Por Alexandre Matos | 16/06/2019 22:13

Quase 11 anos como profissional no MMA, 27 lutas, 27 vitórias, 11 delas no principal palco do esporte. Vitórias dominantes, unilaterais, com quase nenhuma abertura para derrota. Uma das forças mais dominantes da história do MMA. Campeão invicto, reinante e indiscutível da categoria mais forte do MMA – por larga margem. Rei numa selva de lutadores talentosos e famintos. A questão que mais passa pela cabeça dos fãs a uma altura dessas é: como parar Khabib Nurmagomedov?

O leitor Diego Florentino nos fez um pedido na matéria sobre a próxima defesa do russo. Como não sou de correr de desafios, me propus a tentar desvendar a questão de como vencer Nurmagomedov e quem poderia fazê-lo. De cara, se eu soubesse, tentaria me afiliar à equipe de alguém que tivesse a capacitação para tal. Porém, como meu papel aqui é de analisar e dar palpite, não necessariamente o que eu posso falar será cumprido. Ou mesmo alguém que venha a derrotar Khabib o faça de um modo totalmente diferente. Esse é o lado maravilhoso do esporte. De quebra, nasce uma nova coluna no MMA Brasil para responder os vários ótimos questionamentos que costumeiramente recebemos no site.

De cara, ninguém é invencível – ainda que Nurmagomedov queira insistir em provar o contrário. Ele fez apenas uma luta em 31 meses e ficou dois anos totalmente parado, no que deveria ser seu auge físico. Pois o sujeito voltou como uma encarnação do demônio e trucidou quem esteve diante dele. Nem as lesões conseguem frear Khabib Nurmagomedov.

Khabib Nurmagomedov (Foto: Jeff Bottari/Getty Images)

Khabib Nurmagomedov (Foto: Jeff Bottari/Getty Images)

Apesar de tudo tentar mostrar o contrário, ninguém é invencível, nem mesmo Khabib Nurmagomedov. Na pior das hipóteses, podemos esperar que ele envelheça e naturalmente perca competitividade. Mas será que é preciso esperar até lá? E se ele for malandro o suficiente para perceber a queda de rendimento e parar antes? Ou se, depois de tudo o que a gente falar, ele perder para o Dustin Poirier?

Antes de tentar verificar como parar esse sujeito, temos que entender como foi desenvolvida uma força tão dominante.

A construção de Khabib Nurmagomedov

Iniciar dizendo que ele se dedica às lutas desde cedo é até desnecessário. Ninguém chega nesse nível praticando esporte ludicamente até os 15-16 anos. O sujeito cai dentro desde a primeira infância. Ninguém esquece das cenas de Khabib trocando esgrima com um filhote de urso quando o filhote de capeta tinha 9 anos.

O pai dele tem um papel fundamental em vários aspectos. Não só por ser louco de colocar o filho com um urso. Abdulmanap Nurmagomedov foi ele próprio um competidor de wrestling, judô e sambô, os dois últimos durante a carreira no Exército Soviético. Em sua experiência, seu Abdulmanap estudou bastante os esportes de combate e os resultados práticos mostram que ele tem uma excelente capacidade de adaptar o que aprendeu para o MMA.

Apesar de ter começado no wrestling, Khabib obteve sucesso competitivo no sambô, no qual se tornou bicampeão mundial. Porém, o MMA já foi tomado por diversos wrestlers-samboistas e ninguém teve o sucesso de Nurmagomedov. Seria só o diferencial de talento? Não. Seu Abdulmanap tem papel importante.

Repare como ele desenvolveu o high crotch, que é a principal entrada de queda do filho. O natural é que o lutador entre com a cabeça para o mesmo lado da perna que fez o ataque. Isso o deixa à mercê de joelhada ou uppercut de encontro e de guilhotinas, além de possibilitar um giro para as costas. Quando Nurmagomedov faz o high crotch, a cabeça vai para o outro lado e ele normalmente ataca uma perna só.

Veja como o ataque de perna de Khabib Nurmagomedov é feito com a perna direita, mas a cabeça vai para a esquerda

Veja como o ataque de perna de Khabib Nurmagomedov é feito com a perna direita, mas a cabeça vai para a esquerda

Logo no comecinho da luta contra Conor McGregor, o russo aplica uma queda dessa. O irlandês arma uma joelhada, mas muda de ideia quando vê que Nurmagomedov foi para o outro lado. O ex-campeão ainda tentou pegar as costas de Khabib, mas estava todo errado e acabou por baixo.

LEIA MAIS Entenda como funciona o high crotch (e outras variantes do single e double leg)

Desenvolver esse tipo de arma é fundamental para que Nurmagomedov consiga surpreender os oponentes. Por causa do enorme respeito que os adversários têm por suas quedas, Khabib conseguiu mandar McGregor e Thiago Tavares a knockdown, conseguiu dominar Edson Barboza nos jabs. Contra o irlandês, a queda no começo da luta nasceu de uma entrada lá de longe. No segundo round, Khabib estava posicionado do mesmo modo. Porém, ao invés de se jogar numa queda, ele lançou um suingão lá de longe. McGregor estava esperando até um telefonema de seu filho, menos que Khabib largaria uma traulitada daquela. Resultado: o russo mandou o irlandês à lona.

Para piorar, o striking de Nurmagomedov, ofensivo e defensivo, evolui a olhos vistos, ainda que não tenha se tornado – e provavelmente nunca vai se tornar – algo tecnicamente plástico. Hoje ele consegue fintar golpes, proteger das principais armas dos oponentes, movimentar cabeça e ombro. Mesmo se um ataque não funcionar, ele está sempre tão bem posicionado que consegue emendar para o clinch ou para uma queda. Khabib domina as transições como poucos.

São os pequenos ajustes, o trabalho nos detalhes, que diferenciam um ótimo atleta de um super campeão.

Como parar Khabib Nurmagomedov? Movimentação lateral, evasão, volume de golpes e gás interminável

Já se vai uma década que nós no MMA Brasil dizemos que o “pega-wrestler” é o striker que consegue evadir-se, que é capaz de se movimentar lateralmente e contra-atacar dali, na longa distância. Foi assim que Lyoto Machida construiu sua fortaleza em seu auge.

O primeiro passo para tentar vencer Nurmagomedov é impedir que ele chegue no clinch. Basta agarrar uma vez o adversário que o round vai para as cucuias. E como Khabib é implacável na abordagem, é muito difícil detê-lo no corpo a corpo. O russo é forte o suficiente para emendar uma tentativa de queda após a outra sem precisar se reposturar em pé e reiniciar o processo. Portanto, se ele entrar no raio de ação, o adversário vai ter que apelar para uma joelhada ou uppercut de encontro.

Quem tem a capacidade de lutar assim no peso leve? De cara, Edson Barboza, Anthony Pettis e Conor McGregor. Aos dois primeiros, falta volume de golpes para manter Nurmagomedov ocupado enquanto tenta um meio de chegar ao corpo a corpo. Cada lapso ofensivo é um convite ao desastre. Ao terceiro, a precisão extrema na canhota compensa a falta de volume. Porém, por motivos que não sei explicar, ele tentou pouco essa estratégia.

Os três ainda têm um problema sério. Quem quiser vencer Khabib terá que se preparar para 25 minutos intensos. Esses caras que citei acima podem (ou poderiam) arrumar um nocaute relâmpago, ainda que as famosas brechas iniciais que Khabib dava tenham diminuído bastante. Deste modo, não basta circular e vencer três rounds. A possibilidade de chegar cansado no quarto contra um motorzinho que não para é levar dois 10-8 e ver a vantagem aberta inicialmente ruir.

Não lembro de mais alguém na categoria que possa desenvolver essa estratégia com talento e gás suficientes. Se vocês lembrarem, joguem aí nos comentários que a gente debate.

Ferro afia ferro

Na falta de um striker evasivo com volume de golpes, vamos para uma outra vertente. Confrontar alguém que possa anular o wrestling de Khabib e forçá-lo atuar de outra maneira. Anular o wrestling de Nurmagomedov me parece pouco crível, mas vamos lá.

Um wrestler forte fisicamente e com apurado senso de equilíbrio poderia dar um trabalho inesperado para o campeão dos leves do UFC. Como? Anulando a troca de força no clinch e não sendo derrubado. Aqui temos algumas opções interessantes.

Justin Gaethje aparece primeiro na minha memória. Provavelmente pela vontade imensa que eu tenho de ver este combate. No papel, o alucinado ex-campeão do WSOF tem tudo para fazer Khabib trabalhar como nunca. Eu diria que ele é o único cara que não se foderia dando uma de Khabib, ou seja, avançando em direção ao oponente no matter what. No pocket, Gaethje tem força física e habilidade no wrestling para sustentar uma disputa de isometria no clinch sem ceder. Pior: dali ele é capaz de dar e receber socos como se não houvesse amanhã. Nurmagomedov nunca encarou um negócio desse.

Qual o problema de Gaethje? Ele é louco. O que faz dele um favorito dos fãs também o deixa em situações complicadas. O “Highlight” teria que lutar num estado de concentração extremo e eu acho que ele não é capaz disso. Em algum momento, ele seria derrubado – Michael Johnson e Eddie Alvarez já conseguiram botá-lo para baixo. Sem contar que ele tenderia a chegar no quinto round como um farrapo humano, o que o deixaria à mercê de ser finalizado.

Outro sujeito que eu queria ver contra Khabib é Gregor Gillespie. Não agora, não antes de mais umas três lutas contra integrantes do top 10 para lhe dar rodagem. Gillespie tem um quê de louco como Gaethje, mas, diferentemente dele, tem mais capacidade de manter a concentração para não errar. Wrestling sobra para o campeão da NCAA Divisão I, assim como força física.

Alguém mais pode parar Khabib Nurmagomedov?

Enfim, pelo que se pode ver, triunfar contra Khabib Nurmagomedov não é exatamente uma tarefa fácil nem mesmo para a selva do peso leve. Tony Ferguson e Dustin Poirier possuem talento para vencer sem precisar de uma das duas estratégias que eu listei aqui. Porém, eu não apostaria em nenhum dos dois contra o atual campeão.

“El Cucuy” é um caso interessante, já que ele pode ser uma mistura das duas estratégias apresentadas. Porém, apesar da base no wrestling, já foi derrubado por meio mundo. Para piorar, ele adora fazer guarda e ser ofensivo com as costas no chão. Não preciso dizer que essa estratégia é simplesmente inútil contra um sufocador que não perde posição como Khabib.

Na troca de golpes, Tony tem um volume de ataque impressionante e um ritmo sufocante, com alta taxa de acerto. O problema é que o jogo de pernas, embora capaz de se movimentar lateralmente, não seja executado com a velocidade necessária para não ser abalroado por uma entrada de queda. Em algumas oportunidades, ele conseguirá se afastar e voltar ao ataque. Porém, acredito que seria questão de tempo para Khabib mapear a movimentação de Ferguson.

Como escapar de uma armadilha como essa? (Foto: MMAFigting.com)

O “Diamante”, por sua vez, tem talento, potência nos punhos e pode treinar para flutuar lateralmente. Ele pode ser o striker evasivo com volume de golpes. Nas duas lutas que fez que passaram do terceiro assalto, Poirier acertou mais de 170 golpes significativos em cada, com cerca de 90% executados na média para a longa distância. É um caminho que ele pode trilhar.

Não contei com ninguém descendo do peso meio-médio porque quem teria a capacidade de executar este plano dificilmente bateria 70 quilos e aguentaria o tranco no dia seguinte. Não contei com ninguém subindo do peso pena porque, né? Risos. Alexander Volkanovski teria a condição física para a empreitada, mas precisaria me provar maior capacidade de defender quedas. O resto não teria força para suportar. Não contei com Georges St. Pierre porque acho que o tempo para ele conseguir (e ele conseguiria) já passou.

Volume de golpes de Nate Diaz, movimentação lateral de Barboza, precisão de McGregor, gás de Ferguson, wrestling de Gillespie. Pode ser?

E aí, o que vocês acham desse cenário de filme de terror (para a concorrência)? Quem consegue parar Khabib Nurmagomedov?