Por João Gabriel Gelli | 09/11/2015 02:29

Neste sábado, o UFC realizou seu último evento em território brasileiro no ano de 2015, trazendo as lendas do MMA Vitor Belfort e Dan Henderson para liderar o UFC Fight Night 77 no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Já na sexta-feira, o Bellator 145 contou com duas disputas de cinturão, a dos penas entre Patricio Pitbull e Daniel Straus, e a dos leves, com Will Brooks duelando com Marcin Held.

Passados os eventos, chega a hora de incorporar o matchmaker interno e analisar o que o futuro reserva aos principais lutadores envolvidos nos combates de sábado e aos vencedores dos mais importantes duelos de sexta.

Vitor Belfort contra Anderson Silva

Conforme esperado, em seu primeiro teste de nível condizente com sua forma pós-TRT, Vitor Belfort derrotou Dan Henderson mais uma vez, em território nacional, com um nocaute no primeiro round que se originou a partir de um chute alto. Dessa forma, o brasileiro encerrou a trilogia contra o americano de forma vitoriosa.

Vitor Belfort precisou acertar apenas seis golpes para dar cabo de Dan Henderson (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

Vitor Belfort precisou acertar apenas seis golpes para dar cabo de Dan Henderson (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

Agora, o próximo passo deve ser dado para que a forma de Belfort siga sendo avaliada. Com a confirmação de que o UFC 197 será realizado no Rio de Janeiro, em março de 2016, abre-se a possibilidade da reedição da luta que provocou o boom do MMA no Brasil entre Vitor e Anderson Silva, umas vez que, nesta data, o mais dominante campeão da divisão dos médios terá terminado de cumprir sua suspensão por conta do doping no UFC 183.

Outra opção: Lyoto Machida.

Dan Henderson contra a aposentadoria

Após mais um nocaute sofrido por Dan Henderson pelas mãos (e pernas) de Vitor Belfort, ficou ainda mais claro que o americano tem poucas condições de seguir com sua carreira.

Dan Henderson engatilhou a Bomba-H, mas não conseguiu dispará-la (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

Dan Henderson engatilhou a Bomba-H, mas não conseguiu dispará-la (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

Por mais que nunca seja a melhor situação sugerir a aposentadoria de alguém, é necessário que Hendo pense na sua. Já tratado pelos fãs como uma lenda do MMA, seu retrospecto recente mostra um declínio acentuado. Desde que retornou ao UFC, venceu apenas três de nove lutas, batendo Maurício Shogun em duas oportunidades e Tim Boetsch.

Para agravar a situação, antes visto como um adversário impossível de ser nocauteado, das suas últimas quatro derrotas, três vieram pela via rápida dolorosa. Assim, pelo bem de sua sáude, o ideal é que Henderson tenha feito seu último combate no MMA, saindo desta carreira imortalizado pelo grandes feitos que conquistou.

Glover Teixeira contra Alexander Gustafsson

O primeiro round do duelo contra Patrick Cummins deixou a impressão que Glover Teixeira esperava conquistar o nocaute a qualquer momento, mas também causou certo receio por conta da facilidade com que o americano conseguiu as quedas que tentava.

Glover Teixeira abriu fogo pesado contra Patrick Cummins (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

Glover Teixeira abriu fogo pesado contra Patrick Cummins (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

A vitória finalmente veio no segundo assalto, com o esperado nocaute. Este triunfo foi o segundo consecutivo de Glover contra oponentes do top 10 da divisão dos meios-pesados, resultado que o recolocou na discussão de possíveis desafiantes ao cinturão. Como Jon Jones já será o próximo e em seguida virá o vencedor do embate entre Anthony Johnson e Ryan Bader, o brasileiro terá que esperar e realizar mais um ou dois combates para se credenciar a uma nova oportunidade. Dessa maneira, a sugestão fica por um duelo contra Alexander Gustafsson.

Thomas Almeida contra Bryan Caraway

Em um dos duelos com maior expectativa da noite, Thomas Almeida conquistou mais um escalpo para sua coleção ao anotar um belo e violento nocaute sobre Anthony Birchak.

Thomas Almeida continua deixando rastro de destruição no UFC (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

Thomas Almeida continua deixando rastro de destruição no UFC (Foto: Roberto Lemos/MMA Brasil)

Depois de quatro vitórias que lhe renderam bônus de desempenho contra oponentes não ranqueados, chegou a hora de testar Thominhas contra um wrestler em seu auge físico. Portanto, Bryan Caraway surge aqui como a principal opção para apontar com mais clareza o atual estágio da ainda jovem carreira do brasileiro.

Além dos confrontos acima, seguem algumas sugestões para os outros envolvidos no card do UFC Fight Night 77:

Patrick Cummins contra Corey Anderson
Anthony Birchak vs Pedro Munhoz
Alex Cowboy vs Chad Laprise
Piotr Hallman vs Abel Trujillo
Rashid Magomedov vs vencedor de Jim MillerMichael Chiesa
Gilbert Durinho vs vencedor de Efrain EscuderoLeandro Buscapé
Fabio Maldonado vs Tom Lawlor
Gleison Tibau vs Adriano Martins
Johnny Case vs Steve Ray
Yan Cabral vs Jason Saggo
Thiago Tavares vs Darren Elkins
Clay Guida vs Hacran Dias
Chas Skelly vs Godofredo Pepey
Kevin Souza vs vencedor de Yui Chul NamMike de la Torre
Viscardi Andrade vs Shinsho Anzai
Gasan Umalatov vs demissão
Jimmie Rivera vs Rani Yahya
Matheus Nicolau vs vencedor de Richie VaculikDanny Martinez
Bruno Korea vs perdedor de Yao ZhikuiFreddy Serrano

Agora, vamos com as lutas a casar após o Bellator 145.

Daniel Straus contra Goiti Yamauchi

Na melhor luta do fim de semana, Daniel Straus finalmente conseguiu bater o brasileiro Patricio Pitbull em sua terceira oportunidade e reconquistou o cinturão dos penas do Bellator em decisão unânime.

Para ser seu primeiro desafiante neste novo reinado, a sugestão é por Goiti Yamauchi, que vem em boa sequência na organização e já faz por merecer uma chance de tentar conquistar o cinturão. Enquanto isso, Pitbull pode fechar sua trilogia contra Pat Curran para se credenciar novamente a uma disputa de título.

Outra opção: Vencedor de Georgi KarakhanyanDaniel Weichel

Will Brooks contra Michael Chandler

Na luta coprincipal do evento, Will Brooks chegou a sofrer alguns sustos, principalmente quando se embolou com Marcin Held no chão, no primeiro round, mas se defendeu muito bem e frustrou o oponente, dominando as posições no combate a caminho de uma decisão unânime, em sua segunda defesa do cinturão dos leves da organização.

O próximo obstáculo em seu caminho deve ser um velho conhecido. Tendo feito a luta anterior à de Brooks no evento, Michael Chandler conquistou sua segunda vitória consecutiva ao nocautear David Rickels pela segunda vez. Assim, ele volta a se credenciar a uma disputa de cinturão que fecharia sua trilogia com o atual campeão – Mike saiu derrotado nos dois duelos anteriores.

Caso a vontade da organização seja por um combate inédito valendo o título, a sugestão é que Josh Thomson seja o próximo desafiante de Brooks, caso vença Pablo Villaseca, no Bellator 147. Assim, Chandler faria uma eliminatória contra Patricky Pitbull.

Bobby Lashley contra Vitaly Minakov

Em revanche de uma derrota controversa, Bobby Lashley atropelou James Thompson com um nocaute técnico em menos de um minuto após uma de suas entradas de queda ter causado uma lesão no joelho do adversário, o que limitou sua movimentação e o tornou presa fácil para o potente ground and pound.

Com quatro triunfos inapeláveis em sequência, fica difícil negar a Lashley uma chance de título. Dessa forma, ele deverá ser o primeiro desafiante de Vitaly Minakov desde a chegada de Scott Coker no Bellator. O russo, que não recebe um duelo na organização desde abril de 2014, vem se mantendo ativo lutando no Eurasia Fight Nights, em sua terra natal.

E aí? Curtiram os casamentos? Deixem suas sugestões nos comentários.