Prévia de Floyd Mayweather vs. Andre Berto: Mayweather MasterChef

No próximo sábado, Floyd Mayweather Jr sobe no ringue para igualar o recorde de Rocky Marciano na luta que pode ser a última de uma estelar carreira. Será que Andre Berto pode representar risco ao astro?

Tão óbvio quanto Floyd Mayweather Jr ser o grande primor técnico surgido no boxe pelo último quarto de século é o fato de se tratar de um mestre na arte de cozinhar a luta fora do ringue, antes mesmo que a mesma aconteça.

Seu adversário no próximo sábado, pelos cinturões dos meios-médios da Associação e Conselho Mundial de Boxe (WBA e WBC), o americano Andre Berto, apresenta certo nome além de um bom cartel, porém longe de ser um adversário à altura da ocasião; visto que há indícios desta luta ser o canto do cisne para Money May – seu contrato de seis lutas com o canal Showtime termina neste compromisso e o superastro já disse que não pretende fazer a 50ª luta. Ainda que as únicas três derrotas de Berto tenham vindo pelas mãos de oponentes competentes, o que está em pauta aqui é um desafio frente ao sujeito que dominou todos aqueles que ousaram em pisar no mesmo quadrilátero, inclusive dois dos quais bateram o próprio Berto (Victor Ortiz e Robert Guerrero).

A exemplo da (tardia) luta contra Manny Pacquiao, um combate contra Andre Berto estaria na plenitude de seus potenciais desportivos e de mercado caso fosse casado no retorno de Floyd aos ringues. Em 2009, ainda que Berto não ostentasse o mesmo nome de hoje, já era campeão do WBC e vinha, ainda invicto, de sequência de nocautes frente a adversários relevantes para o período. Talvez o desfecho fosse o mesmo da luta contra Juan Manuel Márquez, mas talvez a sensação que isso acontecerá de fato ao final do último round no próximo sábado não fosse tão evidente quanto hoje.

Andre Berto não é um lutador qualquer. Possui excelente físico, quase sempre comanda o ritmo das lutas, tem bom queixo e um upper de direita devastador. Vem da forte escola de boxe amador americana, tendo sido campeão do Golden Gloves e medalhista de bronze no Mundial de 2003. Chegou a disputar os Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, representando o Haiti de seus pais. Em seu cartel profissional, possui vitórias expressivas frente a Luis Collazo, Carlos Quintana e mais recentemente recebeu o cinturão interino da WBA após um nocaute técnico sobre Josesito López. Não são credenciais de se jogar fora; pelo contrário, trata-se de um lutador com história no esporte para ser visto como um campeão relevante.

Contudo, de luvas calçadas, sobre a lona cercada de cordas, a diferença na proporção de capacidade técnica e de lutas em grandes palcos transforma Mayweather num titã frente a mais um mero humano. Mas quem espera por uma luta que lembre um filme de proporções épicas pode acabar com a impressão de que assiste a um discurso político.

Ainda que Mayweather venha com a mentalidade de sua primeira luta com Marcos Maidana e permita encontros no centro do ringue, a diferença no uso da distância (Mayweather possui maior envergadura) e velocidade devem garantir a vantagem nas trocas para Floyd. Ainda que Berto consiga cortar o ringue e pressionar o adversário contra as cordas, é pouco provável que apresente algo a ponto de fazer o que poucos fizeram e furar momentaneamente uma defesa praticamente impenetrável.

Floyd Mayweather Jr desfilará mais uma vez para a decisão unânime, igualando o recorde de 49-0 do lendário Rocky Marciano, US$35 milhões mais rico, mas deixando no fundo das nossas cabeças aquele gostinho de: “E se fosse o Amir Khan?”

O canal FOX Sports Brasil vai transmitir o combate ao vivo no próximo sábado. A programação está marcada para começar às 21:30h, no horário de Brasília. Antes da luta principal haverá outros dois combates importantes, valendo cinturões mundiais do Conselho e da Organização Mundial de Boxe:

Badou Jack (SUE, 19-1-1) vs. George Groves (ING, 21-2) – cinturão dos supermédios versão WBC

Román “Rocky” Martínez (PUE, 29-2-2) vs. Orlando Salido (MEX, 42-13-2) – cinturão dos superpenas versão WBO

Nota do editor: trataremos a polêmica em relação ao antidoping de Mayweather na luta contra Pacquiao e o problema de credibilidade da USADA em artigo isolado e na próxima edição do podcast.