UFC 146: Junior Cigano cumpre a promessa e nocauteia Frank Mir no 2º round

Junior Cigano não deu a menor chance a Frank Mir e o nocauteou no segundo round. Cain Velasquez volta em grande estilo e encharca Antonio Pezão de sangue.Glover Teixeira vence, enquanto Diego Brandão e Edson Barboza são derrotados.

Para surpresa de ninguém, Junior Cigano deu mais um show de boxe e nocauteou Frank Mir no segundo round, defendendo pela primeira vez seu cinturão dos pesados na luta principal do UFC 146, evento ocorrido na noite deste sábado na MGM Grand Garden Arena em Las Vegas.

Todos os duelos do card principal terminaram em nocautes ou finalizações. Voltando depois de perder o cinturão, Cain Velasquez massacrou Antonio Pezão na co-luta principal da noite. Antes, Roy Nelson nocauteou Dave Herman, também no round inicial.

Nos duelos que abriram o card principal composto apenas por pesos pesados, Stefan Struve finalizou rapidamente Lavar Johnson, minutos antes de Stipe Miocic nocautear Shane Del Rosario na luta dos invictos.

O card preliminar contou com três brasileiros e apenas um deles venceu. Em sua estreia no UFC, Glover Teixeira não tomou conhecimento de Kyle Kingsbury e o finalizou no round inicial. Já Edson Barboza foi nocauteado por Jamie Varner e Diego Brandão sucumbiu na decisão para Darren Elkins.

Junior dos Santos (BRA) venceu Frank Mir (EUA) por nocaute técnico (3:04, R2)

Pobre Mir. Que a noite dele seria dura, até ele sabia. O problema foi que Cigano lançou mão de requintes de crueldade na vitória maiúscula.

O americano tratou logo de tomar o centro. Com poucos segundos, grudou na perna de Cigano e tentou um single-leg. Não conseguiu quedar, se jogou ao chão tentando uma chave de perna e o campeão se safou. Não só se safou como tirou onda, mandando um “na-na-ni-na-não” com o dedo. Psicologicamente foi o fim do desafiante.

A partir deste momento, Junior foi o senhor da luta. Estabeleceu a distância com maestria e lançou jabs e diretos que entravam como perfuradoras, ora na cabeça, ora no corpo de Mir. A diferença de movimentação a favor do campeão era constrangedora. Mesmo a contragosto, o americano foi obrigado a se envolver numa luta de boxe onde Cigano entrava e saía como um peso médio e batia como um pesado. Faltando 15 segundos para o fim, Junior disparou uma saraivada de golpes. Atordoado, Mir quase foi a knockdown e mergulhou na perna do oponente. Cigano saiu, o americano deu com o rosto no chão e a buzina disparou, marcando 10-9 a favor do campeão.

Os lutadores trocaram sorrisos antes de voltar para o segundo round. Quando a luta recomeçou, Cigano tratou de voltar com a expressão séria e o castigo. Uma combinação de direto e cruzado mandou Mir à lona, mas Junior não quis tentar o ground and pound e permitiu que o oponente se levantasse. O americano finalmente tentou os chutes baixos, mas não tinha a menor contundência. Num destes momentos, deu um passo a frente, recebeu um cruzado no pé do ouvido e desabou. Cigano foi para o ground and pound mas parou na primeira reação que o desafiante teve. Quando viu que Mir estava completamente grogue, o campeão voltou apenas para dar o “confere”, fazendo o árbitro Herb Dean interromper.

Na conferência de imprensa após a luta, Cigano explicou o plano de luta:

“O nocaute no segundo round era a minha estratégia para a luta. Pensei que ele viria para tentar me derrubar, então tentei manter a distância no primeiro round para fazê-lo cansar. No segundo, era meu plano avançar um pouco mais do que no primeiro. Funcionou. Acho que, quando você acredita muito em si próprio, essas coisas acontecem. Por isso sou tão positivo.”

Mir reconheceu os méritos do campeão:

“Eu sabia que ele era muito difícil de ser posto para baixo com quedas comuns de wrestling. Por isso tentei puxar uma chave de perna para poder colocá-lo no chão. Eu não queria uma luta de boxe com ele, mas fui forçado a entrar numa e não consegui quedá-lo. Ele é o campeão. Ele é rápido. Não consegui sair da frente. Ele me acertou com força, e foram muitos golpes. Alguns foram os golpes mais fortes que eu já recebi e, eventualmente, eles entraram e eu não pude fazer nada contra isso.”

Cain Velasquez (EUA) venceu Antonio Silva (BRA) por nocaute técnico (3:36, R1)

Em seu retorno depois de perder a invencibilidade e o cinturão para Cigano, Velasquez não deu a menor chance para Pezão e o tratou como se fosse um iniciante.

Cain foi rápido. Tomou o centro e, quando o brasileiro tentou um chute baixo, o americano agarrou sua perna e levou o combate para o chão. Conforme sua marca registrada, Velasquez trabalhou um ground and pound frenético com socos e cotoveladas, mostrando técnica para manter o oponente no solo, já que Antonio tentava sair com o quadril para se safar. Uma das cotoveladas de Cain entrou como uma navalha, abrindo um imenso rombo no rosto de Pezão. O sangue passou a jorrar abundantemente do rosto do brasileiro. Sem sequer conseguir ver de tanto sangue que vazava sobre seus olhos, Pezão nada podia fazer a não ser aguentar o castigo.

O árbitro Josh Rosenthal interrompeu a luta e pediu para o médico limpar o brasileiro. A luta foi reiniciada na mesma posição, no chão, e Velasquez seguiu com o castigo impiedoso. Pezão fazia guarda e tentava se defender, mas Velasquez estava impossível. O brasileiro tentou levantar na marra e Cain o segurou pelo pescoço e passou para as costas. Dali voltou a bater e novamente jogou o oponente com as costas no chão. Apenas quando Velasquez aplicou oito direitas e uma esquerda violentas num adversário sem reação, o árbitro parou o massacre.

De acordo com as estatísticas oficiais, Velasquez aplicou 51 golpes contra Pezão. Isto rendeu uma taxa de quase um soco ou cotovelada a cada quatro segundos. Foi um senhor retorno, que certamente já deixa os fãs ouriçados para uma revanche com Junior Cigano.

Roy Nelson (EUA) venceu Dave Herman (EUA) por nocaute (0:51, R1)

Apesar de talentoso, Herman tem sérios problemas defensivos, conforme havíamos adiantado na prévia do evento. Com grande poder de nocaute em sua mão direita, Nelson poderia capitalizar uma dessas falhas. Foi o que ele fez aos 51 segundos de luta.

Herman tentava manter Nelson longe com chutes frontais que empurravam o oponente para trás. Enquanto isso, sua guarda variava entre a linha de cintura e o peitoral. Nelson percebeu e largou o mata-cobra na têmpora de Dave, que desabou nocauteado.

A transmissão deste combate teve um acontecimento curioso. Já com a luta iniciada, a câmera voltou-se rapidamente para as octagon girls, focalizando Arianny Celeste, que havia acabado de chegar. Ela foi presa antes do evento acusada de violência doméstica. Ela foi detida pela manhã e liberada no começo da noite, depois de pagamento de fiança de 3 mil dólares.

Stipe Miocic (EUA) venceu Shane Del Rosario (EUA) por nocaute técnico (3:14, R2)

A esperança de ver uma luta equilibrada acabou com o condicionamento físico inadequado de Del Rosario, que vinha de longa inatividade. Muito mais bem preparado, Miocic tomou conta da luta. Seu boxe foi superior ao muay thai do oponente, fazendo com que o descendente de croatas conseguisse alguns bons momentos de pressão sobre o estreante. Mesmo quando foi duramente atingido, Miocic conseguiu evitar maiores danos com sua movimentação e wrestling, ora saindo da linha de tiro, ora mudando o rumo da luta para o clinch ou para o chão. Stipe levou o primeiro round por 10-9.

Miocic entendeu que a luta de chão era o caminho mais seguro para ele. Com menos de um minuto, partiu para o single-leg e caiu por cima. Esmagou Del Rosario e desceu a lenha no ground and pound, abrindo o nariz do oponente. Shane não conseguiu sair da situação incômoda e, quando sofreu um ataque de cotoveladas sem se defender, viu o árbitro Yves Lavigne interromper a luta.

Stefan Struve (HOL) venceu Lavar Johnson (EUA) por submissão com chave de braço (1:05, R1)

Assim como a luta de Nelson, esta foi fácil de prever. Só aconteceu rápido demais.

Conforme esperado, Johnson partiu para a decisão logo nos segundos iniciais. Como bater para cima requer mais talento do que briga de bar, atingir o rosto de Struve 20 centímetros acima de sua cabeça foi uma tarefa complicada. Lavar até acertou bons golpes, mas esgrimou no clinch como um iniciante. O holandês então o puxou para a guarda, tentou um triângulo e variou para o armlock. A chave foi tão justa que Johnson desistiu, com cara de desespero.

Preliminares do UFC 146: Glover Teixeira deixa cartão de visitas para os meio-pesados

A estreia mais aguardada de um brasileiro desde muito tempo terminou do melhor modo possível. Glover encarou uma trocação violenta com Kingsbury no começo da luta, mas o pegou com um uppercut que o mandou a knockdown. O mineiro trabalhou o ground and pound, montou, armou o katagatame e finalizou a luta em 1:53min.

Os outros brasileiros sofreram. Edson Barboza viu sua invencibilidade ruir ao ser nocauteado pelo ex-campeão do WEC Jamie Varner, que substituiu Evan Dunhan. Edson chegou a aplicar violentos chutes baixos, mas o americano estava ligado e levou a luta para o solo depois de agarrar um chute alto. Varner o sufocou no ground and pound, Edson ainda se levantou mas levou outra queda e foi novamente massacrado no ground and pound. A luta foi interrompida aos 3:23min.

Já Diego Brandão tornou-se o primeiro representante do TUF 14 a ser derrotado depois do fim da temporada no UFC. Ele venceu o primeiro round contra Darren Elkins, mas não resistiu ao jogo de quedas e ground and pound do americano, que venceu por decisão unânime com três 29-28.

Fotos: Donald Miralle/Zuffa LLC