Por Alexandre Matos | 26/07/2015 01:30

TJ Dillashaw é definitivamente um craque. Se ainda havia alguma dúvida sobre sua evolução, já não há mais depois do UFC On FOX 16, evento que levou 11.663 torcedores neste sábado ao United Center, em Chicago. Com mais uma atuação genial, o americano não tomou conhecimento de Renan Barão e manteve o cinturão com um nocaute no quarto round.

O potiguar tentou começar a luta mais ativo e equilibrou as ações nos primeiros momentos. Porém, não demorou muito para Dillashaw mostrar que velocidade mata. O campeão não encontrou dificuldades para entrar no raio de ação do desafiante, que usou pouco os jabs e chutes baixos. No pocket, TJ voltou a fazer Renan errar golpes em profusão enquanto o carimbava com punhos rápidos e precisos.

A situação piorou de modo irreversível a partir do segundo round, quando Dillashaw acelerou o ritmo de suas trocas de base e de direção na movimentação. Barão lançava um golpe, errava e sofria um contragolpe preciso no retorno. TJ chegou a diminuir o ritmo no final do assalto para se poupar, dando a impressão que estava cansado. Perdido, Barão tentou mudar de nível em busca de uma queda, mas só conseguiu ficar travado no clinch contra a grade, levando socos no dirty boxing.

A impressão de cansaço se mostrou equivocada quando Dillashaw retornou bem mais móvel para o terceiro round. Seus golpes entraram limpos, inchando o rosto do brasileiro, que não conseguia orquestrar os punhos para as combinações na curta distância – foi comum Renan acertar TJ com o antebraço. Uma blitz de Dillashaw no final do round quase terminou em nocaute, mas Barão se manteve de pé. O fim era questão de tempo.

O campeão voltou para o quarto assalto com intenção de acabar o trabalho interrompido pelo soar da buzina. Dillashaw encurralou Barão na grade e despejou pelo menos 20 socos limpos entre ganchos na têmpora, uppercuts no queixo e diretos no centro do rosto. O potiguar se mostrou valente, aguentou a surra de pé, mas o árbitro Herb Dean decretou o nocaute técnico na marca de 35 segundos.

Além de confirmar o cinturão e o posto de número um do mundo, a vitória rendeu a Dillashaw um dos bônus de desempenho da noite. O outro bonificado foi Tom Lawlor, que nocauteou brutalmente Gian Villante, no card preliminar, quando estava sendo dominado no combate.

Miesha Tate surpreende em pé e vence Jessica Eye

Os treinos com a ex-campeã de boxe Duda Yankovich deram moral para Miesha Tate. É verdade que a luta começou complicada, mas ela logo controlou Jessica Eye para se garantir como a desafiante número um da categoria.

Miesha Tate mandou Jessica Eye duas vezes a knockdown (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Miesha Tate mandou Jessica Eye duas vezes a knockdown (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

A velocidade das combinações de Eye, com muitos socos curvos e cotoveladas em pé, explorou a vazada defesa de Tate. Porém, a ex-campeã do Strikeforce conseguiu um raro knockdown e terminou o round dominando a oponente por cima, no ground and pound, fazendo o suficiente para virar o placar.

Com sua coragem característica e capacidade de levar soco na cara, Tate avançou firme sobre os golpes de Eye e fez valer sua maior potência, conseguindo mais um knockdown seguido de pressão no solo no segundo assalto. A ex-desafiante montou e tentou uma guilhotina, mas não completou o estrangulamento.

No terceiro, o velho jogo de Miesha deu as caras. Uma queda seguida de transição para as costas tiraram qualquer chance de virada de Eye. Tate tentou finalizar, não conseguiu, mas garantiu um triplo 30-27 para firmar uma possível trilogia contra Ronda Rousey, que precisa por sua vez vencer Bethe Correia no próximo sábado.

Edson Barboza passa por Paul Felder em luta equilibrada

Na melhor luta da noite, Edson Barboza venceu a batalha do muay thai contra Paul Felder.

Edson Barboza maltratou o corpo de Paul Felder com chutes (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Edson Barboza maltratou o corpo de Paul Felder com chutes (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

O americano inchou o olho do brasileiro ainda no primeiro round, quando Barboza estava tentando encontrar a melhor distância para atuar. Felder conseguiu bons momentos ao forçar a troca no boxe, mas passou a sofrer com os chutes quando Barboza se achou.

Uma selvagem dieta de chutes nas pernas e nas costelas minaram a movimentação de Felder, que ficou com a lateral do tronco totalmente avariada. Conforme a movimentação de Paul diminuía, a velocidade de Edson se destacava.

Felder tentou seus conhecidos socos rodados, Barboza lançou chutes da mesma maneira. O maior volume de golpes lançados, no entanto, foram fundamentais para o brasileiro não perder mais a dianteira depois da virada do primeiro assalto. Os três juízes anotaram 29-28 para Edson Barboza e os lutadores foram bonificados pela melhor luta da noite.

Joe Lauzon passa o carro em Takanori Gomi em meio round

A hora chega para todo mundo e parece que está batendo na porta de Takanori Gomi. O ex-melhor do mundo levou um passeio de Joe Lauzon e deu mais um sinal de fim de linha.

Joe Lauzon puniu Takanori Gomi severamente no chão (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

Joe Lauzon puniu Takanori Gomi severamente no chão (Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC)

J-Lau não quis saber do poder dos punhos do japonês e encarou a luta na troca de golpes. Quando acertou um gancho de esquerda em cheio, Lauzon emendou com um double-leg e pegou as costas. O americano surpreendeu ao não partir para uma tentativa de submissão. Ao contrário, Joe disparou um potente ground and pound até apagar Gomi. O curioso foi o fato de Herb Dean não ter reparado nisso e demorado muito para interromper. O fim foi anunciado na marca de 2:37.

Fundador e editor-chefe do MMA Brasil. Colunista do site oficial do UFC. Prestes a se aposentar e virar colunista especial do próprio site.