Thiago Marreta quer remarcar luta contra Jimi Manuwa “Espero que se recupere o mais rápido possível”

Por Gustavo Lima | 25/09/2018 16:47

UFC realizou na noite do último sábado (22) o UFC São Paulo, que recheado de lesões que atrapalharam os planos originais do evento, entregou uma noite divertida com os fãs além das expectativas iniciais.

Na luta principal do evento, o brasileiro Thiago Marreta nocauteou Eryk Anders no quarto round levando público ao delírio. O MMA Brasil esteve presente na entrevista coletiva de imprensa realizada após o fim do evento, onde Marreta comentou sobre o momento de sua vitória, complementando que achou que o árbitro iria interromper o combate antes.

“Eu achei que o juiz fosse parar a luta ali. O Eryk ficou segurando na grade pra não cair, aí o juiz me tirou. Eles estavam toda hora falando do tempo, eu sabia que o round ia acabar e fiquei golpeando.”

Sobre o novo peso, Marreta disse que se sentiu bem na categoria, indicando uma melhora na potência de seus golpes. Entretanto, ele também sentiu ter menos velocidade, deixando em aberto a decisão sobre a permanência na categoria dos meios-pesados ou numa volta para o peso médio.

“O Anders não é um meio-pesado, na verdade foi mais pra eu sentir como era bater 93 e lutar no outro dia. Me senti bem; claro, cansei, como era esperado, mas me dei bem. Senti mais a potência nos golpes, mas também me senti mais lento. Então vamos ver o que vai acontecer. Acho que muita coisa muda. Além dos meus golpes ficarem mais potentes, eu senti também que fiquei mais resistente, tomei alguns golpes duros. Nos médios, por conta do corte de peso, a gente acaba ficando mais frágil, tanto é que eu acabei sendo nocauteado por uma cara que não era um nocauteador. Hoje eu tomei uns golpes fortes do Anders, mas fiquei só com uns cortes […]. Então a gente tem que ver o que vai ser.”

Em relação ao combate com o inglês Jimi Manuwa, que foi substituído por Anders na semana da luta devido a uma lesão, Marreta disse que ainda gostaria de fazer esta luta, clamando para que o inglês cumpra o contrato assinado antes da lesão.

“Espero que o Jimi Manuwa se recupere o mais rápido possível pra que a gente se encontre até dezembro e cumpra o contrato que a gente assinou.”

O carioca também falou sobre a estratégia utilizada no combate contra Anders, dizendo que a intenção era evitar o wrestling e avaliando o desempenho como positivo dentro daquilo que era esperado. O atleta ainda afirmou não ter medo de disputar a luta no solo e que busca sempre obedecer a estratégia e orientação de seus treinadores.

“A estratégia era se movimentar bastante, evitar o jogo de wrestling, mas a gente sabia que ia acabar acontecendo. Ele conseguiu encurtar e tal, mas eu tenho uma boa defesa de queda. Acho que a gente se saiu bem. Ele me quedou algumas vezes mas eu consegui raspar, consegui ir pra cima. Acho que a gente se saiu bem. Não tenho medo de trocar jiu-jitsu com ninguém. Não é minha especialidade mas eu desenrolo muito bem. Se bobear eu finalizo também. Eu estava ouvindo meu mestre o tempo todo […] na hora em que ele falou ‘é agora’ eu consegui raspar e ir pra cima.”

Paulista, patologicamente apaixonado por MMA, futebol e música.