Por Edição MMA Brasil | 05/03/2021 19:00

Depois de muita antecipação, enfim, faltam horas para o estelar UFC 259. Com três disputas de cinturão e inúmeros lutadores de nome do início ao fim do card, o evento promete ser um dos mais animados do ano de 2021.

Na luta principal da noite, o novo campeão dos meios-pesados Jan Blachowicz fará sua primeira defesa de cinturão na categoria contra o campeão dos médios Israel Adesanya, que fará sua primeira luta na divisão na organização e tentará entrar para a seleta lista de campeões simultâneos em categorias distintas.

Já na luta coprincipal da noite, a campeã peso pena Amanda Nunes coloca o cinturão da quase inexistente categoria em jogo contra a australiana Megan Anderson. ex-campeã do Invicta FC. A terceira e última defesa de cinturão da noite traz a primeira tentativa de defender o cinturão de Petr Yan na categoria dos galos contra Aljamain Sterling.

Outras lutas que se destacam durante o card são entre Islam MakhachevDrew Dober pela categoria dos leves, Thiago Marreta contra Aleksandar Rakic na categoria dos meios-pesados e Dominick Cruz contra Casey Kenney na divisão dos galos.

O UFC 259 será realizado neste sábado (6) com transmissão exclusiva do Canal Combate no Brasil. O card preliminar tem início previsto para às 19:30h, enquanto o card principal deve começar por volta às 22:30h.

Cinturão peso meio-pesado: (C) Jan Blachowicz (POL) vs. Israel Adesanya (NGA)

Por Pedro Carneiro

Jan Blachowicz

Jan Blachowicz (27-8 no MMA, 10-5 no UFC) construiu uma trajetória muito diferente do seu adversário do próximo sábado. Nos dois primeiros anos no UFC ostentava o nada glorioso retrospecto de 2-4, com vitória na estreia contra Itir Lattifi e outra contra Igor Pokrajac e derrotas para Jimi Manuwa, Corey Anderson, Gustafsson e Patrick Cummins. A situação era tão ruim que o polonês estava com o emprego em risco quando emendou 4 vitórias seguidas, até ser freado pelo brasileiro Thiago Marreta. A reconstrução ocorreu com mais um quarteto de vitórias, incluindo a última quando conquistou o cinturão meio pesado nocauteando Dominick Reyes no segundo round no UFC 253.

Blachowicz iniciou a carreira no judô e posteriormente o wrestling, criando um jogo eficiente de chão que usa e abusa de estrangulamentos e aparenta seguir um roteiro metódico de avanço de posições. Em pé o polaco tem um kickboxing de combinações corretas, daquelas que não sobram e não faltam golpes. Jan faz o feijão com arroz da violência, com um jab eficiente, diretos e ganchos fortes e uma movimentação e defesas de golpes maduras. O poder de nocaute é muito bom e é um ponto muito forte e o modo afobado com que se dirigiu para ser nocauteado por Marreta parece ter sido corrigido.

Três anos foram o suficiente para levar Israel Adesanya (20-0 no MMA, 10-0 no UFC) de um lutador promissor e com excelente passado no kickboxing para um campeão respeitado, capa do jogo do UFC e com a moral de mesmo com somente duas defesas de cinturão, poder desafiar o campeão da categoria sem a sensação de ser uma injusta furada de fila.

Toda essa distinção ocorre por conta de três fatores bastante relevantes; o primeiro é porque o nigeriano tem uma técnica bastante refinada e um estilo extremamente atraente para os fãs. O segundo é o carisma e a busca por se diferenciar da multidão, que levam Israel a despertar interesse do público para outros fatores além da luta. Por fim, um trajeto de corpos que foram estirados pelo chão, resultando em 9 vítimas, dentre as quais se destacam nomes como Anderson Silva, Kelvin Gastelum, Robert Whittaker, Yoel Romero e Paulo Borrachinha.

Dentro do octógono, Adesanya é um lutador notabilizado pela sua precisão nos golpes, um ótimo controle de distância e um senso de variação de onde os golpes serão lançados que deixam os oponentes desorientados. Como se isso não fosse suficiente, Israel tem uma das melhores movimentações do esporte e reflexos no estado da arte que o permitem achar os melhores ângulos e sair de situações em que os oponentes tentam o encurralar. A defesa de quedas é muito boa e em muito ajudada pela movimentação lateral constante, em razão disso o nigeriano é dificilmente derrubado e pouco vimos da capacidade que o faixa-roxa de jiu-jitsu tem no chão. Ademais, as fintas do campeão dos médios são um destaque a parte, pois o “StyleBender” é um dos melhores da história do UFC nesse quesito. A falta de força para bruta para o poder de nocaute é compensada pela habilidade de o deixar imprevisível e letal, atingindo o oponente com o famoso “golpe que não se vê”.

Ambos os campeões estão melhorando a cada luta e temos um confronto de estilos interessante na luta principal do UFC 259. Jan leva vantagem no poder de nocaute e na força física. Quando o polonês enfrentou Luke Rockhold ambos os fatores fizeram a diferença a favor do europeu e a diferença de peso e força é mais uma vez um fator que não pode ser subestimado. Blachowitz deverá chegar nas instalações do UFC Apex em Las Vegas com um peso por volta dos 100 kgs, enquanto Adenanya se apresentará com pelo menos 10 kgs a menos. Levando em conta que a força é igual o produto entre a massa e a aceleração, são 10 kgs que podem desbalancear a equação de cérebros sacudindo dentro do crânio e tentativas de quedas. Jan é um meio-pesado de alto poder de nocaute, enfrentando um lutador que fez toda a carreira no peso médio.

Outro elemento que o polaco pode usar é a luta agarrada, também se aproveitando da vantagem física para colocar Israel de costas para o solo, algo que não vimos até então, e usar o seu roteiro todo calibrado para encontrar um estrangulamento no final.

Já para Adesanya, as vantagens estão na velocidade, movimentação e em se apoiar em um talento que é claramente maior para capitalizar nos erros que Jan possa cometer. Uma aproximação afobada do europeu seria terrivelmente repelida por Israel. Além disso o nigeriano é um mestre na arte de se movimentar de modo a induzir que o adversário se posicione exatamente onde ele quer, para que logo em seguida um golpe saia da cartola e promova o encontro com a lanterninha dos médicos.

Israel Adesanya vs Jan Blachowicz odds - BestFightOdds

Se Jan é mais forte, Adesanya é muito mais rápido e pode acertar o polonês rechaçando os movimentos, até mapear a situação e a distância e armar uma arapuca para o nocaute. Outro caminho é usar a rapidez, movimentação e controle de distância para levar a luta para uma vitória na decisão. Por fim, há o receio de que Israel, se precavendo do poder de nocaute do polonês faça uma luta nos moldes da que fez com Yoel Romero, e transforme toda a nossa expectativa em um espetáculo sonolento.

Como todas essas cartas na mesa, o favoritismo é de Adesanya que tem mais talento e conta com a ajudinha da deusa história que deve querer promover o nigeriano a se tornar o quinto campeão de duas categorias simultaneamente do UFC. Superstições a parte, o nigeriano tem mais talento e precisa de apenas um milésimo de segundo para definir lutas, mas também não se espantem se a pujança física não ajudar Blachowicz a conseguir um nocaute ou finalização.

Cinturão peso pena: (C) Amanda Nunes (BRA) vs. Megan Anderson (AUS)

Por Idonaldo Filho

A melhor lutadora da história do MMA, Amanda Nunes (20-4 no MMA, 13-1 no UFC) é a campeã mais dominante no esporte atualmente. Tudo bem que a categoria dos galos é até rasa, mas nada tira o mérito da mulher que destruiu Ronda Rousey, Miesha Tate, Valentina Shevchenko, Holly Holm e Cris Cyborg. Se existia alguma lutadora que pudesse concorrer com a Amanda campeã, ela foi lá e derrotou.Megan Anderson

Tanta dominância fez o UFC inclusive mudar os planos para a Leoa,  que vem agora fazendo alguns duelos protocolares no projeto de categoria que é o peso pena. Na divisão mais pesada do MMA feminino, em sua última aparição, Amanda derrotou uma resiliente Felicia Spencer para defender o seu título.

Amanda Nunes é uma atleta completa. Em pé, a brasileira possuí potência muito acima da média para a categoria, conseguindo alguns grandes nocautes na carreira. Amanda costuma pressionar bastante as oponentes, tomando a atitude nos duelos principalmente utilizando seu bom boxe. Defensivamente, algumas brechas sempre existiram, mas não é fácil encontrar alguém que se saia melhor que Amanda nessa área o suficiente para poder aproveitar disso.

No chão, a campeã de duas categorias é também bastante eficiente, mesmo que não prefira a área. Até mesmo o problema de condicionamento, que sempre foi preocupação, é algo que aparentemente foi consertado. Hoje, qualquer lutadora do plantel do UFC que faça parte das categorias até 61,2kg e 65,7kg é muito zebra contra Nunes e, tudo indica que ainda vai demorar para alguém derrotá-la.

A maior lutadora do UFC, com 1,83m, Megan Anderson (10-3 no MMA, 3-2 no UFC) é uma das poucas atletas nativas do peso pena no MMA. Ex-campeã do Invicta FC, a australiana sempre foi conhecida pelos nocautes, chegando ao líder do mercado com certo hype, que logo se mostrou injustificado. Para conseguir o title shot, Megan que já enfrentou todas as lutadoras da categoria, com exceção da campeã, derrotou Zarah Fairn por finalização (!!!) e Norma Dumont.

O fato é:  A australiana possui vantagem na força e na envergadura sobre a grande maioria da divisão, além de um alto poder de nocaute e habilidade no clinch ofensivo. Mas se formos olhar para o resto, Megan peca bastante. Não sabe defender quedas, nem há o menor cacoete defensivo no chão, sendo presa fácil para a campeã de boxe Holly Holm na luta agarrada.  Em pé, o tamanho não impede que sua defesa seja fraca, até mesmo sofrendo golpes de oponentes bem menores. Anderson é uma atleta limitada, que em uma divisão pouco povoada, se torna desafiante da cinta.

Amanda Nunes vs Megan Anderson odds - BestFightOdds

Amanda vence a luta do jeito que preferir. As odds são totalmente díspares pois uma é a GOAT, enquanto a outra custaria ser top 10 caso fosse peso galo, é um claro mismatch. Qual a chance de Megan vencer? O famoso “e se a mão entrar”. Como já foi dito por inúmeras vezes nesse site, principalmente pelo nosso editor-chefe, se você depende disso para vencer o combate era melhor nem ter saído de casa.

A nossa aposta é que a campeã vá optar pelo caminho mais fácil, derrubando Megan, conseguindo facilmente as transições e finalizando o combate nos rounds iniciais.

Cinturão peso galo: (C) Petr Yan (RUS) vs. 1# Aljamain Sterling (EUA)

Por Matheus Costa

Um dos símbolos da nova geração de lutadores de alto nível do esporte, o russo Petr Yan tomou a categoria dos galos de assalto e conquistou o cinturão da divisão de maneira grandiosa. Foram apenas dois anos e sete vitórias para o ex-campeão do ACB receber a coroa da maior organização do mundo. Em sua primeira defesa de cinturão, Yan enfileirou em pouco tempo nomes importantes ao seu currículo. Dominou John Dodson e Jimmie Rivera, surrou impiedosamente Urijah Faber e demoliu José Aldo. Na última, enfim, conquistou a cinta que estava vaga após a aposentadoria de Henry Cejudo.

Tático, preciso e letal. Petr Yan é um basicamente um trator: embora comece suas lutas num ritmo mais baixo, quando engrena, ninguém segura. Sempre utilizando combinações mirando na cabeça e no tronco de seus adversários, o russo é completo e domina a área da trocação, com facilidade para controlar a distância.

Quando chegou ao UFC, Aljamain Sterling chegou com o status de um promissor wrestler unidimensional. Em certo ponto, chegou a somar algumas derrotas e seu futuro virou dúvida. No entanto, o americano engatou a terceira na reta e foi embora de vez rumo ao topo da categoria. Com cinco vitórias consecutivas, Sterling bateu nomes bem competitivos dos galos como Jimmie Rivera e Pedro Munhoz. No entanto, o atropelo contra Cory Sandhagen e a finalização em pouco mais de um minuto confirmaram a tendência de que estava na hora do americano disputar o cinturão.

De um wrestler de alto calibre, Sterling alinhou sua luta agarrada com a habilidade de boxear com competência. Além disso, adquiriu a capacidade de controlar o ritmo da luta e a distância na hora de golpear. A defesa de golpes de Aljo, no entanto, pode ser um ponto preocupante para o confronto frente ao campeão.

Aljamain Sterling vs Petr Yan odds - BestFightOdds

Em um confronto de estilos diferentes, Petr Yan contra Aljamain Sterling é um dos combates mais espetaculares que poderiam acontecer na organização. No auge de suas respectivas carreiras, Com início mais lento e vagaroso de Yan, a grande chance de Sterling é aproveitar o começo da luta para buscar uma oportunidade de ouro. Conforme a luta vá progredindo, o russo cresce conforme a batida e consegue impor o seu ritmo quase que imparável. A aposta fica para a vitória de Yan por decisão em uma grande luta.

Peso leve: 14# Islam Makhachev (RUS) vs. Drew Dober (EUA)

Por Israel Silveira

Islam Makhachev (18-1 no MMA, 7-1 no UFC) está há mais de 5 anos no UFC e vem em uma sequência de seis vitórias consecutivas, mas ainda não conseguiu “a luta” que o fez ser levado em consideração para uma vaga no top 5 da divisão ou mesmo um main-event, provavelmente por ter sido por muito tempo “o parceiro de treino de Khabib” e por ter enfrentado uma série de adversários que tinham pouco nome. Todos os seus adversários, com exceção de Adriano Martins, foram completamente anulados pelo grappling de elite e compostura do russo em pé. Com a (talvez) saída de Khabib Nurmagomedov do plantel do UFC, Makhachev é atualmente o melhor representante de Combat Sambo no UFC.

Makhachev sofre pouquíssimo dano em suas lutas, tanto por conta da ameaça constante de uma queda, tanto pelo estilo de pressão de Makhachev que na maior parte dos combates está andando para frente lançando combinações, mesmo que por vezes aparente ser o “boxe lango lango”. Ele tem uma vitória por nocaute sobre Gleison Tibau, além de ter vencido o brasileiro Davi Ramos em pé com relativa tranquilidade. Drew Dober será o adversário mais competente em sua ainda jovem carreira até aqui.

Drew Dober (23-9 1NC no MMA, 9-5 1NC no UFC) mostrou ótima evolução em sua carreira até aqui, saindo de um lutador que não tinha muito além de uma mão pesada e bom Muay Thai para um lutador com muita compostura em pé e de combinações muito precisas. Além de seu striking, Dober traz muita imposição física para as lutas, geralmente vencendo batalhas no clinch e na grade, onde ele costuma lançar seus golpes mais potentes.

Dober vem em sua melhor fase no UFC até aqui, com ótimas vitórias sobre Marco Polo Reyes, Nasrat Haqparast e Alexander Hernandez, sendo as três vitórias por interrupção e performances onde Dober não sofreu muitos riscos. Seu ponto fraco, todavia, faz deste casamento com Makhachev uma montanha muito alta de se escalar: o grappling. A defesa de quedas e o jiu-jitsu sempre foram o calcanhar de aquiles de Dober, que já foi finalizado em quatro oportunidades do UFC (uma delas eventualmente foi convertida para no-contest). Quando é derrubado, Dober tende a perder todas as batalhas de grappling, apesar de ter conseguido fazer bons scrambles contra Alexander Hernandez.

Drew Dober vs Islam Makhachev odds - BestFightOdds

A luta é bem equilibrada quando se olha os retrospectos dos lutadores, mas o casamento favorece muito Islam Makhachev. O russo é ótimo grappler e deverá conseguir colocar Dober de costas para o chão pelo menos uma vez a cada round e tirar todo o gás do americano no processo. Makhachev também não é o tipo de grappler que permite que seus adversários levantem, sendo um expert quando se trata de controlar seus adversários por cima.

Dober deverá levar vantagem nos momentos que Makhachev tentar se arriscar em pé, tanto controlando os jabs de Makhachev (Dober é canhoto), como também castigando o russo com low kicks. Analisando o matchup, Makhachev deverá sair com a vitória por decisão após colocar o americano de costas para o chão em múltiplas ocasiões.

Peso meio-pesado: 2# Thiago Marreta (BRA) vs. 4# Aleksandar Rakic (SRB)

Por Matheus Costa

Depois de oferecer uma luta sensacional contra o então campeão Jon Jones e somar lesões graves nos dois joelhos, Thiago Marreta se encontra num limbo incomum nos meios-pesados. Depois do atropelo sofrido por Glover Teixeira no chão em uma luta bem movimentada, o brasileiro pode se complicar caso some mais uma derrota no próximo sábado.

Forjado no muay thai, Marreta teve uma ascensão meteórica quando sua carreira parecia estagnada nos médios. Quando subiu de categoria aos meios-pesados, estirou alguns corpos até disputar o cinturão, incluindo o atual campeão da divisão Jan Blachowicz. Com golpes muito poderosos, Thiago consegue golpear com facilidade e sempre deixa um rastro de dor. Sua luta agarrada é muito fraca e pode ser exposta por um atleta que saiba basicamente o que está fazendo no chão.

Embora não possua uma frequência muito grande dentro do octógono, Aleksandar Rakic sempre se apresentou com seriedade e qualidade no UFC. Em sua última luta, o sérvio bateu o ex-desafiante Anthony Smith por decisão unânime. Agora, ele tem a chance de alçar voos maiores na divisão caso consiga superar o brasileiro na noite de sábado.

Aleksandar Rakic vs Thiago Santos odds - BestFightOdds

Adepto da trocação de golpes, Aleksandar Rakic se destaca primeiramente pela questão física, já que é maior que grande parte da categoria e possui uma boa envergadura. Tecnicamente, o sérvio se destaca pelos ótimos chutes e as sequências na curta distância com muito impacto e potência. O chão é simples e a defesa é vazada, principalmente contra lutadores mais rápidos.

Em um combate de confronto similares, o brasileiro chega como favorito para o confronto. Melhor em pé, Marreta deve levar o confronto caso Rakic não queira levar a luta para o chão. Por isso, acredito que a vitória daquele que nasceu na Cidade de Deus venha por decisão.

Peso galo: 11# Dominick Cruz (EUA) vs. Casey Kenney (EUA)

Por Israel Silveira

Quem diria que o outrora melhor peso galo do mundo Dominick “The Dominator” Cruz (22-3 no MMA, 5-2 no UFC) ficaria longos 5 anos sem uma vitória? Dono da carreira mais afetada por lesões de todo o MMA, Cruz só fez três lutas nos últimos 5 anos, sendo estas uma decisão sobre o velho rival Urijah Faber e duas derrotas para dois dos maiores leões da divisão em disputas de cinturão.   The Dominator foi tirado pra nada pela melhor versão já vista de Cody Garbrandt e três anos depois, claramente sem ritmo, foi nocauteado por Henry Cejudo.

Cruz atualmente busca um papel na divisão. Será sua segunda luta em 10 meses, o que é um período curto para os padrões de Dominick Cruz. Muitos observaram que Cruz nunca deveria ter voltado de uma longa pausa para uma disputa de cinturão contra Cejudo. Cruz conseguiu impor sua ofensa estilo “peão do baú”, mas eventualmente sofreu tanto dano que Cejudo conseguiu encontrar o timing para cada investida de Dominick. Desta vez veremos uma versão preparada de Cruz, que quando está no melhor do seu jogo é um lutador muito difícil de ser derrotado.

Casey Keeney (16-2-1 no MMA, 5-1 no UFC) chegou ao UFC com status de bom prospecto vindo do LFA e candidato a figurar entre os melhores lutadores da divisão peso galo, o que se confirmou com sólidas vitórias sobre Ray Borg, Manny Bermudez e Nathaniel Wood, sendo zebra contra Borg e Bermudez. Keeney conseguiu colocar em prática suas boas credenciais de grappling (faixa preta em Judô, jiujitsu e condecoração em luta greco-romana) para conseguir quedas pontuais em suas lutas e conseguir decisões favoráveis. A estratégia até aqui só não deu certo contra um dos tanques de guerra da divisão, Merab Dvalishvili que conseguiu levá-lo em 12 oportunidades para o chão. O americano tem boas habilidades em pé, especialmente contragolpeando, derrotando Heili Alateng e Nathaniel Wood (inclusive superando adversidade ao longo da luta) sendo superior em pé, apesar de seu punch não ser impressionante.

Casey Kenney vs Dominick Cruz odds - BestFightOdds

Esta luta é claramente uma bifurcação na carreira de Dominick Cruz. Uma derrota para Keeney certamente selará seu destino na carreira, no melhor dos casos garantindo algumas lutas de cashout e aposentadoria. Uma vitória pode garantir para ele um combate contra adversários ranqueados e no mais favorável dos cenários uma corrida pelo título.

O ponto forte do jogo de Keeney é seu grappling e, exceto em um combate contra Urijah Faber, ninguém nunca conseguiu derrotar Dominick Cruz amarrando-o no solo, que já enfrentou grapplers muito melhores que Keeney. Na trocação a movimentação dos pés deverá ser simplesmente além das capacidades de Casey Keeney, que ao meu ver será derrotado por decisão unânime.