Por Gabriel Camargo | 28/01/2019 00:09

Todos os anos há o tradicional evento numerado do UFC em terras brasileiras, normalmente ocorrendo no Rio de Janeiro. A exceção foi feita em 2016, quando, numa manobra ousada da organização, realizaram o UFC 198 num estádio de futebol. O evento foi um sucesso. Mais de 45 mil pessoas compareceram à Arena da Baixada, em Curitiba, para acompanhar o que muitos apontaram como o melhor card já montado no Brasil. Com tamanha empolgação, ficou a promessa do UFC de um dia voltar à capital paranaense.

Três anos depois, o momento parece ter chegado. O UFC 237, que será realizado no dia 11 de maio, já foi confirmado no Brasil e especula-se que acontecerá em Curitiba novamente. Para o card, apenas uma luta foi anunciada, a segunda defesa do cinturão do peso palha de Rose Namajunas, que aceitou enfrentar Jéssica Andrade no estado natal da desafiante. Pelo retrospecto, possivelmente este combate servirá de luta coprincipal do evento, visto que até hoje nenhum pay-per-view foi liderado por uma luta nessa faixa de peso – e a organização precisa de um combate chamativo ao público para lotar a arena.

Pensando nisso, hoje trago o desafio de “ajudar” os matchmakers do UFC com algumas sugestões do que pode rolar no estádio do Athletico Paranaense.

Amanda Nunes vs. Cris Cyborg

Melhor opção para ser a luta principal. Uma das principais lutas que o MMA feminino produziu terminou de forma muito impactante, com Amanda Nunes colocando fim à maior supremacia que se tinha no esporte. Depois de ser deposta do título do peso pena, resta a Cris Cyborg apenas mais uma luta em seu contrato e, ao que tudo indica, o documento não será renovado. Nada melhor do que voltar ao local da sua estreia no octógono – e sua cidade natal – para tentar recuperar o cinturão perdido.

Amanda Nunes vs. Ketlen Vieira

Caso a revanche com Cyborg não aconteça, Amanda pode ter a opção de defender mais uma vez o cinturão do peso galo. Com Holly Holm com luta marcada contra Aspen Ladd, no UFC 235, outra brasileira parece ter ficado com o caminho livre para encontrar a “Leoa”. A também brasileira Ketlen Vieira está com quatro vitórias na organização, derrotando duas ex-desafiantes (Cat Zingano e Sara McMann) e merece a chance de disputar o título.

Renato Moicano vs. Max Holloway

Com luta marcada contra José Aldo em fevereiro, Renato Moicano precisa vencer este combate para, dessa forma, ser o próximo a ter a chance de disputar o cinturão do peso pena. Tendo sido inclusive suplente da última luta pelo título da categoria, Renato goza de prestígio com a organização e, por isso, talvez o UFC faça algum esforço para trazer Max Holloway mais uma vez ao Brasil, dessa vez como campeão.

Vencedor de Raphael Assunção-Marlon Moraes vs. TJ Dillashaw

O maior empecilho deste embate seria a presença de TJ Dillashaw, que não luta fora dos Estados Unidos há mais de cinco anos. Para piorar, sua experiência no Brasil não foi muito boa. Ele foi derrotado por Raphael Assunção na decisão de maneira muito controversa. Com uma derrota acachapante para Henry Cejudo, fica a incógnita dos planos do UFC – há a chance de uma revanche imediata, agora no peso galo. O confronto que vai liderar o UFC Fortaleza, entre Raphael Assunção e Marlon Moraes, é uma clara eliminatória.

Anderson Silva vs. vencedor de Robert Whittaker-Kelvin Gastelum

Esta é mais improvável de todas as sugestões. Com luta marcada para o dia 9 de fevereiro, no UFC 234, Anderson Silva vai entrar no octógono contra Israel Adesanya como um grande azarão. Para poder disputar o cinturão, vai ter que passar por este desafio. Outro ponto de complicação são os três meses que os lutadores terão para recuperação e preparo, sendo que o título da categoria também será disputado no mesmo dia.

Outras sugestões para completar o card

Cris Cyborg vs. Megan Anderson: Caso a revanche com Amanda não aconteça, a última luta do contrato de Cyborg pode ser com a única lutadora original do peso pena no plantel do UFC e ex-campeã do Invicta FC, Megan Anderson, que acaba de vencer sua primeira luta no UFC. Tirando Amanda, é a luta que mais faz sentido para Cris.

John Lineker vs. perdedor de Raphael Assunção-Marlon Moraes: O ex-peso mosca lutaria no último sábado, mas, com sua lesão, vai passar um tempo de molho. Assim como o vencedor de Assunção-Moraes disputará o cinturão, o perdedor da luta principal do UFC Fortaleza não se distanciaria muito caso vencesse Lineker e o “Mãos de Pedra” ficaria a uma luta de ter a sua própria chance.

Rafael dos Anjos vs. Santiago Ponzinibbio: Ambos já vêm se provocando nas redes sociais faz um tempo. Agora sem a barreira de o ex-campeão não lutar longe de sua casa, nos Estados Unidos, por conta do nascimento de seu filho, não há mais nada que impeça este combate de acontecer.

Jose Aldo vs. Alexander Volkanovski ou Mirsad Bektic: Saindo vencedor ou derrotado do seu próximo combate, Aldo já afirmou que lutará em todos os eventos no Brasil deste ano. Como já perdeu para o atual campeão duas vezes, ele precisará vencer mais algumas lutas para voltar ao posto de desafiante. Volkanovski e Bektic estão tentando se aproximar do topo da categoria e uma vitória contra o brasileiro os deixaria como próximos da fila.

Glover Teixeira vs. Mauricio Shogun: Após sair vencedor de sua última luta, Glover chamou Shogun para uma luta, que vem sendo ventilada há muitos anos, desde que Teixeira ainda era um aspirante na divisão dos meios-pesados. Eu gostei. O combate entre os dois veteranos poderia servir como uma ótima diversão, já que nenhum deve ir a lugar algum no seus atuais estágios da carreira.

Anderson Silva vs. Uriah Hall: Caso o “Spider” perca no UFC 234, não vejo problemas em um retorno rápido para compor o card principal na cidade em que ele foi criado. As opções para Anderson são um tanto difíceis de mapear, pois trata-se de um lutador que tem um modus operandi um tanto estranho. Mas como a ideia não é ficar em cima do murro, vou sugerir Uriah Hall, remarcação da luta que deveria ter ocorrido no primeiro evento na Arena da Baixada.

Curtiram os casamentos? Quais outras lutas poderiam compor o evento? Contamos com sua participação na caixa de comentários.