Por Alexandre Matos | 12/07/2009 16:46

O supercampeão canadense Georges St-Pierre deu ontem mais um passo em direção ao seu sonho: tornar-se o maior lutador peso por peso da história do UFC. Depois de vencer todos os grandes adversários de sua divisão, o campeão dos meio-médios encarou o maior desafio personificado no brasileiro Thiago Pitbull. E, usando seu fantástico jogo de wrestling, deu uma aula no striker e manteve seu cinturão. Cabe dizer que Rush lutou com uma bursite no cotovelo direito e ainda machucou a virilha no terceiro round.

    Georges St-Pierre (CAN) venceu Thiago Alves (BRA) por decisão unânime (50-45, 50-44, 50-45)


A foto acima representa bem o domínio de GSP entre os meio-médios. Pitbull entrou no octógono com um retrospecto invejável de não ter sido quedado nenhuma vez por dois wrestlers de primeiro nível (Matt Hughes e Josh Kosheck). Como St-Pierre não é apenas um “wrestler de primeiro nível”, o canadense botou brasileiro para baixo simplesmente dez vezes durante a luta.

Com a torcida gritando alucinada “GSP! GSP!”, a luta começou com Pitbull tentando aplicar sua tática, com muita movimentação, balançando a cabeça, soltando jabs e chutes baixos, sem parar diante do Rush. Mas a tranquilidade de Thiago durou pouco: com 45 segundos de luta, GSP mostrou seu timing genial e aplicou um single-leg indefensável, que levou o brasileiro pela primeira vez para baixo, na meia-guarda. Dono de maior potência física, Pitbull tentava se levantar, o que só conseguiu fazer depois de mais de um minuto. Ambos se levantaram e GSP encurralou Pitbull num clinch na grade, outra especialidade do canadense. Sem deixar espaço para joelhadas ou cotoveladas do brasileiro, St-Pierre novamente o quedou (2ª), mostrando versatilidade ao passar para as costas do desafiante. Novamente Thiago explodiu e conseguiu se levantar, mas àquela altura a confiança tinha ido para a vala. St-Pierre encarou a trocação contra o temido striker e também levou vantagem nesta área, com sequencias de jabs, diretos e chutes baixos. Logo depois Thiago defendeu um double-leg e conseguiu finalmente encurtar a distância. Mas quando entrou com sequência de socos, levou outro double-leg e foi pela terceira vez para baixo. Com um corte no olho direito, Pitbull se levantou com GSP colado no clinch e o gongo soou, marcando o primeiro 10-9 da noite a favor do campeão, pela contagem do MMA-Brasil.com.

O segundo começou com Pitbull caçando Rush. Com pouco mais de um minuto, um superman punch seguido de chute baixo abriram caminho para uma entrada em double-leg de GSP, como se fosse um touro, quedando Thiago novamente (4ª). Georges controlava a luta de cima da meia-guarda e não deixava Thiago se criar. GSP tentou montar, mas Thiago puxou para a guarda. Com uma base monstruosa, Rush despencou uma cotovelada que pareceu quebrar o nariz do brasileiro. GSP continuava em ritmo forte, no ground and pound que maltratava o rosto de Pitbull. O campeão seguia dominando com passadas de guarda e marretadas, deixando o opoenente incapaz de realizar qualquer movimento ofensivo. Pitbull consegue se levantar, mas Georges vem junto e trava no clinch, transformando o espaço em nada. O round terminou com 10-8 para o campeão.

Thiago começou o terceiro dominando na trocação e forçou GSP a tentar uma queda, defendida pelo brasileiro. GSP mantinha distância com jabs e movimentação lateral, mas depois de dois chutes baixos novamente aplicou um takedown (5º). Pitbull consegue explodir e se levantar. GSP diminuia o ritmo quando acertou uma direita que levou o brasileiro a knockdown. Caiu por cima conectando socos e cotoveladas, até que Pitbull conseguiu estabilizar a posição na guarda, quando o round acabou. Apesar da evolução mostrada, novamente Thiago perdeu por 10-9.

St-Pierre começou o quarto parecendo que ficaria batendo e saindo, quando aplicou um double-leg cinematográfico com meio minuto, conseguindo sua sexta queda da luta. GSP trabalhou um triângulo na meia-guarda, mas Pitbull se defendeu bem. Muito mais forte, pela primeira vez na luta o cearense conseguiu sair da meia-guarda e ficar por cima, de onde desferiu socos na butterfly guard do campeão. Depois de se defender do ataque, Georges conseguiu se levantar praticamente sem ter sofrido danos. Em pé Thiago conseguiu encurtar e acertar uma joelhada, mas errou um uppercut que teria causado estrago. Ao defender um chute baixo, GSP conseguiu seu sétimo takedown. Trabalhou a posição, pegou as costas de Pitbull com categoria, encaixou os grampos e tentou um mata-leão, mas o gongo soou, marcando outro 10-9 para St-Pierre.

No intervalo, St-Pierre disse que sua virilha doía. Greg Jackson não pestanejou: “Não me importo, Georges. Ei, olhe para mim, é disso que os campeões são feitos. Você me entendeu? Nada importa agora, bata nele com a sua virilha, você entendeu minha mentalidade?” E passou as instruções para o round final: “Eu não quero que você pegue as costas, é um risco desnecessário. Eu quero jabs e muita movimentação, jabs e muita movimentação.”.

E assim GSP começou o round, mantendo a distância por um minuto até aplicar a oitava queda com um single-leg facilmente. Mais uma vez Thiago conseguiu se levantar e mais uma vez foi pressionado contra a grade. Na metade do round GSP tentou um double-leg que Pitbull pareceu defender, mas os lutadores encontraram a grade e St-Pierre completou o takedown (9º) de modo magistral, caindo na guarda do brasileiro. Pitbull conseguiu se levantar sem ser punido, mas apenas para ser quedado pela décima vez no combate. Com Georges bem postado na meia-guarda de Thiago, não restava muitas alternativas para o brasileiro. Pitbull tentava raspar ou se levantar de qualquer maneira, mas a luta terminou. Depois do último 10-9 a favor do campeão, Thiago mostrou ser um verdadeiro desportista, erguendo o braço direito de St-Pierre, em reverência à imensa superioridade demonstrada pelo supercampeão. A equipe do MMA-Brasil.com marcou 50-44 a favor de GSP, mesmo placar anotado pelo julgador Douglas Crosby, enquanto Adalaide Byrd e Marcos Rosales indicaram 50-45, fechando o scorecard oficial.

Durante a semana publicaremos um panorama do que esperar entre os meio-médios e pesados, depois das duas defesas contundentes deste sábado.