson. Em baixa depois das duas derrotas, o “Dragão Irlandês” se recuperou com vitórias sobre Daron Cruickshank e Josh Burkman antes de novamente ter seu crescimento freado por um brasileiro, desta vez, Francisco Masaranduba. Em 2017, Felder voltou a vencer por nocaute, mas contra um adversário de nível mais duvidoso em Alex Ricci.

Felder é conhecido por sua técnica em pé, com boa movimentação e uso de golpes em linha, além de uma grande variedade de chutes potentes, oriundos da origem no caratê e no taekwondo, modalidade na qual é faixa preta segundo dan. Paul tem uma ótima capacidade de contragolpe, respondendo rapidamente e evitando uma sequência longa dos oponentes. Fora isso, o americano não se destaca muito em mais nenhuma área, sendo apenas razoável no sistema defensivo de luta agarrada.

Paul Felder vs Stevie Ray odds - BestFightOdds

Estamos aqui diante de uma das lutas com mais difícil prognóstico na noite (ou tarde). Se Ray entrar para a troca de golpes com a defesa aberta, a probabilidade de Felder encaixar um contragolpe é bastante grande. O melhor para o escocês é tentar cozinhar a luta, pelo menos no primeiro round, usando a grade e testando a defesa de quedas do adversário para voltar a trocar golpes posteriormente sem que Felder tenha a mesma pressão.

Ray é um lutador mais completo que Felder no geral, com melhor habilidade no clinch e na luta agarrada, além de ter muita raça no striking. Acredito então que, numa luta equilibrada e cheia de viradas, Stevie Ray saia como vencedor na decisão unânime dos juízes.

Peso Médio: Jack Marshman (GAL) vs. Ryan Janes (CAN)

Por Gabriel Carvalho

Jack Marshman

Apesar de não serem lutadores conhecidos do grande público, o duelo entre Jack “The Hammer” Marshman e Ryan Janes tem um potencial grande para animar o público presente em Glasgow, ou pelo menos proporcionar algum momento que vai figurar numa lista de melhores do ano.

Primeiro lutador do País de Gales a assinar com o UFC, Jack (21-6 no MMA, 1-1 no UFC) teve um começo muito bom no octógono, quando surpreendeu e despachou Magnus Cedenblad por nocaute. O nível então aumentou e ele até se apresentou bem contra o brasileiro Thiago Marreta, mas acabou nocauteado no segundo assalto.

Marshman é dono de um boxe muito interessante. Ele solta diversas combinações, normalmente encerradas com um duro gancho de esquerda. Sua movimentação de cabeça é bem desenvolvida – nada que nos lembre de Carl Frampton, mas decente quando falamos do nível do peso médio do UFC. O problema é que Marshman tem uma fraca defesa de quedas e normalmente empolga quando seu gás vai para o espaço, deixando a técnica de lado e saindo para a briga.

Um dos famosos lutadores que você provavelmente nem fazia ideia que ainda figurava no UFC, Ryan Janes (9-2 no MMA, 1-1 no UFC) tenta tornar o seu nome mais conhecido na organização. Sua única vitória no octógono aconteceu contra Keith Berish, por decisão unânime. Janes foi escalado dois meses depois contra Gerald Meerschaert, quando foi finalizado com um triângulo na primeira parcial da luta.

Faixa-preta de jiu-jítsu, Janes tem na luta de solo o seu ponto positivo. Seu desenvolvimento na área do striking ainda é bem cru – muito alto para a categoria (1,90m) , ele mantém uma postura ereta e solta diversos golpes retos sem o mínimo de ajuste. A resistência de golpes de Janes já foi mostrada de forma positiva, o grande problema é que ele ainda não foi testado com um atleta com a capacidade de machucar como Marshman.

Jack Marshman vs Ryan Janes odds - BestFightOdds

O casamento entre ambos é até justo por conta do retrospecto parecido no octógono – os dois têm uma vitória e uma derrota -, mas o confronto não deve ter muito equilíbrio. Janes é um atleta aguerrido, mas usa uma postura muito propensa a tomar um nocaute de Marshman, o que deve acontecer ainda na primeira parcial do combate, com uma poderosa sequência de socos que deve levar o público escocês ao delírio.

Peso Meio-Pesado: Khalil Rountree (EUA) vs. Paul Craig (ESC)

Por Matheus Costa

Paul Craig

O card escocês deste domingo terá um duelo de certa forma interessante pela categoria dos meios-pesados. O clássico confronto entre grappler e striker toma forma mais uma vez no octógono com o escocês Paul Craig sendo empurrado pela torcida de Glasgow para enfrentar o norte-americano Khalil Rountree. Este confronto pode ser definido como o choque de duas extremidades.

Bastante carismático, Paul Craig (9-1 no MMA, 1-1 no UFC) é muito superior na luta de solo e mostrou isso logo em sua estreia no UFC, quando anulou amplamente o brasileiro Henrique Frankenstein e o finalizou numa cirúrgica chave de braço no segundo round. Com oito finalizações e um nocaute na carreira, a estratégia de Craig nessa luta será bastante simples: derrubar o limitado Rountree e fazer o que melhor sabe no chão.

Entretanto, obviamente, toda luta se inicia em pé, situação na qual o escocês costuma ter dificuldades contra um striker com técnica decente. Ele mostrou isso contra o promissor Tyson Pedro, que o dominou com requintes de crueldade e o nocauteou no fim do primeiro round. Este é o ponto em que devemos ter maior cautela, já que Khalil Rountree é um nocauteador nato e pode liquidar a fatura caso Craig queira se testar em pé. Acho difícil de se imaginar, mas tudo é possível.

Khalil Rountree

Como dito acima, toda luta começa em pé, e Rountree (5-2 no MMA, 1-2 no UFC) se sente bastante à vontade trocando pancadas. Com 27 anos, ele surgiu com pompa no TUF 23. Indicado como um dos melhores prospectos da temporada, Rountree apareceu com a história de que já nocauteou Anderson Silva em um treino, algo que inflou bastante o hype em cima dele. Entretanto, quando foi testado, mostrou sim habilidade no striking – mas só isso. Derrotado por Cory Hendricks, Khalil mostrou bastante dificuldade nos fundamentos de wrestling e jiu-jitsu.

Khalil até conseguiu mais uma chance no programa por conta da lesão de Hendricks, substituindo-o contra Andrew Sanchez na final. Entretanto, acabou dominado pelo jogo de queda de Sanchez e perdeu por decisão unânime. Depois, foi novamente finalizado, desta vez por Tyson Pedro, com certa facilidade também. Sua primeira vitória no UFC aconteceu contra Daniel Jolly, nocauteado em míseros 52 segundos após uma terrível falha de Jolly ao tentar derrubá-lo.

Khalil Rountree vs Paul Craig odds - BestFightOdds

De todos os fins possíveis numa luta de MMA, este combate é dos que aguçam a imaginação de quem trabalha com este esporte. Craig pode dominar Khalil desde os primeiros segundos com inúmeras quedas, ou então Khalil pode nocauteá-lo com facilidade. De fato, o duelo de extremos de ambos é interessante e estou de certa forma animado para assistir o combate.

Surpreendentemente, Khalil é favorito para vencer o combate nas casas de apostas com uma ligeira vantagem sobre Craig. Sinceramente, não acho que Rountree conseguirá parar o ímpeto das quedas do escocês, que, embalado pelo apoio da torcida escocesa, deve levar o combate por finalização.

Peso Mosca: #14 Alexandre Pantoja (BRA) vs. Neil Seery (IRE)

Por Rafael Oreiro

Alexandre Pantoja

Ocupando a 14ª posição no ranking do peso mosca depois de apenas uma luta no UFC, o brasileiro Alexandre Pantoja (17-2 no MMA, 1-0 no UFC) entrou na organização pelo TUF 24 como campeão da RFA. O brasileiro era um dos favoritos para ganhar o torneio e garantir uma chance para disputar o cinturão de Demetrious Johnson, mas acabou eliminado nas semifinais pelo japonês Hiromasa Ogikubo. Apesar de não chegar à final, ele foi integrado ao plantel do UFC e enfrentou o também semifinalista Eric Shelton, ganhando na decisão dos juízes numa luta equilibrada.

Atualmente, Pantoja é um dos melhores prospectos para o futuro na categoria, mas ainda possui defeitos claros para corrigir. O brasileiro busca aplicar pressão em seus adversários desde o começo da luta, abrindo seus problemas defensivos, tanto na trocação – que quase foi aproveitado por Brandon Moreno, no TUF – quanto na defesa de quedas – situação que rendeu a derrota para Ogikubo. Alexandre tem sua principal qualidade ofensiva no chão, onde executa transições rápidas e sempre tenta a finalização. Em pé, apesar dos problemas defensivos citados, ele possui ótima resistência a golpes, sempre conseguindo encaixar bons socos quando entra na curta distância, vencendo a maioria das trocas no infighting.

Neil Seery

Enquanto Pantoja ainda começa sua carreira no UFC, do outro lado do octógono estará o irlandês Neil Seery (16-12 no MMA, 3-3 no UFC) para terminar sua história no MMA. Ele chegou no UFC em 2014 como campeão do Cage Warriors e, desde então, tem servido como um bom guardião do top 15 da divisão. Ele foi derrotado na estreia por Brad Pickett e só voltou a sentir o gosto amargo do revés contra os então integrantes do top 10 da divisão Louis Smolka e Kyoji Horiguchi, sempre em lutas bastante aguerridas do irlandês.

Seu cartel, que representa os resultados inconstantes que obteve durante a carreira, ainda engana muita gente sobre o nível de lutador que Seery é. Com um bom nível no boxe, honrando as tradições de seu país, o europeu, que treina na Team Ryano MMA, é um lutador bastante resistente e dedicado. Porém, já com 37 anos, idade muito avançada para uma categoria leve como a mosca, a velocidade não é mais a mesma, o que complica bastante sua situação numa divisão em que a velocidade é o principal ativo.

Alexandre Pantoja vs Neil Seery odds - BestFightOdds

Alguns anos atrás, talvez a luta fosse bem mais competitiva. Os dois lutadores devem proporcionar um combate animado na troca de golpes, com a tendência de Pantoja pressionar e ocasionalmente se abrir – e Seery tem habilidade para encontrar essas brechas. Porém, com os treinos com o técnico de wrestling Eric Albarracin, o brasileiro deve ser capaz de levar a luta para o chão e exibir sua destreza no jiu-jítsu, anotando mais uma finalização para a carreira até o segundo round.

apoia-se-logo-180-100

Quer se tornar um COLABORADOR do MMA Brasil e concorrer a prêmios, participar do podcast e ajudar a fazer um site cada vez melhor? Conheça todos os BENEFÍCIOS do nosso projeto no APOIA.SE!

  • James sousa

    Joanne Calderwood vs. Cynthia Calvillo o engraçado e que o ponto forte da Calvillo e o fraco da Calderwood

    • Gabriel Carvalho

      Exatamente. É o confronto que mais tô aguardando na tarde, até porque JoJo <3

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Tomara que o Ponzimito consiga se sair bem na divisão, vencendo o Gunnar é o primeiro passo, o cara é muito foda, torço muito por ele

  • Asisz Marco

    gunni venceu facilo tumenov que é muito melhor striker que o argentino, entao o gunni deve passar de boas, queria ver o islandes contra um wrestler, o unico que ele pegou foi o story, e o resultado nao foi mt bom.