Podcast It’s Time! 150: UFC Fight Night 88, Bellator 155, doping de BJ Penn, Mayweather-McGregor e mais

Podcast It’s Time! 150: UFC Fight Night 88, Bellator 155, doping de BJ Penn, Mayweather-McGregor e mais
MMA

Na comemoração do 150º podcast, nossa equipe trouxe assuntos diversos como o UFC Fight Night 88, o Bellator 155, o ilusional confronto entre Floyd Mayweather e Conor McGregor, o doping de BJ Penn, a definição de três desafiantes esquisitos no UFC e mais duas novas seções que há muito eram pedidas pelos ouvintes.

É sempre legal atingir marcas arredondadas no nosso podcast, o que significa longevidade do nosso projeto. É verdade que o episódio 150 do podcast It’s Time! já deveria ter acontecido há muito tempo, por conta de diversos problemas que tivemos ao longo do caminho, mas isso ficou para trás e agora o programa finalmente engrenou com edições semanais.

Para comemorar o episódio sesquicentenário, trouxemos um belo pacote de assuntos para discutir. Falamos do UFC Fight Night 88, que acontece no próximo domingo e que as pessoas ainda não estão dando muita bola, mas que tem um card excelente capitaneado pelo confronto entre Thomas Almeida e Cody Garbrandt.

O Bellator 155, que aconteceu na última sexta-feira e teve mais expectativa do que realidade, também foi foco do programa. Até onde pode ir o campeão dos médios Rafael Carvalho? Teria vaga entre os melhores do UFC?

Nos assuntos da semana, a equipe discutiu as definições de Tyron Woodley, Wilson Reis e Michael Bisping como desafiantes, além do doping de BJ Penn e a consequente saída do UFC 199, que acontece no começo do próximo mês.

Duas novas seções foram inauguradas neste podcast 150: um momento cultural, em que um integrante indica filme, livro ou qualquer outra coisa relacionada a luta. Pedro Lins falou de Rubin “Hurricane” Carter, indicando livro, filme e música sobre a bela e triste história do homem que poderia ter sido campeão do mundo. A outra nova seção foi o Flashback, muito pedido pelos nossos ouvintes há um tempo. Nesta edição, falamos do UFC 150, liderada pela polêmica vitória de Ben Henderson sobre Frankie Edgar, provavelmente o pilar da raiva que alguns fãs sentem do “Smooth”.

O podcast teve ainda o tradicional Minuto do Boxe, que abordou o tal confronto entre Floyd Mayweather e Conor McGregor. Até que ponto isso é jogada de marketing? Qual a chance de acontecer de verdade?

Agora chega de papo, é hora de sentar o dedo no play (ou baixar o podcast pelos vários métodos disponíveis) e escutar o que nossa equipe tem a dizer. E atenção ao recado de King Mo Lawal logo no começo do programa!

apoia-se-logo-180-100

Quer se tornar um COLABORADOR do MMA Brasil e concorrer a prêmios, participar do podcast e ajudar a fazer um site cada vez melhor? Conheça todos os BENEFÍCIOS do nosso projeto no APOIA.SE!

Endereço para assinar o podcast pelo iTunes: https://itunes.apple.com/br/podcast/its-time!-o-podcast-do-mma/id939262973

Endereço para quem preferir assinar o feed RSS do podcast por outras vias: http://www.mmabrasil.com.br/feed/podcast

Versão do episódio 150 em arquivo compactado (.zip) (clique com o botão direito do mouse e em seguida selecione “Salvar link como”)

  • Pedro Carneiro
  • Bruno Fares

    Achei meu microfone novo bem ruim, minha voz ficou meio reverberada, parecia que eu tava no banheiro hahahaha.

    E o que acharam dastrilha sonora do MINUTO DO BOXE, e dos novos blocos LUTA E CULTURA, e FLASHBACK?

    • Beto Magnun

      Trilha sonora eu aprovo! Ainda mais se for em todos os blocos.

      • Beto Magnun

        A propósito… Ignoraram meu trocadilho… Saffiedine… Safadinho… Enfim.

        • Bruno Fares

          hahahaaha eu achei que voce tinha errado sem querer, tipo autocorretor! Por isso li certo!

      • Bruno Fares

        Beleza! É a ideia, indo aos poucos.

    • Thiago Kuhl

      Aprovo trilha sonora de fundo. Acho bem maneiro.

      De toda forma o que importa é o conteúdo, seja com ou sem trilha, mas quando tem bastante música de fundo acho que fica bem legal, tipo o podcast do Fumble na Net.

  • Beto Magnun

    Sugestão pra um futuro CineLuta:
    O documentário Team Foxcatcher que estreou mês passado no Netflix. Um baita suplex esse filme. :/ Ainda mais pertubador que o filme com o bostão do Channing Tatum e Steve Carrel. Melhor que são os fatos de vera e com cenas muito fortes e emocionantes da familia do Schultz.
    https://www.youtube.com/watch?v=WZczesrBFRA

    • Fulano de Tal

      Bostão pq?

    • Pedro Carneiro

      Esse documentário é muito bom mesmo. Está na fila do Cine Luta!

      • Malk Suruhito

        E tal qual Gandalf O Cinzento, se tornou Gandalf o Branco após o Balrog (que também é o nome de um boxeador famoso da ficção), Pedro Lins se torna Pedro Carneiro após Creed…
        (Muito legal, cara! Lembrei assim que li)

    • Malk Suruhito

      Bostão pq? [2]

      • Beto Magnun

        Péssimo ator e dono de umas idéias retardas tipo MIB vs Anjos da Lei.

    • Marcos E

      Esse documentário é insano.

  • Gefferson Nesta

    Deu uma melhorada na duração o podcast 150, pois o 149 ainda não terminei de ouvir, 03:45:29 ficou muito longo e cansativo, por mais que os assuntos sejam maneiros acredito que estipulando uma media de 01:30:00 ou 02:00:00 de podcast já estaria de boa. Como sempre um Podcast SINISTRO.

    Essa luta do Thomas Almeida x Cody Garbrandt é sem duvidas a luta mais esperada entre dois atletas promissores nos últimos 10 anos de UFC, na minha opinião! O Thomas tem mais volume, mais jogo e mais volume de golpes, já o Garbrandt é um Boxer que quer arrancar a cabeça dos seus adversarios. O que mais me preocupa é a quantidade de golpes que o Thomas recebe, ele já tomou alguns knockdown na carreira inclusive aqui no Brasil, esses vacilos é perfeito pro jogo do Garbrandt. Esse é o tipo de luta que pode acontecer de tudo! O tipo de luta 50% 50%. Mas estou com pressentimento ruim! Na torcida 100% pelo Thomas!

    • Bruno Fares

      Tenho medo do quanto o Thomas se expõe também! Mas acho que o Cody vai partir pra uma luta mais agarrada.

    • Saparada da duração é nosso maior dilema, mas provavelmente vamos encurtar mesmo.

  • Malk Suruhito

    Ainda estou escutando, mas já gostaria de deixar a pergunta: será que o não foi o próprio Lawler que não pediu uma luta menos traumática para ele no fim das contas? Que talvez fosse o Thompson a primeira opção e ele mesmo sabendo que pode ganhar, não pediu um “refresco” ao Joe Silva? Não estou fazendo pouco do Woodley, afinal, como não tem WO no MMA, só é incapaz de vencer que não entra no ringue, mas sabemos que ela não será de forma alguma a guerra que foi contra o Rory.

    • Bruno Fares

      Eu acho que o Lawler tá ai pra qualquer coisa. Não vejo ele pedindo “algo mais facil”.

      • Malk Suruhito

        Não vou citar o Anderson para não ser clichê, mas Jones e até GSP pegaram (e pediram, como o Diaz) algumas lutas mais tranquilas.
        E também sou fã do Lawler e isso não falo desmerecendo, mas lembrando que ele foi o cara que deixou de fazer sparrings pesados por anos para se poupar. E já que está no topo da montanha, por que não um refresco? Talvez quisesse (ou precisa-se) ficar mais tempo de molho depois da última guerra, mas as faturas continuavam chegando ao fim do mês…

        • Se tem alguém que não pode ter refresco NUNCA, em hipótese alguma, é quem tá no topo da montanha. Campeão deve sempre lutar contra o que tem de melhor disponível.

          • Malk Suruhito

            Ok que deva ser isso, mas é o real? Consegue lembrar de algum campeão que nunca pegou nenhum “Frango D’Agua”?

            • O que eu quero dizer é que isso nunca pode ser considerado uma possibilidade. Sempre que aconteceu foi bizarro.

      • Também acho.

  • Bruno Moraes da Costa

    Galera, Rafael Carvalho é faixa-preta de jiu-jitsu? Nem imaginava. Vi as últimas 3 lutas dele e achei muito fraco de chão. Teve dificuldades pra segurar o Joe Schilling no chão, negócio é brabo…

    Na análise de Thominhas e Cody acho que teve um vacilo. Chegaram a comentar que o No Love ia tentar evitar ao máximo a trocação, mas eu não acho. Tintin falou bem, o cara tem o jogo de boxe bem alinhado. Acho que ele vai querer derrubar mais pro fim dos rounds. Aliás, ele não passou pelo circuito universitário de wrestling e o tio dele é treinador de boxe. Ele tem mais lastro de treinamento na trocação, inclusive (embora trabalhe muito mais wrestling do que o Thominhas, até por influência de duas academias).

    • Bruno Fares

      Fala Bruno, concordo que o Cody não é nenhum perdido no boxe, mas duvido que o PLANO A dele vai ser sair pra trocação com provavelmente o maior porradeiro da categoria. Ele tem um wrestling bom e se eu fosse ele ia fazer de tudo para cansar o Thomas no grappling. Os últimos adversários do TA que optaram pela trocação acordaram com lanterna na cara.

      • Pois ele foi pro pau e deitou o Thomas. Esse esporte é maravilhoso.

    • Exatamente.

  • Thiago Kuhl

    1 – Bruno impondo o podcast moderno. Estamos de olho. #VoltaGelli.

    2 – Sou desses que pegou raiva do Ben Henderson por causa das lutas dele contra o Edgar pela sequencia de roubos descarados que seguiram, mas já to em #pas com isso, só falo dele ser chatíssimo por chatisse mesmo.

    3 – Essa história do Hurricane é impressionante mesmo, conheci pela música do Bob Dylan e dei uma googleada pra entender melhor, mas o texto do site sobre o tema é bem mais completo :D

    Edit: Obrigado pelos abraços :D

    • 1. Fora Sader pois são comédia.

      3. MMA Brasil > Google.

  • Patrick Santos

    Recadinho monstro do King Mo!!! Pedro dando carteirada! Vou ouvir agora mas já adianto a minha indignação com esse podcast de 2h

    • Pedro Carneiro

      carteirada pró-site! hahaha

  • James sousa 8

    curti a trilha sonora do minuto do boxe , e os novos quadros flashback e luta e cultura
    esse documentário Team Foxcatcher e muito bom mesmo

  • Fannine

    FERA, muito bom o programa, novamente a equipe nos mostr pra que vieram ao mundo, curtir muito a trilha sonora… Na expectativa da volta de BigAle e Geli.

  • Gabriel Castelani

    No texto acima sobre Hurricane Carter, já havia postado uma versao diferente!

    Quem quiser pesquisar:

    http://graphicwitness.com/carter/topfacts.html

  • Gabriel Castelani

    Meu comentario antigo:

    “Alguns fatos ocultos do Filme:

    -Carter era um delinquente juvenil, líder de uma gangue, foi preso aos 14 anos e não aos 11

    -Foi expulso do exército!

    -Não foi roubado da disputa de cinturão contra Joey Giardello,

    -Não conheceu John Artis naquela noite, o mesmo foi preso depois que saiu da cadeia em 81 por envolvimento com cocaína!

    -Havia negros na formação dos jurados no segundo julgamento e investigadores negros, foi feito um teste com 40 perguntas para o jure para evitar qualquer tipo de preconceito racial

    -Não existiu o tal DELLA PESCA

    -Bob Dylan não toca Hurricane desde 76 por motivo não muito claro

    -Ele foi solto em liberdade condicional em 76 e teve um problema com uma mulher ativista (Carolyn Kelley) que ajudava ele na causa FREE CARTER, ela foi parar no hospital, retirou os cargos!

    -O julgamento na corte federal em 85 não teve novas provas como indicado na ficção do filme, por erros técnicos do judiciário o tribunal se viu obrigado a soltar CARTER pela incapacidade de julgar o ocorrido, Carter não foi absolvido do caso e sim posto em liberdade condicional!”