MMA-Brasil.com Entrevista: Claudio Aranda

A preparação física está intimamente ligada com a evolução de qualquer esporte. No Taekwondo não poderia ser diferente. Na terceira entrevista do especial sobre Taekwondo que o MMA-Brasil.com está fazendo, trazemos o preparador argentino Claudio Aranda, que trabalha atualmente na equipe de Diogo Silva e Michael Silva em Piracicaba, interior de São Paulo.

Além de ser formado em Educação Física, Aranda é faixa preta terceiro dan em Taekwondo. Ou seja, é capaz de inserir os conhecimentos teóricos aprendidos da Educação Física exatamente nos pontos necessários da parte prática aprendidos no Taekwondo, montando treinos altamente específicos. Esta junção torna o profissional diferenciado.

O pensamento de Aranda resume a importância da preparação física. De quebra, ainda ajuda a explicar o motivo pelo qual o esporte argentino vem evoluindo muito. Já se tornaram potências mundiais no basquete e no tênis, motivados por pensamentos profissionais e focados em objetivos claros. Pelo menos no Taekwondo alguém no Brasil teve a visão do intercâmbio, trazendo um profissional deste gabarito para trabalhar aqui.

Mundial de Taekwondo, Turquia/2008

[MMA-Brasil.com] Como foi o seu começo no Taekwondo? Qual a sua história no esporte? O que fazia na Argentina antes de vir para o Brasil?

[Claudio Aranda] Eu comecei no Taekwondo porque queria fazer um esporte de combate que fosse como outros esportes mais populares, mas eu via a maioria dos esportes marciais (Kung-FU, Sipalkido, Aikido, etc.) como meios disciplinares e não esportivos.

Antes de vir ao Brasil, estava na Guatemala como preparador físico da Seleção Nacional. Estou fora da Argentina há 2 anos.

[MMABr] Teve alguma experiência em outra atividade esportiva?

[CA] Sim. Quando criança fiz Judô, Natação e Atletismo.

[MMABr] Como surgiu o convite para trabalhar com a equipe de Piracicaba, que você treina atualmente?

[CA] A atleta Laura Lopez treinava comigo na Guatemala e foi convidada a competir por Piracicaba nos Jogos Abertos do Interior em 2008. Ela falou muito bem de Piracicaba e de Frederico Mitooka para mim. Eu sou muito fanático por Taekwondo e Laura me disse que Fred era assim também, e que a equipe dele era muito profissional. No final do ano ele nos convidou a trabalhar com a equipe de Piracicaba e não tive dúvidas em me mudar para esta belíssima cidade.

[MMABr] Como funciona o seu treino no clube?

[CA] Todos os dias treinamos o técnico e o físico. Os treinos são planificados entre nós dois (Fred e eu). Fred me fala dos objetivos e eu monto a metodologia de cargas e intensidades para propiciar aos atletas o máximo de rendimento nas competições.

[MMABr] Onde a preparação física para o Taekwondo no Brasil peca? O que você tem a acrescentar para o crescimento do esporte no país?

[CA] Não só o Brasil, mas muitas equipes nacionais tem problemas com a preparação física por falta de especificidade na transferência. Considero-me um profissional e vou fazer tudo que estiver ao meu alcance para que Piracicaba seja a melhor equipe da América.

[MMABr] Você criou e cuida do portal MasTaekwondo.com Como pensa que isso ajuda na evolução do esporte?

[CA] Informando. A informação é a melhor ajuda que podemos dar e ter na atualidade. Não existe crescimento sem a informação para desenvolver o senso crítico e de opinião.

[MMABr] Estamos começando a viver uma mudança no esporte provocada pela tecnologia, com os sensores nas competições, por exemplo. Como você vê a influência da tecnologia no Taekwondo, tanto nos treinos como nas competições?

[CA] Eu gosto muito da tecnologia. Acho mais seguro a maquina do que um árbitro (risos)… O esporte acompanha a ciência e a ciência acompanha a tecnologia. As equipes da Rússia se utilizam da ciência e tecnologia desde os anos 40 e 50 e eram imbatíveis em todos esportes, mas quando os outros países fizeram esta fusão (ciência e tecnologia), a situação mudou.

[MMABr] Há mais ou menos 15 anos o Taekwondo era um esporte mais plástico, pelo menos no ponto de vista do espectador. Atualmente o esporte vem se tornando cada vez mais eficiente, em detrimento da plástica. O que influenciou esta mudança e como você vê isso?

[CA] Acho que o profissionalismo de todo esporte gera isso. Mesmo no futebol muitas pessoas dizem que antes era mais bonito e que hoje somente correm e saltam. No Taekwondo também trocaram os esquemas táticos e conceitos de luta para se adaptar ao regulamento e conseguir o melhor resultado de acordo com as regras, convertendo-se em esporte olímpico que visa a superação. Vejo isso como uma revolução do esporte moderno.

Aranda trabalhando com a atleta Débora Nunes

[MMABr] Como você via o Taekwondo brasileiro quando chegou ao país, como o enxerga hoje e o que espera para o futuro? Qual a sua visão sobre o Diogo Silva e Michael Silva?

[CA] Eu sempre admirei muito o Taekwondo brasileiro, acho que é um privilégio poder trabalhar aqui. Muitos tem dúvidas sobre um argentino trabalhando no Brasil, porém sou um profissional que quero sempre ver ganhar a equipe em que trabalho. Com Fred, trabalhamos somente para nossa equipe. Dia e noite pensamos em formas de melhorar a performance de nossos atletas. Eu ficaria muito feliz se Diogo e Michael ganhassem lutas contra um argentino (risos)… Somos profissionais… Eu e Fred nos entendemos bem porque temos o mesmo pensamento. A equipe de Piracicaba está acima de Brasil ou Argentina.

Vejo o Diogo como um atleta muito versátil e muito sacrificado em seu trabalho diário. Tenho certeza que tem muito para dar ao seu país ainda.

Já o Michael tem muita garra e fome de glória em seu coração. Isto é fundamental para ser campeão.

[MMABr] Qual a vantagem de um praticante de Taekwondo numa eventual migração para o MMA (vale-tudo)?

[CA] Eu acho que são esportes diferentes. Primeiro que o MMA é 100% profissional e o Taekwondo persegue outros objetivos e regulamentos. São treinos opostos, para corpos diferentes. Não vejo vantagem de um praticante de Taekwondo no MMA.

[MMABr] Muito obrigado por ceder um pouco de seu tempo para o MMA-Brasil.com. Quer agradecer a alguém em especial?

[CA] Eu sou muito grato a duas pessoas antes de tudo: Laura Lopez e Frederico Mitooka. Por Laura conheci Fred e estou em Piracicaba. Os dois confiaram em mim e neste ponto não posso decepcioná-los. Além dos dois, agradeço à equipe, que acredita em meu trabalho e a Deus por permitir trabalhar com o que realmente amo: Taekwondo.

  • diego

    Não vejo vantagem de um praticante de Taekwondo no MMA BA ninguem agredita no Taekwondo no mma e ainda mais vc q pratican e treinam isso diariamente sem comentarios =[