Robbie Lawler toma o cinturão de Johny Hendricks e cumpre expectativa de uma década no UFC 181

Em novo combate de decisão controversa, Robbie Lawler bate Johny Hendricks na revanche e faz o cinturão dos meios-médios rodar. Na disputa do título dos leves, Anthony Pettis dá nova prova de genialidade e se torna o primeiro a finalizar Gilbert Melendez.

Em dez anos, Robbie Lawler deixou de ser um promissor candidato a conquistar o cinturão do UFC, foi dado como acabado para o MMA e finalmente alcançou o objetivo. A reviravolta na carreira teve o ápice na noite deste sábado, quando o Implacável bateu o então campeão Johny Hendricks na luta principal do UFC 181, que levou 9.617 torcedores ao Mandalay Bay Events Center, em Las Vegas, produzindo renda de US$2,488 milhões.

O duelo deu a impressão que seria uma repetição da guerra de março. Hendricks perguntou se Lawler queria tocar as luvas no começo, mas recebeu uma negativa como resposta. Quando Herb Dean autorizou o início, o desafiante mostrou que também não queria perder tempo e partiu para despejar uma saraivada insana de socos e joelhadas. Quando o inferno baixou, o campeão botou o wrestling para jogo, mas demorou a suplantar a defesa de quedas de Lawler.

Hendricks empatou o combate no segundo round e foi inteiramente senhor do terceiro. Neste intervalo, Robbie passou muito tempo avançando, mas lançando quase golpe algum, enquanto Johny trabalhava combinações de socos que quase sempre terminavam em chutes violentos.

Até este momento, o placar de 29-28 Hendricks era seguro. O campeão optou por uma abordagem pouco agressiva tentando derrubar o adversário. No minuto final, ao tentar um single leg, Hendricks foi metralhado por socos e cotoveladas no ground and pound. A pressão, mesmo por pouco tempo, fez com que dois juízes concedessem o assalto para Lawler, diferentemente da visão do MMA Brasil.

O quinto round foi parecido, mas com uma importante diferença: além de metralhar Hendricks no chão, Lawler terminou a luta do jeito que começou, caçando Hendricks pelo octógono e despejando o inferno para cima do barbudo. Neste caso, a virada no round foi clara, mas a luta foi marcada para o campeão por 48-47 pelo MMA Brasil e por Sal D’Amato, um dos juízes. Marcos Rosales deu o placar oposto, o que também foi aceitável. O problema foi o 49-46 para Lawler anotado por Glenn Trowbridge.

Os placares oficiais da vitória de Robbie Lawler sobre Johny Hendricks por decisão dividida

Os placares oficiais da vitória de Robbie Lawler sobre Johny Hendricks por decisão dividida

Depois de deixar o Strikeforce amargando campanha de 3-5, Lawler anotou a sexta vitória em sete apresentações desde que retornou ao UFC e se tornou o primeiro membro da American Top Team a conquistar um cinturão da organização. O próximo desafiante deverá ser Rory MacDonald, a quem Lawler venceu em 2013.

Anthony Pettis finaliza Gilbert Melendez em nova atuação gigantesca

Gênio. Não há adjetivo que descreva melhor alguém tão técnico, rápido, preciso e criativo como Anthony Pettis. Diante de seu maior desafio, o campeão dos leves se adaptou ao ótimo plano de Gilbert Melendez para finalizá-lo no segundo round.

Anthony Pettis pega Gilbert Melendez na guilhotina e faz o adversário batucar pela primeira vez na carreira

Anthony Pettis pega Gilbert Melendez na guilhotina e faz o adversário batucar pela primeira vez na carreira (Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC)

O desafiante parecia Cain Velasquez no terceiro confronto contra Junior Cigano. Sem dar brecha, Melendez avançou, encurtou a distância e misturou combinações de socos com clinch na grade e quedas. A tática deu certo por cerca de quatro minutos, até o público se dar conta que Melendez não é Velasquez e Pettis não é Cigano.

Quando captou o ritmo do oponente, Pettis conseguiu abrir espaço para golpear. Eles foram poucos no primeiro round, mas entraram com precisão e potência suficientes para fazer o córner de Melendez se preocupar. No segundo assalto, Pettis acertou vários ótimos socos no clinch e pelo menos dois ou três fortes chutes no corpo quando a distância aumentava.

Já com o adversário mapeado, Pettis deu o bote final ao reverter uma tentativa de queda e cair com a guilhotina encaixada. Melendez tentou defender, mas Pettis raspou e caiu na montada ainda com o estrangulamento travado. A velocidade de todo o movimento não deu chance para El Niño se defender e o obrigou a desistir na marca de 1:53. O “Showtime” mais uma vez comprovou o apelido.

Travis Browne domina Brendan Schaub e consegue fácil nocaute técnico

Num combate sem nenhum momento de competitividade, Travis Browne mostrou que há uma distância entre o top 5 da categoria dos pesados e Brendan Schaub, vice-campeão do TUF 10.

Travis Browne afastou Brendan Schaub do top 5 dos pesados

Travis Browne afastou Brendan Schaub do top 5 dos pesados Todd Duffee mostrou que está recuperado da doença que o afastou do MMA por dois anos (Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC)

O havaiano só teve o trabalho de defender duas entradas de queda do adversário, que o atacou visivelmente com técnica insuficiente. Quando o combate ficou de pé, Schaub lançou um overhand e nem viu de onde veio o uppercut de direita lançado por Browne. Brendan caiu atordoado e foi vitimizado por um violento ground and pound. Schaub se defendia apenas cobrindo o rosto, sem tentar escapar ou revidar. Quando deu as costas, Browne intensificou o castigo e finalmente o árbitro Mario Yamasaki interrompeu a dez segundos do fim do primeiro round.

Todd Duffee retorna com um nocaute relâmpago sobre Anthony Hamilton

O outro duelo de pesados do card principal do UFC 181 foi nada competitivo também, mas durou bem menos. Todd Duffee precisou de apenas 33 segundos para dar cabo de Anthony Hamilton.

Todd Duffee mostrou que está recuperado da doença que o afastou do MMA por dois anos (Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC)

Todd Duffee mostrou que está recuperado da doença que o afastou do MMA por dois anos (Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC)

Como Hamilton abriu fogo no começo, uma breve pancadaria aconteceu, inclusive causando um corte na testa de Duffee. Porém, depois de errar algumas tentativas, um míssil de direita mandou Anthony para o chão em estado precário. O ground and pound a seguir foi apenas o recado para Herb Dean mandar parar.

Tony Ferguson segue em evolução e finaliza Abel Trujillo

Novamente mostrando versatilidade na guarda e senso de oportunismo, Tony Ferguson anotou sua quarta vitória consecutiva ao estrangular Abel Trujillo no segundo round.

Tony Ferguson prepara a gravata de segurança de baile funk para pegar Abel Trujillo (Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC)

Tony Ferguson prepara a gravata de segurança de baile funk para pegar Abel Trujillo (Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC)

Como de costume, Trujillo começou a luta de modo violento, lançando pesados golpes contra o oponente e o levando a knockdown depois de um gancho de esquerda. Também como de costume, o queixo de concreto de Ferguson o ajudou a suportar a pressão inicial. O vencedor do TUF 13 foi consistentemente derrubado e teve que trabalhar na guarda sob o bombardeio do oponente. Porém, o gás de Trujillo foi se esvaindo e Ferguson cresceu no combate.

Quem voltou forte no segundo assalto foi Ferguson, que usou seu boxe de alta intensidade e chutes para magoar o adversário. Sem forças, Trujillo falhou nas tentativas de queda. Numa delas, viu o oponente pegar seu pescoço e tentar um mata-leão. Na verdade o estrangulamento não foi encaixado com tanta técnica, mas justa o suficiente para fazer Abel bater na marca de 4:19.