TUF 26, Episódios 11 e 12: Adeus!

Olá, pessoal! Estamos de volta no maior (loading…) e melhor portal de MMA do Brasil para os dois últimos episódios do The Ultimate Fighter 26: Uma nova campeã mundial, o reality show do UFC.

No episódio anterior, conferimos a competente vitória de Nicco Montaño, no mais sangrento combate da temporada até aqui contra Montana Stewart. Hoje, vamos conferir de uma vez só os dois episódios com as duas semifinais: Nicco Montaño contra Barb Honchak e Roxanne Modafferi contra Sijara Eubanks.

Vamos conferir o que rolou porque hoje tem textão.

LEIA MAIS: TUF 26, Episódio 10: Vermelho

Episódio 11

O episódio começa com a expectativa de Dana White para o combate. Ele está ansioso por ver Honchak em ação, a franca favorita do programa precisa confirmar seu favoritismo para dar sequência a sua carreira.

Então, já que ninguém tem nada melhor pra fazer da vida, começam as traquinagens. Alvarez surrupiou silenciosamente a chave do carro de Justin e estacionou em algum lugar bem distante, tipo, largado no meio da rua, meio carro pra dentro do passeio. Se fosse aqui no RJ com o governo precisando de dinheiro pra bancar a roubalheira, o guardinha municipal já estaria de caderninho na mão.

O clima na casa entre as duas adversárias é bem amistoso. Justin elogia os treinos de Montaño, que também é muito elogiada por Emily e Montana. A moça trabalha dura e quietinha em prol de um objetivo.

É hora do time verde puxar a sardinha para o lado de Barb, muito elogiada por Alvarez e DeAnna. Sem dar muita atenção, é hora do Team Gaethje devolver a traquinagem: Justin e seu time pintam todo o carro de Alvarez com declarações de amor e auto-exaltação e içam o veículo em um guindaste. Quando Alvarez sai do treino dá de cara com aquilo e ri. Justin Wins.

Pesagem Oficial

A primeira a se pesar é Barb Honchak. A ex-campeã peso mosca do Invicta FC anota a marca de 125lb (56,7kg). Montaño sobe logo depois e anota meia libra acima (125lb/56,9kg). A encarada é amistosa e desinteressante.

Pois sem muita enrolação vamos ali definir a primeira finalista.

#2 Barb Honchak (Team Alvarez) vs #14 Nicco Montaño (Team Gaethje)

Só para variar um pouco, o combate começa depois que o juiz autoriza.

Com ambas muito cautelosas, demora dez segundos para Barb desferir o primeiro chute e não mudou muito nos primeiros segundos. Antes do relógio virar seu primeiro ponteiro, Barb acerta um bom jab e nega uma tentativa de queda, levando a luta para o clinch na grade, onde trabalha em posição de vantagem, com boas joelhadas, até que Nicco consegue reverter e Justin ri no córner.

Não dura muito a dominância de Nicco e as duas continuam no clinch, mas no centro, até Barb se afastar. Nicco avança e Honchak responde com bons golpes de encontro. Estão novamente grudadas e Montaño tenta uma queda com projeção do quadril, bem defendida.

Agora é Montaño quem trabalha com boas joelhadas e chega a acertar uma cotovelada de raspão na saída. Ela ganha confiança e avança e dessa vez é Barb quem gruda para tentar a queda, mas é surpreendida com um forte giro de quadril e acaba de costas no solo com Nicco por cima passando a guarda, a um minuto e 20 segundos do fim do round.

A moça tenta estabilizar posição e está mais preocupada em pesar sobre a adversária, que tenta o “Upa!” mas não consegue sair dali. Montaño começa a mirar o braço e com o giro de Barb ameaça pegar as costas, quase vai parar na montada e termina o round com cotoveladas na cabeça. 10-9 para Nicco.

Barb faz uma cara de insatisfeita com seu desempenho e começa o segundo round tentando avançar cautelosamente, mas tudo que consegue é ficar presa no clinch na grade. A veterana já demonstra sinais de cansaço como passividade e lentidão.

Passamos alguns bons segundos sem muita ação e sem a interferência necessária do árbitro quando as duas voltam ao centro e Barb tenta uma queda meio no desespero, negada por Nicco. Ela está em vantagem no clinch, mas isso não evita que tome joelhadas no corpo. Ela insiste na queda e gasta muita energia ali.

A um minuto e meio para o fim do round, Barb tenta avançar e é golpeada em resposta. Honchack tem suas ações ofensivas frustradas pela boa e sólida atuação de Nicco, mesmo assim toma a iniciativa do combate. A vinte segundos do fim, pouca emoção e quase no soar da buzina Barb consegue uma queda, suficiente para garantir o round, muito apertado até ali e com uma leve vantagem para a veterana.

É hora de decidir quem vai para a final e ambas começam com energia o terceiro e último round do combate. Nicco domina o centro e Barb não se furta de entrar em seu raio de ação para golpear. Ela trava um chute de Nicco e puxa estranho para baixo, como se quisesse aplicar uma queda projetando o corpo e o resultado é catastrófico: ela termina com Nicco mochilada em suas costas com os ganchos encaixados. Que falha técnica de Barb! Quase uma insanidade!

Justin se empolga no córner e Nicco trata de travar a luta ali, até que em uma boa transição consegue a montada. Barb faz o “upa” e consegue levantar, mas Montaño está grudada em sua cintura e não solta de jeito nenhum.

Metade do tempo já se foi e Honchak tenta acelerar as coisas, mas falta o gás para a jovem veterana, que não consegue nem mais a queda depois de uma boa esquiva. A luta está de novo na grade e ganha contornos de emoção quando as duas saem da posição e vão para o centro a um minuto e meio do fim. SÓ QUE NÃO! Estamos novamente na grade, no clinch e blá blá blá.

Barb insiste em tentar uma queda e gasta seus últimos suspiros ali. Se não aplicar contundência, pode acabar derrotada. A quinze segundos do fim Montaño aplica uma bela entrada de double leg e joga a ex-campeã no chão. Ela ainda consegue se levantar antes da buzina anunciar o fim da luta.

Eu marquei 29-28 para Montaño. Combate monótono e estudado, mas valia vaga na final, né? Não é hora de arriscar muito.

Ao final dos três rounds, por duplo 30-27 e um juiz que marcou o mesmo 29-28 que eu, Nicco Montaño foi apontada como vencedora e primeira finalista. Muito merecido! Gaethje é só elogios e diz que ninguém merece mais que ela e que vai ganhar o cinturão (é claro, ele também quer seu prêmio). Montaño diz que o cinturão não importa muito, e sim, o reconhecimento e a oportunidade de colocar seu povo, os Navajos, em evidência, pois metade da população não sabe da existência deles.

Barb é claro, está decepcionada, assim como Alvarez. A vencedora espera por sua adversária, que sairá do confronto entre Roxanne Modafferi e Sijara Eubanks.

Episódio 12

Sem muita enrolação, começamos com Eubanks dando sua declaração, dizendo que a luta vai transcorrer de acordo com o que seus técnicos definirem. Mark Henry é o responsável por preparar sua estratégia e elogia muito a evolução de Sarj. Ele destaca o fato dela ter finalizado seus dois combates, sendo um no solo e um na trocação, única da casa a conseguir o feito. Ele ainda diz “Há mais de 12 anos eu faço isso e nunca vi ninguém como ela”. Bom, na pior das hipóteses acredito que Sijara já tenha arrumado um treinador para seguir com sua carreira.

Miesha define Roxanne: é uma veterana e é sempre subestimada (talvez porque sempre foi bem fraquinha, mas tem evoluído). Gaethje destaca a dificuldade de Sijara com o peso e aposta no cansaço em uma luta de três rounds. Ele não está preocupado com Roxy de tão confiante na vitória. Ela está animada como para uma partida de videogame. As duas são boas em pé e no chão, com as devidas ressalvas.

Sarj vai até o UFC Performance Institute para cortar o último kg de seu peso, sob a batuta do diretor de nutrição Clint Wattenberg. Ele pede uma amostra da urina dela para análise e Sarj consegue voltar com uns 2 ml dentro do potinho. Boa, garota! Ela está 3,6kg acima do peso e Clint orienta a melhor forma de cortá-lo.

E consegue. 125lb na balança e ela se dá ao luxo de beber água e comer pasta de amêndoas. Ponto para Sarj, que dessa vez baterá o peso sem emoções fortes. Uma boa demonstração de inteligência e perspicácia. Indica que ela pode aproveitar as oportunidades que terá na vida e que buscará o preparo adequado para tal.

Pesagem Oficial

Já que chegaremos sem emoções à pesagem, vamos logo de Sijara abrindo os trabalhos. 125lb (56,7kg) cravados para muitos aplausos das colegas. Modafferi sobe em seguida e anota 126lb (57,1kg).

A encarada é tranquila e Roxy usa um chapéu de tubarão sob os olhares de Clint, que elogia o bom trabalho de Sarj, que retribui com mais elogios e agradecimentos pela presença. “Esse cara é o melhor”. Chupa, Mike Dolce!

Roxy diz que seu lado racional espera uma Sarj lenta por conta do corte de peso, mas seu coração quer Sijara inteira. <3
Acho que teremos luta boa por aí, pois o corte de peso de Sarj foi muito bem feito dessa vez.

#12 Sijara Eubanks (Team Alvarez) vs #1 Roxanne Modafferi (Team Gaethje)

Round 1. Ready? Fight.

Sijara começa o combate indo para cima como se não houvesse amanhã, matando várias cobras no caminho. Roxy circula e sai do raio de ação da oponente, que insiste em caçá-la. Desse jeito ela vai mesmo cansar rápido.

Um minuto de muita ação e o combate está bem animado. Sarj está rápida e com um volume assustador de golpes. Roxy responde bem na medida do possível, contra golpeando e aplicando volume de volta, porém, sem acertar tanto quanto Sijara. Com 1 minuto e meio Sijara tenta um single leg sem sucesso, após uma bela combinação de Roxy.

Eubanks está com uma precisão absurda neste combate. O rosto de Roxy já está vermelho e os olhos lacrimejando de tanto jabno nariz. A dois minutos do fim, Roxy faz o clinch e tenta travar a luta, sem sucesso. As estratégias para mudar o nível do combate não funcionam para ambos os lados. É um sinal divino para continuarem caindo na porrada.

A um minuto e meio do fim Sarj entra com uma queda explosiva e, apesar da boa defesa de Roxy, consegue quedar e cair por cima. Belo round. Modafferi trava bem o quadril de Sarj, mas não impede de ser atingida com alguns golpes fortes. Tenta escalar a guarda e tentar algum ataque e quase consegue um armlock no final, bem defendido por Sarj. A buzina anuncia o fim do ótimo primeiro round. 10-9 para Sijara.

Justin aposta no cansaço de Eubanks nos próximos dois rounds, mas quem já está botando a bufa pra fora é Roxy, quando o segundo começa com o mesmo roteiro do primeiro.

Sarj começa com um ritmo e volume levemente menor visando poupar suas energias para o restante do combate. Um minuto se passou e ela cata a perna da pupila de Justin, mas não consegue a queda. Roxy tenta aumentar o volume de seus golpes e defende mais uma tentativa de queda de Sijara, mas na base da “ogrice” consegue colocar o combate no solo e trabalha dentro da guarda fechada.

Ela tenta as transições com calma, pois Roxy está de olho em um pequeno espaço para catar o braço de Sijara. Modafferi consegue reverter a posição, depois de deixar o braço totalmente exposto ao fazer isso, que não foi aproveitado por Eubanks. Agora é a nerd quem trabalha por cima, tentando estabilizar posição para golpear. Roxy vai caindo de lado e tentando encaixar um katagatame, mas Sarj percebe a maldade e faz a defesa correta. Logo depois, tenta atacar em uma kimura e Roxy acaba cedendo a montada e depois as costas tentando se defender.

No minuto final do round, Sijara tenta encaixar uma guilhotina e aperta com força o pescoço de Roxy que desesperada tenta sobreviver. A buzina anuncia o fim do round e Sijara trouxe para si a pontuação que estava indo para sua adversária. 20-18 Sarj.

Por ter perdido os dois primeiros, Roxy começa o terceiro round com o pé no acelerador. Sijara administra bem sua vantagem e vai aplicando chutes, socos, combinações, sem demonstrar o menor cansaço. Roxy balança a cabeça e golpeia o vento há uns 25 metros de Sijara.

Metade do round e Eubanks consegue o clinch e trava a cintura e movimentação de Roxy, que gira o quadril e tenta a queda, mas leva a pior e cai por baixo porque Sarj acompanhou o giro. A maior atleticidade e força faz a diferença no combate até aqui. Sarj faz postura e golpeia na montada e Roxy está prejudicada de tão cansada. Falta um minuto para o fim do combate e Modafferi tenta um armlock salvador, bem defendido pela pupila de Alvarez. Ela luta até o fim e o combate termina com uma animada troca de golpes no centro.

Belíssimo combate. Belíssima performance de Sarj. Belíssima valorização de Roxy. A juizada deve anunciar o mesmo placar que eu vi: 30-27 para Sarj, que fará uma final inesperada contra Nicco Montaño.

Dana White está no centro para anunciar que os três concordaram comigo e Sijara está na final. Ela vai até ele e reclama do seu rankeamento e diz que eliminou quem “ele” colocou em 1º, 4º e 5º lugares. Dana pede para que ela não grite com ele, pois não tem culpa, dando aquele sorriso maroto que só um carioca sabe dar.

A encarada para a luta final é realizada no centro do octógono, entre as finalistas e também entre os técnicos, que se enfrentam no dia seguinte no UFC 218. Eu estou ansioso tanto para o card de amanhã quanto para o de sábado. O UFC ainda não divulgou os bônus da temporada, mas a minha decisão já está tomada: Roxanne vs Sijara para luta da temporada, Sijara sobre DeAnna para nocaute da temporada e Emily Whitmire para finalização da temporada (para não dar outro prêmio para Sijara, que aplicou também uma belíssima finalização sobre Maia). E para vocês?

Então obrigado aos poucos que acompanharam a minha despedida dos TUF´s. Esta foi a minha última temporada resenhando e obrigado a quem chegou até aqui. Vejo vocês em breve e fiquem com a caixinha de comentários aí embaixo. Forte abraço!

 

 

  • James sousa

    Esperava uma final entre a Roxanne e a Barb.
    Parabéns por mais essa resenha Cacha suas resenhas irão fazer falta

    • Anderson Cachapuz

      Só você mesmo vai sentir, meu camarada!
      Obrigado pela audiência e por ter acompanhado todos os meus textos…