Por Alexandre Matos | 13/12/2015 06:05

Demetrious Johnson deve estar com as barbas de molho. Um a um, todos os grandes campeões do UFC vão caindo. Neste sábado, no histórico UFC 194, foram dois. A partir deste domingo, Conor McGregor e Luke Rockhold são os respectivos reis dos penas e médios depois de executarem José Aldo e Chris Weidman. O evento atraiu 16.516 para a MGM Grand Garden Arena, em Las Vegas, produzindo renda de US$10,1 milhões.

Nem mesmo o super confiante irlandês imaginava que teria tão pouco trabalho contra o número um do mundo peso por peso. Aldo começou na pilha, executou um chute baixo, recebeu um de volta e cometeu um erro primário ao lançar um mata-cobra aberto, com o queixo desguarnecido. Ao mesmo tempo, McGregor foi cirúrgico: com maior envergadura e bem mais rápido, o irlandês entrou com um direto de esquerda que explodiu contra o queixo de Aldo antes de o golpe do oponente se chocar com seu rosto. O representante da Nova União desabou e o cinturão unificado ficou com o europeu depois de apenas 13 segundos de luta.

Conor McGregor vê José Aldo desabar a seus pés

Conor McGregor vê José Aldo desabar a seus pés

A vitória de McGregor estabeleceu o novo recorde de luta de cinturão mais rápida da história do UFC, superando por um segundo a vitória de Ronda Rousey sobre Cat Zingano. O resultado ainda rendeu um dos bônus de desempenho para o novo rei dos penas.

O campeão dos moscas, Robbie Lawler e TJ Dillashaw foram os únicos donos de cinturão que passaram incólumes por 2015. Ronda Rousey, Anthony Pettis, Cain Velasquez, Carla Esparza e Jon Jones viram suas coroas mudarem de mãos no ano mais macabro da história do UFC. Sem querer agourar ninguém, mas ainda há uma última disputa na semana que vem.

Chris Weidman comete erro primário e é punido com surra e perda do cinturão para Luke Rockhold

Em outro combate muito aguardado, Chris Weidman e Luke Rockhold entregaram o prometido. Melhor para o ex-campeão do Strikeforce, que se junta a Ronda, Fabricio Werdum e Daniel Cormier na lista de quem conquistou o principal cinturão do mundo vindo da extinta organização.

Weidman começou a luta muito bem, com um tempo muito apurado na transição para a luta agarrada. Ele chegou a mochilar, tentar um mata-leão, dominou no clinch e escapou de ser raspado. Porém, Rockhold passou a conectar chutes diversos. O novo cenário não chegou a virar o round, mas deixou o combate aberto.

No segundo assalto, Luke intensificou o ataque e chegou a balançar o campeão, que mais uma vez mostrou queixo e coração enormes para suportar a pressão contra a grade. Weidman teve mais dificuldade para conseguir as quedas e quase acabou por baixo num contragolpe. Em pé, ele aceitou a troca franca em alguns momentos e levou a pior. No entanto, o campeão teve um bom minuto e meio final, parecendo ter encontrado o tempo dos chutes de Rockhold. Ainda assim, luta empatada em 19-19.

Os rumos do começo do combate pareciam ter voltado no terceiro quando Weidman reorganizou o wrestling entre os chutes de Rockhold. E foi exatamente um chute que resolveu a parada. Chris lançou um chute alto rodado esdrúxulo que foi facilmente bloqueado e contra-atacado por Luke. O desafiante rapidamente botou para baixo, chegou à montada e soltou o inferno em forma de socos e cotoveladas que arrombaram o rosto de Weidman. Este ainda tentou mostrar resistência, manteve os ombros fora do chão, tentou conter os punhos de Rockhold, mas foi paulatinamente minguando e afogado em sangue. O árbitro Herb Dean poderia ter interrompido o massacre, mas deixou seguir até a buzina. Um 10-9 que estava encaminhado para Weidman virou 10-8 para Rockhold.

Chris ainda foi bravo de voltar ao quarto, mas o fim era questão de tempo. Rockhold defendeu uma tentativa de queda e não teve a menor dificuldade de chegar no chão em posição de destaque, agora prendendo Weidman contra a grade. Nova saraivada de socos e desta vez Dean não foi imprudente, decretando que os pesos médios tinham um novo rei na marca de 3:12. O combate foi justamente bonificado como o melhor da noite.

Yoel Romero vence Ronaldo Jacaré em luta controversa

O novo campeão dos médios já sabe quem será seu primeiro desafiante caso uma revanche imediata não seja concedida. O cubano Yoel Romero manteve sua invencibilidade no octógono e na categoria ao bater Ronaldo Jacaré em combate duro e que novamente levanta a polêmica do método de pontuação.

Romero iniciou o combate respeitando muito o chão de Jacaré. O cubano optou pela movimentação lateral, enquanto o brasileiro buscou os avanços retos para tentar encurtar. Como era mais rápido, Romero acertou os melhores golpes na primeira etapa, inclusive um soco rodado que mandou Ronaldo a knockdown. A vantagem se intensificou quando o ás do jiu-jítsu tentou puxar o ás do wrestling para a guarda e entendeu no jeito dolorido que isso não era uma boa ideia. Romero mergulhou na guarda de um dos maiores grapplers da história e desceu o sarrafo enquanto defendia um ou outro bote.

No segundo assalto, Romero se meteu em mais uma confusão. Ele estava pressionado contra a grade, com Jacaré buscando a queda, quando evitou o prejuízo agarrando acintosamente a grade. De quebra, ainda caiu por cima. Antes que o brasileiro sofresse danos, o árbitro Marc Goddard interrompeu e mandou os lutadores se levantarem. Porém, ao invés de descontar um ponto de Romero, Goddard apenas o advertiu verbalmente. Yoel diminuiu o ritmo e viu Jacaré levar vantagem na parcial.

No terceiro assalto, o capixaba voltou com senso de urgência e conseguiu derrubar o campeão mundial de wrestling. Porém, na hora de mostrar as habilidades de campeão de jiu-jítsu, Jacaré optou pelo ground and pound. Foi suficiente para vencer o round com clareza, mas deixou o apertado segundo round decidir a parada.

Os juízes mais uma vez mostraram a diferença entre o julgamento no sistema de 10 pontos e a da luta completa. Por esta segunda visão, seria correto conceder a vitória a Romero, que causou mais danos durante o combate. Porém, numa análise round a round, Jacare venceu o segundo e o terceiro. Na contagem oficial, Glenn Trowbridge anotou um tosco 29-27 para Romero, Tony Weeks confirmou a vitória cubana com um 29-28 e Lester Griffin a transformou em decisão dividida ao marcar 29-28 para Jacaré.

Demian Maia ministra aula de grappling para Gunnar Nelson

Num duelo entre o homem que melhor migrou o jiu-jítsu para o MMA contra um medalhista no absoluto do ADCC, melhor para o faixa-preta brasileiro. Demian Maia aplicou um passeio em Gunnar Nelson e saiu pedindo chance pelo título.

O combate até que deu pinta de ter certo equilíbrio em seu começo. Mesmo bem maior fisicamente, Maia não teve facilidade para derrubar Nelson e, quando o fez, também encontrou dificuldade para dominá-lo no chão. Mas isso foi questão de tempo. Logo a maior habilidade do paulista prevaleceu e a aula começou.

Demian pegou as costas inúmeras vezes, montou duas vezes e trabalhou um ground and pound mais intenso do que seu normal. Nelson se defendeu com brilhantismo de uma chave de braço, mas não fez nada mais do que apenas evitar os ataques do brasileiro, que terminou a luta com ampla vantagem nos golpes conectados – 218 a 6. No final, o MMA Brasil marcou 30-25, mesmo placar anotado por dois dos juízes oficiais, enquanto o terceiro ficou com 30-26.

Fundador e editor-chefe do MMA Brasil. Colunista do site oficial do UFC. Prestes a se aposentar e virar colunista especial do próprio site.