TUF 25, Episódio 9: Hora do Adeus!

TUF 25, Episódio 9: Hora do Adeus!
MMA

Chegando na reta final da temporada, dois lutadores do time de Dillashaw definiram mais um semifinalista. Uma derrota dolorosa causou a aposentadoria de um deles.

Olá, discípulos de Chael Sonnen. Ainda no frisson da entrevista que Pedro Carneiro realizou com o mito maior, os mitinhos leitores de nossas resenhas estavam aguardando ansiosamente por este momento: o nono episódio do TUF 25.

No último episódio, vimos Cody Garbrandt diminuir seu papelão como técnico quando Hayder Hassan derrotou “Papai” Joe Stevenson (que sujeito!) no duelo de repescagem, o último da primeira fase. Mas a situação de Codyvlogo voltou ao normal, tomando uma virada épica de TJ Dillashaw no desafio dos técnicos e vendo o time azul garantir o primeiro semifialista, quando Tom Gallicchio pegou Justin Edwards em seu golpe mortal.

Hoje, veremos mais um semifinalista azul ser definido. Não, não estou dando spoiler, acalmem-se. É que Dhiego Lima enfrentará Gilbert Smith, valendo a segunda vaga na semifinal.

Então vamos lá conferir como foi?

LEIA MAIS: TUF 25, Episódio 8: Somos todos irmãos

O episódio começa com uma dúvida profunda de Gilbert: como TJ fará para treinar seus pupilos, que se enfrentam? Vai mapear as forças e fraquezas de cada um e botar em uma bandeja com as respectivas fotos e entregá-la? TJ nega e explica: “Vou te preparar para enfrentar um canhoto – e vice-versa”. Isso ficou contraditório a seguir, pois TJ falou na entrevista que faria exatamente o contrário. Simplifica com o tradicional “quem conseguir levar a luta para sua zona de conforto, vence”.

Gilbert tem tatuado no peito “Trabalho Duro e Dedicação”, que virou o grito de guerra do time azul, e TJ confirma que foi justamente por causa da tatuagem, elogiando a entrega de seu aluno nos treinos. Gil pretende usar o wrestling para dominar a luta e vencer, aproveitando os chutes de Dhiego para conseguir a queda.

Como o time vermelho não vai participar do episódio de hoje, veio fazer figuração com piadinhas retiradas da escola Werdum de traquinagens. Subiram nos bancos e colaram fitas nas fotos de Dillashaw, insinuando que o mesmo seria uma cobra e também censurando seus mamilos, grandes para o padrão de Cody. Pelo visto, ele nunca viu uma pepeca gordinha para se preocupar com isso.

TJ não se surpreendeu. Insinuou que Cody deveria treinar piadas e zoações com Diego Tintin lá em Bangu, pois essas já eram batidas e horrorosas. Que mito!

Como não tem nada melhor para fazer, Cody dá uma passada na casa e resolve sequestrar a tripulação da nave do TUF para um passeio externo: levou os caras em uma limusine para uma churrascaria. É claro que Jesse Taylor curtiu a ideia. Ainda bem que não quebrou os vidros dessa vez. Todos se divertiam enquanto Gilbert Smith estava com uma cara de bunda da porra concentrado no seu canto.

Papai Joe dizia que esse é o melhor TUF que já participou, quando os chefs do restaurante fazem malabarismos e incendeiam comidas em um food show bem bacana. Então, Gilbert sai de mansinho e logo TJ volta para anunciar que o lutador está correndo no banheiro (!!!!!!!!!). É claro que alguém mais teria que testemunhar essa cena bizarra: todos comendo e se divertindo na night de Las Vegas e Mr. Smith correndo no mesmo lugar dentro de uma cabine do banheiro. Impagável.

Dillashaw mandou fazer uma camisa de sua nova marca “Killashaw – A equipe das víboras” – o símbolo é uma cobra. É claro que todos gostaram dessa ideia. E eu também achei genial. TJ elogia o treino de Lima e diz que ele é o azarão que pode vencer o programa. Dhiego destaca que até agora está invicto nas lutas dentro da academia, com um cartel de 5-0 (só perdeu a final do TUF que disputou).

Na pesagem oficial, o primeiro a subir à balança é Smith. Marcou 77,6kg. Dana White falou sobre sua campanha no TUF 17, destacando sua idade avançada (35 anos) como uma motivação para seguir no UFC antes de se aposentar. Dhiego foi à balança em seguida e marcou o mesmo peso. Dana destacou sua vitória sobre Hassan e sua campanha até a final do TUF 19.

Gilbert está nervoso e determinado a não lutar mais em organizações menores. Seu foco é pegar o caminho do grande palco que é o UFC e lá continuar. Dhiego reforça que veio para vencer a competição.

Então, sem treta dessa vez, porque todo o time vermelho já está sentado no banquinho, só observando, vamos à luta.

Gilbert Smith (Team Dillashaw) vs Dhiego Lima (Team Dillashaw)

Big John é o árbitro central e é ele mesmo quem autoriza o início do combate, que começa com Dhiego avançando e tentando já dominar o centro do octógono. Gilbert gira para a esquerda e tenta fintar para entrar no raio de alcance do brasileiro. Lima é maior e usa sua envergadura para medir a distância com jabs e socos retos. Smith procura responder com combinações de dois ou três golpes.

Gilbert chuta. Dhiego trava o chute e solta rapidamente para aplicar outro chute, também travado por Gil, que gruda e leva Dhiego até a grade. Dali, aplica um double leg e bota o brasileiro de bunda no chão. Chega a metade da luta e Dhiego consegue se levantar, porém Gil continua cinturado. Com o centro de gravidade mais baixo, Gil tem facilidade em controlar o tronco de Dhiego. Em um segundo de desatenção, o brasileiro inverte posição na grade e rapidamente derruba Smith, chegando às costas. Lima passa a cana do braço e começa a trabalhar um estrangulamento.

Gilbert consegue sair dessa posição incômoda e virar o jogo. Dhiego está no chão novamente com ele por cima. Smith bate um pouco para pontuar e assim o round termina. Ninguém f#!@% nem desocupou a moita. Tivemos um 10-9 Smith na minha contagem, em round muito apertado, que poderia ir para qualquer lado /LucianoAndrade. Talvez até um 10-10 /ArturMariano.

O segundo assalto começa com as mesmas ações de Dhiego: busca o centro, avança com um chute tentando já dominar a distância. Gilbert avança mais e Dhiego consegue acertar um bom upper. Smith chegou ao clinch, mas já na grade em posição de desvantagem.

Dois minutos se passaram e Gil emenda uma boa combinação que afasta Lima. Ele tenta avançar, mas o volume de golpes de Gilbert está bem alto e mantém o brasileiro afastado. Dhiego consegue acertar outro bom gancho e Gilbert responde imediatamente grudando e levando à grade. O brasileiro defende bem a queda e consegue sair da posição.

A luta está mais animada que no primeiro round. Smith avança com potência e boas combinações, inclusive acertando bastante o corpo do adversário, variando com fintas e entradas de quedas. Em uma delas, teve outra falha técnica e acabou cedendo as costas para Lima. Ao se desvencilhar, recebeu uma joelhada forte. Um minuto para o fim, Dhiego parece meio atordoado e Gil percebe, avançando. Lima responde com uma entrada de queda na grade a 30 segundos do fim. Gil equilibra o corpo, sai da grade e avança. Parece encaminhada a vitória de Gil ou de repente um terceiro round. Quando a buzina apita anunciando o fim do segundo round, vamos para a decisão dos juízes. TJ não sabe quem ganhou.

Big John anuncia que a luta terá um terceiro round. Isso significa que os juízes marcaram vitória para Dhiego no primeiro, pois o segundo não houve discussão, vitória clara de Gilbert Smith.

O combate está bom e até Cody está empolgado na arquibancada. O início do terceiro round é idêntico, inclusive com Dhiego sendo repelido com fortes golpes retos. Mesmo assim o brasileiro avança enquanto Gilbert está colado na grade e de guarda baixa, parecendo já bem cansado.

A troca de golpes está singular. Um de lá, outro de cá. Ambos parecem exautos, mas Lima parece mais inteiro. Se aproxima, aplica um double leg em Gil e derruba com facilidade. Dhiego chega novamente às costas e, neste momento, pela primeira vez no combate, Smith pareceu uma presa fácil. Em uma réstia de gás, conseguiu raspar e trabalhar por cima. Dhiego fechou um triângulo de mão, ajustou e, a um minuto e meio do fim, Smith ainda conseguiu se livrar da pegada e encontrou tempo de revidar e chegar às costas de Dhiego. Em um movimento plástico e muito bonito, fez a raspagem e se levantou. Dez segundos para o final e trocação franca até o fim do round.

Uma ótima luta, aplaudida de pé por ambos os técnicos e times. Me arrisco a dizer que foi a melhor da temporada até aqui. Um bom nível técnico, muito equilibrada e apertada. Dhiego venceu o terceiro round e a luta. Dana White aprovou e gostou (inclusive reforçou com duas vezes a palavra ‘realmente’). Big John levanta a mão de Dhiego, anunciando a vitória do brasileiro.

Gilbert chora no centro do octógono e deixa suas luvas, anunciando sua aposentadoria às lágrimas. Ele elogia Cody e TJ, pedindo desculpas por algo que tenha feito e parabenizando o brasileiro pela vitória. Eu ainda acho que Dana White poderia dar uma chance para o cara no UFC, ao menos umas três lutas antes da aposentadoria, sem preocupações com resultados.

No próximo episódio teremos tretas na pesagem. #Gostamos

Também teremos as duas últimas lutas da competição: Jesse Taylor defronta Hayder Hassan e James Krause enfrenta Ramsey Nijem, com a consequente deliberação das semifinais. Mais polêmica à vista, pois, pelo spoiler que tivemos, algum lutador se machucou e alguém vai receber uma outra chance.

Vejo vocês lá. Enquanto esse belo dia para se viver não chega, fiquem com a caixinha dos comentários.


apoia-se-logo-180-100

Quer se tornar um COLABORADOR do MMA Brasil e concorrer a prêmios, participar do podcast e ajudar a fazer um site cada vez melhor? Conheça todos os BENEFÍCIOS do nosso projeto no APOIA.SE!

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Se não fosse o defeito que já conhecemos do Dhiego Lima talvez ele ainda estivesse no UFC, não é de todo ruim, talvez um dos mais técnicos aí da casa. Dependendo do casamento ele pode ir pra final

  • James sousa

    melhor luta até aqui fiquei emocionado pelo Gilbert

  • Beto Magnun

    A luta foi muito boa, mas não esperava que o Dhiego fosse ter tanta dificuldade contra o Gilbert.
    Enfim, se o br não se der bem na próxima fase ainda pode fazer um remake do Alf, o ETeimoso.

    • Anderson Cachapuz

      Gilbert não é tããããão baranga assim… tem certa qualidade… é forte, persistente….

      Dhiego tem chances boas se pegar o Tom… aliás, qualquer um tem boas chances contra o Tom… super azarão nas semifinais….

      Se pegar o Taylor, vai ser um bom duelo… equilibrado…
      Contra o Krause, acho que ele entra como azarão…

      Vou torcer pela final Taylor e Krause com Taylor campeão…

  • William Terres

    Existe algum controle anti doping para os atletas antes ou durante o TUF? O Gilbert Smith com 35 anos naquele shape, trapézio descendente, com veias aparentes até no pescoço, é no mínimo suspeito.

    • As lutas do TUF são sancionadas pela Comissão Atlética de Nevada.