UFC 209: Woodley vs. Thompson 2 – Prévia do Card Principal

UFC 209: Woodley vs. Thompson 2 – Prévia do Card Principal
MMA

Apesar de ter perdido uma das melhores lutas dos últimos tempos, o UFC 209 ainda guarda muitas atrações, a começar pela sensacional revanche pelo título dos meios-médios entre o campeão Tyron Woodley e Stephen Thompson.

O UFC 209 perdeu de última hora uma das melhores lutas que se pode fazer no MMA atual. Ainda assim, a T-Mobile Arena receberá um evento e tanto abrindo as atividades do mês de março.

O combate principal marca a revanche entre o campeão do peso meio-médio, Tyron Woodley, e o desafiante número um, Stephen Thompson, que empataram a primeira disputa, no UFC 205.

Se não teremos mais Nurmagomedov-Ferguson, depois que o russo passou mal na pesagem, uma penca de lutas e atletas de peso vêm a reboque no UFC 209. Rashad Evans estreará como peso médio contra a excelente fase de Daniel Kelly; Lando Vannata volta depois de um dos mais sensacionais nocautes de todos os tempos contra o também promissor David Teymur; Alistair Overeem e Mark Hunt fazem clássico de ex-campeões do K-1. Como uma faixa-bônus, puxamos do card preliminar a peleja entre o matador bósnio Mirsad Bektic e o americano Darren Elkins.

O canal Combate fará a transmissão ao vivo e na íntegra do UFC 209. Com uma luta a menos no card, a primeira preliminar está marcada para às 21:00h, enquanto a porção principal do evento deve ir ao ar a partir da meia-noite, no horário oficial de Brasília.

Cinturão Peso Meio-Médio: C Tyron Woodley (EUA) vs. #1 Stephen Thompson (EUA)

Por Pedro Carneiro

Tyron Woodley

Mais um fruto do ano dos campeões improváveis, Tyron Woodley (16-3-1 no MMA) teve sua escalada pausada por Thompson depois de vitórias sobre Dong Hyun Kim, Kelvin Gastelum e vencer a disputa de cinturão nocauteando o Coisa-Ruim, Robbie Lawler.

Woodley é um trocador decente, que faz bem o básico, sabe discernir o momento certo de executar combinações simples e a hora de usar o seu imenso poder de nocaute, capaz de enviar até mesmo o maioral dos demônios para o fundo da vala. O wrestling possui quedas de alto nível, fortes a ponto de derrubar quase tudo que se opõe ao americano, além de muita força e explosão para sufocar qualquer adversário no clinch ou terraplaná-lo no ground and pound. O campeão controla bem as posições e tem um chão razoável. O condicionamento físico, que sempre foi questionável, deu sinais de evolução após cinco rounds dramáticos no empate contra o desafiante.

Stephen Thompson

Stephen Thompson (13-1-1) é um dos melhores strikers que já pisaram no octógono. Faixa preta quinto dan em tetsushin ryu kempo, ex-campeão mundial de kickboxing, invicto em mais de 50 lutas na modalidade, ele possui um jogo de chutes incrível e é um artista na manutenção da distância. O desafiante vinha de uma impressionante trajetória até empatar com o campeão, deixando corpos da estirpe de Robert Whittaker, Johny Hendricks e Rory MacDonald pelo caminho.

O desafiante é um lutador espetacular, com um jogo plástico e eficiente. É o Baryshnikov da porrada, daqueles atletas que tem na imprevisibilidade praticamente a composição do seu estilo. Sua postura com pernas abertas, tronco na lateral e guarda baixa engana os adversários, que não se contêm e acabam tomando a iniciativa, caindo assim na armadilha do contragolpeador preciso que é o “Wonderboy”. Os chutes com a perna da frente, sem usar o passo, são muito eficientes para a abordagem de adversários com a combinação wrestling + boxe e ele ainda é perito em bater enquanto recua, seja com golpes retos ou sincronizando o contragolpe com uma troca de bases para atingir o adversário na diagonal enquanto ataca no vazio. Além disso, Stephen construiu seu sistema de proteção através da movimentação fluida e do controle de distância, que impede previamente qualquer mau intento. Sua defesa de quedas é um misto de movimentação com golpes retos para manter seu oponente afastado.

Stephen Thompson vs Tyron Woodley odds - BestFightOdds

Temos aqui um belo confronto de estilos. Woodley tem potência e wrestling suficientes para pressionar Thompson, que leva certo tempo para encontrar a distância. O campeão também sabe como fazer o simples para usar seus fortes socos e conseguir um nocaute. Contudo, Stephen já enfrentou todo tipo de striker que possa existir e é especialista em repelir esse tipo de abordagem. Seus socos, chutes, ângulos, movimentação e contragolpes são utilizados de modo fluido e imprevisível. Adiciona-se nessa nova peleja o fato de Thompson já conhecer a abordagem de Woodley e ter tido tempo para desenvolver um antítodo.

Existem dois cenários possíveis: Woodley pode conseguir encurtar usando um jogo sufocante e, com o poder das suas mãos, nocautear ou causar um enorme dano no desafiante que praticamente o tire da luta para vencer nas papeletas dos juízes; ou o ilimitado arsenal de Thompson consegue minar o campeão e mantê-lo distante por todos os rounds, coroando o Wonderboy como campeão na decisão dos juízes. Como o MMA Brasil é averso a ficar em cima do muro, a aposta aqui é a segunda hipótese, mas não subestimem as mãos do campeão.

Peso Médio: Rashad Evans (EUA) vs. Daniel Kelly (AUS)

Por Rafael Oreiro

Rashad Evans

Evans (19-5-1 no MMA, 14-5-1 no UFC) já foi um dos melhores meios-pesados do mundo, inclusive tendo conquistado o cinturão da categoria ao nocautear Forrest Griffin, em 2009. Porém, o americano hoje não chega perto do que era anos atrás. Depois de seguidas lesões no joelho, que o deixaram dois anos parado após vencer Chael Sonnen (última vitória dele, no longínquo 2013), “Suga” emendou derrotas para Ryan Bader e Glover Teixeira, em apresentações horríveis para um atleta que ainda quer competir na elite. Com a necessidade urgente de mudança para continuação de sua carreira, Evans decidiu descer de categoria para os pesos médios, seguindo o caminho de contemporâneos como Lyoto Machida e Dan Henderson. Após duas tentativas de estreia na categoria contra Tim Kennedy serem barradas por recomendações de comissões atléticas – por uma lesão antiga que Evans tem no joelho – finalmente parece ter chegado a hora de ver o americano fazer sua primeira luta em 84 quilos.

Antigamente, Rashad era um lutador que usava muito o jogo de pernas para gerar ângulos tanto para explodir na trocação quando para entrar em quedas, mas, em suas últimas apresentações, tem se mostrado muito mais lento, o que deixa seu jogo bem mais prevísivel e tranquilo de ser controlado por seu adversário. Ainda assim, sua mão direita continua com o poder de definir lutas e seu condicionamento físico pode ser um problema para quem se complica em lutas mais extensas. Há de se esperar, porém, para ver como o corte de peso afetará esse condicionamento.

Dan Kelly

O australiano Kelly (12-1 no MMA, 5-1 no UFC) fez a transição para o MMA em uma idade muito avançada – por volta dos 35 anos – depois de fazer carreira no judô, tendo inclusive disputado quatro Olimpíadas consecutivas. Ele chegou e se manteve invicto por algum tempo no UFC, vencendo Luke Zachrich e Pat Walsh – este em uma das piores lutas da história recente do MMA – antes de finalmente ser parado por Sam Alvey, em um nocaute rápido no primeiro round. Desde então, Kelly emendou três vitórias em lutas nas quais era apontado como azarão, chegando perto do bolo de cima da categoria após vencer Chris Camozzi, um clássico porteiro da metade de cima da divisão.

Por causa da origem no judô, Kelly é muito perigoso no clinch, onde consegue achar facilmente um jeito de levar seu adversário para o chão, controlando bem as posições e conseguindo fazer bastante dano no ground and pound. Em pé, o australiano possui uma boa potência nas mãos, mas técnica nenhuma, com um arsenal de ataque tão vasto quanto as opções de roupa da Turma da Mônica, uma defesa mais esburacada do que o maior queijo suiço que você puder encontrar e velocidade que faz parecer que a luta está sendo transmitida em câmera lenta.

Daniel Kelly vs Rashad Evans odds - BestFightOdds

É muito difícil prever o nível de apresentação de Rashad Evans no peso médio e também é difícil ser otimista depois de suas últimas apresentações. Ainda assim, para mim, é complicado achar caminhos para que Kelly vença a luta. Evans, apesar de mais lento, ainda é bem mais rápido e técnico do que o australiano em pé e não deve ser facilmente quedado ou controlado no chão.

Com ambos com bom nível nas defesas de queda, a luta deve transcorrer em pé na maior parte do tempo. Evans provavelmente se movimentará bastante e conseguir, em uma das várias brechas que Kelly dá, encontrar lar para sua potente mão direita, nocauteando o australiano na segunda metade da luta.

Peso Leve: Lando Vannata (EUA) vs. David Teymur (SUE)

Por Diego Tintin

Lando Vannata

Vannata teve em 2016 uma ascensão meteórica, chegando ao ponto de ser reconhecido pelo maior prêmio do MMA mundial – o Melhores do Ano do MMA Brasil – em duas categorias: Revelação e Nocaute do ano.

Convocado de última hora para substituir Michael Chiesa contra Tony Ferguson, Vannata levou o top contender a águas profundas no round inicial, ficando muito próximo de conseguir o que se chama de chocar o mundo. Porém, sucumbiu à experiência e habilidade de Ferguson no round seguinte. Na sequência, já cercado de expectativas, Lando demorou menos de dois minutos para anotar um lindo nocaute via chute alto rodado contra John Makdessi.

Para encarar a responsabilidade de ser um dos grandes prospectos da divisão mais movimentada do MMA mundial, Vannata conta com os ensinamentos dos experientes Greg Jackson e Mike Winkeljohn no famoso centro de treinamentos de Albuquerque. Ele tem base no wrestling universitário, embora sem resultados de destaque, e apresenta ainda faixa roxa no jiu-jítsu, mas se destaca mesmo é pelo kickboxing técnico e dinâmico, com interessantes combinações e poder de nocaute nos punhos e pernas. O seu jogo defensivo é pautado em movimentação intensa na longa distância e em pêndulos quando está mais próximo do adversário, uma vez que costuma jogar de guarda baixa para facilitar suas fintas e ataques súbitos.

David Teymur

Se Vannata é o prospecto mais quente no momento em 70 quilos, Teymur ainda voa sob o radar, mas também apresenta um promissor cartão de visitas. Parte da equipe de Conor McGregor no TUF 22, o sueco fez um papel decente no programa, derrotando Thibault Gouti e Johnny Nuñez, perdendo em decisão contestada para Marcin Wrzosek. Ele ganhou uma rara chance para um lutador que caiu antes das semifinais, agarrou-a e não decepcionou. Nocauteou o colega de confinamento e compatriota Martin Svensson com um upper brutal e, em seguida, mandou Jason Novelli para a vala com um violento overhand de esquerda, ambos no segundo round.

Teymur tem como base o muay thai, arte na qual iniciou aos 14 anos, foi quatro vezes campeão sueco e levou uma etapa holandesa do K-1. Ainda está iniciando na luta agarrada, embora tenha mostrado algumas habilidades nos últimos combates. O europeu baseia sua trocação em combinações curtas, chutes variados e busca compensar uma certa falta de movimentação com muita potência nos golpes.

David Teymur vs Lando Vannata odds - BestFightOdds

Temos aqui provavelmente o casamento de luta mais agradável da noite lasveguiana. Dois atletas ofensivos, que jogam e deixam jogar, com ímpeto de novatos e ainda sem a compreensível cautela dos veteranos. Diante de uma violenta troca de catiripapos mútua, arriscamos outro nocaute no currículo de Lando Vannata.

Peso Pesado: #3 Alistair Overeem (HOL) vs. #8 Mark Hunt (NZL)

Por Guilherme Pontes

Mark Hunt

Um samoano descerá de uma estrela colorida e brilhante, de uma estrela que virá numa velocidade estonteante, e pousará no coração de Las Vegas, na América do Norte, num claro instante, e descerá a marreta sobre um Holandês Voador, num nocaute alucinante.

Isto é Caetano Veloso prevendo a vitória de Mark Hunt sobre Alistair Overeem, há mais de trinta anos, numa canção clássica da nossa música.

Estes dois senhores já se enfrentaram antes. Em 2008, pela extinta organização japonesa DREAM, o “Super Samoano” (nascido na Nova Zelândia) e “The Reem” subiram ao ringue para um breve encontro. O holandês venceu com uma surpreendente americana. Não que houvesse uma lutadora a mais no ringue, ajudando Alistair a vencer. Estou me referindo à chave americana. Esta vitória fala muito dos lutadores que ambos eram então. Overeem nunca foi o melhor dos grapplers, embora tenha mais vitórias por submissão do que por nocaute no MMA. Hunt tampouco aprendeu a se comunicar em luta agarrada durante toda a sua vida. Daí que em torno de um minuto de luta, Overeem, depois de atingido e jogado ao chão pelo neozelandês, partiu para uma chave de braço e, no meio do caminho, adotou a força bruta para adaptar a pegada e realizou a americana mais troncha da história das americanas. Ambos trocadores, campeões do K-1 (Overeem viria a ser dois anos depois), mas a luta acabou no chão, de mau jeito.

Quase uma década passou, ei-los juntos novamente, agora no octógono do UFC. As coisas mudaram um bocado de lá pra cá, a ponto de estarem semelhantes, em alguns aspectos, ao que era antes: ambos permanecem trocadores (dã), ambos estão melhores na trocação. No entanto, o queixo de Overeem continua o mesmo, senão pior, se considerar a inevitabilidade do tempo; e a defesa ao jogo de chão alheio de Hunt melhorou absurdamente. Ser um novo Demian Maia dentro das grades do octógono não é uma ambição de Hunt – o que ele fez foi se aperfeiçoar em não ser pego e levado à lona, e tem feito isso bem. Sofreu umas quedas contra um anabolizado Brock Lesnar, para quem perdeu sua última luta, antes de as regras do jogo transformarem a derrota em luta sem resultado. Antes deste contratempo, tanto as derrotas quanto as vitórias de Hunt vieram à moda do striker: trocando sopapos.

Alistair Overeem

Isto pode ser um problema para esta luta, porque Overeem é um trocador igualmente experiente e de maior envergadura. O holandês pode controlar a distância, ou construir uma vitória ponto a ponto até chegar à decisão unânime, ou dar a “sorte”, neste jogo de controle de distância, de acertar um torpedo em Hunt e obter um nocaute técnico por meio de ground n’ pound.

Uma observação sobre Alistair Overeem que eu jamais esqueci e que deve ser compartilhada veio de outro trocador holandês, Bas Rutten. Rutten uma vez disse, em entrevista ao canal MMA Interviews, que todo o estilo de Overeem lutar depois que ele se tornou um peso pesado foi determinado pelo seu afamado queixo de vidro. Ele sabe que tem um queixo de porcelana made in China, ele sabe que entre pesos pesados qualquer assopro é vendaval. O que ele faz? Raramente joga uma combinação, tem sempre uma mão aparando o cavanhaque. A não ser que haja um adversário zonzo pedindo por um ground n’ pound, Overeem vai usar distância, envergadura, chutes baixos e timing. Que é basicamente o menu que ele vai colocar à disposição de Hunt neste sábado.

Alistair Overeem vs Mark Hunt odds - BestFightOdds

Contudo, Hunt vai chutar o menu longe e disparar socos estratégicos contra o adversário. Um nocaute técnico ou um nocautaço, com direito a walk-off de um impávido Super Samoano, é o que podemos esperar deste combate. Uma vitória tranquila e infalível.

Peso Pena: #13 Mirsad Bektić (BOS) vs. #14 Darren Elkins (EUA)

Por Gabriel Carvalho

Mirsad Bektic

Apesar do card principal estelar, um confronto muito interessante acabou ficando para baixo da programação, mas vale muito a pena falar sobre. O prospecto/monstro Mirsad Bektic terá o seu primeiro teste de fogo na elite do peso pena do UFC encarando o veterano Darren “The Damage” Elkins.

Para quem já falou de Artem Lobov, dá até uma motivação maior para escrever sobre Bektic (11-0 no MMA, 4-0 no UFC). Com apenas 26 anos, o bósnio vigorou a sua posição de prospecto após quatro grandes vitórias sobre Chas Skelly, Paul Redmond, Lucas Mineiro e Russell Doane. Em pé, Bektic é oriundo do caratê kyokushin, é dono de bons contra-ataques e sabe tomar bem a ação do combate, especialmente com o seu direto de direita. O wrestling é forte e explosivo, característica que melhorou após a ida para a American Top Team. Seu tempo de quedas é muito bom e o seu controle posicional é impecável.

Darren Elkins

Elkins (21-5 no MMA, 11-4 no UFC) vinha se tornando o famoso lutador “escada” em suas aparições mais recentes, mas acabou conseguindo frear as ascensões de Chas Skelly e Godofredo Pepey. O carro-chefe de Elkins é o wrestling. Ex-integrante da segunda divisão da NCAA pela Universidade de Wisconsin, ele é muito bom em aproximações, quedas e controle posicional, que é bem ajudado pela força física. O gás também é de bom nível. No entanto, o que complica o jogo de Darren é a trocação, sem muita técnica e com pouca variedade.

O choque da escada com a revelação é bem interessante. Elkins provavelmente buscará o clinch desde o início, evitando a troca de golpes contra o talentoso Bektic, que, se conseguir se desvencilhar ou controlar a distância, tem boas chances de anotar um nocaute. A luta pode ir para qualquer lado no solo, mas acredito que quem sairá com o braço erguido ao final dos 15 minutos será o bósnio. Porém, não duvide de Elkins conseguir interromper outro ascendente.

Darren Elkins vs Mirsad Bektic odds - BestFightOdds

  • Gabriel Carvalho II

    Pontes 2018

  • Weslei Alvarenga

    A luta que eu mais esperava e mais sinistra do card cai, porra que broxada monstra foi essa.

    Essa revanche ta muito interessante principalmente no que o T-Wood irá fazer, porque o Wonderboy ta muito claro que manterá o controle do 8, mas aumentará o volume e utilizará mais o boxe, mas e a oposição vindo do exorcista ?????

    Nunca esquecerei a frase de Lucas Rezende: “Dan Kelly fará seu adversário fazer a pior luta da vida dele.” E não importa quão ruim ele seja, o coroa consegue.

    #FullCampLando na área, ninguém segura o homi !

    E alguém dê um Pulitzer pro Guilherme Pontes, fazendo favor !

    https://uploads.disquscdn.com/images/024c07135596e76cd43e098bd154d35509215cec292ec010c19edc9ede639e0e.jpg

  • Sexto Empírico

    Vou votar torcendo. Quem eu quero que vença:

    Woodley – campeão acidental. Tem seus méritos, mas o destino deu uma força. Quero q vença (só essa) pq não gosto do Wonderboy. Thompson tem um jogo fantástico, mas só funciona quando enfrenta algum tampinha descuidado. Contra outros, torna-se um Machida mais pululante e fujão. Também não gosto da imagem americano perfeito, “boring”, q vendem dele e nem de seus fãs chatos. Woodley leva essa é perde a próxima.

    Evans – Tá aí uma boa luta pro Spider. Rashad sabe que perdeu seu auge para as lesões e o tempo. Vai pegando leve para continuar no show. AS deveria seguir o exemplo. Arranjar um emprego de comentarista no Combate (só seria um a mais falando groselha no bando) e lutar eventualmente contra veteranos com nome, fora do auge, ao invés de ir todo dia a público, escolher adversários menores e soltar algum de seus disparates.

    Vannata da massa! Pra luta da noite, nocaute do ano e vereador.

    The Reem – tenho simpatia pelos dois porradeiros das antigas. Agora, já aborreceu essa choradeira infernal em busca de uns trocos no final da carreira do Hunt. É justa a reclamação? Sim! É chata? É também! É por justiça q ele faz esse escândalo? Não, é por dinheiro mesmo, já q sempre lutou contra dopados e nunca se importou até saber da bolsa de 3 Milhas do Lesnar (dizem q passou de 10M com ppv e outros bônus).

    Mirsad – Vc sonha lutar na maior franquia do mundo, figurar no ranking, mas sobra vontade e falta talento, e vc não é amigo do Joinha e nem do Minotauro, pra te quebrarem essa? Seus problemas acabaram! É só aprender Wrestling e seguir a cartilha do amarrão de Elkins q vc chega lá. E dependendo do seu gosto por tatuagens, ainda vc pode fazer parte do clube das piores tattoos do Mma. Clube fundado por Melvin Costa e q já tem o próprio Elkins, Marreta, Lesnar e todos com tatuagens em volta do umbigo entre seus filiados.

    • Beto Magnun

      Pareo dura essa disputa. Uma vez minha namorada tava assistindo UFC , comigo e quando ela viu o Travis Browne, me perguntou se era luta ou disputa de quem tinha tatuagem mais ridícula. No mesmo evento teve CM Punk e sua logo da Pepsi.

  • James sousa

    Darren Elkns é um teste bem interessante para o Mirsad Bektic
    Stephen Thompson teve contra o Rory Macdonald umas das melhores atuações de um lutador em 2016 na primeira luta achei que ele não conseguiu repetir completamente aquela atuação

  • Beto Magnun

    Gosto Thompson, mas vou concordar com o Sexto. Quando pegou adversários mais gabaritados as lutas dele tendem a ficar bem chatas. E falo das duas últimas mesmo. No 205, curti bem mais as lutas da joanna e do Edgar. Enfim, minha aposta é no Worderboy.
    Rashad vai ter que ficar esperto já que o Kelly arranca o que a de pior dos seus adversários.
    Lando e Teymor só espero uma pancadaria responsa.
    Overclean deve dar uma surra daquelas no Hunt, mas também deve tomar uns sustos ao longo da luta.
    Eita exageradas essas odds de Bektic vs Elkins.

    • Eu discordo da parte do Thompson. A luta contra o Woodley foi irada. Contra o Hendricks também. Contra o MacDonald foi menos movimentada, mas com um nível de tensão absurdo. Entendo quem não gostou da luta contra o MacDonald, mas as outras foram iradas. Mas cada um curte o que quiser.

    • Achei exagero não a odd do Bektic.

  • Lero

    O Demian deve estar torcendo pra caramba pelo Thompson… Se da Woodley, GSP ganhando ou perdendo do Bisping vai querer pegar seu cinturão de volta.

  • Diego Cavera

    O card é muito bom , apesar da broxada de não ter uma das melhores lutas a se casar nos leves Nurma x Fergunson, depois dessa tem que ter uma medida drástica pra não cair luta com poucos dias assim, é frustrante, uma luta muito interessante é Marajó x Sanders, um bom teste pra um prospecto, deve ser uma baita luta!