UFC 208: Holm vs. de Randamie – Prévia do Card Principal

UFC 208: Holm vs. de Randamie – Prévia do Card Principal
MMA

Num evento cheio de brasileiros de elite, com Anderson Silva, Ronaldo Jacaré e Glover Teixeira, o UFC 208 marca a estreia de uma nova categoria no UFC e a primeira prévia totalmente colaborativa do MMA Brasil.

O primeiro evento em pay-per-view da maior organização do MMA mundial traz uma novidade para os leitores do MMA Brasil. O UFC 208, que acontecerá neste sábado no Barclays Center, no Brooklyn, distrito de Nova York, terá a primeira prévia totalmente colaborativa do nosso site.

Na luta principal, Holly Holm tenta fazer história pela segunda vez. Ela pode se tornar a primeira campeã de duas categorias no UFC caso vença a disputa do cinturão contra Germaine de Randamie, pela recém-criada categoria do peso pena.

Em seguida, um batalhão de motivos para os fãs brasileiros ficarem ligados no evento. O superastro Anderson Silva busca a primeira vitória desde 2012 contra Derek Brunson. Antes deles, Ronaldo Jacaré tem a missão de se manter vivo na disputa pelo posto de desafiante dos médios contra Tim Boetsch. Eles sucederão Glover Teixeira, que encara o ascendente Jared Cannonier. Abrindo a programação principal, Jim Miller e Dustin Poirier fazem duelo de gerações do peso leve.

O UFC 208, que terá transmissão ao vivo e na íntegra pelo canal Combate, terá ainda companhia da Rede Globo nas lutas principais (ainda não foram confirmadas quais). O card preliminar vai ao ar a partir das 21:30h, enquanto o principal está marcado para começar à 01:00h, sempre pelo horário oficial de Brasília.

Cinturão Peso Pena Feminino: Holly Holm (EUA) vs. Germaine de Randamie (HOL)

Por Anderson Cachapuz

Holly Holm

Uma estreia discreta iniciou a curta caminhada que chocou o mundo. Após passar dificuldades contra Raquel Pennington e dominar Marion Reneau, Holm abalou as estruturas do MMA ao executar um plano de jogo ideal e praticamente acabar com a carreira de Ronda Rousey com um chute preciso e de execução perfeita. Em sua primeira defesa do cinturão, dominava Miesha Tate quando sucumbiu a uma tentativa desesperada de sua oponente e acabou dormindo em um justo mata leão. O abalo psicológico foi tão grande que ainda surtiu efeitos na luta contra Valentina Shevchenko, mas agora a “Filha do Pastor” tem uma oportunidade de ouro de renascer neste combate que inaugura a categoria peso pena feminino.

Holm (10-2 no MMA e 3-2 no UFC) é a mais laureada boxeadora de todos os tempos. De movimentação ímpar e fluida, Holm baila pelo octógono disparando socos e combinações com precisão cirúrgica, embora falte potência por vezes. O kickboxing desenvolvido por Mike Winkeljohn há mais de 15 anos também contribui para colocá-la como uma das melhores strikers do MMA feminino, produzindo chutes de vários angulos, como aquele que pegou Rousey no pulo do gato.

No aspecto defensivo, a movimentação de cabeça e o talento como boxeadora, aliados a um condicionamento físico mais do que decente a tornam pouco acertável, mas o fato de ainda não saber bem o que fazer quando está de costas para o chão é algo que precisa ser trabalhado de forma urgente, embora não deva ser um problema nesta luta – nem na próxima, se tudo correr como ela espera.

Germaine de Randamie

De trajetória muito menos gloriosa no MMA, não seria ultrajante e nem desrespeito citar que Germanie de Randaime (6-3 no MMA e 3-1 no UFC) caiu de paraquedas na disputa do cinturão inaugural do peso pena. Não que a moça não seja talentosa, mas se não fossem os problemas de Cristiane Cyborg com a USADA, provavelmente este posto estaria ocupado por quem o UFC tinha em mente quando criou esta categoria.

Multicampeã de muay thai e kickboxing, com um título nacional, três europeus e três mundiais em dois pesos diferentes, detentora do recorde de vitórias consecutivas (37), a holandesa é uma striker de elite, ainda que isso não tenha ficado tão claro no UFC (talvez nem no MMA).

Depois de estrear com vitória chata baseada no clinch sobre a agora matchmaker do Invicta FC Julie Kedzie, Germaine tomou um pau de Amanda Nunes e se recuperou com vitórias sobre adversárias menos expressivas, a jovem Larissa Pacheco e a pequena Anna Elmose. Calejada na luta em pé, a holandesa angula bem para golpear, mas ainda tem muita dificuldade para fazer a transição para as outras nuances do jogo. A parte defensiva também precisa melhorar, mas ainda não foi exposta o suficiente para vermos todos os gargalos de seu jogo.

Germaine De Randamie vs Holly Holm odds - BestFightOdds

Esta luta tem tudo para ser bem animada. Como todo confronto de dois strikers de elite, espero que não terminem no chão e caiam na mão até o dia amanhecer. São duas lutadores técnicas, precisas e não tão potentes assim. Holm, até pelo seu histórico no boxe, é mais experimentada em um nível mais alto de competição, mais resistente e tem uma retaguarda melhor à disposição, com Greg Jackson e Winkeljohn em seu córner para traçar uma estratégia que garanta uma superluta contra Cris Cyborg.

Esperem muita movimentação e algum estudo inicial de ambos os lados. Holm deve jogar na longa distância, controlando bem com seus chutes precisos e tentando manter a adversária longe a fim de evitar o clinch, jogo que a holandesa prefere. De Randaime deve tentar se aproximar e trabalhar no dirty boxing para desgastar a oponente e tentar vencer por pontos, mas não tem a pujança física necessária para manter a pressão por cinco rounds.

No fim, a experiência e o talento de Holm devem gritar mais alto e o nocaute vem no fim do combate, lá pelo quarto ou quinto round.

Peso médio: #7 Anderson Silva (BRA) vs. #8 Derek Brunson (EUA)

Por Pedro Carneiro

Anderson Silva

O ano era 2012 e o mundo era um pouco diferente. Barack Obama e Hugo Chávez eram reeleitos, Bento XVI era o papa, Edward Snowden era um desconhecido, Lance Armstrong ainda era ídolo de muitos, Clarence Seedorf jogava no Botafogo e Oscar Niemeyer e Nelson Mandela ainda estavam entre nós. Esse era o panorama do mundo quando Anderson Silva (33-8 no MMA, 16-4 no UFC) venceu pela última vez uma luta de MMA.

Desde então, muita água passou por baixo da ponte e vimos a perda do cinturão dos médios, o doping e a idade criarem a pior fase da brilhante carreira do brasileiro. Para não dizer que não falei de flores, Anderson ainda possui lampejos da genialidade de outrora: precisão, experiência e a absurda capacidade de capitalizar em cima de qualquer erro que o adversário cometa.

Derek Brunson

Derek Brunson (16-4 no MMA, 7-2 no UFC) vinha no embalo de uma sequência de seis vitórias até ser freado pelo também promissor Robert Whittaker, no UFC Fight Night 101. O americano, que foi três vezes All-American da Divisão II da NCAA, é um wrestler explosivo, com um alto poder de nocaute nas mãos, e enfrenta no próximo sábado o maior nome da sua carreira.

Temos aqui um confronto de gerações e com possibilidades claras e distintas de como o combate vai se desenrolar. Para vencer, o americano deverá usar o wrestling e a pujança física para derrubar Anderson Silva e mantê-lo no chão por 15 minutos. Brunson poderia até tentar o clinch e a grade, mas a história já mostrou o quão perigoso o ex-campeão pode ser nesse tipo de situação; logo, se o americano for inteligente (coisa que ele não é exatamente conhecido por ser), deve evitar essa possibilidade. Há ainda a chance de Anderson agir como se seus reflexos fossem os mesmos e se expor para a bigorna que Brunson tem nas mãos e sair nocauteado, mas, como acreditamos que a idade não tenha subtraído a inteligência do brasileiro, essa hipótese também é pequena.

Já para Anderson, o caminho da vitória está na movimentação, controle da distância e o uso de golpes rápidos e precisos para, em momento oportuno, capitalizar com um golpe derradeiro. Ou seja, a estratégia de Anderson Silva é ser Anderson Silva. Todavia, o que ele não pode de forma nenhuma permitir é que a outra faceta de Anderson Silva compareça no octógono e ele lute se expondo aos potentes socos do americano ou que fique encostado na grade chamando o adversário para fazer justamente o jogo em que ele é treinado para fazer.

Anderson Silva vs Derek Brunson odds - BestFightOdds

A aposta é que, mesmo com a idade, a perda de reflexos e da velocidade, a genialidade e os lampejos do Anderson Silva pré-2012 ainda sejam suficientes para vencer um lutador que tem problemas no seu jogo defensivo. E como o brasileiro precisa de apenas um erro para capitalizar, é provável que consiga o nocaute no momento em que o erro de Brunson ocorrer.

Peso Médio: #3 Ronaldo Jacaré (BRA) vs. #13 Tim Boetsch (EUA)

Por Guilherme Pontes

Ronaldo Jacaré

Parece que o único motivo para os matchmakers marcarem esta luta foi a agenda dos lutadores que não são conhecidos por “Jacaré” ou “The Barbarian”. Já que os demais estavam todos ocupados, a única alternativa foi casar o brasileiro pantaneiro contra o bárbaro americano. Não que seja algo de todo ruim, porque há promessa de sopapos exalando aquele cheirinho bom de nocaute em frente à TV, mas o cartel dos lutadores em questão e a posição de cada um no ranking da categoria deixam a balança despencando para o lado do crocodiliano humanoide. Graças aos deuses que não há apenas casamentos de luta com base no status no ranking e no retrospecto, pois perderíamos uma luta como Ronaldo Souza versus Tim Boetsch.

Jacaré teve apenas um tropeço nos últimos seis anos. Desde 2012, então pelo extinto Strikeforce, que Jacaré nada contra e a favor da corrente, abocanhando vítimas de várias formas: decisão, nocaute, finalizações sortidas. Até encontrar Yoel Romero, em dezembro de 2015, e uma decisão dividida em favor do cubano fez os corações mais ufanistas gritarem “É garfo!”. Talvez “garfo” seja um talher agressivo para este contexto, mas a verdade é que a luta poderia ter sido de qualquer um, como uma faca de dois gumes. Este tropeço não chegou a tirar o ímpeto de Ronaldo, que em seguida apagou a estrela veterana de Vitor Belfort a bordoadas no primeiro round. Com um sólido passado de grappler e uma evolução evidente na arte do striking, Jacaré chega com favoritismo sobre o Bárbaro.

Quanto ao Boestch, veterano de UFC, os últimos dois sucessos dele foram contra o finado Josh Samman (lutador promissor, mas que estava em declínio quando enfrentou o Bárbaro) e o brasileiro Rafael Natal, contra quem era o azarão. Boetsch nocauteou o Sapo ainda no primeiro round, dando um resumo de suas habilidades: ele bate forte, apenas. Desprovido de brilho em qualquer área, uma mão pesada e um queixo relativamente forte têm impulsionado a carreira deste simpático lutador. Vindo de três derrotas acachapantes nos últimos cinco combates, sendo uma delas pela mão do último homem vivo no planeta (Dan Henderson), o Bárbaro vai precisar nadar muito neste rio se quiser fugir do réptil semi-aquático.

Ronaldo Souza vs Tim Boetsch odds - BestFightOdds

Caso queira capturar o réptil, o único cenário plausível é se um direto desavisado de direita entrar na mandíbula do brasileiro. A expectativa é que o capixaba, mesmo superior na luta agarrada em geral, faça o Bárbaro encontrar o caminho da espiritualidade rente ao chão do octógono, via nocaute técnico, no segundo round.

Peso Meio-Pesado: #3 Glover Teixeira (BRA) vs. #15 Jared Cannonier (EUA)

Por Gabriel Carvalho

Glover Teixeira

Primeiro brasileiro da trinca nacional do card principal, o ex-desafiante ao cinturão Glover Teixeira terá um desafio tranquilo em tese, enfrentando o americano Jared “The Killa Gorilla” Cannonier.

Em uma divisão mais devastada que a Austrália no Mad Max, Glover (25-5 no MMA, 8-3 no UFC) não teve maiores dificuldades para se destacar e chegar à disputa de título contra Jon Jones, em 2014. Depois de tomar um passeio de Jones e outro de Phil Davis, o mineiro se recuperou com três vitórias seguidas, mas a nova disputa de título foi adiada após ser brutalmente nocauteado por Anthony Johnson, no UFC 202.

Glover é um lutador com nível de top 5. Mesmo não sendo o mais veloz, o brasileiro de Sobrália tem um boxe muito técnico e poderoso, capaz de levar o adversário à lona com uma curta combinação ou magoando usando o volume de golpes. Bom lutador de jiu-jítsu, tem problemas com wrestling, mas se garante no solo contra o resto da divisão.

Jared Cannonier

Depois de uma derrota para Shawn Jordan e uma vitória sobre Cyril Asker, Jared Cannonier (9-1 no MMA, 2-1 no UFC) decidiu descer para o peso meio-pesado. Sem a pochete safada, ele se tornou mais atlético, o que foi bem influente em sua vitória sobre Ion Cutelaba, no TUF 24 Finale, no último mês de dezembro.

Apesar de não ter uma modalidade de base definida, a principal característica de Jared é o boxe. Ele é dono de potentes combinações e usa o jab muito bem para marcar os oponentes, além de ser um bom contra-atacador. Apesar de ser um bom lutador no âmbito ofensivo, o “Gorila Matador” dá diversas brechas para receber golpes, o que será um problema contra alguém com o poder de definição de Glover. A defesa de quedas do americano é fraca, tanto que chegou a ser derrubado seis vezes em seu combate mais recente.

Glover Teixeira vs Jared Cannonier odds - BestFightOdds

O fato desse combate ter sido marcado me irrita. Glover é um ótimo atleta, que consegue se manter no nível dos melhores e foi jogado contra um cidadão que lutou apenas uma vez na categoria dentro do UFC. A expectativa é de que o mineiro comece trabalhando na trocação, mas, se não conseguir nocautear, aplicará uma queda e finalizará com um katagatame ainda no primeiro round de luta.

Peso leve: #10 Dustin Poirier vs. Jim Miller

Por Diego Tintin

Dustin Poirier

Ao ver Dustin Poirier dando cabeçada, circulando para lá e para cá no top 10 do ranking dos penas e dos leves, sempre me faço a pergunta: quando este grande lutador deixará de bater na trave e assumirá com propriedade seu lugar na elite da organização?

Depois de liquidar com maestria adversários no nível intermediário como Diego Brandão, Erik Koch e Joseph Duffy, o “Diamante” teve negado o direito de chegar ao chefão de fase pelo “Zumbi Coreano” Chan Sung Jung, por Conor McGregor e, na sua última peleja, por Michael Johnson.

Poirier costuma imprimir um ritmo alucinante em seus combates, lançando combinações longas de socos e chutes. Tem um nível muito decente na luta olímpica e um arsenal de finalizações criativas e eficientes. Contudo, se ofensivamente Dustin faz jus ao pretensioso apelido, está no sistema defensivo uma deficiência que pode explicar as derrotas em momentos agudos da carreira. O americano se expôs mais que deveria contra adversários letais como McGregor e Johnson, além da forte suspeita que tenha caído no jogo psicológico de provocações de ambos.

Jim Miller

Não deixa de ser uma grata surpresa o veterano Jim Miller aparecer para esta luta com três vitórias seguidas, a esta altura do campeonato. Tudo bem que os adversários foram os não menos velhos de guerra Takanori Gomi, Joe Lauzon e Thiago Pitbull, todos com flagrantes marcas do passado violento. Porém, é sim um grande mérito Miller ainda se apresentar em forma satisfatória aos 33 anos e com tantas batalhas épicas e desgastantes na bagagem.

Houve uma época em que Miller era o nome mais indicado para o próximo desafiante nos 70 quilos. As duras derrotas para Nate Diaz e Bem Henderson dissiparam essas esperanças nos momentos em que parecia muito próximo do feito e marcaram o início de uma visível queda de rendimento. Momentos difíceis, com quatro derrotas em cinco lutas, vieram, até que a redenção chegou contra os colegas de geração.

Bom de luta olímpica, faixa preta de jiu-jítsu de Jamie Cruz, Miller tem qualidade nas transições e tentativas de finalização. Com o tempo, o queixo vem deixando de ser confiável, resultado natural dos anos de estrada. Ofensivamente, Jim pode compensar com um boxe de golpes retos bem escolhidos e aproximação com cruzados e ganchos capazes de fazer estrago em uma luta mais longa.

Dustin Poirier vs Jim Miller odds - BestFightOdds

Não há como negar que uma vitória de Miller aqui seria algo bem inusitado, comparando o nível médio das últimas apresentações de cada lutador. Poirier pode ter alguma dificuldade no início do combate devido ao alto volume enquanto o tanque de Miller ainda estiver cheio. A tendência é que Dustin comece a acelerar no combate, enquanto Jim siga no sentido contrário. Vamos arriscar aqui uma vitória do Diamante por decisão.

  • James sousa

    esse é um evento que teve algumas lutas muito mal casada na minha opinião como Glover x Cannonier e Jacaré x Boetsch ,
    na luta principal apesar da DE Randamie ter um cartel de 46 – 0 no Muay Thai ela ainda não mostrou grande coisa no MMA vou fica bem surpreso se ela vencer a Holly Holm

    • João Gabriel Gelli

      Tendo em vista que o Glover já está com uma idade mais avançada e vem de um nocaute absurdamente brutal contra o Johnson, não tenho tantos problemas quanto a maioria em aceitar esta luta contra o Cannonier. Vai servir pra ver se o brasileiro vai entrar na descendente ou se ainda pode brigar lá no topo dos meios-pesados.

  • Marcos Henrique Lira

    Na minha humilde opinião, teremos surpresas nesse card.
    Holandesa vence por nocaute
    AS. Perde por nocaute. ( vai ser derrubado com facilidade e apanhar como nunca).
    Jacaré vai finalizar
    Poirrier vence por nocaute.
    Glover vence por nocaute.

  • Lucas Natan

    Essa prévia colaborativa deve ser beeem melhor pra vcs, além de trazer pontos de vista diferentes. Gostei! Só senti falta das fotinhas dos lutadores, acho que fica muito “seco” só o texto.

  • Asisz Marco

    jacare realmente foi garfado, nao tem o q discutir
    no site mma decisions 12 deram vitoria para o jacare, enquanto apenas 2 deram para o cubano, alem de 4 marcarem empate.
    nessa luta jacare nao fara mais q obrigaçao em vencer, e provavelmente tera q lutar mais, entao possiveis adversarios seriam: ideal seria luke, mas talvez role um whittaker ou weidman(caso vença o armenio).
    torcerei contra anderson pelo simples fato dele querer furar fila do “amigo” jacare e do resto da divisao, caso vença gostaria q jacare o desafiasse para ver se o aranha vem com aquele papo de amigos nao lutam denovo.
    glover deve fazer a obrigaçao, despachar o jared, q e bem mediano por sinal
    na luta do poirier acho q vamos ter surpresa, a experiencia e grappling do miller trarao uma vitoria na decisao 29 a 28.

  • Saulo Henrique

    O último homem vivo da terra, Dan Henderson. HAHAHAHAHAHA.

  • Gabriel Carvalho II

    ”Graças aos deuses que não há apenas casamentos de luta com base no status no ranking e no retrospecto, pois perderíamos uma luta como Ronaldo Souza versus Tim Boetsch”

    CHUPA, JOE ROGAN. ISSO SIM É CRIAR EXPECTATIVA PRA UMA LUTA.

  • Patrick Santos

    Esse texto mostra como essa equipe é uma constelação! Torço por mais prévias assim, todos mandaram muito bem. De preferência com um card maior pra incluir o Alexandre, JGG, Sader e Oreiro.

    PS.: já reli a parte do Pontes 3x e gargalhei nas 3

    • Bruno Fares

      Pontes idolo. Baita trabalho de todos.

    • Rafael Oreiro

      Pedir Sader já é um sonho distante, mas pode deixar que eu apareço nas próximas

    • James sousa

      galera nem pedi mais o Felipe de tanto que ele não escreve mais no site hahaha

  • Bruno Fares

    “Talvez “garfo” seja um talher agressivo para este contexto, mas a
    verdade é que a luta poderia ter sido de qualquer um, como uma faca de
    dois gumes.”

    Que momento!

    Parabens todos da equipe, que belo texto.

    • Sexto Empírico

      Também gostei dessa parte. Muito bem sacada. Kkk…

  • Sexto Empírico

    Holms é uma boa contra golpeadora. Quando encontra oponente que caia no seu jogo – Ronda – consegue ser fatal. Caso contrário, se torna comum e faz lutas enfadonhas que terminam por pontuação. No boxe, sofreu um dos Ko’s mais terríveis que já vi (achei que ela ia morrer). É favorita mas tem que tomar cuidado. Terá pela frente uma mulher que bate em homem. Literalmente.

    Anderson parece não levar a coisa mais tão a sério. Seu talento extraordinário aliado com a experiência e boa forma estão lhe dando uma sobrevida. Se vencer essa luta, devido a sua popularidade, poderá até ganhar um TS.

    Jacaré precisa vencer e de forma arrasadora, como Romero fez com Weidman, por exemplo. Caso contrário, restará continuar reclamando de injustiça junto com seus fãs choramingas. Poderá até ver seu “amigo” Spider passar a sua frente.

    Glover é um lutador sólido, completo e muito perigoso. Tem ido mal quando enfrenta a elite e, por isso, vai assumindo o ingrato papel de porteiro do top 5.

    Poirier e Jim Miller são lutadores que oferecem bons shows. Estão no mesmo nível, o dos bons lutadores, longe dos medíocres e também a varios passos da elite.

    • Asisz Marco

      cara, eu sou fa do jacare, mas independente da forma q ele vença, ele nao tera o ts garantido, ele teria q pegar ou luke, ou whittaker, ou weidman caso vença o mousasi,

      • Sexto Empírico

        O Jacaré dependerá, hoje, mais do desempenho do Anderson do que dele propriamente. O Jaca pode fazer o Ko ou finalização do ano que não adiantará nada caso o Anderson vença hoje. Imagina este cenário: Romero vs Bisping. Se der Bisping, a revanche contra o Anderson, devido ao apelo que tem, torna-se inevitável. Se Romero for campeão, também optará pelo Spider.

  • Gustavo krt

    acho que o glover não levou um passeio do jones…foi uma luta dura com vitória clara pra o americano. no resto as descrições são ótimas.

    • Asisz Marco

      50 a 45 para jones marcado por todos os jurados, nao me lembro de o glover ter levado algum perigo para o jon jones.

      • Gustavo krt

        Ganhou todos os rounds…Mas passeio não foi. Como disse : vitória clara…Mas longe de passeio. Passeio foi Jones vs Shogun, Anderson vs Maia … Jones vs Glover foi uma luta muito dura que foi vencida com clareza pelo americano.

  • Anderson Tomaz

    Vim sedento pra análise do Alexandre na luta principal e…

    • Pedro Carneiro

      dsclp

      • Anderson Tomaz

        kkkkl

    • Gabriel Carvalho II

      dsclp

      • Anderson Tomaz

        kkkk

    • Anderson Cachapuz

      Dsclp

    • Guilherme Pontes Coelho

      dsclp