O jiu-jítsu está perdendo espaço no MMA?

Resultados recentes têm deixado os especialistas em jiu-jítsu sem a larga vantagem que a arte marcial tinha nos tempos iniciais do MMA, a era do vale tudo. Há uma resposta para o fenômeno?

Nos primórdios do vale tudo, quando os lutadores se valiam muito mais dos seus aspectos físicos, como força bruta, resistência e condicionamento físico, uma arte marcial se destacava das outras por ir totalmente pelo caminho oposto: o jiu-jítsu.

Isso foi visto claramente nas primeiras edições do UFC, quando Royce Gracie, sempre devidamente trajado com seu quimono, tornou-se campeão dos torneios das edições 1, 2 e 4 do UFC, vencendo lutadores muito maiores e pesados que ele (Kimo Leopoldo e Dan Severn são alguns exemplos) usando apenas a arte suave. Isso deu ao jiu-jítsu ares de arte marcial imbatível e dominante. Posteriormente, já com o vale tudo transformado em MMA, Royce finalizou o gigante Akebono Tarô, em 2004, no K-1 Premium Dynamite, com uma omoplata, algo extremamente difícil no MMA, dando ainda mais força à imagem do jiu-jítsu brasileiro no cenário internacional.

Royce não foi o único que fez carreira no MMA utilizando-se da arte suave. Rodrigo Minotauro, Rogério Minotouro, Ricardo Arona, Paulão Filho, Fabrício Werdum e Murilo Bustamante também foram grandes disseminadores do jiu-jítsu na década passada.

Hoje, 24 anos depois dos primeiros passos de Royce no octógono, a arte marcial desenvolvida por sua família vem perdendo força e espaço no MMA. Numa época em que os maiores nomes do jiu-jítsu estão migrando para o MMA – como Rodolfo Vieira, Bruno Malfacine e Mackenzie Dern – a modalidade está deixando de ser o aspecto que dita o ritmo, o controle e onde o combate irá transcorrer.

Podemos usar como exemplo o meio-médio do UFC Demian Maia, um dos lutadores que mais bem adaptou o jiu-jítsu ao MMA. Mesmo sendo um ás do Brazilian Jiu-jitsu, Maia não conseguiu aplicar seu jogo quando confrontado por alguém com o mesmo nível de grappling, porém, em outra modalidade, como quando ele enfrentou Chris Weidman, Jake Shields, Tyron Woodley, na segunda disputa de cinturão da sua carreira e, mais recentemente, contra o jovem Colby Covington, atletas que possuem alto nível no wrestling. Assim como Demian, podemos citar Gilbert Durinho, Augusto Tanquinho e Ronaldo Jacaré, todos multicampeões de jiu-jítsu, mas que sucumbiram diante de adversários com o mesmo nível na luta agarrada.

Para entender melhor o que pode estar acontecendo, o MMA Brasil bateu um papo com um dos grandes profissionais da área, Alan “Finfou” do Nascimento. Duas vezes campeão mundial, três vezes campeão europeu e três vezes campeão brasileiro de jiu-jítsu, Finfou, além de possuir um vasto currículo na arte suave, é atualmente o técnico de jiu-jítsu na Allstars Training Center, na cidade de Estocolmo, onde treina diversos lutadores de MMA, um deles o ex-desafiante dos meios-pesado do UFC, Alexander Gustafsson, um dos maiores nomes da categoria.

Questionado sobre o assunto, Alan foi direto ao ponto. Na sua opinião, o jiu-jítsu continua sendo uma grande potência dentro do esporte, mas, com o grande aumento no nível técnico e na preparação dos atletas, talvez os representantes da arte marcial estejam com mais dificuldade de imprimir o seu jogo nos combates.

Alan Finfou:

“Eu acho que, como toda arte marcial, o nível dos atletas de MMA cresceu muito. Isso é o resultado da excelente preparação que os atletas mostram em todas as áreas. Até mesmo o nível nas competições do próprio jiu-jítsu está muito mais alto do que antes, não só na faixa preta. Da azul em diante, já há atletas profissionais que só fazem treinar e competir. No MMA, então, eu acredito que a grande maioria dos atletas de hoje sabe lutar no chão. É claro que existem uns que se destacam por terem mais habilidade no chão do que outros. Para mim, no modo geral, o jiu-jítsu não caiu no MMA, e sim o nível dos atletas e das competições na modalidade que ficaram mais altos.”

Outra discussão é o grande crescimento que o wrestling passou a ter no MMA. Cada vez mais, a modalidade vem ganhando espaço, se consolidando e assumindo o posto que um dia foi do jiu-jítsu. Para o lutador e treinador, o wreslting é definitivamente o melhor caminho para os atletas que buscam a vitória no solo e essencial para qualquer grappler.

“Na minha opinião, o wrestling é o maior complemento para qualquer atleta de chão. O MMA começa em pé e todo lutador de jiu-jítsu com certeza quer levar a luta para o chão. O wrestling é a melhor maneira de se conseguir isso.”

Agora queremos saber a opinião dos leitores do MMA Brasil. Vocês acreditam que o jiu-jítsu está perdendo o seu espaço no MMA? Deixem suas opiniões nos comentários!

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Pra mim nenhuma arte sozinha é suficiente, o Wrestling é a mais efetiva delas tranquilamente, porém em um confronto de um jiujiteiro contra um wrestler como foram citados nos casos na minha opinião vence o melhor striker, o melhor atleta, enfim não dá pra ser unidimensional, só com casamentos favoráveis pra poder ganhar alguma coisa.

  • William Oliveira

    No geral concordo com a ideia do texto, infelizmente pra conseguir usar o seu BJJ de forma efetiva contra wrestlers de elite o cara precisa ter muta explosão na hora dos takedowns, aí que tá um dos problemas. O Demian mesmo, dps da metade do 1º round tava lento e telegrafando mt. Mark Munoz tbm ganhou do Demian assim, só p completar.

    Quanto ao Jacaré, ele foi garfado contra o Romero na minha opinião, então nessa aí nem conto ponto pro wrestling. N acho que ele tenha ganho aquela luta nem fudendo. Ou foi empate, graças ao possível 10-8 pro Cubano, ou Jacaré ganhou 29-28. Um exemplo melhor seria Chad Mendes x Rani Yahya.

    • Marcio Lennon

      falei isso acima, Jacaré nunca perdeu no grappling e acho que a galera subestima bastante o jogo de quedasd dele, que para mim é melhor que o jogo do demian de longe, tanto quedas como grappling de maneira geral

  • Binho Vianna

    Nenhuma novidade na matéria, não é de hoje que wrestling e preparação física estão impondo dificuldade além é claro da universalização do BJJ. O que não entendo direito é porque o BJJ não incorpora as quedas do judô ao seu arsenal, já que depende tanto de levar o oponente ao chão.

  • Marcio Rodrigues

    O que eu nunca entendi é como uma arte marcial de solo não desenvolveu nenhuma técnica decente de queda. Não faz sentido pra mim.
    É bizarro quando um cara do bjj deita no chão e literalmente implora pro adversário subir em cima. E essa “técnica” é usada até pelos melhores como Jacaré, Werdum e Demian.
    Claro que nenhuma arte marcial é completa, mas nenhuma tem uma lacuna tão grande e inexplicavel quanto o bjj.

    • Bruno Coelho

      E por quê raios o Jiu-Jitsu desenvolveria um arsenal vasto de quedas se, numa luta de Jiu-Jitsu, ambos os lutadores querem ir pro chão?

      O Judô só tem uma caralhada de quedas diferentes porque o objetivo do Judô é derrubar o outro sem ser derrubado, daí a necessidade de inventar-se variações para surpreender adversários que não querem ir para o chão de jeito nenhum.

      Temos que separar bem as coisas para não sermos injustos. Uma coisa é o Jiu-Jitsu e outra é dar ênfase a técnicas do Jiu-Jitsu numa luta de MMA. O Jiu-Jitsu per si não tem compromisso nenhum em inventar quedas mirabolantes ou incorporar elementos de Wrestling. Vá a um campeonato de Jiu-Jitsu e você verá que isso não faz falta nenhuma por lá…

      Agora, se um cara é bom de Jiu-Jitsu e quer aplicar essas habilidades ao MMA, aí sim ele – o atleta – deve buscar outros elementos. Da mesma forma que o cara bom de boxear DEVE, no mínimo, incorporar defesa de quedas e de finalizações se quiser alguma coisa nas artes mistas.

      Dizer que Jiu-Jitsu têm lacunas porque não tem tantas quedas quanto no Wrestling ou no Judô é tão absurdo quando dizer o Boxe têm lacunas porque não desenvolveu “nenhuma técnica decente” de cotoveladas ou chutes.

      • Marcio Rodrigues

        Pelo seu raciocínio uma luta de jiu jitsu deveria começar com os lutadores já sentados uma vez que os dois querem ir pro chão.

        A comparação com o boxe é bem sem sentido. O objetivo do boxe é acertar o oponente com socos. Por que raios eles precisariam aprender a chutar?
        Bem diferente do Jiu Jitsu cujo objetivo é lutar no chão, logo deveriam saber derrubar muito bem.

        Minha questão é mais teórica que prática. Pode ser que em um campeonato de bjj os lutadores simplesmente vão pro chão por livre e expontanea vontade. Mas, a menos o bjj seja usado unica e exclusicamente como esporte e não arte marcial (e os proprios Gracie o desenvolveram desafiando outras modalidades e ensinando bjj como defesa pessoal e não apenas pra campeonatos), ele deveria ter sim, quedas mais eficientes. A PORRA TODA DEPENDE DISSO.

        • Bruno Coelho

          – Sim, a comparação foi propositalmente sem sentido…e tão sem sentido quanto dizer que o BJJ é a arte com mais lacunas por não ter quedas tão eficientes quanto esportes cujo objetivo grosso modo é a queda como Judô ou Wrestling.
          Mas eu digo e redigo: o Jiu-Jitsu tem sim quedas eficientes. Eficientes numa luta de Jiu-Jitsu e até mesmo numa “briga de rua” contra leigos ou caras versados em Muay-Thai, Boxe, etc. Meu intento é um só: fazer você entender que você não pode dizer que o Jiu-Jitsu é incompleto por “não ter quedas” (e ele tem!), sendo que as quedas não são o objetivo principal do Jiu-Jitsu.

          – E sim, eu me referi ao Jiu-Jitsu como esporte. É que o texto fala sobre esportes, companheiro.

          – Novamente, as quedas que o Jiu-Jitsu tem são suficientes e efetivas para lutas de Jiu-Jitsu. Já vi de tudo nessa vida: desde lutadores que se jogam no chão esperando que o incauto se jogue na guarda, até lutadores de Jiu-Jitsu, em lutas de Jiu-Jitsu, que tentaram de todos os modos evitar as quedas tentadas por outros lutadores de Jiu-Jitsu.

          – Você confunde Jiu-Jitsu com técnicas de Jiu-Jitsu aplicadas ao MMA. São coisas completamente distintas e meu comentário foi só pra dizer que o Jiu-Jitsu não tem lacunas. Quem tem lacunas são atletas de MMA que não incorporam no próprio jogo fundamentos de outras artes marciais para lutar MMA.

          • Marcio Rodrigues

            Meu ponto é que o Jiu Jitsu, como técnica de solo não deveria depender de outras modalidades de grapling para quedar (pelo menos, não tanto). Quem deveria correr atras de aulas de wrestling são lutadores de luta em pé.

            O BBJ pode não ter as quedas como objetivo final, mas é onde tudo começa. Deveria ser importante tambem.

            O texto é sobre JiuJitsu aplicado ao MMA, não sobre competiçoes de pano.

            • Hyury De Carvalho Rabêlo

              Vc tá generalizando Márcio… Eu posso te dizer como experiência própria que o problema não é a arte em si e sim onde vc treina ela, não é todo mestre de jiu que foca e faz um bom treinamento de quedas, não eh todo atleta – aluno que tem interesse de aprender, se vc tiver interesse e um bom mestre, o jiu jitsu tem técnicas e variações que podem tornar seu arsenal de quedas tão bom quanto de um judoca (vale lembrar que vc vai ter que ralar muito,pois um judoca vive 90 % de quedas) e não existe arte marcial perfeita. Hoje o wrestler e a arte principal de chão, mas nada impede que as outras artes como judô, jiu e etc evoluam e criem novos métodos que se mostrem mais efetivos. As artes marciais tem um q de ciência na minha opinião e ainda não se descobriu tudo que é possível fazer com elas.

    • Marcio Lennon

      Por que na maioria das academias de jiu jitsu não sao ensinadas as quedas, pois a maioria das academias visa as competiçoes de jiu, em que se pode puxar para a guarda e etc…………….. eu treinei anos a fio e era rarissimo ter treino de quedas.

  • Caio Abreu

    Cara na minha opinião o fator quedas é preponderante, vejo muito cara bom de chão mas sem ter um arsenal de quedas em dia, se vc não levar pro chão a luta vai continuar em pé, e se vc for realmente bom de chão ninguém vai querer se arriscar nessa área, eu vejo como primordial o fato de se treinar mais quedas, não digo só wrestling mas também o judô sem isso vai ficar cada vez mais embaçado pra galera levar a luta pro chão, o jiujiteiro penso eu que tem que literalmente brigar pela queda seja com quem for, mesmo pegando um wrestler duro eu acho que tem que forçar pra cair por cima, e ai sim dominar as ações e encaixar as finalizações, caindo por baixo eu acho difícil porque é quase certeza o oponente levantar.

  • Bruno Coelho

    “O jiu-jítsu está perdendo espaço no MMA?” SIM, e que bom que isso está acontecendo! Essa perda de espaço significa que o que vemos hoje são dois atletas lutando Artes Marciais Mistas, e não mais um cara especialista em x lutando contra o outro cara lá, especialista em y, para ver que modalidade é mais eficiente.

    Eu não diria que o Jiu-jitsu está perdendo espaço, mas sim que se diluiu – assim como todas as outras artes marciais – para formar o MMA. Somos tão sensíveis a essa “desimportância” do Jiu-Jitsu per si porque ele nasceu aqui no Brasil e porque foi uma Arte crucial para o nascimento desse esporte que a gente tanto gosta, mas se analisarmos o tema com cuidado, veremos que o Boxe per si perdeu espaço no MMA, o Muay Thai per si, o Karatê per si perdeu espaço (se é que um dia já teve…) e até mesmo o Wrestling. O que quero dizer é que, por exemplo, o Wrestling pelo Wrestling não vale nada dentro de um Cage; se o caboclo não combinar as habilidades na luta agarrada com outros elementos, pode até conseguir uma vitória ou outra, pode até vir a ser campeão, mas jamais vai ser um lutador de MMA dominante.
    Vejam vocês o Demetrius. O cara não é gênio em nada, mas é o melhor de todos – de todos os tempos! – em combinar tudo.

    Acho que a pergunta de um futuro próximo já não vai ser “A Arte Marcial X ou y está perdendo espaço no MMA?”, mas sim: “Lutadores ‘monotemáticos’ estão perdendo espaço no MMA?”. E ja tenho a resposta: Sim, sim e sim!!!

    Para finalizar, digo que é sintomático que o Demetrius Johnson e o Demian sejam contemporâneos. Este simboliza um estilo de luta que tem mais espaço na atual conjuntura do esporte, já aquele é o arquétipo perfeito de um lutador de MMA moderno.

  • Thiago Batista

    O gap que existia nas décadas passadas diminuiu bastante, esse era o diferencial, não apenas o poder do JJ mas o gap que existia entre o especialista de JJ e o não praticante, assim como se os brasileiros começarem a investir pesado no Wrestling, com o passar dos anos, o gap vai diminuir, gerando esse efeito de que a arte perdeu “poder”.

  • Marcio Lennon

    Não acho que foi certo colocar o Jacaré nesse bolo, Jacaré no grappling(quedas + chao) nunca perdeu. Vale lembrar que contra o Romero para a grande maioria de fãs e especialistas ele venceu e contra o luke podia ir para qualquer um e em ambas no grappling o brasileiro foi melhor, derrubando várias vezes o Luke e na luta agarrada foi melhor que o romero também e as outras derrotas foram para strikers, em todas que ele perdeu o fator trocação foi o principal preponderante e nao a luta agarrada. De resto concordo, sempre achei o jogo de quedas do Demian superestimado e os demais jiu jiteiros em sua grande maioria são lastimaveis no jogo de quedas, vide werdum, serginho, pepey e etc…………