Top 10 do Futuro: Peso Meio-Médio

Depois que Georges St-Pierre pegou o seu boné e mandou um “forte abraço” pro UFC no longínquo 2013, a categoria dos meios-médios virou uma das maiores selvas já vistas na história de MMA, com o cinturão sendo trocado de mãos em duas oportunidades e com alguns dos confrontos mais épicos da história do UFC, como Robbie Lawler vs. Rory MacDonald, Johny Hendricks vs. Robbie Lawler e sem esquecer de Robbie Lawler vs. Carlos Condit.

LEIA MAIS Projeto Top 10 do Futuro

Eis que a situação da categoria acabou mudando no segundo semestre de 2016. Primeiramente, o vândalo Lawler acabou perdendo o título na terceira defesa, quando foi nocauteado pelo nem sempre empolgante Tyron Woodley. O Bellator veio forte e deu um duro golpe no UFC, ao anunciar a contratação de MacDonald, um nome que com certeza seria campeão no futuro. Pouco tempo depois, quem também tomou rumo para a organização de Scott Coker foi Lorenz LarkinRick Story anunciou afastamento do esporte e Albert Tumenov foi pra o ACB, fazendo com que a categoria perdesse nível, mas não deixando de ser uma das preferidas dos fãs.

Em mais um texto da série Top 10 do Futuro, pegamos quatro nomes com um potencial imenso de crescer na divisão e ocupar as lacunas deixadas pelas saídas dos lutadores citados acima, e quem sabe, disputar o título do UFC nos próximos anos.

Leon Edwards

Quem é: Nascido na Jamaica e radicado na Inglaterra, Leon começou no MMA em 2011 e ganhou destaque nos eventos regionais ingleses até assinar um contrato com o BAMMA, uma das principais organizações de MMA da Europa. Sempre mostrando um estilo agressivo, precisou de apenas duas lutas para garantir uma disputa de cinturão e ganhou o título após nocautear o experiente Wayne Murrie em abril de 2014. Concluiu sua única defesa de título nocauteando o então invicto Shaun Taylor em setembro do mesmo ano, fechando sua passagem regional com um cartel de 7-1 (olha eles de novo!).

O que fez no UFC: Contratado no último trimestre de 2014, perdeu para o brasileiro Cláudio Hannibal na estreia em um resultado bem controverso. Em seguida, aplicou um dos nocautes mais rápidos da história ao deitar Seth Baczynzki em apenas oito segundos. Depois de uma luta disputada e que terminou com revés para Kamaru Usman, que hoje habita o top 10 da divisão, emendou quatro vitórias, batendo Dominic Waters, Albert Tumenov, Vicente Luque Bryan Barberena. Chegou a fazer parte do top 15, mas desapareceu após as fortes chegadas de Colby Covington e Rafael dos Anjos.

Edwards (de preto) aplica soco em Bryan Barberena (Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC)

Porque será um top 10: Além de ser um baita trocador, Edwards também já mostrou bastante competência lutando no chão, onde conseguiu finalizar Albert Tumenov e inclusive chegou a bloquear o fortíssimo Kamaru Usman. Com um estilo bem empolgante, ele também é muito eficiente no clinch e sabe bem usar as joelhadas, algo que adaptou muito bem do muay thai. Ele também tem ótimas companhias no treino, já que está sempre fazendo os treinamentos na American Kickboxing Academy e já foi sparring de Luke Rockhold.

Darren Till

Quem é: Nascido em Liverpool, na Inglaterra. Till começou a treinar muay thai ainda criança e foi abrigado na Team Kaobon, uma das principais academias da Inglaterra. Após ser esfaqueado em uma boate em 2012, acatou o pedido de seu treinador e se mudou para o Brasil, onde passou a treinar na equipe catarinense Astra Fight Team, de Marcelo Brigadeiro. Acumulou um cartel de 12 vitórias em eventos do Sul do Brasil até receber o chamado do UFC.

O que fez no UFC: Assinou de última hora com a organização para enfrentar Wendell Negão em maio de 2015, vencendo por nocaute técnico. Fez uma das grandes batalhas recentes do UFC no mesmo ano contra o dinamarquês Nicolas Dalby, em luta que terminou empatada. Após cirurgia no ombro, ficou 2016 inteiro inativo e retornou em 2017 com vitórias sobre os limitados Jessin Ayari Bojan Velickovic, causando uma ótima impressão no UFC, que o escalou para enfrentar Donald Cerrone na luta principal do UFC Polônia.

Darren Till (de branco) pressiona Jessin Ayari(Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Porque será um top 10: Till é um trocador de porrada com um estilo bem não ortodoxo. Com base forte no muay thai, ele sabe muito bem controlar a distância e encurta na hora certa, com bons jabs e cotoveladas. Seus ângulos podem soar esquisitos, mas são bem eficientes. Treinando com Marcelo Brigadeiro, adquiriu uma boa habilidade na hora das quedas e também para usar o ground and pound, que é fortíssimo.

Belal Muhammad

Quem é: Nascido em Chicago e formado em direito, decidiu iniciar carreira no MMA lutando em diversos eventos no estado do Indiana, inclusive pelo Bellator. Firmou contrato com o Titan FC e precisou de apenas três lutas para conquistar o cinturão dos meios-médios da organização, assinando com o UFC após um início de carreira invicto, com nove vitórias.

O que fez no UFC: Contratado para ser standby de Tarec Saffiedine, entrou de última hora em um confronto contra Alan Jouban e acabou tomando uma surra. Retribuiu a surra em cima de Augusto Montaño, acabou sendo nocauteado pelo brasileiro Vicente Luque e emplacou duas vitórias seguidas ao bater Randy Brown Jordan Mein.

Belal Muhammad (de verde) contra Jordan Mein (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Porque será um top 10: Belal é um atleta que tem o boxe bem volumoso, mesclando com alguns chutes baixos e na linha de cintura, com destaque também para o seu bom controle de distância. É bem competente no wrestling e tem um controle o clinch bem decente. Confesso que de todos os citados aqui, é o que menos levo fé, ainda mais pela idade – são 29 anos -, mas deve causar tumulto na divisão.

Menção Honrosa: Luan Chagas

Quem é: Nascido no Mato Grosso do Sul e treinando na Gile Ribeiro Team, no Paraná, “Tarzan” fez grande carreira no MMA nacional, se destacando em eventos do Sul do país, como o Imortal FC. Após somar um ótimo cartel de 14 vitórias e apenas 1 derrota, assinou contrato com o UFC em abril de 2016.

O que fez no UFC: Topou estrear com pouco tempo de preparação contra Serginho Moraes e se saiu muito bem, aplicando dois knockdowns e escapando das investidas de solo do adversário, em luta que terminou como empate. Foi finalizado por Erick Silva em duelo que ganhou prêmio de “Luta da Noite”, e venceu a primeira luta no UFC ao finalizar Jim Wallhead no UFC 212.

Luan Chagas finalizando Jim Wallhead (Foto: Buda Mendes/Zuffa LLC)

Porque será um top 10: Com 24 anos, Luan tem um dos arsenais ofensivos mais interessantes entre o pessoal abaixo do top 15 dos meios-médios. Ele exibe um controle de distância muito bom, com boas combinações de socos e chutes bem variados, alternando sempre onde levará a perna. A parte defensiva ainda está sendo lapidada, assim como o preparo físico, que já vem mostrando evolução.