Terence Crawford fecha atuação soberba contra Jose Benavidez Jr com nocaute a 20 segundos do fim

Por Alexandre Matos | 14/10/2018 23:52

A disputa pelo topo do peso por peso do boxe vive momentos dramáticos. Desde as aposentadorias de Floyd Mayweather e Andre Ward, além da queda de Román González, que não é possível cravar o melhor de todos. Alguns escolhem Vasyl Lomachenko. Outros vão com Terence Crawford. Neste sábado, o americano defendeu pela primeira vez o cinturão do peso meio-médio da WBO ao dominar o ex-campeão Jose Benavidez Jr.

Crawford (34-0, 25 KO) levou ao delírio os 13.323 conterrâneos que lotaram a CHI Health Center, em Omaha, Nebraska, com uma atuação digna de seu gigantesco talento contra um oponente que estava invicto e também frequenta o alto panteão da nobre arte na atualidade.

Apesar do domínio, a luta não foi fácil para Crawford. Pelo menos não enquanto Benavidez (27-1, 18 KO), maior e mais forte, impôs uma postura agressiva para não deixar o campeão à vontade na distância, situação na qual Crawford se transforma numa máquina.

A grande questão é que Crawford precisa de bem pouco tempo para compreender o que se passa. Benavidez Jr. equilibrou o primeiro round, mas Crawford encontrou alguns golpes no segundo. A partir do terceiro, com a distância sob controle, “Bud” entrou em velocidade de cruzeiro, num passeio que só desagradou ao adversário.

O que torna Crawford tão especial é o fato de naturalmente ser um lutador ambidestro. Como não é possível identificar qual base que ele atua melhor, os oponentes tentam se adaptar a uma situação, mas logo Terence muda a base e acaba com a postura que o pobre diabo havia estabelecido. Esta foi a agrura de Benavidez pelo resto do combate.

Quando tem a distância sob controle, Crawford consegue atacar mantendo base de contragolpeador. Ou seja, ele joga uma combinação e, quando o rival tenta atacar, o campeão troca a base, já mudando seu centro de posição. E como se trata de um gênio, Crawford normalmente antevê as situações. Normalmente quando Benavidez atacava, parava no bloqueio ou numa esquiva em tempo perfeito. No retorno, Crawford atacava duas ou três vezes um lado do corpo do desafiante, fazendo-o se abrir para levar mais do outro lado.

A base de canhoto foi a preferida de Terence no combate, pois atrapalhou o serviço de jabs de Benavidez, além de permitir que o campeão girasse para as costas do oponente, onde encontrava uma têmpora desguarnecida e abria grande distância em relação à direita de Jose, fazendo com que o principal golpe do desafiante tivesse que percorrer um caminho enorme até atingir o alvo, dissipando potência pelo caminho. Jose simplesmente não sabia como lidar com aquilo.

Vendo que a luta havia ido para o vinagre na pontuação, bateu o desespero em Benavidez. Está escrito no manual “Como se enfrentar Terence Crawford” (manual que não tem um fim): a última coisa que se deve fazer contra ele é sair para o pau na curta distância. Benavidez desrespeitou a regra e pagou caro. Cansado, com os braços pesados, ele foi ludibriado por Crawford, que atacou a linha de cintura apenas para abrir o queixo. Então, um uppercut demoníaco mandou Benavidez à lona rolando. Jose teve a infeliz ideia de voltar à luta e recebeu uma saraivada de socos contra as cordas, fazendo com que o árbitro Celestino Ruiz pulasse entre os lutadores e acabasse com o espancamento. O cronômetro marcava 20 segundos para o fim do combate.

 

Lomachenko lidera os rankings peso por peso da Ring Magazine e da Boxing Writers Association of America. Provavelmente Crawford assumirá a ponta na próxima atualização. Isso até o ucraniano subir ao ringue novamente. Que belo momento para ser fã de boxe.

Fundador e editor-chefe do MMA Brasil. Colunista do site oficial do UFC. Prestes a se aposentar e virar colunista especial do próprio site.