Randa Markos e Marina Rodriguez empatam após luta animada no UFC São Paulo

Por Diego Tintin | 23/09/2018 00:17

No combate que abriu os trabalhos do card principal do UFC Fight Night 137, em São Paulo, a estreante brasileira Marina Rodriguez e a iraquiana naturalizada canadense Randa Markos fizeram uma grande luta, de muita entrega e com vários momentos de troca de golpes franca. Na leitura das papeletas, um empate majoritário, que ao menos não castigou uma das atletas com uma derrota que seria muito dolorida.

Markos começou o combate buscando se impor com a intensidade que é sua marca registrada. Marina contragolpeou com eficiência, mas não evitou a aproximação da canadense. Randa aproveitou o clinch para derrubar e, sem perder tempo, escalou as posições e alcançou a montada. De lá, ela bateu na brasileira com certa contundência, mas logo Rodriguez conseguiu repor a meia guarda, o que lhe deu um alívio temporário. Mas voltou a passar sufoco quando Markos passou a guarda e ficou na posição de cem quilos desferindo curtas cotoveladas, sem enorme contundência. Mas o suficiente para garantir o 10-9 no round, com certo risco de ser visto pelos juízes como 10-8.

O segundo assalto começou com novamente a moça do cabelo vermelho partindo com tenacidade pro combate, mas desta vez a brasileira ao contra-atacar, não deu espaço para levar a queda e equilibrou o duelo. Os chutes na perna eram uma importante arma de Marina para evitar a aproximação de Randa. Trocando muita pancada no centro da área de luta, as duas valentes meninas fizeram a alegria da torcida, embora o ritmo tenha caído de forma visível ao fim da parcial. Rodriguez saiu de uma situação difícil no combate para levar o round por pequena margem.

Já o terceiro round começou insano, com troca de sopapos no meio do octógono, queda de Markos e Marina levantando de forma inteligente. Mais troca de socos e Randa aproveitou um certo cansaço da brasileira para derrubar e passar a meia guarda, dominando e estabilizando a posição no solo. Chegando ao controle lateral, parecia com a luta nas mãos, mas Rodriguez tirou da cartola uma linda raspagem utilizando a grade e conseguiu voltar com a luta em pé. Perdendo o assalto e a luta, Marina ligou o senso de urgência e, mesmo muito cansadas, as atletas voltaram a trocar golpes. É de se destacar a recuperação da brasileira, com muito coração, após um difícil round inicial.

No fim, foi deixada uma dúvida quanto a esse round final e o resultado da luta. Fechamos aqui com  um 29-28 em favor da americana, placar repetido por um dos jurados. Os outros dois marcaram empate em 28-28, o que tornou o resultado final da luta um empate majoritário.

Filósofo de botequim. Engraçadinho de sofá. Torcedor de radinho. Guerreiro de teclado. Cantor de chuveiro. Jogador de bermudão. E analista de meia-tigela.