Por Idonaldo Filho | 15/12/2020 21:30

Quem se manteve acordado para o UFC 256 certamente saiu satisfeito com o resultado do evento. Um grande card que entregou até mais que o prometido, liderado por uma divisão que cada vez mais cresce. No main event, não houve mudança de título, mas o empate entre Deiveson Figueiredo e Brandon Moreno dá brecha para um segundo encontro entre os dois. Ainda no evento de sábado, vimos a ascensão de Charles Oliveira contra Tony Ferguson, um dos principais lutadores do evento até pouco tempo atrás.

LEIA MAIS: UFC 256: Figueiredo vs. Moreno – Resultados

Confira no MMA Brasil Matchmaker algumas possibilidades de casamentos envolvendo os lutadores que atuaram no UFC 256.

DEIVESON FIGUEIREDO VS. BRANDON MORENO II

A luta principal do UFC 256 foi uma guerra. O peso mosca entregou mais uma exibição de nível maravilhoso com o campeão Deiveson Figueiredo mantendo seu cinturão após um empate com o mexicano Brandon Moreno. Um estilo pouco ortodoxo e baseado em muito dano foi mostrado por Deiveson, mas um chute no saco acabou ocasionando a perda de um ponto que fez MUITA diferença para o brasileiro no final. O combate, merecidamente, foi o melhor da noite e não é errado colocar ele entre os melhores do ano.

É possível que não seja parte dos planos do UFC, mas eu e, pelo visto, parte de nossos leitores, querem uma revanche desse confronto. O próximo desafiante, em teoria, seria Askar Askarov, que está com luta marcada para março do ano que vem, e, logo, não é uma opção por enquanto, mesmo contando que Deiveson não retornará tão cedo. O UFC é fã da ideia de Cody Garbrandt ser o próximo desafiante, mas eu não nutro a mesma simpatia mesmo sendo um duelo de altíssimo nível. O ideal é deixar os dois descansarem um bom tempo e marcar uma revanche para definir de fato o merecedor do cinturão, uma vez que o que vimos no sábado agradou bastante.

CHARLES DO BRONX VS. VENCEDOR DE MCGREGOR/POIRIER

Alguns anos atrás, seria taxado de louco quem cogitasse vitória de Charles do Bronx contra um Tony Ferguson em sequência insana de vitórias. O desempenho do brasileiro foi por larga margem o melhor de sua carreira, com um notável desenvolvimento em vários aspectos, como na trocação, e o que aconteceu foi um domínio unilateral por Charles do início ao fim. Em sua entrevista, o brasileiro deu a entender que está pronto para chegar ao título. São oito vitorias consecutivas, a última sobre um dos principais lutadores do plantel da organização.

Eu concordo com Charles: ele está pronto para disputar o cinturão. O campeão Khabib Nurmagomedov anunciou aposentadoria em seu último combate. Porém, Dana White quer por tudo convencer o russo a retornar ao octógono e, por enquanto o cinturão oficialmente ainda é dele. Se Khabib mantiver a decisão, o nome mais óbvio para disputar o título é Conor McGregor e todos sabem disso. O irlandês enfrenta Dustin Poirier no início do ano que vem. Se eu acho que o UFC vai ter boa vontade para dar essa luta para o Charles? Duvido. Mas é o justo no momento.

TONY FERGUSON VS. MICHAEL CHANDLER

Parece que “El Cucuy” está em decadência. Tony Ferguson foi campeão interino, conquistou uma das maiores sequências de vitórias no evento, foi marcado inúmeras vezes contra Khabib Nurmagomedov – nunca veremos uma luta entre eles -, só que, agora, aparentemente pode-se falar que seu nível deu uma caída. Isso ainda não afeta em nada a tendência do americano fazer parte de duelos movimentados e de ser favorito dos fãs, mas é plausível afirmar que Ferguson agora está bem mais distante de uma chance pelo ouro da categoria.

Outro que já teve melhores momentos e que, na minha opinião, chega tarde ao UFC é Michael Chandler. Um dos maiores da história do Bellator, Chandler veio e já foi alçado ao posto de substituto da luta entre Khabib e Poirier, mostrando que a organização o respeita bastante e está disposto a dar já um top 5 para ele. Pessoalmente imagino que Chandler irá enfrentar um lutador mais atrás inicialmente, porém não dá para resistir a possibilidade de termos Ferguson vs. Chandler, e é necessário fazermos essa peleja enquanto ainda seja possível.

KEVIN HOLLAND VS. VENCEDOR DE GASTELUM/HEINISCH

O ano de 2020 foi horrível para praticamente todos nós, porém, profissionalmente, para Kevin Holland foi um ótimo ano. Cria bem sucedida do Contender Series, Holland acumulou o maior nome de sua carreira até o momento, batendo a lenda Ronaldo Jacaré por nocaute ainda no primeiro assalto. Foram cinco pelejas, todas com resultado positivo para o americano, a maior sequência do líder do mercado no ano.

Todo esse crescimento certamente garante um lugar para Holland no ranking da categoria e tranquilamente o garantirá um confronto interessante. Kelvin Gastelum, que vem em má fase, enfrentará no final do mês que vem o 14º do ranking, Ian Heinisch. Acredito que o vencedor dessa luta – principalmente se for Gastelum -, é um oponente razoável para Holland no momento e garantirá um combate animado.

CYRIL GANÉ VS. VENCEDOR DE OVEREEM/VOLKOV

Um dos principais prospectos da categoria, o francês Cyril Gané também adicionou um nome de impacto em seu cartel, ao vencer o ex-campeão Junior Cigano. Gané iniciou com um pouco de cautela, chutando bastante, mas logo atordoou o brasileiro com um jab e definiu a fatura com uma violenta cotovelada no clinch, desmontando Cigano e assegurando a interrupção. Cyril segue invicto no evento e fica perto do top 5.

Para se firmar como um dos principais atletas da categoria dos pesados, é necessário assegurar mais uma vitória sobre um dos melhores. O duelo entre Alistair Overeem e Alexander Volkov acontecerá em breve, com o vencedor cabendo como um possível oponente de Gané. Apostariam no francês contra algum dos dois?

JUNIOR CIGANO VS. ANDREI ARLOVSKI

Chega o momento em que é preciso repensar a continuidade da carreira. É de total conhecimento que Junior Cigano acumulou muito dano na carreira, com as surras aplicadas por Cain Velasquez sendo fator de destaque, além de outros violentos nocautes posteriores, como o de sábado. Tecnicamente, Cigano continuará no UFC muito facilmente, pois é acima da média, com total capacidade para derrotar a grande quantia de barangas presentes nessa divisão. Só que a resistência não é mais a mesma, e ainda há o anúncio de que o UFC cortará cerca de 60 atletas, podendo o brasileiro ser um deles pelo custo e pela pouca entrega de resultados, amargando quatro reveses seguidos.

Se seguir no evento é melhor dar alguns passos para trás. Andrei Arlovski veio atuando como porteiro e venceu alguns lutadores desranqueados por aí, sem empolgar. Inacreditavelmente, Cigano e Arlovski nunca se enfrentaram durante todo esse tempo em que ambos estão no evento. É a chance de fazer algo inédito e com certa relevância em termos de nomes.

TECIA TORRES VS. CLAUDIA GADELHA

Um dínamo. É essa a definição de Tecia Torres. Sobra energia para a “Tiny Tornado”, que aproveitou que Sam Hughes entrou de última hora – e o fato de que tem nível limitado -, para aplicar uma clínica na trocação e fazer com que a luta fosse interrompida pelo médico após o fim do primeiro assalto. Torres mostrou ampla variedade em pé, não deu chance nenhuma para adversária e agora se coloca novamente para desafios maiores.

Sabe outro combate que nunca aconteceu? Tecia Torres enfrentando Claudinha Gadelha. A brasileira foi superada pela ótima Xiaonan Yan – que também tem Torres no cartel – em sua última luta. Espanta nunca ter sido marcado um duelo entre as duas veteranas, podendo este ser um momento adequado pela situação das duas na tabela.

Confira sugestões de lutas para os demais envolvidos no UFC 256:

Mackenzie Dern vs. Michelle Waterson
Virna Jandiroba vs. Livinha Souza
Ronaldo Jacaré vs. Edmen Shahbazyan
Cub Swanson vs. Dan Ige
Daniel Pineda vs. Andre Fili
Rafael Fiziev vs. Alexander Hernandez
Renato Moicano vs. David Teymur
Gavin Tucker vs. Jeremy Stephens
Billy Quarantillo vs. Youseff Zalal
Sam Hughes vs. Gloria de Paula
Chase Hooper vs. Josh Culibao
Peter Barrett vs. demissão

Foto: UFC/Divulgação