Max Holloway brutaliza José Aldo, silencia arena e unifica o cinturão dos penas no UFC 212

Com uma atuação magnífica, Max Holloway derruba José Aldo perante seus compatriotas e unifica o cinturão do peso pena na luta principal do UFC 212.

O peso pena do UFC volta a ter um campeão linear unificado. Na noite deste sábado, na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro, Max Holloway nocauteou José Aldo na maior atuação de sua carreira, diante do maior público do UFC na capital fluminense.

LEIA MAIS Preliminares do UFC 212: Raphael Assunção vence decisão controversa na estreia de Marlon Moraes

A capacidade de retaliação de Aldo deu o tom do primeiro round. Como Holloway demorou a apertar o ritmo, facilitou o trabalho de contragolpes do campeão linear. Com ataques esporádicos e sem sequência, Holloway era acertado sempre que tentava invadir o raio de ação do brasileiro. Faltavam velocidade e volume. Vieram em seguida.

O cenário mudou no segundo assalto graças à capacidade de adaptação de Holloway. O havaiano encontrou sua distância e seu ritmo, ajudado pela postura do brasileiro. Aldo decidiu boxear usando o pivô, diminuindo sua área de circulação. De quebra, não tentou chutar nem derrubar. Holloway então acertou combinações de socos, muitas vezes com quatro ou cinco golpes. A confiança foi aumentando até chegar a imitar os irmãos Diaz, com direito a Stockton slaps e braços abertos. Luta empatada.

Nada mudou no terceiro. Na verdade, o quadro do parágrafo anterior foi somente se acentuando. Conforme Holloway crescia, Aldo não fazia menção de sair da armadilha que ele se meteu. Com uma combinação limpa de dois diretos e dois cruzados, o havaiano mandou o brasileiro a knockdown. Começou aí a selvageria no ground and pound. Max foi inteligente ao evitar o trabalho de guarda de Aldo, movimentando-se por cima enquanto socava para baixo. De tanto apanhar, Aldo foi arrefecendo. McCarthy conversou com o brasileiro até que viu a total falta de defesa de Aldo. O nocaute técnico aconteceu na marca de 4:13.

Esta foi a 11ª vitória consecutiva de Holloway, que igualou a marca de Royce Gracie, atrás apenas de Anderson Silva (16), Jon Jones (13), Georges St. Pierre e Demetrious Johnson (12). Frankie Edgar agora aponta como o provável primeiro desafiante do monstro havaiano.

Claudia Gadelha tem trabalho fácil contra Karolina Kowalkiewicz

A expectativa era de disputa ferrenha, mas Karolina Kowalkiewicz nem deu para a saída. Claudia Gadelha mostrou que MMA é multidisciplinar e finalizou a polonesa no primeiro round.

Era claro que Kowalkiewicz queria a luta na longa distância. Socos retos trataram de manter Claudinha longe, ainda que fossem golpes no vento. Quando a polonesa dava sinais de que iria se soltar, Gadelha rapidamente a bloqueou, derrubou, caiu por cima e pegou as costas. Não tinha como ser diferente: mata-leão encaixado, uma breve tentativa de defesa e os tapinhas redentores. Foram necessários apenas 3:03 para que a brasileira provasse que ela é a número dois destacada no peso palha.

Vitor Belfort vence a primeira por decisão depois de 10 anos

Com lapsos do velho leão, Vitor Belfort mostrou alguns frutos dos treinos da Tristar Gym contra Nate Marquardt. Ainda assim, não deveria ser suficiente para vencer, mas estamos em terras da CABMMA.

Marquardt mostrou que estudou o adversário quando não pestanejou para chegar ao clinch, derrubar e cair por cima da guarda de Belfort. O americano trabalhava algum ground and pound quando o árbitro Osiris Maia foi camarada com o brasileiro e mandou a luta voltar ao centro, de pé. A partir dali, quase nada aconteceu, garantindo o primeiro 10-9 para Marquardt.

O segundo round teve dois momentos distintos. Na primeira metade, Belfort emplacou uma explosão de socos e pressionou Marquardt contra a grade. Punhos voaram, duas joelhadas acertaram a guarda do americano, mas o carioca não conseguiu o nocaute – até mesmo porque muito do ataque parou no bloqueio de Marquardt. Pior do que isso, Vitor viu seu gás esvair. Assim, a segunda metade foi dominada por Marquardt, que levou menos perigo, mas foi mais constante, acertando bons socos que tiraram sangue do supercílio do rival. Pelo maior tempo de domínio, Marquardt ampliou sua vantagem.

O panorama seguiu parecido na abertura da última parcial. Por um lado, Belfort parecia cansado. Por outro, dava a impressão de estar guardando as últimas energias para decidir a parada. Como Marquardt também estava cansado, o ex-campeão dos meios-pesados foi capaz de arriscar algumas combinações, lançar dois ou três chutes altos e garantir o 10-9. Na contagem oficial, os três juízes foram na direção contrária do MMA Brasil ao concederem um triplo 29-28 para o brasileiro.

Paulo Borrachinha nocauteia Oluwale Bamgbose depois de pancadaria frenética

Tudo conforme previsto no duelo entre Paulo Borrachinha e Oluwale Bamgbose. Agressividade em alta, defesa em baixa, gás curto, público alucinado. Melhor para o brasileiro, que manteve a invencibilidade.

Foi Bamgbose quem começou apertando o ritmo, lançando golpes duros contra o brasileiro. Obviamente isso acendeu o espírito psicopata de Borrachinha e o confronto tomou contornos anárquicos. Paulo tomou a dianteira quando imprimiu verdadeiro massacre contra a linha de cintura do nigeriano. Com tanta volúpía, era esperado que ambos caíssem de rendimento, o que favoreceu o jogo de quedas de Bamgbose no fim da parcial. Ainda assim, 10-9 claro para Borrachinha.

Quando voltaram para a segunda etapa, ambos estavam devendo na praça do condicionamento físico, mas o africano estava visivelmente pior. Num lance que beirou o ridículo, Bamgbose, provavelmente com problemas para enviar oxigênio para o cérebro, tentou um chute parecido com nada. O golpe se chocou nas costas de Borrachinha e Oluwale foi ao chão. Como estava morto, sequer teve condições de plantar guarda debaixo da chuva de socos que caiu sobre sua cabeça. O árbitro “Big” John McCarthy interrompeu corretamente na marca de 1:06.

Yancy Medeiros nocauteia Erick Silva em mais uma barbeiragem de Eduardo Herdy

O patrono da categoria Árbitro do Ano no Baranga Awards aprontou mais uma. O árbitro central Eduardo Herdy interrompeu o combate que vinha sendo o melhor do UFC 212 até então, garantindo uma vitória por nocaute de Yancy Medeiros sobre Erick Silva.

O duelo começou em alta intensidade sem que fosse preciso baixar o nível técnico. Medeiros iniciou pressionando Silva e conseguiu um duro knockdown. No entanto, Erick se recuperou e paulatinamente cresceu de produção, trabalhando forte contra o corpo do havaiano. Mesmo com a queda, o brasileiro venceu o primeiro round.

Erick pareceu ter mapeado bem a movimentação de Medeiros. Com um bom sistema defensivo, o capixaba ora atuava como contragolpeador, ora como agressor no segundo assalto. Quando a luta parecia à sua feição, Medeiros encontrou seu queixo com um gancho. Erick foi a knockdown novamente, mas estava se defendendo quando Eduardo Herdy se precipitou e interrompeu a luta na marca de 2:01 do segundo round. A interrupção foi tão ruim que o próprio Medeiros criticou na entrevista pós-luta.

  • James sousa

    Aldo aceitou de mais o jogo do Holoway sentir falta dos chutes dele
    Claudinha mostrou que entre ela Joanna e o resto da divisão a grande distancia
    discordei do resultado da luta do Raphael vs Marlon principalmente do 30-27 só uma pessoa deu para o Raphael no mma decisions

    • Marcos E

      É verdade, com relação à Claudinha x Joanna e o resto da divisão. Se casarmos a gadelha com Tecia Torres, Namajunas, ou Jessica Andrade, vemos que são todos combates muito interessantes. Mas, provavelmente, a Claudinha ganha de todas. Ainda assim, são todas lutas bacanas. Gadelha x Andrade seria a luta que mais chama a minha atenção, no caso. Essa categoria ainda vai render.

  • Alan Freire

    Holloway monstro..Será que o Edgar finalmente conquistará o trono dos penas?

    • Anderson Cachapuz

      I think so!

  • Anderson Cachapuz

    Não entendi o Aldo hoje…

    • IMPERADOR

      Aldo saiu do MMA quando lhe foi negada a revanche contra Conor.
      De la pra ca sua vida e, consequentemente, sua cabeça saíram do MMA e ele so esta la por forca do contrato que ele não pode romper.
      Pensou ate em ser jogador de futebol.

      Plano de luta lamentável tb…
      As quedas e o jiu Jitsu tinham que ter aparecido.

  • Patrick Bitencourt

    Só assisti a luta do Aldo.Achei estranho o fato de ele não ter usado low kicks nessa luta mas parece que o maior problema foi o cansaço mesmo.Do segundo round em diante os golpes retos do Max começaram a entrar e o cara tem um volume de golpes enorme,combinações de 4,5 socos,movimentação lateral e esquivas rápidas,e o Aldo interrompeu seu deslocamento de defesa
    para clinchar e separar.Enfim,bela apresentação do havaiano,vitória incontestável.

    • Sexto Empírico

      Low kicks funcionam melhor contra lutadores de menor envergadura, que querem encurtar. Holloway usa bem a distância, fatalmente acharia o tempo dos chutes e faria o Aldo comer sequências de jab direto. Aldo, com certeza, sabia disso. Da mesma forma q ele não usou contra o Edgar, pois sabia q esse tinha wrestling e ground-n-pound pra fazer até pior do q o Holloway fez hoje.

      • IMPERADOR

        Exatamente.
        Em tempo: Holloway e maior e tem envergadura menor que a do Aldo.
        Mas, e extremamente agressivo e habilidoso com os punhos. Low kids seriam fatais para o Aldo.

  • Sexto Empírico

    Melhor desse UFC com cara de FN:

    Holloway
    Quando um lutador exige respeito (estou dizendo no ambiente profissional deles: promoção e a luta em si) e vc o faz, na verdade vc está entrando sem saber no jogo mental do seu adversário. Quando vc responde: “lixe-se. Vou atormentar sua vida e quebrar sua cara”, vc está tirando ele de sua zona de conforto. Assim fizeram Conor e Holloway, este q levantou os braços e deu um tapa na cara do brasileiro, revertendo uma vantagem psicológica e começando a virar a luta. Claro q tem a parte técnica e física. Mas vc só a desenvolve por completo estando a vontade e não cumprindo a “ordem” do adversário para respeita-lo, isso é, não o desconcentrar. Max foi brilhante e mereceu a vitória. Quanto ao Aldo, faz algum tempo q tenho dúvidas se ele ainda quer. Mas falo daquele QUERER que só os campeões sentem.

    Gadelha
    Sabia q ela era melhor, mas não que iria ser tão fácil.

    Borrachinha
    Esse cara é agressivo e forte, hein. Parece meio-pesado. Mas é brucutu. Tem q melhorar a técnica.

    Pior

    Juizada:
    Yamasaki, novamente, querendo deixar um morrer.
    Herdy, meu deus… O Erick ainda aguentava apanhar mais pouco.
    Big Jonh, não pela atuação, mas é q ele tem o DOM de ficar na frente da imagem. Parece minha mãe e minha vó q não paravam de ficar na frente da televisão. Final de campeonato então, parecia q as véia se multiplicavam. À luta do Borrachinha, tivemos que assistir praticamente pela câmera do teto.

    Marajó: mereceu perder pela pose mala de jogador do Santos recém promovido do juvenil.

  • Marcos E

    Aldo x Holloway: nos dois primeiros rounds eu vi uma leve vantagem para o brasileiro. Achei que a provocação do Holloway no final do segundo, por mais que tenha sido engraçada, não ajudou. O Aldo acertou umas boas ali. No entanto, nessa altura da luta, o havaiano já tinha o mapa da mina, mas talvez não soubesse disso. Era o intervalo para o terceiro, quando o corner do Max deu a letra “quando acertar, aumenta o volume tap-tap. tap-tap. tap-tap” (com essa onomatopéia mesmo). Disciplinado, o campeão fez isso. Com o timing de José Aldo decifrado, quando teve a chance, Max Holloway aumentou o volume sem temer um contra-golpe e mandou o brasileiro à knockdown, foi tap-tap. tap-tap. Num desses taps, o Aldo caiu.

    • Fernando Cruz

      O Aldo soltou muitos golpes na guarda e no vazio. Do meio para o final do 2° round, o brasileiro já demonstrava cansaço.

      A derrota foi dura, mas acho que o Aldo perdeu sem usar todas as armas que tem. Numa possível revanche, se esta acontecer, o brasileiro terá alguma chance. Não será favorito, mas terá alguma chance.

  • Fernando Cruz

    Perrgunta importante: e agora, quem será o poster boy do Brasil diante do público ‘médio’ / leigo nacional? Aldo, caiu e há dúvidas sobre sua vontade de seguir lutando. O Spider já é considerado um “aposentado em atividade”. Não será mais campeão. Vitor, idem. Cigano, não tem mais condições orgânicas de ser um campeão dominante. Werdum, é um lutador na casa dos 40. Jacaré, Edson Barbosa, Dos Anjos, Lineker, Thominhas e cia, lutadores desconhecidos e sem pespectivas de serem campeões no curto ou médio prazo. Resta a Amandinha Nunes, única detentora de cinturão. Todavia, já há haterismo em cima da Leõa por esta ser uma mulher no mundo das lutas, homossexual, masculina (politicamente correto falando, não-feminina) e que venceu a loira queridinha Ronda Rousey. Será que o MMA no Brasil vai sofrer forte retração ao ponto de se tornar um “Tênis” pós era Guga ?

    • Marcos E

      Acho que as coisas vão continuar iguais.Tenho a impressão que o MMA não vai retrair no Brasil, seu público já está identificado e há uma tradição no esporte desde a época dos VHS do Royce Gracie nos primeiros UFCs.

      Não acho que Amanda Nunes sofra tanto com haters pelo fato de ser gay, uma vez que uma lutadora homossexual é um reforço de estereótipo aceitável pelo grande público. Há uma comunidade gay que inclusive a apóia bastante e isso é louvável. Vai ser um verdadeiro desafio quando um lutador homem, homossexual, virar campeão e assumir publicamente. Quando isso acontecer, aí sim vamos ver o que é haterismo.

      • Fernando Cruz

        Boas ponderações. Meu temor é que os eventos realizados aqui percam apelo junto ao público médio, não ao fã hardcore. Quem comprou ingresso para ao UFC 212 foi para ver o ‘campeão do povo’ defender seu cinturão em casa contra um gringo qualquer. Temo que sem um cinturão a ser disputado, as pessoas não se motivem mais a comprar um ingresso. Ou até mesmo a dar sua audiência ao canal combate. Quando a Amanda, você precisava ver a quantidade de haterismo no Twitter em cima dela quando ela venceu a Ronda. Espero que tenha sido “apenas” porque ela venceu a queridinha do público médio, Ronda Rousey. Mas o problema mesmo é que a Leõa não é popular (ainda) nem identificada com o Brasil como o Aldo é. Até porque o Aldo treina e luta no Rio. O canal Combate vai ter muita dificuldade em promovê-la .

  • Gustavo krt

    Eu odeio Victor e queria q ele perdesse…mas acho que o placar foi muito justo. Ele venceu round 2 e 3 com clareza.

    • Sexto Empírico

      O loko! Também não tenho simpatia pelo cara, mas odiar é muito forte. Tudo bem q o Belfort não se ajuda muito e tem umas manias esquisitas, como: mastigar e chupar um pano enquanto fala com o Dana (precisava ver a cara do careca), frases de auto-ajuda e sermões fora de hora e lugar, cabelo estranho, usava bomba e queria dar lições de honestidade, aparece do nada com um cachorro pra deficiente físico – achei q ele fosse levar o cão pro 8. Enfim, cada hora ele aparece com uma mania fora de padrão. Além de tudo isso, dessa vez até torci por ele.

      • Gustavo krt

        Kkkk! Pois é cara eu tenho um sentimento ruim contra ele!! Não consigo torcer a favor.

      • Marco Aurélio

        “achei q ele fosse levar o cão pro 8”
        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Marcio Rodrigues

      Belfort tem que, no minimo, pagar uma cervejada pro Osiris Maia. Meu palpite era que o Marquardt usaria o wrestling, derrubaria, montaria e aí ja sabemos final…Juizão ganhou a luta pro Pastor.

  • Hudson Paulo Dias

    Achei que o Aldo morreu no gás. Não por estar mal preparado, mas pelo fato do Holloway ter colocado mt pressão. O volume do Holloway é brabo demais. E é um ciclo natural, sempre vai ter um leão mais jovem faminto pelo seu lugar no trono.

  • Idonaldo Gomes Assis Filho

    Belfort vai fazer mais 5 lutas, tá doido demais… aliás a Claudia atropelou a coitada da Kowalkiewicz, eu fiquei com dó dela quando parece q ela começou a chorar, e o Erick Silva tá foda em, não passa uma luta sem tomar knockdown, já virou piada para os fãs brasileiros, logo vai ser demitido

  • Weslei Alvarenga

    Até que enfim uma luta dígina de cinturão ( em questão de competitividade ) esse ano, lutaço !

    Vou parecer muito engenheiro de obra pronta, mas não estou surpreso com o resultado, eu até apostava no Holloway. O cenário que imaginei era o americano aumentando o ritmo a partir da metade do 1R e não parar mais ( mas aí dava possibilidade pro Aldo capitalizar e definir a luta ). Pensava que ele ganharia na decisão, mas ele foi muito inteligente sabendo que o brasileiro iria ter a postura de contra-golpeador e dosou o seu impeto e atacando na hora certa e quando o manauara atacava, mesmo perdendo o 1R ele pegou o game plan e timing do combate e começou a emparelhar e dominar a luta. Méritos totais pro Max, atuação do krl e o José lutou bem, mas o havaiano chegou a tal ponto em sua performance que o até então campeão linear ficou impossibilitado de mandar low kicks porque já estava marcado ( a base dele estava engatilhada pra isso acontecer ).

    Gadelha se tornou definitivamente a porteira pro título, selo Benavidez de qualidade. E na moral, da muito aperto no coração ver a polonesa triste, ela é tão fofa !

  • Marcos Henrique Lira

    O evento foi legal com lutas interessantes. Porem serviu para algumas conclusões. Eric Silva, marajo, jhony Eduardo tão de brincadeira né! Que atuações desastrosas. Belfort e outro que não quer largar o osso, agora vai começar fazer lutas monótonas pra não ser nocauteado? Rafael assunção que lutador chato de assistir, nunca vai disputar o cinturão da categoria se continuar lutando dessa forma. Sou muito fã do Aldo, mas creio eu q o irlandês o afetou de uma forma que ele nunca mais será o mesmo. Gostei do borrachinha e da gadelha.
    Fica uma a pergunta: Kd nossas peças de reposição? Precisamos de renovação dos nossos lutadores.

    • Sexto Empírico

      O primeiro problema do Aldo é motivação. Ele ainda é muito jovem, 30, idade q muitos lutadores estão amadurecendo e chegando ao topo. O talento ainda está nele, mas sem aquele sangue no zóio, se torna um lutador bom, mas comum e não consegue chegar mais lá.
      As peças de reposição aparecem, não se preocupe. Daqui a pouco, um ou dois anos, serão outros campeões e sempre terá um brasuca pra pegar uma ponta. Temos é q parar de pensar que somos os melhores e um dia dominaremos tudo. Isso é bullshit. Melhor relaxar, curtir as lutas e deixar a torcida apenas como um tempero. O MMA é maior q essas idolatrias pra quem sabe curtir.

      • Marcos Henrique Lira

        Vc fala as coisa como se fosse fluir naturalmente. Não penso dessa forma e tbm não estou preocupado. Só penso que infelizmente estamos perdendo espaço para os europeus e americanos, devido a falta de investimento no esporte q foi nos q o inventamos. O que eu vejo é uma intersafra de lutadores que não estão nem perto do nível que os nossos principais lutadores q agora estão em fim carreira. Não tô generalizando. Mas infelizmente não vejo nenhum Neymar no mma de hoje. Vejo alguns lutadores com potencial para se tornar muito bom. Mas nenhum fora de série.
        Enquanto a Aldo na minha opinião a falta de motivação dele se chama connor macgregor .

        • Sexto Empírico

          Acho q flui naturalmente sim. Nunca houve tanta gente treinando MMA como hj. Os brasileiros estão abrindo a mente, fazendo intercâmbio em outros países. Os atletas estão sendo melhor pagos, apesar de longe do justo ainda. Está melhor. É claro q a concorrência também tá maior. Mas o BR ainda está forte no jogo.
          Com certeza, ter perdido pro McGregor, depois de tudo e daquela fora, foi um trauma q o Aldo parece não ter superado.

  • Felipe Tavares

    brasucas indo de vez para o buraco depois de apertaram no antidoping. E os gringos nao usam? É lógico q usam, mas só irião descobrir lá em 2022, a exemplo d q vimos em 2016 sobre as olimpiadas de 2008. Ser subdesenvolvido implica vc sempre estar, no mínimo, um degrau atrasado. No caso brasileiro, estamos um andar atrasado…

    Lutador de mma brasileiro q tem o jj como background é certeza q toma. Basta visitar as competições amadoras, que é o primeiro filtro. Pode até ter um iluminado q passe limpo, mas na hora q afunila nos tops, com equilíbrio técnico, a parte física faz mta diferença.

    • Rafael Maia

      Cara, o Borrachinha tem um físico que não condiz com a realidade atual do MMA. Acho que daqui um tempo ele vai aparecer nas notícias…

      Mas não concordo com esse papo de “ser subdesenvolvido”… isso é complexo de vira-lata…

  • Munn Rá : O de Vida Eterna

    Karolina Kowalkiewicz VS Claudia Gadelha : Decepcionante a luta porque as duas eram parelhas mas a vitória da brasileira foi fácil demais

    Vitor Belfort VS Nate Marquardt : Apenas uma opinião Belfort ganhou mas para mim poderia ter sido qualquer um portanto acho que foram ” bonzinhos ” com Belfot

    Max Holloway VS José Aldo : A luta até estava equlibrada mas quando os socos do Max entraram JÁ ERA e Aldo ficou totalmente a mercê

  • Beto Magnun
    • Sexto Empírico

      4 lendas – Jones, Anderson, GSP e Aldo. Ainda é muito recente, mas, com certeza a nostalgia vai bater forte e vamos nos lembrar com orgulho, daqui a dez anos, que presenciamos a ascensão, domínio e queda desses mitos.

  • Rafael Maia

    Cara, achei muito estranho a forma como o Aldo perdeu… o forte do Aldo sempre foi a inteligencia de luta e manter a luta onde ele fica confortável…
    Ele poderia chutar, levar a luta pro chão, sei lá… não seria certeza de vitória, mas seria alguma coisa… Ele nem tentou, isso que é estranho!

    • Beto Magnun

      Aldo não teve distância pra poder chutar em nenhum momento. Contra lutadores mais baixos é fácil…

  • Gustavo krt

    Acho q Aldo teve muitos problemas pq ele colocou muita força e intensidade nos golpes. Ele tradicionalmente é um cara q cansa e abaixa o rendimento geralmente pelo fim do round 3…ele parecia buscar muito o nocaute…eu acho q isso fez o gás dele ir embora mais rápido. Tanto q no final do segundo round ele já estava de boca aberta e com movimentos desleixados.

  • Gustavo krt

    Inclusive eu vi entrevista​ do Holloway falando que percebeu o Aldo pondo muita força nos golpes e que esperava que ele ia cair de ritimo.