MMA Brasil Matchmaker: Lutas a casar após o card principal do UFC 205

Como o UFC 205 foi gigante, dividimos a coluna de matchmaking em duas. Nesta, mostramos os próximos passos para os lutadores que disputaram o card principal.

Pela primeira vez desde o UFC 33, realizado em 2001, um evento do UFC contou com três disputas de cinturão. O histórico UFC 205 foi liderado pela tentativa de Conor McGregor de tentar se tornar o primeiro detentor do título de duas categorias simultaneamente ao enfrentar o campeão dos leves Eddie Alvarez.

LEIA MAIS Do UFC 205 para a imortalidade: Conor McGregor é o primeiro a conquistar dois cinturões ao mesmo tempo

Nas outras lutas por título, Tyron Woodley realizou sua primeira defesa do cinturão dos meios-médios contra Stephen Thompson e Joanna Jedrzejczyk encarou a compatriota Karolina Kowalkiewicz pela coroa das palhas. Além disso, Chris Weidman duelou com Yoel Romero em um combate chave na categoria dos médios e Miesha Tate fez sua primeira aparição após perder a coroa das galos no UFC 200 ao enfrentar Raquel Pennington, que era parte de seu time no TUF 18.

Agora, após analisarmos os atletas do card preliminar, chega a hora de incorporar o matchmaker interno e analisar o que o futuro reserva aos envolvidos nos combates da porção principal do evento de sábado.

Conor McGregor contra Tony Ferguson

E a história foi feita. O maior vendedor de todos os tempos do MMA agora tem um feito esportivo igualmente único. Após aplicar um passeio no primeiro round, com diversos knockdowns, o campeão dos penas Conor McGregor se tornou também o campeão dos leves no segundo assalto, ao nocautear Eddie Alvarez, o que fez dele o primeiro a possuir simultaneamente dois cinturões no UFC.

Agora, o que resta saber é se o irlandês vai abrir mão de algum de seus títulos ou se ficará defendendo os dois. A expectativa é que McGregor fique em definitivo na divisão dos leves. Dessa forma, seu próxima adversário deve ser Tony Ferguson ou Khabib Nurmagomedov, já que ambos estão em enormes sequências de nove e oito vitórias no UFC respectivamente. A opção aqui é por premiar a regularidade com que Ferguson se apresenta no octógono, mas o russo é igualmente merecedor. No entanto, não se espantem se Nate Diaz pintar por aí…

Eddie Alvarez contra Michael Johnson

A primeira defesa de cinturão de Eddie Alvarez não correu conforme ele esperava e, apenas pela segunda vez em sua carreira, ele foi nocauteado. Isso se deu após um amplo domínio de Conor McGregor, que tomou seu título dos leves. Com isso, é hora de Alvarez retomar sua escalada e, assim, a sugestão é por um confronto com Michael Johnson, que foi massacrado por Khabib Nurmagomedov no card preliminar do evento.

Outra opção: Nate Diaz.

Tyron Woodley contra Stephen Thompson

O combate coprincipal da noite trouxe a disputa entre Tyron Woodley e Stephen Thompson pelo cinturão dos meios-médios. Em um duelo tenso, que foi bonificado como o melhor da noite, Woodley manteve seu cinturão de uma maneira pouco usual, um empate majoritário, com dois juízes marcando duas parciais, sendo um 10-8, para ele e três rounds para o desafiante, enquanto o outro anotou vitória para o campeão.

Empate já é um resultado raro no MMA. Em disputas de cinturão, ele se torna ainda mais incomum, só tendo acontecido outras duas vezes. Na primeira delas, BJ Penn ficou na igualdade contra Caol Uno e, como a disputa era pelo título vago, ninguém saiu como campeão. Já na segunda, Frankie Edgar e Gray Maynard chegaram a um impasse numa luta fantástica e Maynard teve direito a uma revanche imediata. Infelizmente para Demian Maia, tendo esse pequeno histórico como evidência, Woodley e Thompson devem se enfrentar novamente em seus próximos compromissos.

Joanna Jedrzejczyk contra Jéssica Bate-Estaca

Pela quarta vez, Joanna Jedrzejczyk defendeu o cinturão das pesos palhas ao superar a também polonesa Karolina Kowalkiewicz em um movimentado duelo que abriu a sessão de lutas por título do evento. Apesar do placar de 49 a 46 apontado por todos os juízes, o duelo não foi fácil para a campeã, tendo inclusive sofrido uma dura sequência da desafiante no momento mais contundente do combate. No entanto, Joanna logo se recuperou e voltou ao controle das ações.

O próximo passo para Jedrzejczyk deve ser esperar a categoria se desenvolver um pouco, uma vez que não existe nenhuma oponente claramente dona do posto de desafiante. Para não ficar sem escolher um nome, vamos com a brasileira Jéssica Bate-Estaca, que conseguiu duas belas vitórias sobre Jessica Penne e Joanne Calderwood desde que baixou para o peso palha. No entanto, a sugestão preferida é pelo casamento de um confronto entre Bate-Estaca e a ex-campeã Carla Esparza em uma eliminatória.

Karolina Kowalkiewicz contra Maryna Moroz

Por mais que tenha saído derrotada do UFC 205, Karolina Kowalkiewicz fez uma apresentação de respeito e entregou um complicado confronto para a dominante campeã Joanna Jedrzejczyk em uma decisão unânime. Este resultado consolida Karolina como uma top 5 da divisão e seu caminho para uma nova disputa de cinturão não deve ser muito longo, tendo em vista sua posição no ranking e a falta de desafiantes. Para recomeçar sua caminhada, a opção aqui é por um embate com Maryna Moroz.

Yoel Romero contra Michael Bisping

Em mais um lampejo de genialidade em um terceiro round, Yoel Romero chegou em sua oitava vitória no UFC e conquistou o maior triunfo de sua carreira ao nocautear o ex-campeão dos médios Chris Weidman com uma violenta joelhada. Isso garante ao cubano o posto de próximo desafiante de Michael Bisping, uma vez que já superou dois adversários no top 5 e tem a maior sequência de resultados positivos na divisão.

Chris Weidman contra o vencedor de Rashad Evans – Tim Kennedy

Pela segunda vez consecutiva, Chris Weidman saiu nocauteado do octógono. Após um bom primeiro round, viu Yoel Romero crescer ao longo do combate, levar o segundo e acertar uma incrível joelhada no começo do terceiro, que abriu um enorme corte na testa do americano. Assim, é hora de dar um passo atrás e enfrentar concorrência fora do top 5 da divisão dos médios. Para tal, o ex-campeão pode ser casado com o vencedor do embate entre Rashad Evans e Tim Kennedy, que deveria ter acontecido nesse último sábado, mas foi reagendado para o UFC 206 por conta de problemas de saúde de Rashad.

Raquel Pennington contra Julianna Peña

Naquele que foi apenas o segundo confronto entre um participante de TUF com seu treinador na temporada, Raquel Pennington conquistou a maior vitória de sua carreira ao superar Miesha Tate em decisão unânime na luta que abriu o card principal. Isto leva Pennington à quarta vitória consecutiva e a uma posição nos arredores do top 5 da divisão das galos e seu próximo compromisso já deve ser um que a coloque perto de uma disputa de cinturão. Pensando nisso, a sugestão é por um combate com a campeã da temporada do TUF da qual participou, Julianna Peña, que está invicta em quatro aparições no octógono.

Outras opções: Valentina Shevchenko ou Liz Carmouche

Miesha Tate se aposentou dentro do octógono

Depois de ser derrotada por Raquel Pennington, sua ex-pupila no TUF 18, Miesha Tate declarou em sua entrevista pós-luta a intenção de se aposentar. Com isso, uma dos maiores atletas da história do MMA feminino encerra sua carreira tendo conquistado cinturões no Strikeforce e do UFC e deixará os fãs saudosos.

E aí? Curtiram os casamentos? Deixem suas sugestões nos comentários.