Podcast It’s Time! Episódio 172: Análise do UFC 205, parte 2

Na sequência da análise do enorme UFC 205, uma edição extra do podcast para abordar as demais lutas por cinturão, duelos com caráter eliminatório e o impacto em dois brasileiros que nem lutaram.

Quando nosso podcast mudou de casa e ganhou ares profissionais, alguns dos seguidores mais fiéis do programa expressaram preocupação com a duração de cada episódio. Prometemos não deixar ninguém na mão e agora temos a primeira oportunidade de cumprir a promessa. No começo da semana foi ao ar a primeira parte da análise do gigantesco UFC 205. Agora complementamos o debate com um episódio extra, o 172.

OUÇA MAIS It’s Time! Episódio 172: Análise do UFC 205, parte 1

No link acima, vocês ficam com a primeira parte do programa desta semana, que abordou o lado do peso leve do UFC 205, com as vitórias de Conor McGregor e Khabib Nurmagomedov e seus respectivos desdobramentos. O episódio 172 começa subindo um nível na balança para debater o empate entre o campeão meio-médio Tyron Woodley e o desafiante Stephen Thompson, abordando o impacto que o resultado tem nas pretensões de Demian Maia.

Outro brasileiro impactado pelo UFC 205 sem ao menos ter lutado é Ronaldo Jacaré. Este foi o assunto seguinte, quando nossa equipe debateu a vitória de Yoel Romero sobre Chris Weidman. Ainda dentro do mote da tripla disputa de título, falamos também da vitória de Joanna Jedrzejczyk sobre Karolina Kowalkiewicz, pelo cinturão da categoria mais leve do UFC.

Ainda houve mais dois assuntos relevantes para fechar o programa: a aposentadoria de Miesha Tate, derrotada por Raquel Pennington, e mais uma demonstração de tenacidade de Frankie Edgar, que quase tombou diante de Jeremy Stephens.

ATENÇÃO Este episódio está disponível no formato antigo do podcast, não aparecerá no feed novo da Central3. Então utilize um dos links abaixo do player desta matéria para atualizar seu feed pelo local correto. Na semana que vem voltaremos pela Central3.

apoia-se-logo-180-100

Quer se tornar um COLABORADOR do MMA Brasil e concorrer a prêmios, participar do podcast e ajudar a fazer um site cada vez melhor? Conheça todos os BENEFÍCIOS do nosso projeto no APOIA.SE!

Endereço para assinar o podcast pelo iTunes: https://itunes.apple.com/br/podcast/its-time!-o-podcast-do-mma/id939262973

Endereço para quem preferir assinar o feed RSS do podcast por outras vias: http://www.mmabrasil.com.br/feed/podcast

Versão do episódio 172 em arquivo compactado (.zip) (clique com o botão direito do mouse e em seguida selecione “Salvar link como”)

  • Cássio Rafael Guimarães Nascim

    Qual o nome dessa música de entrada?
    Aquela das demais entradas, estilo boxe das antigas (não sei o nome do ritmo, realmente), qual o nome também, por favor?
    Jogando duro no repertório HEUEHUEH

    • Bruno Fares

      Empire State of Mind foi a música desse programa porque fala de NY.

      Mas a música geralmente é Hold On I’m Coming

  • Fulano de Tal

    A Sharapova ganhou 5 grande slans na simples e não 2; a Serena Willians ganhou 22 na simples e não 25.

    • Bruno Fares

      Entendo sua correção, falamos de cabeça, mas isso não muda o ponto da análise.

    • O que eu falei era modo de falar, foi ordem de grandeza. Não faz diferença ter sido 22 x 5 ou 25 x 2.

      • Fulano de Tal

        Se você acha…

  • Weslei Alvarenga

    Como já tinha comentado no Sexto Round, o Damian merece ganhar o Oscar de melhor roteiro azarado. Só falta saber o quanto de gancho médico o Thompson receberá, pra ter uma média de tempo pra revanche, se eu fosse o Damian esperaria, continuava treinando, focava na preparação física, e quando remarcarem, inicia um camp e liga pro Dana falando se alguem se lesionar só me chamar.

    No clássico polonês, msm sabendo q a Joanna era superior em tudo levei em consideração duas coisas :

    1 – Vai da luta ! As 2 vão cair na porrada ( como aconteceu ).

    2 – Karolina sempre surpreende nas lutas ( como aconteceu dnv, mais incisivamente ), ela lutou bem, só q ela levava prejuizo, conectava 3 mas levava 5 ou mais.

    Pra mim tbm a bola da vez é a Jessica, mas ele tem q fazer mais uma luta ( tem rumores q ela enfrenta a Esparza no 207 ).

    Na situação dos penas, se o Holloway for campeão, se Aldo e Mcgregor abdicassem dos seus títulos, já terá limpado a categoria msm sendo recém coroado, seria bizarro isso kkkkkkkkkk…..

    Eu tbm gostaria de ver o Edgar nos galos, só tenho curiosidade do impacto pra ele seria a adaptação pra nova categoria e ele vai entrar definitivamente num peso q a “idade de cachorro” bate forte ( Faber e Picket q o digam ).

    • Demian disse que ofereceram o Robbie Lawler pra ele e que ele estaria esperando marcarem Woodley-Thompson 2 pra aceitar a luta no mesmo evento.

      Holloway precisaria ganhar do Frankie Edgar (Chad Mendes só volta em 2018).

      A “idade de cachorro” pode ferrar uma mudança do Edgar mesmo.

  • Franklin Stein

    Vale ressaltar que a entrada de queda do Weidman sem finta, não foi a primeira da luta, ele deu mole pra um cara explosivo e experiente nessa área. Agora o Weidman é um cara que absorve muito bem as pancadas e term uma tolerância a dor altíssima mas quando a joelhada explodiu ele fez uma cara de dor! e quando jorrou o sangue, putz! achei que tinha acontecido algo pior do que o trauma do Evangelista Cyborg… chega fechei os olhos.

    A Joanna é um demônio mas que garra que tem a Karolina Kowalkiewicz!! engolia o volume da Joanna e continuava indo pra cima!

    Aposentadoria da Miesha, muita gente sem bater o peso, achei o Weidman menos “trincado” será um efeito da nova política antidoping, talvez ainda mais rigorosa nessa estréia em NY?

    Jim Miller e Jeremy Stephens mereciam um prêmio pelo conjunto da obra, ganhando ou perdendo, sempre fazem boas lutas.

    • A joelhada do Romero deve ser uma bomba.

      Sobre a questão do doping, acho que é especulação, mas pode ser.