TUF 25, Episódio 2: Trabalho Duro e Dedicação

O segundo episódio do TUF 25 continua com a lavagem de roupa suja entre TJ Dillashaw e o Team Alpha Male. Na luta de hoje, o pequeno Tom Gallicchio tenta surpreender no confronto com Eddie Gordon.

Fala, galera! Nem fui e já voltei, dessa vez com a resenha do segundo episódio do TUF 25, o reality show do UFC.

No episódio passado, vimos os ataques de periquita de Cody Garbrandt, bem como a primeira derrota do seu time quando Seth Baczynski caiu para Gilbert Smith. Então, sem enrolar, vamos direto ao que aconteceu no segundo episódio da série, que terá a luta entre Eddie Gordon, campeão da 19ª temporada e que decepcionou no UFC, contra Tom Gallicchio, o famoso “who tha foock is that guy” que ainda busca o sentido da vida e que todos querem descobrir o que diabos está fazendo ali, pois nem ele deve saber.

LEIA MAIS TUF 25, Episódio 1: Let me bang, bro!

O sorriso satisfeito de Dana White sobre as confusões entre os técnicos abre o episódio. Não há um sujeito na face da Terra que não ouça esse discurso e imagine o careca falando: “Eles realmente NÃO se gostam”. Uma interessante lavagem de roupa suja ocorreu entre TJ Dillashaw e Urijah Faber sobre sua saída do Team Alpha Male, enquanto Cody quer botar o papagaio pra cantar toda vez que TJ fala qualquer coisa.

Urijah foi questionar as declarações de TJ dizendo que não o expulsou da equipe, que sair foi escolha própria. Já TJ diz que só queria fazer um camp com Duane para a luta contra Cruz, que não saiu da equipe e, sim, recebeu um ultimato do próprio Faber. A cada frase, um pulinho de Cody querendo dar porrada em qualquer um. Enquanto isso, as duas equipes com caras de bundas prontas para segurar Garbrandt e apartar as discussões. Não sei em quem acreditar, mas acho que a história de Dillashaw é mais plausível (sem contar que é muito a cara do Faber fazer isso, hehehe), enquanto o líder da Alpha Male só repetia que “isso é uma mentira deslavada”.

Faber se dispõe a treinar com Gordon e corrigir suas falhas. Disse que Tom já foi de sua equipe e sabe bem como ele luta. Gordon começa a contar sua história de vencedor do TUF, enquanto flashes de seu nocaute em Dhiego Lima passavam como memórias. A seguir, sua trajetória de lata com as três derrotas que custaram seu emprego: o nocaute do ano para o finado Josh Samman, a decisão dividida contra Chris Dempsey e a finalização contra Antonio Cara de Sapato. Eddie diz que evoluiu, que superou seus limites e que está disposto a aproveitar a oportunidade.

Momento BBB: festa da semana. O tema de hoje é o aniversário de Dhiego Lima. Dillashaw e sua equipe levaram seu time para comer nachos em um restaurante mexicano. Não sei se foi uma espécie de provocação pelo “mexicano” Hector Urbina não ter batido o peso, mas se não foi, bem que poderia ser. Por causa da luta, Gallicchio ficou no arroz com bife. Durante o jantar, TJ profetiza a vitória de Tom via mata-leão no primeiro round.

Já puxa daí o gatilho para Tom contar sua história triste. Sua eliminação do TUF 22 precedeu duas sérias cirurgias de reconstrução do ombro e do pé. Na ocasião, ele chegou a pensar que sua carreira estava acabada. As imagens de sua moto morrendo várias vezes até pegar no tranco foi providencial. Tom conheceu sua namorada uma semana antes das cirurgias e então foi mostrado um video dela passando a máquina no seu cabelo. Bem que Gallicchio poderia pedir que ela passasse no corpo inteiro. O filhote de Tony Ramos com Matt Brown tem um negócio de doces, a KO Candy, sugestivo nome para um lutador, que instala máquinas de doces nas empresas das pessoas. Segundo ele, o negócio é tão fácil que até um lutador burro pode fazer. Tom treina na Team Quest, na academia de Dan Henderson, e quer muito ganhar o prêmio porque nunca tem dinheiro pra nada. É, não podemos negar que é um bom motivo.

Eddie Gordon também é empreendedor: tem um negócio de café para emagrecer, uma assessoria de importação para empresas nos Estados Unidos, além de ser cozinheiro amador (que nem eu) e pai de quatro filhos, um deles de seis meses. Me identifiquei (mas só tenho o Cachapinha)! Pupilo de Matt Serra e Ray Longo na Serra-Longo Fight Team, Gordon leva seu filho Jackson para o treino, pois não tem babá. Se fosse o pequeno Cachapinha, DUVIDO que ele ficasse quietinho na cadeira como o Lil’ Jack. Faber alerta Gordon para o mata-leão de Tom e foca o treino nesse aspecto da luta.

Dillashaw e Gallicchio explicam a estratégia para a luta: trocar para aproximar, derrubar e aplicar o mata-leão que definirá o combate. Os treinos estão bem direcionados para entradas de quedas e condicionamento.

Hora da pesagem e Eddie Gordon é o primeiro a se pesar, marcando 77,3 quilos, pouco acima do limite da categoria (aliás, todo mundo marcou 77,3 até aqui). Tom Gallicchio quebra a série de pesos iguais COM LOUVOR e anota 70,1, mais de SETE quilos abaixo de seu adversário. Enquanto isso, piadinhas não tão melhores que as minhas vinham dos colegas, que pediam para remover a pele de urso.

TJ visita a casa no dia da luta e treina com Tom. Enquanto isso, Gordon está no quarto fazendo um buraco no meio de uma toalha branca para ajudar o pessoal a secá-lo, pois vai suar bastante. Sim, o buraco no meio era pra passar a cabeça e fazer uma bata. No vestiário, mentalizações positivas de “aquele estrangulamento não vai me pegar” são ouvidas junto com orações silenciosas. Gordon vai pegar um cara bem menor que ele; é praticamente obrigação a vitória. Uma derrota pode representar o fim de sua carreira no UFC. Tom luta pelo sonho do UFC, parece bem animado e motivado.

A porta da jaula se fecha e a bela Chrissy Blair anuncia o início da luta.

Luta: Eddie Gordon (Team Garbrandt) vs. Tom Gallicchio (Team Dillashaw)

“Big” John McCarthy é o homem de preto que dá o ok para começarem.

A luta começa sem muito estudo. Ambos trocam golpes no centro sem muitas preocupações nem contundência. TJ grita para Tom cansar o oponente. Gallicchio tenta grudar, mas esbarra na maior força física de Gordon. As defesas estão bem esburacadas, mas ninguém aproveita. Quando chega a metade do combate, Tom desiste da brutalidade, vai na técnica, pega no single leg e leva o combate ao solo. Com calma e muita facilidade, faz transições, passa a guarda, vai para a montada, até que chega nas costas. Menos de dois minutos para o fim do round e Tom está com o pescoço de Gordon dentro de seus braços, mochilado e ajustando a pegada.

(Foto: Brandon Magnus/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

Pelo visto, as preces não adiantaram. Quando Tom apertou mais, a um minuto do fim do round, Gordon se entrega e cai no chão dando os três tapinhas da discórdia.

Devo ressaltar que a cara incrédula de Cody estava impagável. Um plano de luta manjado que não conseguiu ser detido. Gordon caiu no dibre de Tom.

Gallicchio agora diz que vai usar o bônus de 5 mil dólares para levar a namorada para viajar. Dillashaw abre 2 a 0 no placar e está bem feliz por isso. Matt Brown deve estar orgulhoso de seu filhote.

Enfileirados para o anúncio, mais do mesmo na lavagem de roupa suja entre Faber e Dillashaw. Para a próxima luta, TJ anuncia Jesse Taylor, invicto em TUF´s (hahaha) contra Mehdi Baghdad. Já estou animado para o episódio da semana que vem, por toda a história envolvida. E vocês? Comentem aí embaixo e participem conosco.

Até mais, povo!

apoia-se-logo-180-100

Quer se tornar um COLABORADOR do MMA Brasil e concorrer a prêmios, participar do podcast e ajudar a fazer um site cada vez melhor? Conheça todos os BENEFÍCIOS do nosso projeto no APOIA.SE!

  • Beto Magnun

    Sensacional a discussão do Faber com o DJ. Só dava pra ouvir os apitos de sensura. Homens de garbo e elegância.
    Achei legal o Dana exaltando o poder dos punhos do Eddie Gordon. Se não me engano de interrupção o TUF 19 só teve o KO dele em cima do Douglas queixo de paçoca Lima.
    Enfim, depois de perder do jeito que perdeu Gordon devia repensar a carreira, ou fazer uma luta com o Kevin Kasey.

    • Saulo Henrique

      Gordon vs Kasey= Tuf barata smashes.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Ê Eddie Gordon velho… ficou foda a situação, ele parece que deu mais atenção pro gancho que segurava o Gallichio no corpo dele do que no pescocinho apertando.

  • James sousa

    esses título dos episódios do tuf são toscos , sera que vai ser goleada a favor do time do Dillashaw ?

    • Rafael Oreiro

      Acho bastante possível, mas vai depender de com quem vão casar o Hayder Hassan, que é o melhor lutador do time do Garbrandt.

      • Quando o Hayder Hassan é o melhor de alguma coisa é sinal que essa alguma coisa não vai lá muito bem tecnicamente falando.

    • O título é nosso, não é do episódio.

  • Rafael Oreiro

    Eddie Gordon pode dizer adeus pra qualquer chance que tinha de voltar a ter uma carreira. Ele era tido como favorito pra essa temporada pela diferença física pra outros lutadores, mas perdeu pra um lutador muito mais limitado e mais leve. }

    Enquanto isso, o Gallicchio pode economizar esse 5k que ganhou pra comprar uma moto nova, a dele lá tava em condições limitadas.

    • Idonaldo Gomes Assis Filho

      Né, dei uma olhada no Tapology o cara já lutou com 111 kg, tem muito mais poder físico que qualquer um lá e ainda consegue ser quedado por um peso leve.

  • Dantesco o Eddie Gordon. Ray Longo deveria mandá-lo treinar em outro lugar.

  • Luiz Gustavo

    Baita lutador o tal de Eddie Gordon hein

  • Digodasilva

    Já começando com o comentário sobre o título (de novo): a tradução melhor do que a legenda do Combate rsrsrs

  • Digodasilva

    Pra que comentar? Basta reproduzir as pérolas:
    ” ataques de periquita”, “filhote de Tony Ramos com Matt Brown”, “piadinhas não tão melhores que as minhas”. kkkk

    • Anderson Cachapuz

      Que mito!! kkk