TUF 25, Episódio 8: Somos todos irmãos

TUF 25, Episódio 8: Somos todos irmãos
MMA

Duas lutas rápidas marcam a passagem da repescagem para a primeira rodada das quartas de final. Um semifinalista surpreendente é revelado.

Olá, seus filhotes de Vitor Belfort. Só os cascas-grossas esperando o oitavo episódio do TUF 25, reality show do UFC.

No último episódio, conferimos o gol de honra de Cody Garbrandt, que marcou seu primeiro ponto na disputa, quando o empenhado Justin Edwards despachou o “Papai” Joe Stevenson. Conferimos também o anúncio da luta de repescagem, entre o mesmo Joe contra Hayder Hassan, o homem das segundas chances, além do ataque de perereca do técnico do time vermelho.

Então aperte suas luvas e coloque o seu protetor bucal que já vamos começar! /Rhoodes off

LEIA MAIS: TUF 25, Episódio 7: Eu sou a Lenda

O episódio começa diretamente na preparação de Hassan, com a constatação óbvia de Cody sobre as estratégias de Joe: “Ele vai querer levar pro chão. Não vai querer trocar com um striker depois de um combate intenso contra Edwards”. Sim, está correto. Talvez pela primeira vez no programa, caso eu não esteja sendo muito exagerado ou muito implicante. A preparação do descendente de iraquianos tem foco total da equipe, já que há uma réstia de esperança de seguir em frente na competição.

Ao fim do treino, Cody encontra-se em frente ao vestiário fazendo cosplay de Vera Verão novamente: reclama que TJ Dillashaw usa as redes sociais para falar mal dele e vai tirar satisfações. Como é valente esse Cody.

Treino do time azul e Joe mantém seu foco em esquivas. TJ aposta que, conseguindo levar o combate ao solo, Joe finaliza a luta. Dillashaw foi bem consciente ao não forçar o treino dos pupilos.

O primeiro a subir à balança é Hayder Hassan. Ele anota a marca de 77,3kg. “Papai” Joe vem a seguir e marca 77,6kg. A encarada foi tranquila e sem maiores percalços. Após, Joe pediu que, ao fim da próxima luta, independente do resultado, que ele pudesse rezar junto a todos e reforçou o fato de que foi a primeira pesagem onde ele percebeu respeito entre as duas equipes.

Luta de repescagem: Hayder Hassan (Team Garbrandt) vs Joe Stevenson (Team Dillashaw)

O dia da luta é o dia do aniversário do segundo filho de Joe. Ele quer dedicar a vitória de presente para o herdeiro. Assim como na última, apesar de ambos terem 34 anos, o cartel de Joe é muito mais extenso (Hayder tem 6-3). O homem de preto autoriza e o duelo começa.

E já começa com Hassan avançando e tentando um chute. Joe tenta emendar uma queda após uma esquiva, parecendo que vai colocar em prática o jogo treinado e BOOOM! Hassan pega em cheio com um uppercut de direita bem na ponta do queixo com 17 segundos de luta. É… acabou!

TJ está com uma cara de decepção tremenda enquanto Cody grita eufórico “Eu avisei” diversas vezes. Como ser babaca não é legal, por vezes ele tenta amenizar dizendo que não tem nada contra Joe e tal, mas logo volta a agir como um imbecil novamente.

Todos estavam tristes por Joe. Hassan mostrou a honra que seu treinador não tem e foi cumprimentar todos os companheiros de labuta vestidos de azul. Acredito que, se tivesse a escolha, com certeza ele mudaria de time. No vestiário, Joe é recebido com palmas por seu time e seus treinadores. Em seguida, sai até o vestiário do time vermelho para rezar com todos. Hayder é muçulmano e Joe, cristão. Então os dois times se abraçam ajoelhados e agradecem a competição e a oportunidade de trabalho, sob o comando de Joe. Baita sujeito!

Anúncio das Quartas de Final

Passados os sete combates da primeira fase, é hora de anunciar os cruzamentos das quartas de final. São seis lutadores do time azul e dois do time vermelho.

O primeiro combate é anunciado: Tom Gallicchio contra Justin Edwards. A encarada é amena e com muitos sorrisos. Tom está nervoso para a luta, por conta da importância. Justin está confiante. Ambos querem fazer a luta da temporada.

TJ anuncia Dhiego Lima versus Gilbert Smith. A seguir, Jesse Taylor enfrenta Hayder Hassan. E, por último, James Krause enfrentará Ramsey Nijem. A encarada foi intensa. Esta última luta para mim é como uma final antecipada. Serão bons combates, bem casados, equilibrados e que prometem muita ação e emoção. TEMOS UM PROGRAMA BOM!

Preparação para a luta de Tom e TJ foca sua estratégia em levar a ação para a zona de conforto do pupilo, o chão. Justin tem uma boa guilhotina e Tom treina sua defesa. A parte legal fica por conta de que Joe, eliminado, agora virou um dos técnicos do time azul, ajudando na preparação de Tom e na defesa da guilhotina, sua especialidade. Já falei que é um baita sujeito esse tal de Joe?

Do lado vermelho da casa, Johnny Nuñez dá um suporte para a defesa de quedas de Justin e o jogo de chão. A estratégia de Cody me surpreendeu: “Fazer a luta virar uma briga”. Ora, porra! Porque esse sujeito não faz isso em seus próprios combates? Está se perdendo no personagem.

Uma pausa no jogo para o…

Desafio dos Técnicos

A parte favorita de Dana White do programa e vocês não podem deixar de perder. “Toda a pressão está nos técnicos, divirtam-se”. Dez mil doletas em jogo para o técnico vencedor e 15 mil verdinhas para distribuir entre o time vencedor.

Os técnicos pegam uma lancha de plástico para chegar até uma barra (tipo aquelas de ginástica), onde devem se equilibrar e girar uma bola sobre um eixo. Cada vez que alguém consegue enroscar totalmente a bola para o seu lado, marca um ponto. Quem marcar 10 pontos primeiro vence. Cody sobe na sua barra e TJ tenta subir na dele, mas se desequilibra e cai. Um a zero para Cody? Não, não ainda.

Cair na água não faz diferença. O equilíbrio é necessário para se manter em pé e, assim, marcar os pontos. Se você cai na água, seu oponente tem tranquilidade para girar. Logo nos primeiros movimentos, TJ bebe um pouco mais de água. Cody abre 2-0 facilmente e parece que vai ser lavada (perdoem-me o trocadilho infame e cretino).

Dillashaw reage e marca seu primeiro ponto, mas logo cai na água, de cara na barra, entre outras vergonhas que marcam 5-1 para Cody no placar. Garbrandt chega a abrir 8-4. TJ parece a seleção do Quênia na maratona, começa a reagir e chega a empatar o jogo.

Neste momento, Ramsey inicia um trash talking provocativo que tira Cody definitivamente do sério. Até sobrou para o “tio Urijah Faber”. Acho que Nijem estava tipo Tintin, meio bêuds. Só acho. TJ continua sua reação, marca 9-8 e está a um ponto de vencer.

Cody tenta um ato desesperado e TJ marca o décimo ponto. Cody flamengou!

TJ fatura o prêmio de 10 mil trumps e Ramsey diz que merece uma parte. Cody pede a Hayder para que mostre a Nijem o que ele merece e o mesmo é arremessado imediatamente para dentro d’água.

Então, uma pausa no Big Brother para a pesagem da luta desses dois improváveis guerreiros que todos se perguntaram o que estavam fazendo ali e incrivelmente venceram seus combates.

O primeiro a subir à balança é Justin Edwards e marca 77,1kg. Tony Ramos vem a seguir e marca 77,1kg, sendo eles 70 de massa corporal e ossos e 7,1kg de pelos. Ramsey Nijem diz que já enfrentou e venceu Edwards e não vai ser fácil para Tom. Sem querer menosprezá-lo, mas é claro que já o fez, né?

Tom diz que usualmente é o famoso “boi de piranha”, jogado no fogo para perder e sempre tenta lançar mão da tática kinder ovo e mostrar uma surpresa diferente. Justin está disposto a entregar tudo o que pode para não se arrepender depois. Tom enfrenta seu momento “Cachapuz” no vestiário: pede um abraço para Dillashaw. Apertou tão forte que fez Dillashaw peidar (não, isso não foi mais uma piada péssima do Cacha, foi TJ quem disse isso).

Então, vamos para a luta.

Justin Edwards (Team Garbrandt) vs Tom Gallicchio (Team Dillashaw)

Depois das promessas de que vão fazer e acontecer, finalizarão, sugarão suas almas e tudo mais, o juiz autoriza o início do combate.

A peleja começa com Edwards tentando avançar e Tom tentando não se intimidar. Tenta andar para frente e precisa absorver golpes fortes de Edwards. Tom mostra coragem e um 1-2 simples de Justin encaçapa um cruzado direto no queixo de Gallicchio, que desaba como uma jaca madura. Tom tenta se defender entrando nas pernas e Justin encaixa sua guilhotina preferida. Isso tudo com pouco mais de 40 segundos de combate.

Tom coloca em prática as aulas de Joe, consegue se desvencilhar do golpe e rapidamente pega as costas de Justin. Agora, com pouco mais de um minuto de luta, é Tom quem tem uma guilhotina encaixada. Pressão no queixo e Justin dá os três tapinhas. Outra luta rápida, mas intensa. E temos o primeiro improvável semifinalista: Tom Gallicchio.

Ao fim do combate, Tom reconhece que a ajuda de Joe foi fundamental para sua vitória. TJ sorri. Foi o 16º mata-leão do faixa-preta de jiu-jítsu. Então, outra cena lamentável: Cody está no canto conversando com Danny Castillo, chamando Edwards de burro por ter tentado a finalização depois de pegar Tom com um direto e derrubá-lo. Ele insiste que deveria ter encerrado a contenda golpeando e que, por isso, entregou a luta. Depois dá o famoso tapinha nas costas e vamos nessa.

Tom está muito feliz e muito agradecido a TJ por ter chegado às semifinais. Em sua visão, o UFC costuma manter os quatro semifinalistas e é muito provável que, só de chegar até alí, ele já ganhe uma oportunidade. Isso o deixa empolgado. Eu, particularmente, acho que a maioria ali merecia outra chance no card da final, tirando alguns poucos, como Eddie Gordon, que não fizeram um bom papel.

Tom faz as contas com TJ. Já são 20 mil trumps por duas lutas e 5 mil por cada finalização. Com mais uma luta, já serão 40 mil verdinhas. Gallicchio diz que as vezes não tinha o que comer, estava quebrado, e esse dinheiro vai chegar em boa hora. Ele vai investir em seu negócio, comprar mais máquinas de doces para colocar no mercado. Aproveitou o espaço em horário nobre da TV americana e convidou os empresários do Sul da Califórnia a ligarem para ele e instalarem uma máquina que ele aparece para bater papo e todos ganham. Baita sujeito simpático esse tal de Tom.

No próximo episódio, teremos o combate entre Dhiego Lima e Gilbert Smith e a tradicional night (desculpa, gente, no RJ a balada é night mesmo) de meio de temporada. Então é lá que vejo vocês. Enquanto isso, deixem aí na caixinha de comentários suas apostas para as semifinais e para quem vocês estão torcendo. Até mais!

apoia-se-logo-180-100


Quer se tornar um COLABORADOR do MMA Brasil e concorrer a prêmios, participar do podcast e ajudar a fazer um site cada vez melhor? Conheça todos os BENEFÍCIOS do nosso projeto no APOIA.SE!

  • James sousa

    Apesar de rápidas as duas lutas foram bem interessantes . E o nível de babaquice do Cody só aumenta o cara é babaca até com um lutador de sua equipe

    • Anderson Cachapuz

      Pior que é contagioso… o comportamento do Gordon no episódio passado foi lamentável também….

  • Roberto Edificações

    lembro quando fiquei muito impressionado e feliz com a vitória do Cruz sobre o TJ, também me lembro como fiquei surpreso e ao mesmo tempo feliz com a performance do Cody contra o Cruz, mas é incrível como agora eu só quero ver o Cody ser surrado pelo TJ. Que sujeito insuportável…

    • Anderson Cachapuz

      Eu só queria entender porque o Cody não fez a luta contra o Cruz virar briga, já que esse é o único conselho que ele dá! :p

      • Roberto Pinheiro

        pq ele é tão burro que até esqueceu…

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Fiquei com muita dó do Stevenson, não merecia ser nocauteado daquele jeito…

    E olha esse Gallichio, o bicho é oportunista, tem chão bom, striking mediocre e wrestling aparentemente fraco, mas só de ser faixa preta já tá bastando contra esse monte de baranga, mas não passa da semifinal.

    Palpito que Gallichio, Krause, Lima e Taylor serão os semifinalistas

    • Rafael Oreiro

      Acho que o Krause vence o Nijem mas se machuca

      • Idonaldo Gomes Assis Filho

        Por que esse palpite tão específico kk?

        • Rafael Oreiro

          Lançaram na imprensa que alguém se machuca nas quartas de final, e o Krause apareceu com machucado depois das gravações do TUF

          • Idonaldo Gomes Assis Filho

            Vish… que bosta, mas como ele já tem contrato com o UFC é até bom pra dar chance pros outros tentarem algo na organização

    • Anderson Cachapuz

      No caso, o Gallicchio já é…. kkkk

      De resto, acompanho o relator…

      • Idonaldo Gomes Assis Filho

        Por isso que ja inclui ele kk

  • Nicolas P S

    Olha ! Acho que todo o team do Garbrandt que va poder entrar no UFC secretamente quer ter uma vaga na disputa do titulo para surrar o campeao !!!!