Norma Dumont quer disputar cinturão interino dos penas contra Holly Holm: “Não quero a divisão estagnada”

Por Matheus Costa | 17/10/2021 20:52

Depois de uma vitória importante sobre Aspen Ladd na luta principal do UFC Vegas 40, a brasileira Norma Dumont já tem seu próximo objetivo muito bem definido dentro do UFC. Durante a coletiva de imprensa realizada após o evento, a atleta da categoria dos penas manifestou o interesse de disputar o cinturão interino.

+ UFC Vegas 40: Ladd vs. Dumont – Resultados

Visando uma maior movimentação da categoria dos penas, que possui um plantel tão pequeno que não possui nem ranking oficial na organização, Dumont quer enfrentar Holly Holm pelo cinturão interino da categoria, luta que não aconteceu no último sábado (16) devido a uma lesão da americana.

“Eu não quero que a categoria fique estagnada e que as atletas (da categoria) não tenham lutas. Eu estaria totalmente disposta a enfrentar a Holm. Eu entendo que a Amanda vai defender o cinturão dos galos e talvez enfrente a Valentina Shevchenko depois, então a gente só conseguiria se enfrentar no meio do ano que vem. Na verdade, eu não gostaria de ficar sem lutar por todo esse tempo. Eu acho que até uma luta pelo cinturão interino com a Holly poderia não ser somente só uma luta, mas para trazer atenção para a categoria e ter outras lutadoras enfrentando a vencedora dessa luta pela oportunidade de enfrentar a Amanda”, afirmou.

+ Apoie o MMA Brasil e colabore com o jornalismo independente

Dumont também mostrou preocupação com a falta de profundidade do plantel da categoria feminina dos penas, afirmando que lutar na divisão é basicamente não saber quem será a sua próxima adversária.

“Esse é o problema (falta de profundidade). Essa é uma categoria que basicamente você não sabe quem você vai enfrentar. Eu vou deixar isso nas mãos do UFC como sempre”, afirmou. “Eu nunca corri de uma luta e eu vou continuar me preparando na academia esperando por um grande nome. Eu também espero que seja uma luta principal porque eu achei isso muito legal”, completou.

Foto: UFC/Divulgação