Por Idonaldo Filho | 17/01/2021 20:39

O UFC retornou com tudo para começar o ano de 2021. Quando a luta entre Max Holloway e Calvin Kattar foi marcada para esse UFC Fight Island 7, já sabíamos que teríamos um duelo de qualidade excepcional. Mas o que vimos ontem foi além, vimos um desempenho estelar e unilateral do ex-campeão, que fica em situação até curiosa no peso pena.

Também foi destaque do evento uma vergonhosa apresentação de showbol, que ninguém botava muita fé mas conseguiu ser pior ainda do que esperávamos.  O público presente – primeiro evento em muito tempo com espectadores – certamente saiu satisfeito no geral, com alguns nocautes brutais acontecendo no evento

LEIA MAISUFC Fight Island 7: Holloway vs. Kattar – Resultados

Confira no MMA Brasil Matchmaker algumas possibilidades de casamentos envolvendo os lutadores que atuaram no UFC Fight Island 7.

Max Holloway vs. Josh Emmett

Um monstro. Existem palavras para falar o que vimos ontem? Se existia algum recorde relacionado a volume de luta, não existe mais. Holloway quebrou praticamente TODOS. Só para ilustrar: o “Blessed” soltou 746 golpes em todo o combate, acertou 447. Se a gente já havia ficado surpreso com o desempenho que Max teve contra Ortega, ontem pareceu até pior. É um privilégio imensurável poder acompanhar a carreira de havaiano, e o desempenho de ontem só mostra o quanto que o tal Alexander Volkanovski é uma máquina, além de valorizar ainda mais o maravilhoso peso pena.

Holloway começou seu show logo de início e já ganhou o primeiro assalto de forma gritante. O resto da guerra foi só pra gente ficar mais assustado. Ele bateu na cara, no corpo, nas pernas… Kattar apanhou em todo canto. E foram cinco rounds de pura pancadaria e nem sinal do sujeito cansar. Teve quem marcou 50-42, um placar justíssimo, que mostra três placares de 10-8. Gritante.

E que situação estranha está Holloway no momento. Está claro que ele é o melhor peso pena do mundo que não se chama Alexander Volkanovski. O atual desafiante, Brian Ortega, levou uma surra tão feia quanto essa do Kattar quando enfrentou o ex-campeão. Mas Holloway perdeu as duas lutas que fez contra o neozelandês e recentemente. É certo que uma hora ou outra ele novamente voltará a disputar a cinta, mas não sei se vai ser agora de imediato…

Por acreditar que ele provavelmente fará mais uma luta, minha sugestão é Josh Emmett. O atleta da Team Alpha Male é outro que acabou com a concorrência, vindo de três vitórias seguidas e brutais. Se Emmett tem chance contra Holloway? Duvido, é aquela velha história de se a mão entrar, e ela não vai entrar. Porém, se Dana White conceder novamente a chance de Holloway buscar a cinta de volta – a última batalha entre eles foi apertada -, será mais do que justo.

Outra sugestão: Vencedor de Alexander Volkanovski vs. Brian Ortega

Calvin Kattar vs.  Zumbi Coreano

Coitado do Kattar. Eu imaginava que teríamos uma luta equilibrada, mas errei muito feio. O que a gente pode elogiar no estadunidense? A resiliência. O que esse cara apanhou foi barbaridade, contando com um Herb Dean sedento por sangue só na observação durante todos os cinco assaltos. Não devemos ver Calvin tão cedo de volta no octógono, já que vai ser necessário tirar um tempo parado para cuidar das lesões e se recuperar dessa surra, que pode até mesmo causar alguns danos significativos para o decorrer da carreira de Kattar.

Outro cara que deve demorar a lutar, já que sempre está sumido, é Chan Sung Jung. O Zumbi Coreano foi derrotado por Brian Ortega em seu último combate, tendo um desempenho um pouco abaixo do que imaginávamos. Mesmo assim, Jung é um dos principais atletas da categoria, muito perigoso e que entretêm a massa que assiste suas pelejas. Uma luta entra Kattar e Zumbi é outra que tem tudo para ganhar o prêmio de melhor da noite seja lá qual evento aconteça. O vencedor se recupera, enquanto o derrotado terá que dar alguns passos atrás.

Carlos Condit vs. Donald Cerrone

No duelo que todos pediram há uns 6 anos atrás, mas ninguém pediu em 2021, Carlos Condit mostrou que está menos acabado que Matt Brown e venceu a apresentação, o que não significa muito. Dois dos mais violentos lutadores que a divisão já viu em tempos recentes, mas que no sábado nos apresentaram um duelo de grappling amador, que deu vergonha em quem assistiu. Aliás, é até melhor ter sido assim, pois os dois pelo menos saíram sem grandes danos cerebrais em já avançada idade de luta.

O ideal seria a aposentadoria. Mas nada indica que Condit vá parar. Então, é mais adequado que ele enfrente os lutadores que estão em situação parecida pelo menos, em mais um famoso showbol. Donald Cerrone tá numa fase desgraçada, mas mostrou que ainda tem bala na agulha contra Niko Price, saindo com um empate contra um rapaz bem mais novo, embora de nível técnico inferior ao que costumava encarar. Meu favorito pra essa contenda é o Cerrone mesmo estando “olhando pro cartel” em fase mais delicada na organização.

Jingliang Li vs. Belal Muhammad

Na zebra da noite, o chinês Jingliang Li arrancou a cabeça de Santiago Ponzinibbio com um cruzado, encerrando a sequência insana de vitórias do recém nomeado “Argentinian Dagger”. Na troca de golpes, quem se saiu melhor foi o batizado “melhor pior lutador do UFC” por nosso editor chefe Alexandre Matos. Jingliang, que vinha de derrota, se recupera em alto estilo e por ter vencido um atleta de top 10 – só não estava no ranking devido ao tempo parado -, é  quase certo que se enquadrará entre os melhores da categoria até 77kg.

Também em alta está Belal Muhammad, 13º na tabela que ordena os principais esportistas da categoria. O descendente de palestinos vem de três vitórias consecutivas, precisando subir o nível de oposição para ver se segue na curva ascendente da carreira. Outro ponto que devemos ressaltar é que Belal também é fã de anarquia, então certamente teríamos uma luta e tanto caso Jingliang fosse casado com Muhammad.

Santiago Ponzinibbio vs. Anthony Rocco Martin

É uma pena que Santiago Ponzinibbio tenha convivido com lesões. Antes de ter este hiato, devido a uma infecção que atingiu o joelho, o argentino seguia no seu melhor momento da carreira e inclusive até mesmo perto de uma disputa de título. O casamento contra Jingliang era por fora considerada como um “aquecimento”, uma vez que Santiago estava enfrentando oposição mais qualificada anteriormente. No octógono, Ponzinibbio mostrou lentidão e estava totalmente fora de ritmo, sendo nocauteado friamente pelo chinês em uma troca de golpes.

Ao mesmo tempo que é difícil dar uma luta contra um qualquer, uma vez que Ponzinibbio era um dos mais relevantes da divisão, não dá para coloca-lo para enfrentar mais um nocauteador em busca de subir nos rankings. Tony Martin tem um estilo mais cadenciado, mas ainda sim é de bom nível. Perdeu sua última luta contra um ranqueado e ainda não tem duelo marcado. Com mais tempo de treino, acho que Ponzinibbio será mais competitivo, e Martin poderá testar de fato se o tempo parado afetou permanentemente ou não o “Gente Boa”.

Veja opções para os demais lutadores envolvidos no UFC Vegas 17:

Matt Brown vs. aposentadoria
Joaquin Buckley vs. Antonio Braga Neto
Punahele Soriano vs. Alessio Di Chirico
Dusko Todorovic vs. Nassourdine Imavov
Joselyne Edwards vs. Luana Dread
Yanan Wu vs. demissão
Carlos Felipe vs. Tanner Boser
Justin Tafa vs. Raphael Bebezão
Ramazan Emeev vs. Gunnar Nelson
David Zawada vs. Ramiz Brahimaj
Vanessa Melo vs. Shanna Young
Sarah Moras vs. demissão
Austin Lingo vs. Spike Carlyle
Jacob Kilburn vs. demissão

Fotos: UFC/Divulgação