Por Edição MMA Brasil | 30/12/2012 19:01

Por Fernando Silva

Pôster do DREAM.18 & Glory 4O DREAM, evento que recebe forte torcida desde o seu surgimento para que um dia consiga levar o MMA japonês ao patamar que outrora esteve com o PRIDE, irá realizar sua 18ª edição, a acontecer na noite desta segunda-feira, dia 31, na Saitama Super Arena.

O evento será realizado pela Glory Sports International em parceria com o ONE FC, ambas as companhias localizadas estrategicamente na riquíssima Singapura. Podemos reconhecer a primeira por ter promovido eventos com lutadores da famosa academia holandesa Golden Glory e a segunda por ter sido bastante festejada, desde o seu surgimento, por ser a maior companhia de MMA da Ásia e por promover lutas com regras parecidas com as do PRIDE. A junção de forças da GSI com o ONE FC gerou este evento formado por lutas de MMA e Kickboxing.

DREAM.18: Lutas de MMA

Como esperado, o card de MMA será recheado de lutas com representantes locais, contando com vários veteranos.

A principal luta da noite será protagonizada pela maior estrela do DREAM, o discípulo do lendário Yuki Nakai, Shinya Aoki. Especialista em jiu-jítsu, atual dententor do cinturão dos pesos leves do evento, ele irá enfrentar o veterano americano Antonio McKee. McKee tem um cartel com várias vitórias, mas dificilmente conseguirá superar o adversário que se encontra em outro nível técnico.

O controverso veterano Phil Baroni enfrenta um dos algozes de Shinya Aoki, o também veterano Hayato Sakurai. Baroni, que um dia lutou de igual para igual contra Frank Shamrock, vem embalado por uma vitória arrasadora contra Rodrigo Ribeiro em luta promovida pelo ONE FC, em agosto. Na oportunidade, o americano venceu rapidamente após encaixar uma bomba no queixo do brasileiro e pressionar com mais socos e tiros de meta, não dando chance do faixa-preta de jiu-jítsu se recuperar. Caberá a Sakurai tentar explorar o lado psicológico de seu adversário, que apresenta sérios problemas de autoestima, expostos ao público no documentário “Fight Factory”, da American Kickboxing Academy, e procurar prolongar a luta, levando seu anabolizado oponente a se cansar e se frustrar.

O kickboxer holandês Melvin Mahoef enfrentará o ex-UFC Denis Kang, em luta que difícilmente chegará ao final. Se Denis Kang conseguir evitar as pedradas de Manhoef, o faixa preta de jiu-jítsu poderá anotar mais uma vitória por finalização na sua conta.

Bibiano Fernandes, o brasileiro do card e outrora detentor do cinturão dos penas do DREAM e agora em posse do cinturão dos galos, irá enfrentar Yoshiro Maeda, em luta deve culminar em vitória para nosso compatriota.

Os outros três combates do card apresentam os experientes lutadores locais Hiroyuki Takaya, que já venceu Bibiano, Satoru Kitaoka, que ostenta vitória sobre Carlos Condit, e Tatsuya Kawajiri, que já disputou o cinturão do Strikeforce.

Glory 4: Lutas de Kickboxing

O torneio de kickboxing está programado para ter oitavas-de-final, quartas, semis e final na mesma noite e vai contar com a participação de lutadores do porte de Peter Aerts, Semmy Schilt, Remy Bonjasky, Daniel Ghità, Gokhan Saki, Errol Zimmerman, Sergei Kharitonov, Anderson “Bradock” Silva e seus menos famosos, mas não menos perigosos, adversários.

As chaves do torneio foram montadas de forma que o peso pesado número dois do mundo possa ter sua revanche contra o número um na grande final do evento. Para que isto aconteça, os favoritos Daniel Ghità e Semmy Schilt precisam fazer suas partes, o que estará longe de ser uma tarefa fácil, principalmente para Schilt. O holandês de 39 anos, além de mais velho e menos técnico, está em uma chave muito mais complicada.

Chave Ghità

Se nada de anormal acontecer, é praticamente certo que Daniel Ghità chegará à final. Desde que perdeu para Hesdy Gerges em março de 2011, ele venceu facilmente todas as suas sete lutas seguintes por nocaute, sendo uma delas contra o próprio Gerges. Se seus adversários desta noite já teriam dificuldades de enfrentá-lo quando estavam no auge, essa tarefa torna-se praticamente impossível agora que estão em baixa.

Remy Bonjasky, que costuma crescer quando o casamento das lutas lhe favorece, deve atingir as semifinais, mas de lá não passará. Errol Zimmerman pode chegar às quartas e Peter Aerts, que já confessou em 2010 que não tem idade para fazer mais do que uma luta por noite, poderá nem passar do primeiro desafio.

Chave Schilt

Semmy Schilt e seu primeiro adversário já se enfrentaram em março desse ano, numa luta que foi decidida pelos juízes em favor de Schilt, que realmente dominou a luta. Brice Guidon está mais experiente e pode chegar na luta com uma estratégia diferente para tentar surpreender o gigante. O francês enfrentou Gokhan Saki em 2011 e também perdeu por pontos. Guidon tem vitórias sobre dois participantes desse torneio: Rico Verhoven e Mourad Bouzidi. Mesmo que chegue à final, o holandês de 2,13m terá despendido muito gás no processo, já que suas lutas têm tudo para durar cinco rounds.

Rico Verhoven, de 23 anos é o mais novo do torneio e tem chances reais contra Kharitonov, já que possui mais lutas que seu adversário. Com cinco lutas de kickboxing e 24 de MMA no cartel, Kharitonov pode ser considerado o representante das artes marciais mistas no torneio.

Gokhan Saki também tem a chance, embora muito remota, de protagonizar uma aguardada revanche na final. Em 2010, ele praticamente deu a vida na luta contra Ghità para vingar a derrota humilhante sofrida por seu amigo Kharitonov. Neste ano, o lutador de 1,83m teria que passar por algumas guerras até chegar à decisão e, se chegar, provavelmente perderá facilmente, pela fase em que os dois estão.

Anderson Silva e Igor Jurkovic começaram a lutar mais ou menos no mesmo ano, têm idades parecidas e estão em um bom nível. Apesar do cartel do crota ser mais vencedor, o xará do Spider vendeu caro suas derrotas, com destaque para a surpreendente performance contra Badr Hari. Braddock tem a vantagem nessa luta. Se a vitória for realmente para o brasileiro, ele terá grandes chances de avançar ainda mais e, dependendo de quem encontrar pela frente (caso não seja Semmy Schilt), poderá surpreender e chegar à final.

O evento ainda contará com lutas casadas de kickboxing, uma na categoria peso pesado, com participação de Jérôme Le Banner, e uma de peso leve.

O evento promete. Boas festas a todos.