Tatiana Suarez comenta sobre primeira luta coprincipal: “Sinto que é aqui onde pertenço”

Por Gabriel Carvalho | 17/05/2018 21:48

A americana Tatiana Suarez é uma das estrelas do UFC Fight Night 129. Atleta do peso palha, ela enfrentará a mexicana Alexa Grasso na luta coprincipal do evento que acontecerá no sábado (19), em Santiago, no Chile.

Será apenas a terceira luta de Suarez no UFC, mas ela já ganha o status de pegar a segunda luta mais importante da noite. Perguntada sobre pelo MMA Brasil, ela comentou sobre a posição que recebeu já em sua terceira luta:

“Eu acho que é aqui que pertenço. Sinto que trabalho forte, domino nos meus desempenhos. Até no show (The Ultimate Fighter) fui dominante. Finalizei todas, exceto a primeira garota, mas acho que se tivesse outro round, definitivamente teria finalizado ela. Sinto que aqui é onde pertenço, estou animada com esta oportunidade, e acho que estou aberta a ter mais fãs e mais suporte. Amo isso, amo ser apresentada mais pessoas. Ter a oportunidade de inspirar pessoas e ser inspirada também. É uma grande oportunidade e estou animada também”.

Sua adversária será Alexa Grasso, que teve dificuldades em suas lutas mais recentes no wrestling. Perguntada sobre, Tatiana acredita que a mexicana evoluiu, e espera enfrentar a melhor atleta possível:

“Acho que ela fez ajustes, todo mundo faz. Espero lutar contra a melhor Alexa Grasso, você nunca fica com a expectativa de focar na luta que ela foi mal. Ela é quem vou enfrentar e espero a melhor Alexa Grasso que tem. Estou preparada, acho que ela também, e quero dar um show para os fãs chilenos”.

Considerada como uma das grandes revelações da divisão dos palhas, Tatiana também falou sobre o sonhado cinturão da categoria. Ela ainda mantém calma sobre o assunto, prefere focar na adversária de sábado, mas comenta sobre passos rápidos ao objetivo:

“Sinto que nas próximas três ou quatro lutas, devo lutar pelo cinturão. Eu acho que é questão de tempo, planejo focar em uma pessoa de cada vez. Não penso tanto no cinturão, foco bastante na minha adversária, e assim que batê-lá, quero a próxima. Definitivamente penso nisso (cinturão) pro futuro, sou 12ª, ela é a nona, então creio que isso me coloca em uma posição melhor nos rankings, quem sabe para lutar com uma top 5 e pegar o cinturão em breve”.

Entre a conquista do The Ultimate Fighter e sua vitória sobre Viviane Sucuri, Tatiana acabou ficando 16 meses inativa do octógono. Perguntada sobre o período fora, ela acredita que o hiato colaborou para certas melhoras em sua carreira:

“Eu definitivamente gosto de lutar muito. Não foi o melhor, mas consegui focar em coisas que não conseguia antes, como treinar de forma mais inteligente, treinar melhor, encontrar os melhores parceiros. Antes, não treinava com pessoas ‘seguras’ pra mim, já que me machucava muito. Acho que foi uma boa oportunidade de aprendizado, você tem pouco tempo pra isso, então tem que ter certeza que ficará mais saudável”.

Editor do MMA Brasil. Fã de esportes em geral, apaixonado pela arte de punhos em rostos alheios. Amante de filmes e música.