TUF 25, Episódio 10: A redenção vem!

TUF 25, Episódio 10: A redenção vem!
MMA

Os dois últimos semifinalistas do TUF 25 são definidos no antepenúltimo episódio da temporada. A treta voltou e as provocações entre os treinadores parecem não ter fim.

E aê, seus filhotes de Cachorro Louco! Pra você que estava aguardando o décimo episódio com a mesma empolgação de uma lontra chupando picolé, informo: estamos de volta para mais uma resenha do TUF 25, o reality show do UFC.

No episódio passado, conferimos a vitória de Dhiego Lima, que aposentou Gilbert Smith e garantiu a segunda vaga na semifinal. Hoje, teremos a definição dos outros semifinalistas: Jesse Taylor defronta Hayder Hassan, o último sopro de esperança de Cody Garbrandt, e James Krause enfrenta Ramsey Nijem.

Então, sem mais enrolation, vamos conferir o que aconteceu? Teremos treta!!! #ansioso

LEIA MAIS: TUF 25, Episódio 9: Hora do Adeus

Para os mais ansiosos como eu, nem precisam esperar muito. O episódio já começa com a treta maligna.

Na pesagem de estreia do “Team Killashaw – O time das víboras”, Cody está “perplecto” (aka Away de Petrópolis) com o fato de TJ Dillashaw ter criado camisas para “assumir o que realmente é”. Dillashaw constata o óbvio: fala tanto nele que quer ser meu chaveiro e que vai fazê-lo sua putinha. E aí vai um “cara de melão” pra cá, um “cara de mamão” pra lá e Justin Buchholz resolve começar o stand up, perguntando sobre uma entrevista de TJ, que responde dizendo que ele é um babaca e recebe acusações de quase ter deixado a Alpha Male em ruínas. O machão alfa Cody Garbrandt se levanta e é repelido por Duane Ludwig. O ressentimento é muito por parte dos membros da Alpha Male. Não entendi bem o motivo, mas Cody diz para Duane aproveitar o tempo que lhe resta, pois vai ser cortado.

Na pesagem oficial, Hayder é o primeiro a subir a balança, enquanto Cody e TJ trocam elogios. O amigo que estava anotando o peso teve que gritar para anunciar 77,6 quilos do lutador. Jesse vem a seguir e os técnicos continuam discutindo. Novo grito para anunciar os mesmos 77,6 quilos para Jesse. Eles não têm nem um pouco de noção e não param de atrapalhar a pesagem com essa discussão infantil. Os ânimos se exaltam um pouco mais e sobra até para Danny Castillo, do outro lado da arquibancada. Um alerta para que deixassem os caras se pesar e finalmente conseguiram se encarar. Taylor reclamou da falta de atenção para a pesagem e a encarada deles, dizendo-se irritado.

Hassan diz que esta é a luta mais importante da sua vida. É exatamente sua 25ª “segunda chance” de redenção. Diz que acha o estilo de Taylor chato e que não curte muito. Nem imagino o motivo, mas provavelmente é o mesmo pelo qual Wanderlei Silva também odeia o de Chael Sonnen. A edição não mostrou, mas posso imaginar as instruções de Cody para Hayder: “Vai lá e transforma essa luta em briga de bar e vença dando porrada”. Fantástico.

Vamos para a luta, decidir essa parada.

Quartas de final: Jesse Taylor (Team Dillashaw) vs. Hayder Hassan (Team Garbrandt)

A luta começa sem estudo. Hayder avança com um chute frontal e já tem a perna agarrada por Taylor, que tenta a queda. Não consegue, mas não demora quase nada antes de Taylor catar de novo a perna de Hassan em um single leg e pegar suas costas. Hassan levanta, é novamente derrubado e tem que lidar com Jesse trabalhando por cima de sua guarda. Taylor é ágil e faz boas transições para as costas, encaixa os ganchos e, como um polvo cheio de pernas e braços, envolve Hassan em sua principal armadilha.

Pega as costas, encaixa os ganchos, espalha o frango, gira e pega o pescoço de Hayder para trabalhar a guilhotina. Hassan tenta se defender enquanto pode. Taylor enfim consegue passar a cana do braço e aperta até que Hayder quase apaga e mal consiga dar os três tapinhas. É o fim de Cody. Jesse Taylor está na semifinal.

Taylor agradece a seu técnico e diz que está pilhado de novo. Só vai sossegar quando vencer o programa. Por tudo que ele passou, é muito louco estar nas semifinais novamente.

Na pesagem da segunda luta, Nijem é o primeiro a subir à balança. Marca 77,3 quilos, dessa vez sem discussão entre os técnicos. Krause vem a seguir e atinge o mesmo peso. Dana White elogia ambos e diz que são os melhores lutadores da competição. Nijem concorda e disse que essa era pra ser a final.

Ramsey que, por sinal, é um sujeito genial e muito zoeiro. Deve ter crescido nas terras de Bangu junto com Diego Tintin. Percebam sua fala ao término da pesagem, olhando para Cody Garbrandt: “É preciso vencer lutas para garantir vagas”. É um mitão, não? Até Cody riu. O técnico do time vermelho ainda tomou outra invertida quando falou “Ele pelo menos é consistente. É consistente em ser um imbecil”. Nijem devolvou: “Você é o que você come”. Bom, essa eu não entendi. Se alguém tiver entendido, explique. Estou me sentindo burro, pois geral riu.

James chega em um belíssimo e bem recortado terno azul feat. Connor McGregor, enquanto Nijem chega também de social, mas todo de preto e sem terno. Ramsey diz que é palestino e tem primos por lá que estão sofrendo bastante em Gaza, e que isso o motiva.

Agora, vamos para a final antecipada do programa.

Quartas de final: Ramsey Nijem (Team Dillashaw) vs. James Krause (Team Dillashaw)

A luta começa com Nijem avançando como um touro. Krause tenta responder, mas, ao ser grudado na grade, entra com a queda e consegue derrubar o palestino no meio do octógono. Nijem tenta escapar, mas James pesa e trava o corpo do oponente no solo. Ramsey tenta fugir o quadril, Krause busca ficar na meia guarda, depois tenta pegar as costas e chegar na montada, tudo isso em cinco segundos, mas acaba na mesma posição novamente.

A disputa é apenas de controle, sem muitos golpes ou ataques. Krause começa a golpear e dá espaço para Ramsey tentar explodir. Não consegue e acaba com Krause em suas costas. O americano perde a posição e a luta está de pé novamente. Krause tenta travar o pescoço, mas o barbudo consegue se livrar e voltam para o centro do octógono. Na saída, Nijem acerca uma boa joelhada.

Os dois lutadores tentam encontrar a distância em pé a dois minutos do fim. Krause avança, encurrala Nijem na grade novamente e de lá consegue a queda. Trabalha por cima a um minuto do fim do round. Como não conseguiu trabalhar as costas de Nijem e este se levantou, Krause tentou um malabarismo tipo Rose Namajunas para um triângulo voador, mas caiu sentado de bunda no chão. Por sorte, Nijem não aproveitou. Quando Ramsey tentou avançar com bons golpes, Krause respondeu e acertou um bom soco rodado, chegou à grade e caiu com uma guilhotina (mal) encaixada antes da buzina apitar. Temos 10-9 para Krause.

No intervalo, o córner de Krause orienta a usar cotoveladas no solo.

Nijem começa avançando no segundo round. Ambos já parecem bem cansados. James tenta colocar potência nos golpes e Ramsey responde com combinações simples e curtas de 1-2, também com potência.

Dessa vez é Nijem quem avança e tenta a queda. Krause enverga e Nijem trabalha um forte ground and pound. James consegue se levantar e até interver posições na grade, mas não se mantém e Ramsey acerta bons golpes na curta distância, antes de conseguir nova queda. Agora é o palestino quem trabalha por cima. Krause parece exausto. Nijem também, mas um pouco menos.

James tenta fazer malabarismo para sair por cima, por baixo ou de ladinho. O fato é que uma hora consegue, trava o pescoço de Nijem, puxa para baixo e inexplicavelmente solta, abrindo mão da posição. Ramsey está novamente por cima, trabalhando cotoveladas e tentando estabilizar posição (e até aproveitando para respirar um pouco).

Um minuto para o final e Nijem trabalha joelhadas no corpo, minando ainda mais o pouco gás do oponente. James consegue com muito esforço se levantar e, a 30 segundos do fim, transforma a luta em briga de bêbados, com braços moles voando no centro sem encontrar a cara do amiguinho do outro lado. O round acaba e a luta está empatada. Teremos o terceiro assalto e os balões de oxigênio já estão posicionados nos córneres.

Cody está entretido vendo uma boa luta. TJ está aflito. E os dois guerreiros estão exaustos.

O terceiro round começa com troca de golpes. A movimentação emula Roy Nelson e Mark Hunt, bem fluida. Krause sai caminhando lateralmente em um avanço de Nijem e recebe um golpe em cheio no queixo, mas resiste firme. Nijem consegue derrubar James, que rapidamente levanta. Nijem está em apuros agora, pois Krause conseguiu se embolar e chegar ao solo, agora tenta pegar as costas de um Nijem exausto e agachado. Ramsey vira, dá a guarda para Krause, trava o cadeado e tenta segurar a cabeça do adversário. Ele abre a guarda e tenta empurrar o quadril com os pés, mas sem sucesso. Krause também não evolui e sequer tem mais energia para trabalhar os golpes. Ambos fazem muita força isométrica para tentar evoluir nas posições, mas não arrumam nada. Faltam dois minutos para o fim e Krause tenta acertar um golpe ou outro de vez em quando, enquanto seu adversário tenta apenas sobreviver.

O córner de Ramsey ordena: “abre essa guarda e sai daí, falta um minuto e meio”. É isso que ele faz e consegue se levantar. Nijem avança bem em pé, acerta bons golpes e consegue quedar Krause. Tem 30 segundos para trabalhar. Como não tem força nem fôlego para isso, tenta um bote para finalizar e ainda leva uma raspada a dez segundos do fim. Termina com o pescoço laçado por James. Ótima luta e Krause deve ter a vitória decretada na decisão.

TJ é só elogios à luta e aos dois lutadores. O árbitro decreta a vitória de James Krause por decisão unânime.

Krause está com sérias avarias e não consegue olhar para cima. “Preciso de lentes terapêuticas”. Seu olho esquerdo está fechado. Ele diz que é uma abrasão na córnea e que não é nada demais. Nijem reclama que seu corpo o deixou na mão. Ele diz que gostaria que a luta fosse pontuada por danos. É um brincalhão, sim ou claro?

Hora de definir as semifinais. Dana White convoca os dois lutadores. Não entendi o motivo, pois não temos lutadores vermelhos nas semifinais (temos Tom Gallicchio, Dhiego Lima, Jesse Taylor e James Krause). Dana diz que Krause é questionável e ainda vai ser avaliado pelos médicos, mas que a principio não terá problemas em lutar.

Caso James não possa lutar, será dada uma segunda chance dentro da segunda chance para outro lutador. Como só temos lutadores azuis, é para TJ a pergunta: o que acha?

Dillashaw responde que ranquearia a equipe: Krause seria o primeiro. O segundo ou o terceiro poderiam ser Jesse ou Dhiego e o quarto seria Tom. Então ele sugere James contra Tom e Lima contra Taylor.

Dana pergunta se Cody tem alguma sugestão e ele responde que Tom é um wrestler, Jesse também. Logo, a sugestão dele é uma luta de wrestling. Mesma lógica para a próxima luta: Krause saiu machucado, Dhiego também, então que terminem de se matar. TJ diz que, pela saúde de Krause, também não o jogaria aos leões e Cody cutuca: “Agora ele se liga em saúde”. Dana agradece, diz que não tem favoritos e que vai esperar a definição sobre Krause.

Dana definiu os confrontos: Dhiego Lima vs. Tom Gallicchio e Jesse Taylor vs. James Krause. TJ anuncia como o “sem dente, Tom”. Krause reclama “do primeiro e segundo do ranking se enfrentarem”.

No próximo episódio, teremos a primeira semifinal. Faltam apenas dois episódios para o fim da temporada e eu aposto que vocês já estão com saudades. SÓ-QUE-NÃO.

De qualquer forma, estou gostando muito do programa e acho que todos deveriam receber ao menos uma chance para lutar de novo no UFC. O que vocês acham? O que acharam das lutas? Comentem aí na caixinha logo abaixo, pessoal. Até semana que vem.

apoia-se-logo-180-100

Quer se tornar um COLABORADOR do MMA Brasil e concorrer a prêmios, participar do podcast e ajudar a fazer um site cada vez melhor? Conheça todos os BENEFÍCIOS do nosso projeto no APOIA.SE!

  • James sousa

    Apostaria numa final entre Dhiego Lima x James Krause

    • Anderson Cachapuz

      Eu já acho que o Krause vai acabar não lutando…. e o Cody como sempre vai fazer uma péssima escolha que será abatida pelo Taylor… e a final vai ser Lima vs Taylor

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Só falta o Krause não poder lutar e um Cody da vida colocar um fuckin Eddie Gordon nas semifinais direto… não quero que isso aconteça.

    • Anderson Cachapuz

      Eu acho que se o Krause não puder lutar, a melhor e mais justa alternativa seria colocar o Ramsey Nijem no lugar dele…

      • Idonaldo Gomes Assis Filho

        Eu também acho o certo, mas conhecendo o Garbrandt ele vai querer discordar e querer por um cara dele aí, e não duvido do Dana aceitar.

        • Não podemos duvidar de nada.

        • Rafael Oreiro

          Eu venho do futuro e te digo: não duvide disso aí

          • Idonaldo Gomes Assis Filho

            xii…

          • Anderson Cachapuz

            Sai daqui com esse spoiler, seu maledeto!!! kkkk

  • Saulo Henrique

    ” emula Nelson e Mark Hunt, bem fluída.” Passando mal de rir. Haha

  • david

    Como faço pra ver o episódio completo online alguém sabe