Stephen Thompson mais uma vez nos mostrou como é muito bom o Caratê no MMA

De vez em quando esquecido. Nem sempre valorizado. Porém, Stephen Thompson mais uma vez mostrou a enorme eficiência do mais puro caratê no MMA.

No último sábado, 6 de fevereiro, o lutador de caratê Stephen Thompson teve mais um compromisso em uma competição de nível internacional. Concentrado, subiu no tatame, ouviu as instruções do árbitro, cumprimentou seu adversário e, humildemente, iniciou mais uma batalha de kumite. O combate começou estudado, com muito respeito. Thompson ainda soltou um tobi geri para medir distância e atenção do oponente. Depois disso, começou o verdadeiro show de sua arte-mãe. Saltitando, para facilitar a movimentação de defesa e ataque, frustrou um ataque do seu oponente com um deai perfeito, encaixando um gyaku zuki jodan. Logo depois, um lindo kizami mawashi jodan, seguido de um mawashi bem defendido e, para finalizar a sequência, uma série de gyaku zukis.

Johny Hendricks, seu oponente, já estava confuso, sem saber o que fazia ali, em um ambiente tão hostil e mesmo assim tentou alguns ataques, mas sem sucesso, pois não conseguia achar Thompson, que, àquela altura, se divertia bastante com a expressão de horror de Hendricks. Ippons, waza-aris e yukos para todos os lados. Parecia que Thompson, experiente faixa-preta, lutava contra um iniciante. Para finalizar a luta, um ushiro geri e uma sequência de zukis. O árbitro foi obrigado a interromper, pois o desfecho mais parecia uma luta de MMA.

E era.

stephen-thompson-johny-hendricks

Esse combate aconteceu não em um dojo, mas sim no UFC Fight Night 82. O purismo das técnicas de caratê utilizadas pelo norte-americano Stephen Thompson diante do ex-campeão dos meios-médios do UFC, Johnny Hendricks, impressionaram e mais uma vez comprovaram que a arte das mãos vazias, se bem utilizada, pode e vai render bons frutos no mundo das artes marciais mistas. Anteriormente eu já vim aqui expor meu contentamento com a boa utilização da arte de Ginchin Funakoshi no MMA.

Dos muitos amigos que tenho nas lutas, alguns são oriundos do caratê. Porém, nos treinos e camps para lutas de MMA, seus treinadores querem mudar a ferro e fogo sua origem, inserindo, quase como um estupro, bases, movimentações e golpes de kickboxing e muay thai, levados pelo senso comum. Claro que influências de outras artes são importantes e devem ser levadas em conta, mas sem deixar de lado a origem de cada lutador.

Aqui, faço um apelo a treinadores e lutadores: deixem seu estilo e o de seus alunos fluírem. Melhorem isso, mas não mudem. A pluralidade é linda e, acredite, eficiente e funcional. Voltando às características do caratê, mas não querendo ser purista: você, que vem dessa arte, solte-a no cage como se estivesse num dojo. Movimente-se, concentre-se no deai. Use e abuse de suas técnicas, nos treinos e nas lutas. Se não der certo – o que eu duvido – pode me procurar e demonstrar sua insatisfação. Mas os exemplos mostram que estou certo.

Oss.

  • James sousa 8

    o caratê e a minha arte marcial favorita muito por causa do Lyoto Machida e do George Saint Pierre , e eu vou achar maneiro ter outro praticante da modalidade como campeão

    • Lero

      Olha o Horiguchi daqui a dois anos…

    • Rodrigo Cruz

      Fiquem de olho no Thompson. No MMA nacional, sugiro que se liguem nesse nome: Kleverson “Bambu”. 6 lutas, 6 vitórias, sendo 5 por nocaute, 4 no primeiro round.

  • Marcos E

    Muito bom o texto! “O árbitro foi obrigado a interromper, pois o desfecho mais parecia uma luta de MMA”.
    Precisamos nos lembrar do próprio Conor McGregor que também tem aplicado a movimentação do karate e muitos golpes em linha dessa arte.
    Torço para que o esporte esteja evoluindo para a pluralidade das técnicas! Técnicas diferentes deixam as lutas muito mais interessantes.

    • Rodrigo Cruz

      Oss.

  • Guilherme Yamashita Anami

    Rodrigo, bem legal o seu argumento. Acho que o problema é que, pro caratê ou qualquer outra arte marcial funcionar no MMA, ela precisa ser devidamente treinada, com foco no próprio MMA. Talvez não haja tantos head coaches ou mesmo técnicos de trocação com base no caratê, o que dificulta na hora de inserir essa modalidade nos treinos. Um técnico de caratê que não entenda de MMA também não ajudaria de forma tão completa…

    • Rodrigo Cruz

      Correto, Guilherme. Mas o bom coach, mesmo não sendo perito na arte do seu atleta, ele pode e deve analisar e incentivar seu atleta a seguir sua arte-mãe.

      • Eu sei que ele não é um exemplo, porque foras-de-série é um patamar diferente, mas o Georges St Pierre discorda do que você acabou de falar. MMA é um esporte muito complexo pra essas verdades absolutas.

        • Paulo Josué Lemos Alves

          Realmente GSP é um fora-de-série. Não ter background de wrestling e ter atingido nível tão alto nesta modalidade, é coisa de gênio!

    • Paulo Josué Lemos Alves

      O que vejo é que cada vez mais técnicas de artes marciais tradicionais vem ganhando espaço no MMA. Na época do vale tudo, exageradamente falando, era quase um pecado e totalmente ineficiente dar um chute alto. Hoje com a evolução técnica vemos cada vez mais, golpes plásticos, bonitos e igualmente eficientes. Se isso se deu pela mudança nas regras do MMA, talvez. Mas acho que mesmo valendo pisão e tiro de meta, essa evolução ocorreria da mesma forma.

  • Guilherme Yamashita Anami

    Pode ser só uma coincidência, mas vocês não acham que está aumentando o número de campeões cujo carro chefe não é o wrestling ofensivo? Temos Werdum, Rockhold, Lawler, RDA, McGregor…

    Claro que todos campeões tem que ser bons em tudo e transitar com boa fluidez entre as diversas áreas do MMA (de certa forma, eles têm que fazer com que tudo pareça uma coisa só e não diferentes modalidades aplicadas alternadamente), mas às vezes tenho a impressão de que o wrestling defensivo tem evoluído através de movimentação e postura mais inteligentes e do uso de golpes que tanto a manutenção de distância quanto a defesa das quedas, equilibrando novamente a balança que algumas vezes parecia pender muito pro lado do melhor “quedador”. Claro que o Khabib pode retornar, mandar todos adversários voando pelos ares e invalidar meu argumento, rs…

    No MMA feminino, as duas campeãs do UFC são strikers, mas acho mais complicado usá-las no exemplo porque as meninas começaram há menos tempo no esporte e ainda veremos uma evolução técnica mais acelerada delas nos próximos anos (evolução que eu quero muito assistir…).

    • Essa coincidência acontece por causa do tempo. As coisas são dinâmicas. Não tem muito tempo que tinham 7 dos 10 cuja base principal era o wrestling. E se a Tate ganhar da Holm, Miocic ganhar do Werdum, Weidman ganhar do Rockhold, teremos de novo. Ainda há risco de colocarem o Lawler com o Woodley (bizarro, mas possível), Nurmagomedov tá chegando pro Rafael. Esse dinamismo é muito legal. Um dia já tivemos 4 campeões brasileiros, chegamos a ter só um, hoje temos dois.

      O wrestling defensivo definitivamente é muito mais do que sprawl e os lutadores estão realmente melhorando neste aspecto. Faz parte também da evolução do MMA, que é um esporte muito novo.

      Eu acredito que daqui a um tempo não haverá um predomínio claro de uma modalidade-base em relação a outra. E acredito que daqui a um tempo não teremos mais lutadores provenientes de modalidades-base (ou eles serão cada vez mais raros, caso nunca sejam extintos).

      • Paulo Josué Lemos Alves

        E isso será bom para as artes marciais? Daí vem aquelas ideias como certa vez apareceu, e não sei se vingou, das “faixas de MMA” do Greg Jackson.
        Não teremos daí atletas de decatlo e pentatlo que na realidade não são bons realmente em nada?

        • Os atletas de decatlo e pentatlo são bons em decatlo e pentatlo. Eles disputam essas competições.

          Faz um teste mental: quem ganharia um torneio de MMA hoje entre Rafael dos Anjos, Canelo Alvarez, Robin van Roosmalen/Giorgio Petrosyan, Jordan Burroughs e Rafael Mendes?

          Quem ganharia hoje uma competição de decatlo entre Ashton Eaton (atual campeão mundial de decatlo), Usain Bolt (100/200m), Greg Rutherford (salto em distância), Joe Kovacs (arremesso de peso) e Asbel Kripop (1.500m)?

          Responde sua pergunta?

  • Juan

    Massa!

  • Marcos Henrique Lira

    Excelente análise . Porém com o tempo o jogo vai ficando manjado e as lutas vão ficando mais difíceis. Lyoto machida que o diga. Sei que é muito difícil ser bom em tudo. Mas na minha opinião no mma de hoje o lutador tem que estar preparado para aonde a luta ocorrer.

    • Rodrigo Cruz

      Você está correto, Marcos. Porém, Lyoto deixou sua base aparente do karate. Assim como todo lutador, não pode deixar seu jogo manjado. Lyoto deixou. Mas pode-se reinventar sem perder suas características.

      • Só se reinventa no MMA quem consegue ampliar o leque. Se ficar preso a uma modalidade, não tem como.

        • Rodrigo Cruz

          Ampliar o leque não significa fugir de suas raízes.

          • Paulo Josué Lemos Alves

            Não acho que foi errado o Lyoto ter se aperfeiçoado em outras áreas, muito pelo contrário. Mas que parece que ele perdeu aquela essência dele do início de carreira, isso parece. Logicamente a idade aumentou, o jogo passou a ser estudado e etc, mas sinto que algo mudou ali.

  • Paulo Josué Lemos Alves

    Considero que JIu-Jitsu e Wrestling são obrigatórios no MMA, você tem que saber! Quanto ao striking, daí muita coisa pode ser aplicada e vem sendo o diferencial de vários lutadores. Caratê, Taekwondo, Sanshou, todas vem tendo grande aplicação e sucesso com diversos lutadores.

  • Gustavo krt

    gostei muito do texto, parabéns. acho que o karate não tem muitos representantes pq tem muitos professores de linha tradicional e muitos não são a favor do mma. um bom exemplo disso era o mestre machida que tbm era contra o nosso esporte. como karateca que sou , tenho visto muita resistência ainda quando se fala em mma. eu particularmente gostaria muito de fazer luta profissional mas devido a minha idade(30 anos) e o despertar tardio pra outras modalidades( 3 anos de jiu jitsu )…acho que não da mais pra mim. tenho me contentado em participar de camps de alguns amigos que lutam profissionalmente. na verdade tenho 5 lutas de mma mas apenas em camps de parceiros de treinos. mas é um orgulho pra mim…mesmo sem ser profissionalmente. sobre o karate como arte de origem eu acho muito foda quando vejo caras no ufc…gunnar, mcgregor, thompson,scorggins, lyoto. quanto a lyoto eu acho q ele abandonou fundamentos importantes no estilo dele…lyoto trabalhava muita sequência de soco e chute simultâneos e alguns outros golpes bem tradicionais q funcionavam. acho q ele deveria voltar um pouco mais a fundo no karate q o fez ser campeão..mas tbm concordo que a evolução em outras modalidades é extremamente necessária. pra seer campeão é preciso ser bom em tudo ou pelo menos ser muito bom na sua origem e saber bem as outras áreas do jogo.

  • Mumm Rá

    ” Dos muitos amigos que tenho nas lutas, alguns são oriundos do caratê. Porém, nos treinos e camps para lutas de MMA, seus treinadores querem mudar a ferro e fogo sua origem, inserindo, quase como um estupro, bases, movimentações e golpes de kickboxing e muay thai, levados pelo senso comum. Claro que influências de outras artes são importantes e devem ser levadas em conta, mas sem deixar de lado a origem de cada lutador. ”

    Por isso que o Karate ainda não é visto com frequência no MMA porque além do tradicionalismo exarcebado dos professores tradicionalistas ( grande maioria dos professores ) ainda existe a ignorância ( pessoal e profissional ) dos treinadores de MMA

    Ignorância Profissional: Falta de profissionalismo e de atualização ao negar o estudo de outras artes marciais ( prós e contras ) e se especializando somente em sua arte marcial ( muitas vezes repassando não somente os prós mas também os contras de sua arte marcial )

    Ignorância Pessoal: Infelizmente muitos treinadores ainda possuem uma visão equivocada e digna de ” jardim de infância ” de que ” minha arte marcial é melhor que a sua ” achando que sua arte marcial preferida é melhor do que outras artes marciais

    Karate não é a arte suprema ( até porque isso não existe ) porém ela possui muitos prós que devidamente adaptados para o MMA confere ótimas habilidades e golpes aos lutadores