Por Idonaldo Filho | 08/03/2021 14:04

Com um card recheado de grandes lutas, o UFC 259 entrou forte para o posto de melhor evento do ano, com três disputas de título de diferentes resultados.

Nos meios-pesados, o campeão Jan Blachowicz era a zebra, mas defendeu seu reinado com uma estratégia inteligente, derrotando Israel Adesanya. Pelo peso pena feminino, Amanda Nunes não deu a menor chance para Megan Anderson, batendo em pé e finalizando no solo em questão de dois minutos. Já nos galos, um golpe ilegal acabou de forma decepcionante com a grande luta entre Petr Yan e Aljamain Sterling e acabou coroando um novo campeão.

LEIA MAIS: UFC 259: Blachowicz vs. Adesanya – Resultados

Confira no MMA Brasil Matchmaker algumas possibilidades de casamentos envolvendo os lutadores que atuaram no UFC 259.

Jan Blachowicz vs. Glover Teixeira

A diferença física entre Jan Blachowicz e Israel Adesanya era nítida na pesagem. Tudo bem que o nigeriano é alto, mas o tronco do polonês praticamente dava dois do campeão dos médios. No duelo, Adesanya teve um início interessante, com utilização de golpes na longa distância, mas Blachowicz não deixou barato e foi agressivo, aplicou boas sequências surpreendendo o ex-kickboxer. Quedas pontuais também aconteceram, com domínio de Blachowicz no solo. A vitória foi clara para Jan, que defende o seu ouro pela primeira vez.

Dito isso, Jan em entrevista disse que se sentiu desrespeitado por Dana White, por uma clara tentativa de criar um novo dono de duas categorias, para ganhar mais dinheiro, ignorando o campeão vigente nos meios-pesados que nada ganhava com a luta. O resultado é ótimo para as duas divisões, que não ficarão travadas e poderão continuar seu cotidiano normal, com dois contenders claros para ambas.

Para Blachowicz é fácil. Glover Teixeira vem de vitória importantíssima sobre Thiago Marreta, onde mostrou toda sua resiliência e habilidade no jiu-jítsu. O brasileiro, inclusive, chegou a subir na balança da pesagem do UFC 259, sendo o substituto oficial caso acontecesse algum problema com os lutadores do show principal. Não tem para onde fugir, é Blachowicz vs. Glover muito em breve.

Israel Adesanya vs. Robert Whittaker II

Favorito, Israel Adesanya é um lutador muito mais técnico que Jan Blachowicz, mas talvez tenha dado um salto maior que as próprias pernas. O nigeriano sentiu a diferença de tamanho, com os seus golpes não sendo tão contundentes e, também levando a pior nas disputas de clinch, sendo levado ao chão em algumas oportunidades, não tendo nem resquício de sucesso para tentar se levantar ou conquistar posições favoráveis no solo. Embora pouco esperado, não vejo a imagem de Adesanya queimada, devendo ele voltar ao peso médio para defender seu título contra um antigo rival.

Hoje, quem é merecedor da disputa de título nos médios é Robert Whittaker. O ex-campeão aplicou um baile em Jared Cannonier, tendo conquistado também um resultado positivo sobre Darren Till. A chance de vingar a derrota que sofreu em 2019, quando estava na posição de titular da cinta contra o naquele momento desafiante Adesanya, é algo atrativo e que Robert conquistou dentro do octógono. Não existe nenhuma outra possibilidade relevante que não seja essa, que com possíveis adequações de Whittaker, tem tudo para ser mais competitiva que a primeira luta entre eles.

Amanda Nunes vs. Aspen Ladd

A rainha do peso galo e pena, Amanda Nunes, mais uma vez amplia seu reinado de terror. É simplesmente vergonhoso ter casado uma luta da brasileira contra Megan Anderson, que conhecidamente é uma atleta bastante limitada e que só tinha de vantagem o tamanho em comparação a Amanda. Como o peso pena é uma terra de ninguém – e inclusive deveria acabar -, acontece casos como a australiana disputando cinturão. Não há nem muito o que falar do combate, Amanda acertou um belo soco que atordoou Anderson, logo levando-a pro chão e finalizando o duelo como quis, com um triângulo invertido cumulado com chave de braço.

É óbvio que não tem nem graça hoje fazer casamentos para Amanda, incrivelmente isso é culpa dela por ser tão dominante. A brasileira vai continuar amassando a oposição por muito tempo, até cansar ou começar a entrar em decadência. Como deve seguir adiante, o único desafio restante seria Valentina Shevchenko mais uma vez, mas a quirguiz, que perdeu duas vezes já para Nunes, tem luta marcada.

Neste meio termo, a mais merecedora na minha opinião nos galos é a jovem Aspen Ladd. Dá até dó de colocar essa ideia aqui, mas a estadunidense, que está sumida, venceu a boa Yana Kunistkaya ainda em 2019. Eu sou até a favor de fazer uma eliminatória entre Ladd e Julianna Peña, mas como não sabemos se acontecerá essa contenda, coloco Ladd como opção para não deixar nada em branco. Previsão: Outra surra.

Aljamain Sterling vs. Petr Yan II

Uma pena. Estava sendo uma luta curiosa, com um Sterling – ou Stalin/Stanley como preferirem -,  ligado no 220v, enfrentando um Petr Yan calmo, que quando explodia levava muito perigo. O russo conseguiu alguns knockdowns, além de várias rasteiras desmoralizantes, mas Aljamain incomodava com seu volume de golpes. No quarto assalto, praticamente do nada, o russo aplicou uma joelhada ilegal de forma gritante, com o árbitro interrompendo o combate de imediato diante da besteira do siberiano.

Impossibilitado de voltar, Sterling foi declarado campeão vencendo o duelo por desqualificação. Magoado com razão, o americano jogou o cinturão no chão e chorou, já que certamente não era esse o modo que queria ser lembrado como campeão da categoria até 61kg. Nas redes sociais, muita covardia, com pessoas que certamente estariam em coma após uma joelhada daquelas no rosto, comentando que Sterling foi “ator” e ganhou a cinta na base da malandragem.

Não tem outra escolha, teremos uma revanche. Yan já assumiu o erro, o ritmo estava muito bom e, como não havia no momento uma certeza de que teríamos um vencedor, mesmo com Petr estando melhor no momento, fica uma pulga na orelha para saber qual dos dois é o melhor peso galo do mundo. E vamos falar a verdade? A revanche é muito bem vinda, com o primeiro assalto sendo um dos melhores dos últimos tempos e vamos assistir pilhados o confronto quando for remarcado.

Islam Makhachev vs. Rafael dos Anjos

É brincadeira o que luta o russo Islam Makhachev. Conhecido como parceiro de treinos de Khabib Nurmagomedov, Islam vem com tudo para tentar ser o sucessor do amigo na divisão. Seu adversário, Drew Dober, não viu a cor da bola, sendo amassado a noite inteira até batucar em um katagatame na meia guarda. A tendência é que Makhachev siga crescendo nos rankings, com sua oitava vitória em nove lutas no líder do mercado. É possível até mesmo que em breve esteja no bolo de atletas que possam disputar título.

Eu sei que Rafael dos Anjos foi a minha escolha para enfrentar Conor McGregor em edições passadas da coluna, mas o irlandês atua uma vez por ano e a categoria não pode ficar parada. Já marcada em duas oportunidades, canceladas por resultado positivo de COVID-19 de Rafael e, depois lesão de Makhachev, acho que vale a pena tentar mais uma vez a realização da peleja. É um oponente experiente, que foi campeão, com um jogo de pressão efetivo em pé, não sendo nada bobo no chão. Acredito que Rafael seria um ótimo desafio para o russo neste momento.

Aleksandar Rakic vs. Vencedor de Dominick Reyes/Jiri Prochazka

Não empolgou muito, mas Aleksandar Rakic acumulou mais uma vitória, conquistando o resultado positivo depois de 15 minutos contra Thiago Marreta. Pragmático, Aleksandar insistiu em golpes na longa, se movimentou bem e fez o básico, levando a peleja com tranquilidade. Em sete aparições no octógono, são seis vitórias, duas seguidas atualmente. O sérvio com a vitória estará certamente em um title eliminator, dependendo agora de quem o UFC escolher.

Para mim o caminho é claro, uma eliminatória com o vencedor do duelo entre Jiri Prochazka e Dominick Reyes, que deve acontecer em maio. Lutando contra Rakic, o que sair vencedor no final desse “mini GP” é merecedor para encarar o campeão seja ele quem for no futuro, Blachowicz ou Glover. Com Reyes as chances de luta chata são maiores, pois são um pouco mais cautelosos. Agora se Prochazka vencer Dominick e for o adversário de Rakic, já pode encomendar o fardo de cerveja por que teremos guerra!

Dominick Cruz vs. Frankie Edgar

A movimentação pouco ortodoxa ainda está lá, os golpes de ângulos estranhos também, mas dá para perceber que Dominick Cruz está um pouco mais enferrujado. A lenda do MMA, com 35 anos e muitas lesões acumuladas, fez o suficiente para uma vitória fácil sobre Casey Kenney, ainda que um juiz biruta tenha marcado luta para o ex-campeão do LFA. Não acredito que Cruz consiga fazer uma corrida para o topo da divisão novamente, mas nem de longe o americano é carta fora do baralho na categoria, servindo muito bem para algumas lutas históricas ou para servir de teste para prospectos ascendentes.

Eu particularmente sou fã das históricas. Muita gente fala em José Aldo, mas tudo que eu queria nesse momento era assistir Dominick Cruz vs. Frankie Edgar em cinco rounds, capitaneando um UFC Fight Night. São dois caras muito móveis, duros até falar chega, com mãos rápidas e conhecidos por seu condicionamento de elite. Essa luta aí alguns anos atrás seria um espetáculo de primeira e, mesmo com os dois já na descendente hoje em dia, acho que é melhor aproveitarmos que ainda estão na ativa para podermos fazer isso acontecer. Topam?

Askar Askarov vs. Vencedor de Figueiredo/Moreno

Conhecido pelo seu wrestling, tendo sido medalhista na modalidade nas Surdolímpiadas, Askar Askarov venceu o veterano Joseph Benavidez predominantemente em pé. Algumas quedas foram aplicadas pelo russo, mas Askarov machucou bastante Benavidez em pé, com golpes certeiros, alguns até atordoando o eterno desafiante do peso mosca. A vitória é importantíssima pois pode selar a luta mais importante da vida de Askarov.

É o título que o espera. Askar Askarov deve roubar a posição de sua vítima no ranking, tendo tudo para ser o próximo desafiante do peso mosca. A revanche entre Deiveson Figueiredo e Brandon Moreno só acontecerá em junho, mas se tudo der certo e nenhum peso galo querer roubar a vaga, o russo é o merecedor da disputa. Vamos aguardar as demais movimentações nos moscas e ver se até junho a vaga continua sendo de Askar.

Confira demais opções para os envolvidos no UFC 259:

Megan Anderson vs. demissão (fim da categoria)
Drew Dober vs. Vinc Pichel
Thiago Marreta vs. Vencedor de Cirkunov/Spann
Kyler Phillips vs. Casey Kenney
Yadong Song vs. Louis Smolka
Joseph Benavidez vs. Perdedor de Perez/Schnell
Tim Elliot vs. Kai Kara-France
Jordan Espinosa vs. Rogerio Bontorin
Kennedy Nzechukwu vs. Vencedor de Oleksiejczuk/Bukauskas
Carlos Ulberg vs. Nick Negumereanu
Sean Brady vs. Ramazan Emeev
Jake Matthews vs. Nicolas Dalby
Amanda Lemos vs. Vencedora de Hill/Yoder
Livinha Souza vs. Felice Herrig
Uros Medic vs Don Madge
Aalon Cruz vs. demissão
Trevin Jones vs. Ronnie Lawrence
Mario Bautista vs. Perdedor de Natividad/Batgerel