Top 10 do Futuro: Peso Mosca Masculino

Na sequência do especial Top 10 do Futuro, apontamos candidatos do peso mosca masculino, uma divisão em busca de renovação sob o reinado do campeão mais dominante da atualidade.

Mais jovem das categorias masculinas, o peso mosca foi inaugurado em 2011. Para coroar o campeão original, foi realizado um torneio composto por Demetrious Johnson, Ian McCall, Joseph Benavidez e Yasuhiro Urushitani. O cinturão ficou nas mãos de Johnson, que fez dez defesas desde então e o título nunca chegou nas mãos de mais ninguém.

LEIA MAIS Top 10 do Futuro: Peso Palha Feminino

O domínio de Johnson na categoria promoveu um fenômeno característico de uma divisão rasa. Como ela abriga cerca de 30 a 40 atletas no UFC, existe pouca rotatividade entre os integrantes da elite. Para evitar constantes revanches em disputas de cinturão, nomes como Kyoji Horiguchi, Henry Cejudo e agora Ray Borg foram alçados ao posto de desafiante antes do necessário, quando poderiam ter evoluído por mais algum tempo e oferecer uma luta mais complexa para o campeão.

Pensando neste cenário e olhando para a lista dos lutadores fora do top 10, foi possível elencar nomes que invadirão a elite da categoria no curto prazo e poderão se tornar futuros desafiantes, com potencial para eventualmente assumir seu reinado.

Magomed Bibulatov

Quem é: mais um dos nomes da forte onda de lutadores russos que tem tomado conta do cenário internacional, Magomed Bibulatov montou um sólido cartel no cenário regional. Começou com vitórias sobre os bons Taylor Lapilus e Said Nurmagomedov na divisão de cima, passou pelos eventos russos ACB e WFCA até parar no WSOF, no qual conquistou o cinturão do peso mosca. No entanto, antes de defender seu título, rumou de volta para o WFCA e disputou o torneio da categoria, batendo Irmeson Oliveira, Giovanni Soldado e Yunus Evloev para se sagrar campeão. Assim, invicto em treze lutas e com ótimo retrospecto, assinou com o UFC em fevereiro.

O que fez no UFC: Bibulatov fez apenas uma aparição no octógono, quando encarou Jenel Lausa no UFC 210. No primeiro round, o russo pareceu sentir a pressão da estreia, mas foi se soltando aos poucos, aplicando seus tradicionais golpes rodados. Já no segundo assalto, acertou dois golpes baixos e acabou tendo um ponto deduzido por “Big” John McCarthy, o que parece ter lhe acordado para a luta. A partir daquele momento, tomou uma postura muito mais agressiva e conseguiu usar seu wrestling, com quedas poderosas com a boa força física para a divisão, e trabalhou até chegar à vitória por decisão unânime. Agora, tem compromisso marcado para enfrentar o ex-desafiante John Moraga no UFC 216, em seu maior desafio na carreira até o momento.

Porque será um top 10: aos 28 anos, Bibulatov está no seu auge atlético, já enfrentou concorrência de bom nível e mostrou evoluções ao longo de sua carreira. Apesar de não ser um ás da luta em pé, tem histórico no caratê kempo e gosta de utilizar golpes rodados e chutes variados, além de ser um contragolpeador razoável. Contudo, o grande destaque de seu arsenal é o wrestling muito potente e técnico, que é combinando com um ground and pound bastante violento e sólida habilidade no grappling. Com todos estes atributos e um dinamismo acima da média, o checheno é uma grande ameaça na categoria e pode chegar inclusive ao top 5 no futuro próximo.

Joseph Morales

Quem é: cria do Team Alpha Male, Joseph Morales se tornou profissional apenas no final de 2014 e desde então luta com frequência. Invicto, acumulou oito vitórias antes de chegar no UFC, incluindo quatro finalizações, dois nocautes e apenas duas decisões. No compromisso que lhe garantiu o contrato com o UFC, conseguiu interromper o combate contra o sólido Sean Santella pela via rápida dolorosa no segundo round.

O que fez no UFC: Morales fez sua estreia no UFC no mês passado, quando encarou o campeão da LFA Roberto Sanchez. Apesar de ser derrubado rapidamente, mostrou um bom trabalho de costas para o solo e não demorou muito para conseguir se levantar. Uma vez de pé, anotou um knockdown e passou para as costas de Sanchez, de onde trabalhou até conseguir encaixar o mata-leão que encerrou o duelo ainda no primeiro round.

Porque será um top 10: com um processo de luta muito bem definido, Morales estuda um pouco a distância e é agressivo de pé, além de golpear de maneira pesada, com um bom timing, como pode ser visto no golpe que levou Sanchez a knockdown. Dessa forma, consegue encurralar os adversários e levá-los para o clinch. Com experiência no wrestling no nível colegial e também em diversos anos como praticante de pancrácio, ele está num ambiente muito bom para se especializar ainda mais no que faz de melhor, que é derrubar os adversários e aplicar seu jogo de chão, com finalizações de todas as posições. Para melhorar, ainda é muito jovem – tem apenas 23 anos – e possui muito tempo para aprender e evoluir, o que deve torná-lo figura fixa na elite da categoria nos próximos anos.

Jarred Brooks

Quem é: depois de uma longa carreira como amador, Jarred Brooks decidiu se profissionalizar no MMA em 2014 e aceita lutas num ritmo acelerado. Foram três em 2014, quatro em 2015 e cinco em 2016, todas vitoriosas. Sem parar numa organização por mais de duas lutas, chegou a entrar no torneio do WFCA do qual Bibulatov saiu campeão e venceu o bom Chris Miah nas quartas-de-final, mas se retirou do GP após um corte na folha salarial para a fase seguinte. Também fez dois combates como peso palha, incluindo o anterior à assinatura do contrato com o UFC.

O que fez no UFC: após assinar para enfrentar Ian McCall no UFC 208, viu o combate cair de última hora, quando seu adversário passou mal por conta do corte de peso. Por isso, fez sua primeira e única luta apenas no UFC 214, contra Eric Shelton. Brooks teve sucesso no começo, com domínio na luta agarrada e ótima exibição de controle posicional. Entretanto, com o passar do tempo, perdeu eficiência e não conseguiu novas quedas, o que lhe complicou. No fim, saiu vitorioso em decisão dividida contestada e já está com novo confronto agendado com Deiveson Daico, no UFC São Paulo.

Porque será um top 10: com apenas 23 anos, Brooks é um prospecto talentoso e estava na mira do Radar MMA Brasil antes de assinar com o UFC. Ele é um wrestler de bom nível, muito físico e com bom condicionamento para perseguir quedas de forma incessante, o que o torna muito efetivo. De pé, se movimenta constantemente, mas ainda é ineficiente, gastando energia desnecessariamente, e precisa atacar com mais volume. Porém, estes são defeitos mais simples de consertar. Apesar de ser material de top 10 atualmente, quando se pensa em alcançar a elite, o principal fator que pode impedi-lo é o tamanho abaixo da média da categoria, o que foi comprovado pelos duelos que realizou na divisão de baixo. Mesmo assim, seu estilo deve lhe garantir uma longa e bem sucedida carreira entre os melhores pesos moscas do mundo.

Menção Honrosa: Justin Scoggins

Quem é: Já veterano do UFC, Justin Scoggins chegou na organização após seis vitórias sobre nomes sem muito destaque no cenário regional. Sua contratação não gerou muito alarde, mas aos poucos ele conquistou seu espaço e mostrou todo o talento que justifica sua vaga na lista.

O que fez no UFC: Scoggins estreou demolindo Richie Vaculik e dominando Will Campuzano. Em sua terceira aparição, sofreu o primeiro revés da carreira ao ser vítima de uma criticada decisão dividida contra Dustin Ortiz. Em seguida, foi finalizado por John Moraga ao vacilar e deixar o pescoço exposto para uma guilhotina quando controlava o combate. Ele se recuperou com vitórias largas sobre Josh Sampo e o atual desafiante Ray Borg. Contudo, dificuldades para bater o peso, que inclusive o tiraram de uma luta contra Ian McCall, no UFC 201, o forçaram a subir para os galos, onde superava Pedro Munhoz até ceder outra brecha e ser forçado a dar os três tapinhas novamente. Para piorar o cenário de inconsistência, foi submetido por Ulka Sasaki em seu último compromisso, mais uma vez quando estava em vantagem e está em posição desconfortável na organização.

Porque será um top 10: nesse momento, vocês devem estar pensando que colocar Scoggins nessa lista não faz sentido, uma vez que ele já tem uma certa quantidade de derrotas, está num momento de resultados ruins e já esteve posicionado no top 10 da categoria, o que, na teoria, inviabilizaria seu nome para este projeto. No entanto, a escolha aqui se dá pelo enorme talento que ele demonstrou, podendo-se argumentar que foi superior em relação ao adversário em todas as lutas que fez até o momento. Com um misto de caratê com wrestling, tem um ótimo domínio de distância, mãos rápidas e potentes e chutes imprevisíveis. A movimentação é intensa e bem realizada, impedindo entradas de queda. Quando é eventualmente derrubado, consegue se levantar rapidamente. Entretanto, para alcançar seu potencial espetacular, primeiro precisa trabalhar a parte mental, com o intuito de manter o foco durante todos os momentos de seus combates, já que isso lhe custou três derrotas quando dominava a situação. Caso consiga evoluir no aspecto psicológico, combinando com o pacote técnico que possui com meros 25 anos, é possível dizer que Scoggins é material inclusive para ser campeão do UFC – este é o motivo pelo qual está elencado no projeto Top 10 do Futuro.

  • Manu

    Chega a ser irônico, Scoggins, que por sinal é “menção honrosa”, seja o mais talentoso e aquele com maior capacidade dentre todos citados, na minha opinião. Sua derrota pra Moraga devia ser apenas o obstáculo que ia fazer ele evoluir ainda mais. Porém, ele acabou caindo para Munhoz também, o que faz eu me perguntar: Será que até os 27 anos ele ainda pode pelo menos chegar no topo do ranking? Porque humildemente falando, numa luta dele focado e bem psicologicamente contra Benavidez e Cejudo, eu acho que ele ganha, ou até passa o carro, pela questão de casamento de luta. O problema é se ele usou a derrota pro Munhoz como combustível, ou se desanimou.

    • João Gabriel Gelli

      Espero muito que ele acerte essa parte mental, porque é um talento grande demais pra não ser top 5, desafiante ou até campeão.

    • Gabriel Carvalho

      Eu acho que o Scoggins era pra ser top 5 há um tempo, mas ele é burro, esse é o problema.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Scoggins tem talento mesmo, mas é retardado a níveis estratosféricos, a última luta contra o Sasaki ele aplicando uma surra imensa, aí decide ir pro chão onde era a única área que o Sasaki podia fazer algo… deu no que deu. Infelizmente não confio mais nele, posso queimar a língua, mas já desisti de botar fé nele.

    Brooks pelo visto é muito bom, não impressionou na estréia pois pegou o também ótimo Shelton, que deu azar de pegar 2 cascas grossas de primeira nas duas lutas que fez, e rendeu luta com ambos.

    Morales é o que eu mais boto fé, a atuação dele foi simplesmente fenomenal, confesso que não o conhecia, achava o Sanchez favorito só por ter o título do LFA, aí ele vai e mostra que é um peso mosca com poder de nocaute, deu uns sei lá quantos knockdowns (uns 3?) no cara, foi coisa de maluco

    Bibulatov talvez seja o mais hypado, com razão, ótimo lutador também, gostaria de ver a luta com o Moraga que já tá perto pra ter uma opinião um pouco mais consolidada, na minha lista eu colocaria talvez o Naoki Inoue no lugar do Scoggins, mas entendo o por que dele estar na lista. Muito bom trabalho como sempre.

    • Rafael Oreiro

      Tanto o Naoki Inoue quanto o Eric Shelton tavam na pré-lista que a gente fez pra selecionar. Além deles, o próprio Roberto Sanchez tava lá também.

      Sem o Johnson, essa categoria tem tudo pra ser muito movimentada nos próximos anos, tem bastante gente boa chegando.

      • Idonaldo Gomes Assis Filho

        E parece que nos últimos tempos o UFC decidiu investir e contratar uma galera boa, boto fé mesmo.

    • João Gabriel Gelli

      Inoue é muito novo ainda e com uns bons buracos pra evoluir ainda, mas tem potencial também.

      Gosto muito do Shelton também. Deu azar nos casamentos, mas acho que pode se estabelecer na categoria se tiver mais uma chance.

      Scoggins é top 5 de talento de todos os mais de 40 nomes que separamos pra essa série.

      • Idonaldo Gomes Assis Filho

        De talento com certeza, mas dá dó das decisões que ele toma, psicológico sofrível…

  • James sousa

    divisão com vários talentos uma pena o principal deles ter ido para o rizin

    • João Gabriel Gelli

      Nossa, Horiguchi é o melhor da categoria fora o Johnson na minha opinião. Muito triste ele ter saído. Tomara que volte ainda.

    • Ricardo Sedano

      Ainda acho que ele volta daqui a alguns anos, e muito mais inteiro que a galera ficou se matando no UFC. Resta saber se ele manterá o alto nível dele.

  • Luiz Gustavo

    Interessante essa menção honrosa ao Scoggins q mesmo com as derrotas se mostrava melhor nas lutas.Com pequenos ajustes e poder controlar a perda de peso de uma maneira melhor,não sei não se pinta uma disputa pela cinta dos moscas,caso volte.

  • Gabriel Camargo

    Scoggins é dureza mesmo. Muito bom e talentoso, mas sempre dá um jeito de perder.

    • Gabriel Camargo

      Outro cara que até já era top 10 e tinha futuro é o Matheus Nicolau, pena que está suspenso por doping.

  • Gabriel Fareli

    Que categoria infernal vai ser essa peso mosca quando o DJ não for mais o campeão ein ? Posso estar errado, mas me arrisco a dizer que talvez não em quantidade, mas em qualidade tão boa quanto os Galos e os Leves.

    • André Guilherme Oliveira

      Estou de acordo cara, acho que já é uma ótima categoria principalmente quanto aos combates no top 10.
      Tem tudo pra ser ainda mais empolgante no futuro, ja que vem uma leva de muitos bons jovens por ai.