Podcast It’s Time! Episódio 143: Lesão de Cormier e Jones-OSP; Aldo-Edgar 2 no UFC 200; Ingressos do UFC 198

Podcast It’s Time! Episódio 143: Lesão de Cormier e Jones-OSP; Aldo-Edgar 2 no UFC 200; Ingressos do UFC 198
MMA

O podcast teve a participação de mais um ouvinte e o primeiro sorteio do sistema de colaboradores. Falamos ainda dos cinturões interinos para Aldo-Edgar 2 e Jones-OSP, com as respectivas diferenças de peso, além da venda de ingressos para o UFC 198, a tal luta coprincipal do UFC 200 e uma prévia do UFC Croácia.

Tentamos diversificar o máximo numa semana com equipe fortemente desfalcada e ainda sem UFC ou Bellator para abordar. O episódio 143 então começou no boxe, terminou na Croácia, passou por Curitiba, Las Vegas e trouxe informação do Canadá. Como pontos altos do programa, o primeiro sorteio de presente e a segunda participação de um colaborador do nosso projeto de financiamento coletivo. Guilherme Anami manteve o alto nível do debate, mostrando que nossos leitores definitivamente são os melhores do mundo.

Em relação ao evento brasileiro, abordamos a difícil e rápida venda de ingressos para o enorme UFC 198, que estabeleceu novos recordes para a maior organização mundial em solo brasileiro. Infelizmente tivemos que abordar a triste prática do cambismo, canhestra atividade realizada até por quem acha que não faz nada de mal.

O UFC 200, muito debatido na semana passada, voltou à tona com a confirmação as revanches entre Conor McGregor e Nate Diaz, além de José Aldo e Frankie Edgar, que disputarão um insólito cinturão interino num evento em que o campeão estará em ação em outra categoria. Falando em título interino, o UFC 197 promoverá um entre Jon Jones e Ovince St. Preux, já que o campeão Daniel Cormier se lesionou e teve que abandonar o evento. Aproveitamos a oportunidade para diferenciar os dois títulos provisórios e chegar à conclusão que um pode ser até considerado mais real que o real.

Complementando os assuntos, uma rápida prévia da estreia do UFC na Croácia, com um card liderado por quatro lutas de pesos pesados e Junior Cigano contra Ben Rothwell no topo da lista. Iniciamos o debate com o Minuto do Boxe, que falou sobre a trilogia entre Manny Pacquiao e Timothy Bradley, que pode ser a última luta da carreira do filipino.

Endereço para assinar o podcast pelo iTunes: https://itunes.apple.com/br/podcast/its-time!-o-podcast-do-mma/id939262973

Endereço para quem preferir assinar o feed RSS do podcast por outras vias: http://www.mmabrasil.com.br/feed/podcast

Versão do episódio 143 em arquivo compactado (.zip) (clique com o botão direito do mouse e em seguida selecione “Salvar link como”)

  • André Oliveira

    Boa noite pessoal. Várias boas lutas caindo este ano, Anjos vs McGregor, Werdum vs Velasquez e agora DC vs Jones. Eu não acompanho o MMA a tanto tempo, é normal tantas lutas por cinturão caindo assim? Será que há algum motivo para os lutadores estarem se lesionando mais? Aproveito para parabenizar o artigo “Ele é de vidro?” que saiu depois da lesão do Velasquez, curto as discussões sobre os prós e cons da dualidade treino leve/pesado (na falta de termos mais apropriados).

  • Lero

    Sobre o McGregor jogar para o lixo o camp dele porque estava se preparando para o Rafael, não estou encontrando o link da cita dele onde ele fala uma coisa tipo “Eu nunca preparo para ninguém em especifico, eu só treino para mim” Claro, qualquer pessoa como entendimento de MMA sabe que quem fala aí é o personagem McGregor e não o lutador dentro do cage, mas se nas futuras entrevistas e coletivas de imprensas ele falar alguma coisa diferente para justificar uma segunda luta, vai ser igual que o “Luto contra ele em qualquer momento e qualquer lugar” do Aldo. Espero que a imprensa especializada cobre.
    Alias, desde a minha visão absolutamente amadora, Ele vai ter que intentar fazer a mesma coisa que ele fez na primeira luta para ganhar do Nate na primeira luta se ele quisesse ganhar (intentar nocautear no primeiro round) Explico:
    -Em três meses ele não vai virar um bom MMA wrestler que nem o Bendo para amarrar/ter fator imprevisibilidade entre trocação-quedas.
    – Em três meses ele não vai virar um faixa preta capaz de encarar Nate no chão.
    – Em três meses os braços dele não vão crescer 4 polegadas, para poder jabear o Nate desde a distancia e cozinhar a luta por vários rounds.
    -Em três meses ele não vai ter mais cardio que um Diaz.
    -Em três meses duvido que ele vai ter potencia o técnica de chute nas pernas que nem o Rafael.
    -Já vimos que com dois combinações de 1, 2 no queixo ele vira um “panic wrestler” O queixo do Nate é bem melhor.
    Então, para mim. Ele tem a estratégia certa, ir que nem um Belfort no primeiro round. Porque além desse round fica difícil. Nate é um casamento muito ruim para o Conor.

    • Lero

      +1 -Duvido que ele em três meses desenvolva chutes na cabeça para nocautear que nem o Thomsom.

      • O arsenal de chutes do McGregor é maior que o do Thomson, cara. O bacana é carateca e taekwondista.

        • Lero

          O arsenal sim, mas salvo um chute contra o Brandão, me parece que aqueles chutes são mais para preparar o direito de direita e não para nocautear.

    • Anderson Cachapuz

      “Eu nunca preparo para ninguém em especifico, eu só treino para mim”

      Aldo que o diga… aquele vídeo treinando o golpe que nocauteou o Aldo é emblemático como exemplo…

      • André Oliveira

        Eu ouvi o Joe Roegan falando que tinha um vídeo do McGregor emulando o exato movimento de cabeça do Aldo. Mas até agora não sei que vídeo é esse. Poderiam postá-lo?

      • É isso. Quem é campeão do UFC “treinando apenas pra si”?

        • Anderson Cachapuz

          Exato.. não existe isso, é só parte do personagem….

    • Com certeza era papo do McGregor a parada de não treinar. Como o pessoal disse aí embaixo, o golpe no Aldo mostrou o contrário. Nem precisa que ele seja cobrado.

      Sobre a tática, não necessariamente pode ser assim. Veja:

      – Envergadura: há diversos drills pra se adaptar a isso. Esse definitivamente é o menor dos problemas de um striker do nível do McGregor.

      – Ser um faixa preta de jiu-jítsu: depende do estado dele ao ir pro chão. Se ele estiver cansado e abatido, vai ser presa fácil. Ele não vai lutar submission e não precisa trocar giro e posição. Ele precisa se defender.

      – Ser um wrestler: tecnicamente o cara que derrubou várias vezes o Holloway derruba o Diaz. Aqui entra novamente o estado dele ao ir pro chão. Se fizer que nem na luta passada, vai se foder. Se entrar com o timing correto (que ele sabe fazer), pode derrubar sim.

      – Panic wrestler: acho bem precipitado afirmar isso (até porque isso também tem treino envolvido).

      • Lero

        A envergadura acho sim um problema bem grande contra Nate, porque ele também é canhoto, boxer e bom medidor de distancia. Conor está costumado a matar lutadores baixinhos e não canhotos (e preferiblemente grapplers) e comer no café da manhã. Nate muda todo.
        Holloway era quase uma criança na luta contra McGregor. Bendo, RDA e até Thomson podem derrubar qualquer um nessa categoria não chamado Khabib Nurmagomedov (E até poderiam de repente ) Acho um pouco injusta a comparação do Holloway começando a carreira no UFC com um Nate no auge.

        • A defesa de quedas do Diaz é bastante limitada. Ele praticamente foi derrubado em todas as lutas da carreira.Só contra Cerrone, Gomi e Markham que ele não foi derrubado. Em oito lutas ele levou 3 ou mais quedas.

          Envergadura é problema, mas tem um camp inteiro pra se adaptar. Ou seja, é um problema contornável pra um striker do nível dele.

  • Fernando Reporta

    Aldo X Edgar tem tudo para ser histórico. Além do ápice técnico que essa luta proverá, o combate definirá, após a divulgação do vencedor por Bruce Buffer, a história dos lutadores em questão.

    Definirá que Aldo teremos no futuro: o campeão completo de técnica ímpar e forte disciplina mental ou um lutador desmotivado, rascunho do ferrolho que foi um dia.

    Definirá que Edgar teremos após o combate: o terceiro lutador na história do UFC a ser campeão em duas categorias distintas ou um excepcional lutador, ainda ignorado pelo público médio.

    Poderá decidir – se o McGregor perder e aceitar descer duas categorias – que será o novo milionário no plantel do UFC.

    E de uma coisa podemos ter certeza: se nenhum dos lutadores deixar o combate por lesão, será a melhor luta do UFC 200.

    • Pois é, tem disso tudo. Só não afirmo que será a luta do UFC 200 porque parece que ainda tem uma grande pra ser anunciada. Vai que metem o Robbie Lawler…

      • André Oliveira

        Então, a luta do Aldo vs Edgar tem que ser 5 rounds pois é disputa de cinturão (ainda que interino), McGregor vs Diaz é evento principal, ou seja, 5 rounds também. Se não me engano, vocês tinham dito que não “cabiam” mais que duas lutas de 5 rounds por motivos de tempo de exibição. Por isso não dá pra descartar uma outra disputa de cinturão como Lawler vs GSP?

        • O card principal pode ter 4 lutas ou podem aumentar o tempo do satélite.

  • Bruno Fares

    Baita edição, parabens Guilherme pela participação!

    • Cara, eu não sei mais ancorar. Tinha pergunta maneira nos comentários do Youtube e eu deixei passar, apesar de ter visto. VOLTA, SADER! #PeloFimDoVampetismoNoMMABrasil

      • Bruno Fares

        Hoje acordei as 4h, fui pra Brasilia, voltei e ainda não parei de trabalhar!

        • Fiscal de Podcast

          Advogado em brasilia…hum… não vai ter golpe!?(brincadeira em)

  • Allan Philip

    Opa! eaee Alexandre, bom? Eu me lembro q parei entre o os 40 – 50 minutos. Tem como vc dar um feedback do tempo de cada assunto? Vlw desde já!

  • Thiago Kuhl

    Mandou bem Guilherme!

    Odds de Edgar x Aldo estão totalmente fora da razoabilidade, Edgar é favorito por larga margem. Se não passar o carro, no mínimo, será uma vergonha.

  • Não tinha nem como, o Nurmagomedov só poderia lutar até 29 de maio ou a partir de 10 de setembro, por causa do Ramadã.